Relação entre Estilo Gerencial e Capacidade Organizacional para Mudança: Perspectivas e Desafios de uma Empresa do Setor de Implementos Rodoviários Outros Idiomas

ID:
48976
Resumo:
O estudo tem como objetivo investigar a relação entre o estilo gerencial e os fatores que facilitam ou dificultam a mudança organizacional. Para tanto, a pesquisa tem caráter descritivo e quantitativo, utilizando como delineamento de pesquisa um estudo de caso. A amostra foi composta por 307 colaboradores de uma empresa que vivenciou processos de mudança. Os resultados demonstraram que, segundo a percepção dos colaboradores, a maioria dos gerentes possui estilo gerencial orientado para a tarefa e, de modo geral, a empresa possui baixa capacidade para efetuar mudanças. Por fim, os resultados das correlações permitem inferir que os estilos gerenciais se relacionam com os mesmos construtos dos fatores que compõem a capacidade organizacional para mudança. Ou seja, independentemente de o foco de atuação do gerente ser orientado às tarefas e resultados, voltado para as relações interpessoais ou se adequar conforme o contexto da situação, a influência sobre a capacidade para mudar é a mesma.
Citação ABNT:
VARGAS, K. S.; MOURA, G. L.; MADERS, T. R.; HORBE, T. A. N. Relação entre Estilo Gerencial e Capacidade Organizacional para Mudança: Perspectivas e Desafios de uma Empresa do Setor de Implementos Rodoviários. Revista de Administração FACES Journal, v. 17, n. 1, p. 8-28, 2018.
Citação APA:
Vargas, K. S., Moura, G. L., Maders, T. R., & Horbe, T. A. N. (2018). Relação entre Estilo Gerencial e Capacidade Organizacional para Mudança: Perspectivas e Desafios de uma Empresa do Setor de Implementos Rodoviários. Revista de Administração FACES Journal, 17(1), 8-28.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/1984-6975FACES2018V17N1ART4617
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/48976/relacao-entre-estilo-gerencial-e-capacidade-organizacional-para-mudanca--perspectivas-e-desafios-de-uma-empresa-do-setor-de-implementos-rodoviarios/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BEER, M. High commitment, high performance: how to build a resilient organization for sustained advantage. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

BEER, M. The strategic fitness process: a collaborative action research method for developing organizational prototypes and dynamic capabilities. Journal of Organization Design 2, n. 1, 2013.

BLAKE, R. R.; MOUTON, J. S. The managerial grid. Houston, TX: Gulf, 1964.

BURKE, W. W.; LITWIN, G. H. A causal model of organizational performance and change. Journal of Management, vol. 18, No3, pp. 523-545, 1992.

BURKE, W. W. Organization development: a normative view. Reading, MA: Addison-Wesley, 1987.

CLARKE, N. Model of complexity leadership development. Human Resource Development International, 16(2):135–150, 2013.

DOMINGOS, S. G. Influência dos fatores de capacidade organizacional na percepção de mudanças. 2009. Dissertação (Mestrado) Universidade de Brasília. Brasília: UnB, 2009.

DOMINGOS, S. G., NEIVA, E. R. Percepção dos Funcionários sobre Mudanças Transacionais e Transformacionais em uma Organização Pública. RAC, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, pp. 118-138, 2014.

EISENHARDT, K. M.; MARTIN, J. A. Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, v. 21, n. 10/11, pp. 11051122, 2000.

EISENHARDT, K. M.; ZBARACKI, M. J. Strategic decision making. Stra tegic Management Journal, v. 13, n. 1, pp. 17-37, 1992.

FEUP. Unidade de Orientação e Integração UOI. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Liderança e Gestão de Equipas. Documentação de Apoio. 2012. Disponível em: .

GHEMAWAT, P. Commitment: the dynamic of strategy. New York, NY: The Free Press, 1991.

GRAVENHORST, K. M. B.; WERKMAN, R. A.; BOONSTRA, J. J. The change capacity of organisations: general assessment and five configurations. Applied Psychology: an International Review, 52 (1), pp. 83-105, 2003.

GREENWOOD, R..; HININGS, C. R. Understanding radical organizational change: bringing together the old and the new institutionalism. Academy of Management Review, 21(4), pp. 10221054, 1996.

HARVARD BUSINESS REVIEW. Harvard business essentials (misc. authors 2003) managing change and transition. Boston, MA.: Harvard Business School Press, 2003.

H.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

JUDGE, W. Q.; DOUGLAS, T. Organizational change capacity: the systematic development of a scale’. Journal of Organizational Change Management, 22 (6), pp. 635-649, 2009.

KOTTER, J. P. Leading Change. Bos ton, MA: Harvard Business School Press, 1996.

KRANTZ, J. Dilemmas of organizational change: a systems psychodynamic perspective. In: GOULD,

LUECKE, R. Managing change and transition. Boston, MA: Harvard Business School Press, 2003.

MAKHDOM, H. K.; GHAZALI, M. Z. Towards a substantive theory of leadership, negotiation and decision making of leaders. International Journal of Innovation and Business Strategy. 2, pp. 30-44, 2013.

MELEIRO, A. R. Bem-estar no trabalho: os impactos do suporte do supervisor e da liderança. 2005. Dissertação (Mestrado) Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo, SP, 2005.

MELO, E. A. A. Escala de avaliação do estilo gerencial (EAEG): desenvolvimento e validação. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 4, n. 2, pp. 31-62, 2004.

MILLER, D. Delivering transformational change. The European Business Review. 2012. Disponível em: .

NEIVA, E. R.; PAZ, M. G. T. Percepção de mudança organizacional: um estudo em uma organização pública brasileira. Revista de Administração Contemporânea, 11(1), pp. 31-52, 2007.

NEIVA, E. R. Percepção de mudança individual e organizacional: o papel das atitudes e das características organizacionais. 2004. Tese (Doutorado) Universidade de Brasília. Brasília: UnB, 2004.

NEIVA, E. R., ROS, M.; PAZ, M. G. T. Validacion de una escala de actitudes ante el cambio organizacional. Revista de Psicologia Del Trabajo y das Organizaciones, 20(1), pp. 9-30, 2004.

NUNES, A. M. G. Personalidade, liderança e poder. 2012. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal, 2012.

NUTT, P. C. Comparing public and private sector decision-making practices. Journal of Public Administration Research and Theory, 16:289–318, 2006.

PICCOLO, R. F.; BONO, J. E.; HEINITZ, K.; ROWOLD, J.; DUEHR, E.; JUDGE, T. A. The relative impact of complementary leader behaviors: which matter most? The Leadership Quarterly, 23(3), pp. 567-581, 2012.

SÁ SILVA, M. F. P. C. Avaliação de competências de liderança nos líderes intermédios. Desempenho/eficácia organizacional. Estudo de caso numa empresa multinacional do ramo farmacêutico. 2010. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria, Coimbra, Portugal, 2010.

SIRKIN, H. L.; KEENAN, P.; JACKSON, A. The hard side of change management. Harvard Business Review, Vol 83, Issu 10, pp. 108-118, 2005.

SNOWDEN, D. J.; BOONE, M. E. A leader’s framework for decision making. Harvard Business Review, 85(11):69–76, 2007.

STOKER, J. I.; GRUTTERINK, H.; KOLK, N. J. Do transformational Ceos always make the difference? The role of TMT feedback seeking behavior. The Leadership Quarterly, 23(3): 582-592, 2012.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, Vol. 18: 7, pp. 509-533, 1997.

TOULMIN, S.; GUSTAVSEN, B. (Eds.) Beyond Theory: changing organizations through participation. Amsterdam: John Benjamins, 1996.

YIN, R. K. Case Study Research: design and methods, 4th edn, Thousand Oaks, CA: Sage, 2009.