Mudanças curriculares e qualidade de ensino: ensino com pesquisa como proposta metodológica para a formação de contadores globalizados Outros Idiomas

ID:
4897
Resumo:
Este artigo tem como objetivo aprofundar as discussões e ressaltar o debate em torno das mudanças curriculares e da qualidade do ensino na universidade, procurando identificar e apontar o modelo e a prática curricular capaz de orientar o trabalho educativo na área Contábil, com vistas a possibilitar aprendizagens significativas em sala de aula e, assim, atender às reais necessidades dos alunos em consonância com as exigências sociais e educacionais contemporâneas. Para tanto, desenvolveu-se um ensaio teórico, no qual foram analisados e discutidos estudos e pesquisas como os de Latorre e Gonzáles (1992), Moraes, 1996; Demo, 1997; Cunha, 1998; Assmann, 2001; Libâneo, 2001; Chauí, 2001; Fazenda, 2002; Mazetto, 2003; Morin, 2001; 2005; Sousa Santos, 2006; Lampert, 2008; Dias Sobrinho, 2008; 2009 e outros, que analisam, criticamente, o atual modelo de universidade e sua organização curricular e, como contraponto, esses autores defendem a construção coletiva do Projeto Político Pedagógico, o currículo globalizado e a adoção do princípio metodológico do ensino com pesquisa como o modelo mais adequado para a formação científica e tecnológica dos alunos. Verificou-se que as mudanças curriculares atuais conclamam, cada vez mais, que as ações dos alunos se deem a partir de e sobre a realidade, tanto experiencial cotidiana quanto referente ao futuro exercício profissional, evidenciando a indissociabilidade entre ensino e investigação como princípio didático mais adequado para por em prática o dispositivo legal vigente que sinaliza as competências e habilidades que os profissionais devem possuir para o exercício de suas atividades. Aprender com pesquisa é um processo dialógico e desafiador que envolve a problematização do conhecimento, a construção de argumentos e sua respectiva validação. Conclui-se, assim, que o ensino pela pesquisa busca a excelência e a inovação no ensino superior tendo a apropriação e produção do conhecimento científico como condição para viver na sociedade aprendente e enfrentar os desafios da modernidade.
Citação ABNT:
SLOMSKI, V. G.; GOMES, S. M. S.; SILVA, A. C. R.; GUIMARÃES, I. P. Mudanças curriculares e qualidade de ensino: ensino com pesquisa como proposta metodológica para a formação de contadores globalizados. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 4, n. 8, art. 8, p. 160-188, 2010.
Citação APA:
Slomski, V. G., Gomes, S. M. S., Silva, A. C. R., & Guimarães, I. P. (2010). Mudanças curriculares e qualidade de ensino: ensino com pesquisa como proposta metodológica para a formação de contadores globalizados. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(8), 160-188.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4897/mudancas-curriculares-e-qualidade-de-ensino--ensino-com-pesquisa-como-proposta-metodologica-para-a-formacao-de-contadores-globalizados/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

ASSMANN, Hugo. Metáforas novas para reencantar a educação – epistemologia e didática. Piracicaba: Unimep, 2001.

ASSMANN, Hugo. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: vozes, 1998.

AZZI, Roberta Gurgel. Pesquisa (em psicologia e educação) e a universidade: alguns pontos para reflexão. In: Revista Pro-Proposições. Campinas, v. 5, 13, p. 77-85, mar. 1994.

BRASIL. Câmara de Educação Superior/ Conselho nacional de Educação CES/CNE, 583/2001. Orientação para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. DF: MEC, 2001.

BRASIL. Conselho nacional de Educação / Câmara de Educação Superior, CES/ CNE. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Direito, Ciências Econômicas, Administração, Ciências Contábeis, Turismo, Hotelaria, Secretariado Executivo, Música, Dança, Teatro e Design. Brasília, DF: MEC, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases, da Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

CATANI, A. M. et al. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educação e Sociedade. v. 22, n. 75, Campinas, 2001.

CERVO, A. BERVIAN, P. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Faculdade de Filosofia e Ciências, ed. da UnESP, 2001.

CERVO, A. BERVIAN, P. Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHAUÍ, Marilena. Universidade em ruínas. In: Hélgio TRINDADE (org.). Universidade em ruínas na República dos Professores. Petrópolis/Porto Alegre, vozes/Cipede, 1999.

CHAVES, A. O ciclo de formação geral e a reforma do ensino superior. [2007]. Disponível em: http://www.educacao.gov.br/reforma/documentos/ARtIGOS/2005.3.7.17.4.56.pdf. Acesso em: 30 mar. 2007.

COIMBRA, Ivanê Dantas. Educação contemporânea e currículo Escolar: alguns desafios. Candombá – Revista Virtual, v. 2, n. 2, p. 67-71, jul/dez. 2006. Disponível em: http:// www.fja.edu.br/candomba/2006-v2n2/pdfs/IvanedantasCoimbra2006v2n2.pdf> Acesso em: 07de julho de2010. 2006.

CUNHA, Maria Isabel da. O ensino com pesquisa. In: Cadernos de educação, Pelotas, 1.p. 17-19 dez. 1992.

CUNHA, Maria Isabel da. Paradigmas científicos e propostas curriculares. In: Revista Interface – Comunicação em Saúde, Educ. 2, 1998.

DAGOSTIM, Salézio. Reestruturando o Ensino da Contabilidade para o Século XXI. Brasília: CFC, 2000.

DELORS, Jacques. Educação: Um tesouro a descobrir. 8. ed. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: MEC, UnESCO, 2003.

DEMO, Pedro. O desafio de educar pela pesquisa na educação básica. In: Educar pela pesquisa. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

DEMO, Pedro. Pesquisa e Construção de Conhecimento Metodologia científica no caminho de Habermas. tempo Brasileiro, Rio de Janeiro. 1994.

DEMO, Pedro. Pesquisa: Princípio científico e educativo. 4. ed. Cortez, 1996.

DIAS SOBRINHO, J.; RISTOFF, Dilvo; GOERGEN, Pedro. (Org.) . Universidade e Sociedade: perspectivas internacionais. Sorocaba: EdUNISO, 2008. v. 1.

DIAS SOBRINHO, José. Cambios y reformas en la educación superior. In: Carlos tünnermann Bernheim. (Org.). La educación superior en América Latina y el Caribe: diez años después de la Conferencia Mundial de 1998. 1 ed. Cali; Caracas: Pontificia Universidad Javeriana/IESALC-UnESCO, 2008, v. 01, p. 95-140.

DIAS SOBRINHO, José. Dilemas da Educação Superior no Mundo Globalizado: Sociedade do Conhecimento ou Economia do Conhecimento? São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

DIAS SOBRINHO, José. Educação superior, globalização e democratização: o debate ético-político. In: Denise Leite. (Org.). Avaliação participativa e qualidade: os atores locais em foco. 1. ed. Porto Alegre: Sulina; Editora Universitária Metodista, 2009, p. 33-55.

DOLL JR., W. Ghosts and the curriculum. In: DOLL JUNIOR, W. e GOUGH , NOEL (Orgs.). Curriculum Visions. new York: Peter Lang. 2002. pp. 23-70.

DOURADO, L. F; CATANI. A. M. OLIVEIRA, J. F. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. In: Educação e sociedade, Campinas – SP, p. 67-83, 2001.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

FERNANDES, M. R. Mudança e Inovação na Pós-Modernidade. Perspectivas curriculares. Porto: Porto Editora. 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e terra, 1992.

GADOTTI, Moacir. Interdisciplinaridade: atitude e método. São Paulo: In: Instituto Paulo Freire. Disponível: . Acesso em: 26 dez.2006.

GOMES GOMES, Sonia Maria da Silva, et al. Uma análise dos projetos político pedagógicos dos cursos de Ciências Contábeis das Universidades Públicas do Estado da Bahia. In: Revista Brasileira de Contabilidade, n. 178, julho/agosto. 2009.

HARGREAVES, ANDY. O Ensino na sociedade do conhecimento – educação na era da insegurança. trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artemed, 2004.

IUDÍCIBUS, Sérgio; MARION, José C. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de graduação. São Paulo: Atlas, 1999.

KINCHELOE, J. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

kUEnZER, A. Z. O que muda no cotidiano da sala de aula universitária com as mudanças no mundo do trabalho? In: CASTANHO, S; CASTANHO, M. E. (Org.) Temas e textos em metodologia do ensino superior. São Paulo: Papirus, 2001.

KUHN, T. S. The Structure of Scientific Revolutions. 2. ed. Enlarged. Chicago and London: University of Chicago Press 1970.

LAMPERT, Ernani. O ensino com pesquisa; realidade, desafios e perspectivas na universidade brasileira. In: Revista on line Linhas Críticas, Brasília, v. 14, n. 26, p. 24-24, jan/jun. 2008. Disponível em: http://www.fe.unb.br/linhascriticas/artigos/n26/o_ensino.pdf > Acesso em: 26 jun. 2010. 2008.

LATORRE, ANTONIO; GONZALEZ, ROMANA. El maestro investigador: la investigación em el aula. 2. ed. Barcelona: Grao, 1992.

LEITE, D.; MOROSINI, M. Universidade no Brasil: a idéia e a prática. Revista Brasileira de estudos pedagógicos. Brasília DF, mai/ago, 1992.

LIBANEO, J. C. Organização e Gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LIMA, Licínio C. O paradigma da educação contábil: Políticas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. In: Trabalho apresentado na XIX Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, setembro de 1996. Disponível em: http://www.anped.org.brrberbedigitalRBdE04RBdE04_06_LICInIO_C_LIMA.pdf>. Acesso em: 17 jun.2010. 1996.

MACHAdO, Lucília. A institucionalização da lógica das competências no Brasil. ProPosições, Campinas, vol. 13, n. 1, 37, p. 92-110, 2002.

MARIOn, J. C. O ensino da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1996.

MASETTO, MARCOS TARCISO. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, Conselho nacional de Educação. Parecer nº CES/CNE 0146/2002, de 03 de abril de 2002. Disponível em: http://jporfiro.spaces.live.com/blog/cns!AAE6C1C1F59A1C42!169.entry>Acesso em: 20 jun. 2010. 2002.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, Conselho nacional de Educação. Resolução CNE/CES 10/2004, de 16 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.mec.gov.br/cne. Acesso em: 20 jun. 2010. 2004.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas. In: Em Aberto, Brasília, ano 16, 70, abr./jun. 1996.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura, Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MORIN, EDGAR. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

MORIN, EDGAR. Educação e complexidade, os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2005.

NOSSA, V. Ensino da contabilidade no Brasil: uma análise crítica da formação do corpo docente. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, FEA/USP. São Paulo, 1999.

PADOAN, F. A. C., CLEMENTE, A. A interdisciplinaridade no ensino da Contabilidade: um estudo empírico da percepção dos docentes. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6, 2006, São Paulo. Anais eletrônicos... Disponível em http://www.congressoeac.locaweb.com.br/artigos62006/551.pdf. Acesso em: 10 jan.2007. 2006.

PAIVA, S. B. O ensino da Contabilidade: em busca da interdisciplinaridade. In: Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, v. 28, 120, p. 89-93, 1999.

PASSOS, I. C. A interdisciplinaridade no ensino e na pesquisa contábil: um estudo no município de São Paulo, 2004. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

PEREZ SERRANO, M. G. Investigación–acción. Aplicaciones al campo social y educativo. Madrid: Dykinson, 1990.

PIMENTA, S. G. & ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002. (Coleção docência em formação).

PIMENTA, S. G; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002. (Coleção docência em formação).

RICCIO, EDSON L.; SAKATA, MARICI C. G. Evidências da Globalização na Educação Contábil: estudo das grades curriculares dos cursos de graduação em universidades brasileiras e portuguesas. In: Revista Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo: FEA/USP, v. 35, p. 35-44, mai/ago. 2004.

ROZA, J. P. A pesquisa no processo de formação de professores: intenções e experiências docentes e discentes e as limitações deste exercício – um olhar sob duas realidades educacionais. dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

SAVIANI, D. Concepções da dissertação de Mestrado centrada na ideia de monografia de base. In: Revista Educação Brasileira, Brasília, v. 13, n. 27, p. 159-168, 1991.

SAVIANI, DEMERVAL. Histórias das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, DERMEVAL. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 2003. (Coleção polêmicas do nosso tempo; v. 40).

SOUSA SANTOS, B. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

TALÍZINA, N. F. Psicologia de la enseñanza. Moscou: Editorial Progresso, 1988.

TRINDADE, HÉLGIO et al. (Org.). Universidade em ruínas – na república dos professores. Petrópolis: vozes, 1999.

TRUJILLO, N. R. Selección efectiva de personal basada em competencias. In: Revista do Serviço Público, v. 51, 3, p. 101-121, jul./set. 2000.

VEIGA, ILMA PASSOS A. (Org.) Projeto Político-Pedagógico: uma construção possível. 17. ed. Campinas: Papirus, 2004.