Um Estudo Comparativo de Diferentes Modelos Estatísticos para cálculo da Razão Ótima de Hedge no Mercado de Boi Gordo Outros Idiomas

ID:
48953
Resumo:
O agronegócio brasileiro tem se destacado nos últimos anos por sua eficiência e pelo crescimento da produtividade, fundamentados em tecnologia, planejamento, gestão dos resultados e melhoria contínua de desempenho. No mercado do boi gordo, as oscilações apresentadas nos preços se apresentam como um risco que o produtor tem que minimizar para garantir o sucesso do seu negócio. Nesse cenário o mercado futuro tem se traduzido em um importante instrumento de hedge, mas um desafio com que se defronta é a identificação da proporção da produção que deve ser protegida. Assim, este artigo tem como objetivo comparar estatisticamente a performance (eficiência) de seis modelos para o cálculo da razão ótima de hedge no mercado Futuro de Boi Gordo brasileiro: Mínimos Quadrados Ordinários, BEKK, DCC de Tse e Tsui (2002), DCC de Engle e Sheppard (2001), Beta de Correlações Variantes no Tempo e o Beta Incondicional. As razões foram estimadas para os log-retornos das séries de preços diárias e mensais de boi gordo spot e futuro, compreendendo o período de 02/10/2000 a 19/08/2014. Constatou-se que para as séries diárias, as mudanças contratuais geram quebras intertemporais, fazendo com que a variância dos log-retornos futuros aumente e a razão ótima de hedge seja baixa. Para séries mensais, conclui-se que o BEKK, seguido do Beta Incondicional são os melhores modelos quando se trata de redução de variância e maximização do Índice de Sharpe.
Citação ABNT:
PINHO, F. M.; ARAÚJO JÚNIOR, A.; CAMARGOS, M. A. A Comparative Study on Different Statistical Models for Calculating the Optimal Hedge Ratio in the Live Cattle Market. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 19, n. 3, p. 160-176, 2017.
Citação APA:
Pinho, F. M., Araújo Júnior, A., & Camargos, M. A. (2017). A Comparative Study on Different Statistical Models for Calculating the Optimal Hedge Ratio in the Live Cattle Market. Organizações Rurais & Agroindustriais, 19(3), 160-176.
DOI:
10.21714/2238-68902017v19n3p160
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48953/um-estudo-comparativo-de-diferentes-modelos-estatisticos-para-calculo-da-razao-otima-de-hedge-no-mercado-de-boi-gordo-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
AKAIKE, H. A new look at the statistical model identification. IEEE Transactions on Automatic Control, New York, v. 19, n. 6, p. 716-723, 1974.

ALIZADEH, A.; NOMIKOS, N. A Markov regime: switching approach for hedge stock index. The Journal of Future Markets, New York, v. 24, n. 4, p. 649-674, 2004.

AMORIM NETO, C. S. Efetividade do hedge para o boi gordo com contratos futuros da BM&FBovespa: análise para os estados de São Paulo e Goiás. 2015. 49 f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada)-Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2015.

ANDERSON, R. W.; DANTHINE, J. Cross hedging. Journal of Political Economy, Chicago, v. 89, n. 6, p. 1182-1196, 1981.

BERA, A. K.; GARCIA, P.; ROH, J. Estimation of timevarying hedge ratios for corn and soybeans: BGARCH and random coefficient approaches. 1998. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.

BHADURI, S. N.; DURAI, S. R. S. Optimal hedge ratio and hedging effectiveness of stock index futures: evidence from India. Journal of Macroeconomics and Finance in Emerging Market Economies, London, v. 1, n. 1, p. 121-134, 2008.

BITENCOURT, W.; SILVA, W. S.; SÁFADI, T. Hedge dinâmico: uma evidência para os contratos futuros brasileiros. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 8, n. 1, p. 71-78, jan./abr. 2006.

BOLLERSLEV, T. Generalized autoregressive conditional heteroscedasticity. Journal of Econometrics, Amsterdam, v. 31, n. 3, p. 307-327, 1986.

BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Estatísticas de comercio exterior. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

BROWN, S. L. A reformulation of the portfolio model of hedging. American Journal of Agricultural Economics, Saint Paul, v. 67, n. 3, p. 508-512, 1985.

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. Indicadores de preços. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2014.

CHIODI, L. et al. Análise da efetividade de hedging com os contratos futuros de soja na BM&F e CBOT. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 43., 2005, Ribeirão Preto. Anais... Brasília, DF: SOBER, 2005. 1 CD-ROM.

COSTA, C. C. da; GUILHOTO, J. J. M.; IMORI, D. Importância dos setores agroindustriais na geração de renda e emprego para a economia brasileira. Revista de Economia e Sociologia Rural, Rio de Janeiro, v. 51, n. 4, p. 797-814, out./dez. 2013.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CRUZ, A.; LIMA, J. Efetividade nas operações de hedge com contratos de boi gordo BM&FBovespa. Revista de Economia e Administração, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 120140, jan./mar. 2009.

DICKEY, D. A.; FULLER, W. A. Distribution of estimators statistics for autoregressive time series with a unit root. Journal of the American Statistical Association, New York, v. 74, n. 366, p. 427-431, 1979.

DUARTE JÚNIOR, A. M. Risco: definições, tipos, medição e recomendações para seu gerenciamento. Resenha BM&F, São Paulo, v. 114, p. 25-33, 1996.

EDERINGTON, L. The hedging performance of the new futures markets. The Journal of Finance, New York, v. 34, n. 1, p. 157-170, 1979.

ENGLE, R. F. Autoregressive conditional heteroscedasticity with estimates of the variance of United Kingdom inflation. Econometrica, Chicago, v. 50, n. 4, p. 987-1007, 1982.

ENGLE, R. F.; GRANGER, C. W. J. Cointegrationanderror correction: representation, estimation and testing. Econometrica, Chicago, v. 55, n. 2, p. 251-276, 1987.

ENGLE, R. F.; KRONER, K. F. Multivariate simultaneous GARCH. Econometric Theory, Cambridge, v. 11, n. 2, p. 122-150, 1995.

ENGLE, R. F.; SHEPPARD, K. Theoretical and empirical properties of dynamic conditional correlation multivariate GARCH. Cambridge: NBER, 2001. 46 p. (NBER Working Paper, 8554).

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOMES, F. C. Determinação da razão de hedge: um estudo sobre as teorias de hedging. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 38-44, out./dez. 1987.

GRAY, S. F. An analysis of conditional regimeswitching models. Duke: Fuqua School of Business, Duke University, 1995. (Working Paper).

GUIMARÃES, R. L. Razão ótima de hedge em função do horizonte de hedge e da periodicidade dos dados: uma aplicação no mercado de boi gordo brasileiro. 2005. 88 f. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial)-Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2005.

HANNAN, E. J.; QUINN, B. G. The determination of the order of an autoregression. Journal of The Royal Statistical Society, London, v. 41, p. 190-195, 1979.

HICKS, J. R. Value and capital. 2nd ed. London: Oxford University Press, 1939

HULL, J. Introdução aos mercados futuros e de opções. São Paulo: BM&F, 2011.

JARQUE, C. M.; BERA, A. K. Efficient tests for normality, homoscedasticity and serial independence of regression residuals. Economics Letters, Amsterdam, v. 6, n. 3, p. 255-259, 1980.

JOHNSON, L. L. The theory of hedging and especulation in commodidy futures. Review of Economic Studies, Stockholm, v. 27, n. 3, p. 139-151, 1960.

JORION, P. Value at risk: the benchmark for managing financial risk. 3rd ed. New York: McGraw-Hill, 2007.

KEYNES, J. M. A treatise on money. New York: H. B. Jovanovich, 1930.

LAZZARINI, D. A taxa ótima de hedge no mercado brasileiro do boi gordo: uma abordagem com BEKK, DCC e BEKK com dummies de safra e entressafra. 2010. 41 f. Dissertação (Mestrado em Econometria Financeira)Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2010.

LEE, H.; YODER, J. A bivariate Markov regime switching approach to estimate time varying minimum variance hedge ratios. Washington: School of Economics Sciences of Washington State University, 2005. (Working Paper, 5).

MARKOWITZ, H. Portfolio selection. The Journal of Finance, New York, v. 7, n. 1, p. 77-91, 1952.

MERGNER, S. Applications of state space models in finance. Göettingen: Universitäts Verlag Göettingen, 2009.

MONTEZANO, R. M. Introdução aos mercados futuros de índices de ações. São Paulo: BM&F/IBMEC, 1987.

MORGAN, J. P. Riskmetrics: technical document. New York: Morgan Guaranty Trusty Company of New York, 1996.

MYERS, R. J. Estimating-time varying optimal hedge ratios on futures markets. Journal of Futures Markets, New York, v. 11, n. 1, p. 39-53, 1991.

MYERS, R. J.; THOMPSON, S. R. Generalized optimal hedge ratio estimation. American Journal of Agricultural Economics, Saint Paul, v. 71, n. 4, p. 858867, Nov. 1989.

OLIVEIRA NETO, O. J.; FIGUEIREDO, R. S. Análise das operações de hedge do boi gordo no mercado futuro da BM&F para o estado de Goiás. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 9, n. 1, p. 77-93, 2008.

PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2006.

ROCHELLE, T. C. P. O contrato futuro de boi gordo: uma análise do impacto da introdução da liquidação financeira sobre o risco de base. 1997. 140 p. Dissertação (Mestrado em Agronomia)-Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1997.

RODRIGUES, M. A.; ALVES, A. F. Efetividade e razão ótima de hedge: um survey. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 48., 2010, Campo Grande. Anais... Brasília, DF: SOBER, 2005. 1 CD-ROM.

ROLFO, J. Optimal hedging under price and quantity uncertainty: the case of a Cocoa Producer. The Journal of Political Economy, Chicago, v. 88, n. 1, p. 100-116, Feb. 1980.

Series B. HARDAKER, J. B. et al. Coping with risk in agriculture. 2nd ed. Cambridge: CABI, 2004.

SHIBATA, R. Selection of the order of an autoregressive model by akaike’s information criterion. Biometrika, London, v. 63, n. 1, p. 117-126, 1976.

SOUZA, R. S.; CUNHA, C. A.; WANDER, A. E. Efetividade e razão ótima de hedge para operações de boi gordo em Goiás. Latin American Journal of Business Management, Taubaté, v. 3, n. 2, p. 41-60, 2012.

STEIN, J. The simultaneous determination of spot and futures prices. American Economic Review, Nashville, v. 1, n. 5, p. 1012-1025, 1961.

TSAY, R. S. An introduction to analysis of financial data with R. New Jersey: Wiley, 2013.

TSE, Y. K.; TSUI, A. K. C. A multivariate generalized autoregressive conditional heteroscedasticity model with timevarying correlations. Journal of Business and Economic Statistics, Washington, v. 20, n. 3, p. 351-362, July 2002.

U N I T E D S TAT E S D E PA R TA M E N T O F AGRICULTURE. Foreign Agricultural Service. Production, supply, and distribution (PS&D). Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2014.

WORKING, H. Hedging reconsidered. Journal of Farm Economics, Ithaca, v. 35, n. 4, p. 544-561, 1953.

ZILLI, J. B. et al. Razão ótima de hedge para os contratos futuros do boi gordo: uma análise do mecanismo de correção de erros. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46., 2008, Rio Branco. Anais... Brasília, DF: SOBER, 2005. 1 CD-ROM.