Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa e Qualidade das Informações Contábeis Outros Idiomas

ID:
48935
Resumo:
Este estudo objetiva investigar o impacto da adesão às práticas recomendadas de governança corporativa na qualidade da informação contábil. Como proxy para captar um aumento no nível de governança corporativa da empresa, utilizou-se o fato de a companhia ter aderido aos Níveis Diferenciados de Governança da BM&FBOVESPA. Para captar o nível de qualidade da informação contábil, calculou-se o Índice de Qualidade da Informação Contábil (IQIC) elaborado por Gabriel (2011), o qual levou em consideração a evidenciação de informações sobre: custo do capital próprio, parecer dos auditores, divulgação da remuneração fixa e variável paga aos executivos e ao conselho de administração, e divulgação da demonstração de fluxos de caixa e da demonstração do valor adicionado. A amostra foi composta por empresas do Novo Mercado listadas no índice Ibovespa da BM&FBOVESPA. A análise do IQIC de 34 empresas, antes e após a adesão destas ao Novo Mercado, ocorreu por meio de estatística descritiva e testes de diferença de médias. Os resultados empíricos permitiram inferir que, mesmo não estatisticamente significativa, houve uma pequena melhora no Índice de Qualidade da Informação Contábil. Dentre os fatores que podem ter interferido na análise, encontram-se limitações relacionadas à amostra selecionada e à ausência de variáveis de controle que explicassem a qualidade da informação contábil.
Citação ABNT:
SILVA, G. C.; TAKAMATSU, R. T.; AVELINO, B. C. Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa e Qualidade das Informações Contábeis. Contexto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da UFRGS, v. 17, n. 35, p. 89-104, 2017.
Citação APA:
Silva, G. C., Takamatsu, R. T., & Avelino, B. C. (2017). Adesão aos Níveis Diferenciados de Governança Corporativa e Qualidade das Informações Contábeis. Contexto - Revista do Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da UFRGS, 17(35), 89-104.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48935/adesao-aos-niveis-diferenciados-de-governanca-corporativa-e-qualidade-das-informacoes-contabeis/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BEAVER, W. H. Financial reporting an accounting revolution. 3. ed. New Jersey: Prentice Hall, 1998.

BEDICKS, H. Governança corporativa e dispersão de capital: múltiplos casos no Brasil. São Paulo: Saint Paul Editora, 2009.

BM&FBOVESPA. Novo mercado e níveis 1 e 2 de governança corporativa. 2011.
BUSHMAN, R. M.; SMITH, A. J. Financial accounting information and corporate governance. Journal of accounting and Economics, v. 32, n. 1, p. 237-333, 2001.

BUSHMAN, R. M.; SMITH, A. J. Transparency, financial accounting information, and corporate governance. Economic Policy Review, v. 9, n. 1, p. 65-87, 2003.

CARVALHO, A. G. Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 19-32, 2002.

COELHO, A. C.; LIMA, I. S. Segmentos de governança Bovespa: diferenças nos graus de conservadorismos condicional na divulgação de resultados contábeis. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 1, n. 1, p. 17-32, 2008.

COHEN, J. R.; KRISHNAMOORTHY, G.; WRIGHT, A. The corporate governance mosaic and financial reporting quality. Journal of accounting literature, p. 87-152, 2004.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Deliberação CVM nº 539, de 14 de março de 2008. Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. Rio de Janeiro: CPC, 2008. .

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento conceitual básico: estrutura conceitual para elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. Brasília, DF, 2008. .

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC nº 1.055, de 7 de outubro de 2005. Cria o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), e dá outras providências. Brasília, DF, 2005.

COSTA, G. S. A Influência da governança corporativa no desempenho econômico em empresas de capital aberto no Brasil. 2008. 149 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

GABRIEL, F. Impacto da adesão às práticas recomendadas de governança corporativa no índice de qualidade da informação contábil. 2011. 116 f. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) - Curso de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Disponível em: . Acesso em: 19 set.2015.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000

JENSEN, M. C. A theory of the firm: governance, residual claims, and organizational forms. Harvard: Harvard University Press, 2003.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

LEVINE, D. M.; BERENSON, M. L.; STEPHAN D. Estatística: teoria e aplicação. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2000.

LOPES, A. B.; WALKER, M. Firm-level incentives and the informativeness os accounting reports: an experiment in Brazil. In: FINANCIAL STATEMENT ANALYSIS & VALUATION CONFERENCE CROSS-BORDER ISSUES, 2008, London. Proceedings… London, UK: University of CGS, 2008.

MARTINS, E.; LOPES, A. B. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2007.

MILGRON, P; ROBERTS, J. Economics, organization & management. New Jersey: Prentice Hall, 1992.

RABELO, F.; SILVEIRA, J. M. Estruturas de governança e governança corporativa: avançando na direção de integração entre as dimensões competitivas e financeiras. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, jul. 1999. (Texto para discussão, n. 77).

RAUPP, M. F.; BEUREN, I. M. Metodologia de pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2004.

SEGATTO-MENDES, A. P.; ROCHA, K. C.; Contribuições da teoria de agência ao estudo dos processos de cooperação tecnológica universidade-empresa. Revista de Administração - RAUSP, v. 40, n. 2, p. 172-183, 2005.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. A survey of corporate governance. The journal of finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVEIRA, A. D. M. Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. 152 f. 2002. Dissertação (Mestrado em Administração)- Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

SILVEIRA, A. D. M. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. 2004. 250 f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SILVEIRA, A. D. M. Governança corporativa no Brasil e no mundo: teoria e prática. São Paulo: Elsevier Brasil, 2010.

TEIXEIRA, A. C. C.; FORTUNATO, G.; AQUINO, A. C. B. Relação entre transparência e o valor de mercado das empresas brasileiras de capital aberto. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4.; 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA/USP, 2004.