Gestão do Conhecimento como Fator de Alavancagem de Inovação Aberta: O Caso Foco Virtual Outros Idiomas

ID:
49043
Resumo:
A inovação e o conhecimento estão presentes nos vários segmentos da economia, em especial no setor de tecnologia. A gestão de conhecimento como fator de alavancagem da inovação aberta nas empresas ainda é incipiente. O objetivo da pesquisa é entender como a gestão do conhecimento influencia no desenvolvimento de produtos e serviços na perspectiva da Inovação Aberta. Foi estabelecido como método de pesquisa o Estudo de Caso Único, cujo direcionamento investigativo permite coadunar entrevistas individuais com documentos da empresa e com a teoria para devida explicação de processos específicos. Os resultados demonstram íntima relação entre os dois constructos, sendo a Gestão do Conhecimento considerada como mola propulsora da Inovação Aberta. É possível concluir que a gestão de conhecimento tal como postulada pela Comunidade Empresarial Foco Virtual engloba o processo de cocriação, interação e participação entre consumidores, desenvolvedores e gestores de empresas e o envolvimento desses atores são fundamentais para o surgimento de novos produtos e serviços atendendo os axiomas da Inovação Aberta. A limitação da pesquisa reside na falta de instrumentos de mensuração da participação dos consumidores no processo de inovação e no fato de que os processos da empresa analisada estejam em fase de desenvolvimento.
Citação ABNT:
MANGINI, E. R.; ROSSINI, F. H. B.; CONEJERO, M. A.; URDAN, A. T. Gestão do Conhecimento como Fator de Alavancagem de Inovação Aberta: O Caso Foco Virtual . Revista de Administração, Sociedade e Inovação, v. 4, n. 1, p. 16-33, 2018.
Citação APA:
Mangini, E. R., Rossini, F. H. B., Conejero, M. A., & Urdan, A. T. (2018). Gestão do Conhecimento como Fator de Alavancagem de Inovação Aberta: O Caso Foco Virtual . Revista de Administração, Sociedade e Inovação, 4(1), 16-33.
DOI:
http://doi.org/10.20401/rasi.4.1.154
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49043/gestao-do-conhecimento-como-fator-de-alavancagem-de-inovacao-aberta--o-caso-foco-virtual-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99–120.

Beijerse, R. P. (2000). Knowledge management in small and medium-sized companies: knowledge management for entrepreneurs. Journal of Knowledge Management, 4(2), 162–179.

Benedetti, M. H., & Torkomian, V. (2013). A contribuição das fontes externas de conhecimento no processo de inovação das empresas. In XXXVII Encontro da ANPAD (pp. 1–16).

Bican, P. M., Guderian, C. C., & Ringbeck, A. (2017). Managing knowledge in open innovation processes: an intellectual property perspective. Journal of Knowledge Management, 21(6), 1384–1405.

Bughin, J., Chui, M., & Johnson, B. (2008). The next step in open innovation. The McKinsey Quarterly, June, 4(1), 22–29.

Bukowitz, W. R., & Williams, R. I. (2002). Manual de Gestão do Conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. São Paulo: Bookman.

Campomar, M. C. (1991). Do uso de “estudo de caso” em pesquisas para dissertações e teses em administração. Revista de Administração, 26(3), 95–97.

Canongia, C., Santos, D. M., Santos, M. M., & Zackiewicz, M. (2004). Foresight, inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Gestão & Produção, 11(2), 231–238.

Cavalcanti, M., Gomes, E., & Pereira, A. (2001). Gestão de empresas na sociedade do conhecimento. São Paulo: Campus.

Chen, L., & Fong, P. S. W. (2015). Evaluation of knowledge management performance: An organic approach. Information & Management, 52(4), 431–453.

Chesbrough, H. W. (2003a). Open Platform Innovation: Creating Value from Internal and External Innovation. Intel Technology Journal, 7(3), 7.

Chesbrough, H. W. (2003b). The Era of Open Innovation. MIT Sloan Management Review, 127(3), 34–41.

Chesbrough, H. W. (2007a). Have Open Business Models. MITSloan Management Review, 48(2), 22–28.

Chesbrough, H. W. (2007b). Why Companies Should Have Open Business Models. MIT Sloan Management Review, 48(2), 22. Comunidade Empresarial Foco Virtual Disponível em: acessado em 30 de julho de 2015.

Cooper, D R.; Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração (12 th). Porto Alegre: AMGH Editora Ltda.

Costa, I., Cecília, A., Vasconcelos, F. de, & Cândido, G. A. (2009). Diagnóstico de Gestão do Conhecimento Como Mecanismo Para Criação De Valor : Um Estudo Exploratório no SebraePb. Revista Gestão Industrial DIAGNÓSTICO, 5(2), 80–98.

Costa, M. D., Krucken, L., & Abreu, A. F. de (2000). Gestão da Informação ou Gestão do Conhecimento? Revista ACB: Biblioteconomia Em Santa Catarina, 5(5), 26–41.

Cuesta, J. C. Z. (2011). Los elementos de gestión del conocimiento en la transferencia de tecnologías de la universidad a la empresa. Contribuciones a Las Ciencias Sociales, 12(1), 1– 11.

Davenport, T. H. (2006). Pense fora do quadrado: descubra e invista em seus talentos para maximizar resultados da sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Drucker, P. (2015). Innovation and Entrepreneurship. New York: Routledge.

Fachin, G. R. B., Stumm, J., Comarella, R. L., Fialho, F. A. P., & Santos, N. (2009). Gestão do conhecimento e a visão cognitiva dos repositórios institucionais. Perpectivas Da Ciência Da Informação, 14(2), 220–236.

Fleury, M. T. L., & Oliveira, M. M. (2001). Gestão Estratégica do Conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Gassmann, O., Enkel, E., & Chesbrough, H. (2010). The future of open innovation. R and D Management, 40(3), 213–221.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20–29.

Kanaane, R., & Ortigoso, S. A. F. (2011). Manual de Treinamento e Desenvolvimento do Potencial Humano. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Kim, B., Kim, E., & Foss, N. J. (2016). Balancing absorptive capacity and inbound open innovation for sustained innovative performance: An attention-based view. European Management Journal, 34(1), 80–90.

King, A., & Lakhani, K. R. (2013). Using Open Innovation to Identify the Best Ideas. Sloan Management Review.

Kruglianskas, I., & Terra, J. C. C. (2003). Gestão do conhecimento em pequenas e médias empresas. São Paulo: Negócios Editora.

Kuriakose, K. K., Raj, B., Satya Murty, S. A. V, & Swaminathan, P. (2010). Knowledge Management Maturity Models – A Morphological Analysis. Journal of Knowledge Management Practice, 11(3), 1–9.

Leitão, J. S. S. (2006). Estratégias para facilitar o compartilhamento de conhecimentos em uma organização de pesquisa e desenvolvimento. Universidade Federal de Santa Catarina.

Lopes, C. M., Scavarda, A., Hofmeister, L. F., Thomé, A. M. T., & Vaccaro, G. L. R. (2017). An analysis of the interplay between organizational sustainability, knowledge management, and open innovation. Journal of Cleaner Production, 142(1), 476–488.

Lundvall, B.-Å. (2005). National Innovation Systems Analytical Concept and Development Tool. In Dynamics Of Industry and Innovation: Organizations, Networks and Systems (pp. 1– 43).

Marques, J. P. C. (2014). Closed versus Open Innovation: Evolution or Combination? International Journal of Business and Management, 9(3), 196–203.

Natale, C. H. C. (2014). A evolução das práticas de Gestão do Conhecimento nas organizações: um estudo de caso em uma empresa de construção civil pesada. Universidade Fumec.

Ortoll, E. (2003). Gestión del conocimiento y competencia informacional en el puesto de trabajo. Universidad Oberta de Catalunya, 1–12. Retrieved from http://www.uoc.edu/dt/20343/index.html

Pereira, J., Barbosa, J. G. P., Bouzada, M. A. C., & Freitas, A. S. (2014). Relação entre Inovação e Estratégia: um estudo de caso em uma empresa de TIC. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 7(2), 68–98.

Perkmann, M., & Walsh, K. (2007). University-Industry Relationships and Open Innovation: Towards a Research Agenda. International Journal of Management Reviews, 9(4), 259–280.

Randhawa, K., Josserand, E., Schweitzer, J., & Logue, D. (2017). Knowledge collaboration between organizations and online communities: the role of open innovation intermediaries. Journal of Knowledge Management, 21(6), 1293–1318.

Rodrigues, L. C., França, A. L., & Heringer, B. H. F. (2001). Inovação Aberta e Inovação Distribuída em Empresa de Alta Tecnologia. In XXVI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica (pp. 1–17).

Rodrigues, L. C., Heringer, B. H. F., & França, A. L. (2011). Padrões de Inovação em Multinacional de Base Tecnológica. Revista Inteligência Competitiva, 1(2), 198–204.

Rossetti, A. G., & Morales, A. B. T. (2007). O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência Da Informação, 36(1), 124–135.

Rossetti, A. G., Pacheco, A. P. R., Salles, B., Garcia, M., & Santos, N. (2008). A organização baseada no conhecimento: novas estruturas, estratégias e redes de relacionamento. Ciência Da Informação, 37(1), 61–72.

Saini, R. (2013). Model Development for Key Enablers in the Implementation of Knowledge Management. The IUP Journal of Knowledge Management, 11(2), 46–62.

Santos, J., Doz, I., & Willianson, P. (2004). Is your innovation process global. MIT Sloan Management Review, 45(4), 31–37.

Slowinski, G., Hummel, E., Gupta, A., & Gilmont, E. R. (2009). Effective Practices for Sourcing Innovation. Research Technology Management, 52(1), 27–34.

Spender, J. C. (2001). Gerenciando sistemas de conhecimento. In Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. (pp. 27–49). São Paulo: Editora Atlas S.A.

Trentini, A. M. M., Furtado, I. M. T., Dergint, D. E. A., Reis, D. R. dos, & Carvalho, H. G. de. (2012). Inovação Aberta e Inovação Distribuída, Modelos Diferentes de Inovação? Estratégia & Negócios, 5(1), 88–109.

Vargo, S. L., & Lusch, R. F. (2004). Evolving to a new dominant logic for marketing. Journal of Marketing, 68(1), 1–17.

Vasconcelos, F. C., & Brito, L. A. L. (2004). Vantagem Competitiva: o construto e a métrica. Revista de Administração de Empresas, 44(2), 51–63.

Väyrynen, H., Helander, N., & Vasell, T. (2017). Knowledge Management for Open Innovation: Comparing Research Results between SMEs and Large Companies. International Journal of Innovation Management, 21(5), 1–22.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Editora Atlas S.A.

West, J., & Bogers, M. (2014). Leveraging external sources of innovation: A review of research on open innovation. Journal of Product Innovation Management, 31(4), 814–831.

West, J., Salter, A., Vanhaverbeke, W., & Chesbrough, H. (2014). Open innovation: The next decade. Research Policy, 43(5), 805–811.

Witzeman, S., Slowinski, G., Dirkx, R., Gollob, L., Tao, J., Ward, S., & Miraglia, S. (2006). Harnessing External Technology for Innovation. Research Technology Management, 49(3), 19–27.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos (5th ed.). Porto Alegre: Bookman.