Influência da Cultura Organizacional Mediada pelo Assédio Moral na Satisfação no Trabalho Outros Idiomas

ID:
48972
Resumo:
Este artigo investigou a relação entre cultura organizacional, a partir de Cameron e Quinn (2006), assédio moral, na perspectiva de Leymann (1990, 1996), e satisfação, a partir da abordagem de Spector (2006), além do efeito mediador do assédio moral entre cultura e satisfação no trabalho, que é a lacuna que este trabalho procura preencher. Os dados foram coletados de trabalhadores de empresas das cidades de Salvador e Feira de Santana, na Bahia, entre os meses de agosto e dezembro de 2016. Obtiveram-se 912 questionários respondidos, analisados por meio de modelagem de equações estruturais. Os principais resultados indicam: (a) as culturas clã e adhocrática são preditoras do assédio moral negativamente, e a cultura mercado influencia-o positivamente, (b) o assédio moral como mediador entre cultura e satisfação possui efeitos significativos em todos os tipos culturais. A principal contribuição é a identificação do efeito do assédio moral na relação entre cultura organizacional e satisfação. Do ponto de vista gerencial, sugere-se que ações visando à satisfação devam considerar culturas que minimizem o assédio moral, além da atenção especial para este fenômeno, já que ele é capaz de minimizar os efeitos positivos da cultura sobre a satisfação.
Citação ABNT:
SILVA, L. P.; CASTRO, M. A. R.; DOS-SANTOS, M. G. Influência da Cultura Organizacional Mediada pelo Assédio Moral na Satisfação no Trabalho . Revista de Administração Contemporânea, v. 22, n. 2, p. 249-270, 2018.
Citação APA:
Silva, L. P., Castro, M. A. R., & Dos-santos, M. G. (2018). Influência da Cultura Organizacional Mediada pelo Assédio Moral na Satisfação no Trabalho . Revista de Administração Contemporânea, 22(2), 249-270.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2018170176
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48972/influencia-da-cultura-organizacional-mediada-pelo-assedio-moral-na-satisfacao-no-trabalho-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alvesson, M. (2007). Understanding organizational culture. London: SAGE Publications.

Andrade, T.; Costa, V. F, Estivalete, V de F. B.; Lengler, L. (2017). Comportamento de cidadania organizacional: Um olhar à luz dos valores e da satisfação no trabalho. http://dx.doi.org/10.7819/rbgn.v19i64.2899. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19(64), 236-262.

Andrade, T.; Limana, S.; Estivalete, V de F. B.; Tanscheit, F. (2013). Cultura organizacional e satisfação no trabalho sob a percepção dos colaboradores de uma instituição bancária após o processo de fusão. http://dx.doi.org/10.20946/rad.v15i2.12705. Revista Administração e Diálogo, 15(2), 52-78.

Bigliardi, B.; Dormio, A. I.; Galati, F.; Schiuma, G. (2012). The impact of organizational culture on the job satisfaction of knowledge workers. http://dx.doi.org/10.1108/03055721211207752. VINE, 42(1), 36-51.

Braga, G. G. A.; Ferraz, S. F. S.; Lima, T. C. B. (2014). Cultura organizacional em empresas industriais: Um estudo nas maiores empresas de Maracanaú/CE. http://dx.doi.org/10.1108/03055721211207752. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 13(2), 250-266.

Cameron, K. S.; Quinn, R. E. (2006). Diagnosing and changing organizational culture - Based on the competing values framework. San Francisco, CA: Jossey-Bass

Campos, M. I.; Rueda, F. J. M. (2016). Assédio moral: Evidências de validade de escala e relações com qualidade de vida no trabalho. Avaliação Psicológica, 15(1), 21-30

Denison, D. R.; Spreitzer, G. M. (1991). Organizational culture and organizational development: A competing values approach. Research in Organizational Change and Development, 5, 1-21.

Divincova, A.; Sivakova, B. (2014). Mobbing at workplace and its impact on employee performance. Human Resources Management & Ergonomics, 8(2), 20-34.

Ertureten, A.; Cemalcilar, Z.; Aycan, Z. (2013). The relationship of downward mobbing with leadership style and organizational attitudes. http://dx.doi.org/10.1007/s10551-012-1468-2. Journal of Business Ethics, 116(1), 205-216.

Fernandes, R. F.; Lemos, D. C.; Hoffmann, M. G.; Feuerchutte, S. G. (2015). O estado da arte na articulação entre os temas cultura organizacional e inovação. http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v9i4.504. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(4), 54-68.

Freitas, M. E. (2001). Assédio moral e assédio sexual: Faces do poder perversos nas organizações. http://dx.doi.org/10.1590/S003475902001000200002. Revista de administração de Empresas, 41(2), 8-19.

Freitas, M. E.; Heloani, J. R.; Barreto, M. M. S. (2008). Assédio moral no trabalho. São Paulo: Cengage Learning.

Fu, W. (2014). The impact of emotional intelligence, organizational commitment, and job satisfaction on ethical behavior of Chinese employees. http://dx.doi.org/10.1007/s10551-013-1763-6. Journal of Business Ethichs, 122(1), 137-144.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Guimarães, C. A.; Cançado, V.; Lima, R. J. C. (2016). Workplace moral harassment and its consequences: A case study in a federal higher education institution. http://dx.doi.org/10.5700/rausp1231. Revista de Administração, 51(2), 151-164.

Guimarães, L. A. M.; Rimoli, A. O. (2006). Mobbing (assédio psicológico) no trabalho: Uma síndrome psicossocial multidimensional. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722006000200008. Psicologia Teoria e Pesquisa, 22(2), 183-192.

Hair, J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hartnell, C. A.; Ou, A. Y.; Kinicki, A. (2011). Organizacional culture and organizational effectiveness: A meta-analytic investigation of the competing values framework’s theorical suppositions. http://dx.doi.org/10.1037/a0021987. Journal of Applied Psychology, 96(4), 677-694.

Hauff, S.; Richter, N. F.; Tressin, T. (2015). Situational job characteristics and job satisfaction: The moderating role of national culture. http://dx.doi.org/10.1016/j.ibusrev.2015.01.003. International Business Review, 24(4), 710-723.

Hennekam, S.; Bennett, D. (2017). Sexual harassment in the creative industries: Tolerance, culture and the need for change. http://dx.doi.org/10.1111/gwao.12176. Gender, Eork & Organization, 24(4), 417-434.

Hirigoyen, M. F. (2014). Assédio moral: A violência perversa no cotidiano. 15 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hooper, D.; Coughlan, J.; Mullen, M. R. (2008). Structural equation modelling: Guidelines for determining model fit. Eletronic Journal of Bussiness Research Methods, 6(1), 53-60. https://www.researchgate.net/publication/254742561_Structural_Equation_Modeling_Guideline s_for_Determining_Model_Fit.

Leymann, H. (1990). Mobbing and psychological terror at workplaces. Violence and Victims, 5(2), 119-126.

Leymann, H. (1996). The content and development of mobbing at work. http://dx.doi.org/10.1080/13594329608414853. European Journal of Work and Organisational Psychology, 5(2), 165-184.

Lima, C. Q. B.; Barbosa, C. M. G.; Mendes, R. W. B.; Patta, C. A. (2014). Assédio moral e violência no trabalho: Caracterização em perícia judicial.Relato de experiência no setor bancário. http://dx.doi.org/10.1590/03037657000050313. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 39(129), 101-110.

Locke, E. A. (1976). The nature and causes of job satisfaction. In M. D. Dunnette (Ed.), Handbook of industrial and organizational psychology. (pp. 1297-1349). Chicago: Rand McNally.

Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais. Pero Pinheiro: Report Number.

Martins, M. C. F.; Santos, G. E. (2006). Adaptação e validação de construto da escala de satisfação no trabalho. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712006000200008. Psico-USF, 11(2), 195-205.

Nunes, T. S.; Tolfo, S. R. (2013). A dinâmica e os fatores organizacionais propiciadores à ocorrência do assédio moral no trabalho. http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v4i2.161. Revista de Gestão e Secretariado, 4(2), 90-113.

Oliveira, L. B.; Costa, F. P. C. (2016). Motivação, satisfação e comprometimento: Um estudo sobre o trabalho voluntário em megaeventos esportivos. http://dx.doi.org/10.5752/P.1984-6606.2016v16n42p89. Revista Economia & Gestão, 16(42), 89-115.

Olsson, U. H.; Foss, T.; Troye, S. V.; Howell, R. D. (2000). The performance of ML, GLS and WLS estimation in structural equation modelling under conditions of misspecification and nonnormality. http://dx.doi.org/10.1207/S15328007SEM0704_3. Structural Equation Modeling, 7(4), 557-595.

Parzefall, M. R.; Salin, D. M. (2010). Perceptions of and reactions to workplace bullying: A social exchange perspective. http://dx.doi.org/10.1177/0018726709345043. Human Relations, 63(6) 761-780.

Peltokorpi, V.; Froese, F. (2014). Expatriate personality and cultural fit: The moderating role of host country context on job satisfaction http://dx.doi.org/10.1016/j.ibusrev.2013.05.004. . International Business Review, 23(1), 293-302.

Rodrigues, A. L.; Barrichello, A.; Morin, E. (2016). Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: Um estudo multimétodos. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020160206. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 192-208.

Rodrigues, M.; Freitas, M. E. (2014). Assédio moral nas instituições de ensino superior: Um estudo sobre as condições organizacionais que favorecem sua ocorrência. https://dx.doi.org/10.1590/1679-3951-8275. Cadernos EBAPE.BR, 12(2), 284-301.

Roman, S.; Sefano, S. R.; Andrade, S. M.; Zampier, M. A. (2012). Análise do comprometimento organizacional e sua natureza em relação aos funcionários públicos municipais. https://dx.doi.org/10.13037/gr.vol28n84.1280. Gestão & Regionalidade, 28(84), 5-19.

Rosseel, Y. (2012). Lavaan: A R package for equation structural modeling. https://dx.doi.org/10.18637/jss.v048.i02. Journal of Statistical Software, 48(2), 1-36.

Rueda, F. J. M.; Baptista, M. N.; Cardoso, H. F. (2015). Construção e estudos psicométricos iniciais da Escala Laboral de Assédio Moral (ELAM). Avaliação Psicológica, 14(1), 33-40.

Salin, D.; Tenhiälä, A.; Roberge, M. E.; Berdahl, J. L. (2014). ‘I wish I had . . .’: Target reflections on responses to workplace mistreatment. https://dx.doi.org/10.1177/0018726713516375. Human Relations, 67(10), 1189-1211.

Sanchez-Sellero, M. C.; Sánchez-Sellero, P.; Cruz-González, M. M.; Sánchez- Sellero, F. J. R. (2014). Características organizacionales de la satisfacción laboral en España. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020140507. Revista de Administração de Empresas, 54(5), 537-547.

Santos, J. V.; Sustelo, M. (2009). Cultura organizacional e satisfação profissional: Estudo desenvolvido num hospital privado. Psico, 40(4), 467-472.

Schein, E. H. (2004). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no trabalho. In M.M.M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. (pp. 265-274). Porto Alegre: Artmed.

Spector, P. E. (1985). Measurement of human service staff satisfaction: Development of the job satisfaction survey. https://doi.org/10.1007/BF00929796. American Journal of Community Psychology, 13(6), 693-713.

Spector, P. E. (2006). Psicologia nas organizações. 2a ed. São Paulo: Saraiva.

Strese, S.; Adams, D. R.; Flatten, T. C.; Brettel, M. (2016). Coporative culture and absorptive: The moderating role of national culture dimensions on innovation management. http://dx.doi.org/10.1016/j.ibusrev.2016.02.002. International Business Review, 25(5), 1149-1168.

Suarez, O. A. (2002). La violência psicológica em el lugar de trabajo em el marco de la unión europea. Lan Har Remark, (7), 279-296.

Tamayo, A. (2001). Prioridades axiológicas, atividade física e estresse ocupacional. http://dx.doi.org/10.1590/S141565552001000300007. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), 127-147.

Terzioglu, F.; Tele, S.; Uslu Sahan, F. (2016). Factors affecting performance and productivity of nurses: Professional attitude, organisational justice, organizational culture and mobbing. http://dx.doi.org/10.1111/jonm.12377. Journal of Nursing Management, 24(6), 735-744.

Tett, R. P.; Meyer, J. P. (1993). Job satisfaction, organizational commitment, turnover intention, and turnover: Path analysis based on meta-analytic finds. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-6570.1993.tb00874.x. Personnel Psychology, 46(2), 259-293.

Vasconcelos, Y. L. (2015). Assédio moral nos ambientes corporativos. http://dx.doi.org/10.1590/1679-395141446. Cadernos EBAPE.BR, 13(4), 821-851.

Vieira, V. A. (2009). Moderação, mediação, moderadora-mediadora e efeitos indiretos em modelagem de equações estruturais: Uma aplicação no modelo de desconfirmação de expectativas. Revista de Administração, 44(1), 17-33.

Warr, P. (2007). Work, happiness, and unhappiness. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Welter, G. M. R.; Capitão, C. G. (2007). Medidas ipsativas na avaliação psicológica. Avaliação Psicológica, 6(2), 157-165.

Zhang, J.; Zheng, W. (2009). How does satisfaction translate into performance?An examination of commitment and cultural values. http://dx.doi.org/10.1002/hrdq.20022. Human Resource Development Quarterly, 20(3), 331-351.