Gestão Familiar como Fator de Influência no Nível de Disclosure de Ativos Intangíveis Outros Idiomas

ID:
48930
Resumo:
O objetivo principal deste estudo é discutir as diferenças nos níveis de evidenciação dos ativos intangíveis entre as empresas familiares e não familiares listadas na BM&FBovespa, diante da obrigatoriedade da aplicação do Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) – Ativos Intangíveis. Foram identificadas as entidades cujo controle fosse familiar por meio da análise do Formulário de Referência de todas as 525 empresas listadas na BM&FBovespa. Na sequência, procedeuse à análise de seus Balanços Patrimoniais e Notas Explicativas para a construção do índice de aderência ao CPC 04 (R1), por meio do checklist estruturado na pesquisa de Avelino, Pinheiro e Lamounier (2012). Os dados coletados foram analisados por meio da estatística descritiva e inferencial com o auxílio do software Stata. Foi formulada a hipótese de que o nível de disclosure dos ativos intangíveis das empresas familiares é menor quando comparado ao das companhias não familiares. A partir dos resultados encontrados, não se pôde rejeitar a hipótese nula deste estudo, verificando que não há diferenças significativas entre os níveis de disclosure das entidades dos dois segmentos analisados. Entretanto, foram encontradas diferenças estatisticamente relevantes nos níveis de divulgação que dizem respeito aos gastos com pesquisa e desenvolvimento reconhecidos como despesas.
Citação ABNT:
SIMIL, A. S.; CAMPOS, O. V.; CUNHA, J. V. A.; CASTRO, M. C. C. S. Gestão Familiar como Fator de Influência no Nível de Disclosure de Ativos Intangíveis. Contexto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da UFRGS, v. 17, n. 35, p. 4-18, 2017.
Citação APA:
Simil, A. S., Campos, O. V., Cunha, J. V. A., & Castro, M. C. C. S. (2017). Gestão Familiar como Fator de Influência no Nível de Disclosure de Ativos Intangíveis. Contexto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da UFRGS, 17(35), 4-18.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48930/gestao-familiar-como-fator-de-influencia-no-nivel-de-disclosure-de-ativos-intangiveis/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALENCAR, R. C. Nível de disclosure e custo de capital próprio no mercado brasileiro. 2007. 104 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

ALI, A.; CHEN, T.; RADHAKRISHNAN, S. Corporate disclosure by family firms. Journal of Accounting and Economics, v. 44, n. 1-2, p. 238-286, 2007.

AVELINO, B. C.; PINHEIRO, L. E. T.; LAMOUNIER, W. M. Evidenciação de ativos intangíveis: estudo empírico em companhias abertas. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6, n. 14, p. 22-45, 2012.

BOFF, M. L.; BEUREN, I. M.; HEIN, N. Informações recomendadas pelo parecer de orientação nº 15/87 da CVM nos relatórios da administração de empresas familiares de capital aberto. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 6, n. 3, p. 247-257, 2009.

BOFF, M. L. Estratégias de legitimidade organizacional de Lindblom na evidenciação ambiental e social em relatórios da administração de empresas familiares.2007. 160 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2007.

BORNHOLDT, W. Governança na empresa familiar: implementação e prática. São Paulo: Bookman, 2005.

BRAGA, H. R.; ALMEIDA, M. C. Mudanças contábeis na lei societária: Lei n° 11.638, de 29-12-2007. São Paulo: Atlas, 2008.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 6.404 de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações.

BRASIL. Comissão de valores mobiliários. Comunicado de 07 de dezembro de 2009. 2009. .

BRASIL. Comissão de Valores Mobiliários. Deliberação nº 644 de 2 de dezembro de 2010. 2010. Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis sobre ativo intangível. .

BRASIL. Comissão de Valores Mobiliários. Deliberação nº 676 de 13 de dezembro de 2011. 2011. Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da Apresentação das Demonstrações Contábeis. .

BRASIL. Comissão de Valores Mobiliários. Instrução nº 480 de 7 de dezembro de 2009.2009. Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. 2009. .

BRASIL. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1). 2010. .

BRASIL. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1). 2011. .

CARNEIRO, J. E.; LUCA, M. M. M.; OLIVEIRA, M. C. Análise das informações ambientais evidenciadas nas demonstrações financeiras das empresas petroquímicas brasileiras listadas na Bovespa. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 19, n. 3, p. 49-67, 2008.

CAVALCANTE, F.; MISUMI, J. Y.; RUDGE, L. F. Mercado de capitais: o que é, como funciona. 7 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

CHEN, X.; CHEN, S.; CHENG, Q. Do family firms provide more or less voluntary disclosure? Journal of Accounting Research, v. 46, n. 3, p. 499-536, 2008.

COLAUTO, R. D. et al. Evidenciação de ativos intangíveis não adquiridos nos relatórios da administração das companhias listadas nos níveis de governança corporativa da Bovespa. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 20, n. 1, p. 142-169, 2009.

CUNHA, A. G. et al. Evidenciação de ativos intangíveis: um estudo com Empresas Brasileiras. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIAEMGESTÃO E TECNOLOGIA, 7.; 2010, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: SEGET, 2010.

DYER JÚNIOR, W. G. Examining the “family effect” on firm performance. Family Business Review, v. 19, n. 4, p. 253-273, 2006.

DYER JÚNIOR, W. G.; SANCHEZ, M. Current state of family business theory and practice as reflected in family business review 1988-1997. Family Business Review, v. 11, n. 4, p. 287-295, 1998.

DYER JÚNIOR, W. G. The family: the missing variable in organizational research. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 27, n. 4, p. 401-416, 2003.

FALCÃO, E. Divulgação em demonstrações financeiras de companhias abertas. Caderno de Estudos, n. 12, p. 1-13, 1995.

FLORIANI, O. P. Perpetuação das sociedades à luz do direito civil: um desafio familiar. Curitiba: Juruá, 2005.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

LANZANA, A. P. Relação entre disclosure e governança corporativa das empresas brasileiras. 154 f. 2004. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

LETHBRIDGE, E. Tendências da empresa familiar no mundo. Revista do BNDES, v. 4, n. 7, p. 1-18, 1997.

LOPES, L. C. et al. Evidenciação das informações dos ativos intangíveis: um estudo sobre o nível de aderência das companhias brasileiras do setor de bens industriais listadas na Bolsa de Valores do Brasil ao CPC 04. In: CONGRESSO USP, 20.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2013.

LOURENZO JR.; A. M. Programas de profissionalização e sucessão: um estudo em empresas familiares de pequeno porte de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

MARTINS, E. Contribuição à avaliação do ativo intangível. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972.

MOURA, G. D.; DALLABONA, F. V. Boas práticas de governança corporativa e evidenciação obrigatória dos ativos intangíveis. In: CONGRESSO USP, 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2011.

OLIVEIRA, I. M. S. Uma investigação sobre a prestação de contas das entidades do terceiro setor brasileiro. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

ORO, I. M.; CASAGRANDE, R. M.; HEIN, N. Endividamento e lucratividade de empresas familiares da BM&FBovespa: um estudo nos estágios da propriedade. In: CONGRESSO USP, 13.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2013.

PAULO, I. I. S. L. M.; CAVALCANTE, P. R. N. C. Estudo sobre o conservadorismo contábil nas companhias abertas familiares e não-familiares no mercado brasileiro. In: CONGRESSO USP, 9.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2012.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade e Finanças USP, v. 17, n. 40, p. 7-24, 2006.

ROVER, S. et al. Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando análise de regressão em painel. Revista de Administração, v. 47, n. 2, p. 217-230, 2012.

SANTOS, A. V. F. et al. Evidenciação de ativos intangíveis nas empresas industriais mais inovadoras segundo classificação do índice Brasil de inovação (IBI). Revista ADM.MADE, v. 16, n. 1, p. 1-23, 2012.

SHARMA, P. An overview of the field of family business studies: current status and directions for the future. Family Business Review, v. 17, n. 1, p. 1-36, 2004.

SOUZA, L. M.; BARBOSA, F. R. Legibilidade dos formulários de referência das empresas participantes dos níveis de governança corporativa no Brasil. In: CONGRESSO USP, 11.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2011.

ZITTEI, M. V. M.; POLITELO, L.; SCARPIN, J. E. Nível de evidenciação contábil das organizações do terceiro setor. In: CONGRESSO USP, 13.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2013.