Entre a Inserção e a Inclusão de Minorias nas Organizações: Uma Análise Crítica sob o Olhar de Jovens Trabalhadores Outros Idiomas

ID:
49076
Resumo:
O discurso da gestão da diversidade surge nas organizações de trabalho propagando a postura socialmente responsável das empresas que promovem ações de inserção de minorias sociais, apresentadas como possibilidade de superação das desigualdades sociais do capitalismo. Todavia, notamos em diversas empresas não haver nada além do cumprimento de exigências legais, como as que determinam que empresas de médio e grande porte contratem jovens aprendizes. Esses jovens, inseridos em um contexto de vulnerabilidade social, por vezes incorporam a própria ideologia hegemônica que os subjuga enquanto minorias sociais. Partindo de uma perspectiva crítica, o objetivo deste artigo é analisar a percepção de jovens aprendizes quanto à inclusão de minorias sociais nas organizações de trabalho. A partir de entrevistas semiestruturadas e posterior análise de conteúdo, pudemos constatar que ainda há um longo caminho rumo à emancipação política, econômica e social dos sujeitos marginalizados por suas diferenças sociais.
Citação ABNT:
FRANCO, D. S.; MAGALHÃES, A. F.; PAIVA, K. C. M.; SARAIVA, L. A. S. Entre a Inserção e a Inclusão de Minorias nas Organizações: Uma Análise Crítica sob o Olhar de Jovens Trabalhadores . Revista Economia & Gestão, v. 17, n. 48, p. 43-61, 2017.
Citação APA:
Franco, D. S., Magalhães, A. F., Paiva, K. C. M., & Saraiva, L. A. S. (2017). Entre a Inserção e a Inclusão de Minorias nas Organizações: Uma Análise Crítica sob o Olhar de Jovens Trabalhadores . Revista Economia & Gestão, 17(48), 43-61.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5752/P.1984-6606.2017v17n48p43-61
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49076/entre-a-insercao-e-a-inclusao-de-minorias-nas-organizacoes--uma-analise-critica-sob-o-olhar-de-jovens-trabalhadores-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. M.; SILVA, R. C. Compreendendo as estratégias de sobrevivência de jovens antes e depois da internação na FEBEM. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 5, n. 1, p. 87-102, 2004.

BAJOIT, G.; FRANSSEN, A. O Trabalho, Busca de Sentido. Revista Brasileira de Educação, n. 5-6, p. 76-95, maio/dez. 1997.

BARBOSA, C. S. Habilidades excepcionais: uma avaliação das capacidades produtivas de pessoas portadoras de deficiência mental. 2007. 111 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia) - Escola de Engenharia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BERNARDINO, J. Ação afirmativa e a rediscussão do mito da democracia racial no Brasil. Estud. Afro-Asiát., v. 24, n. 2, p. 247-273, 2002 .

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CAMARANO, A. A. et al. A transição para a vida adulta: novos ou velhos desafios? Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise, n. 21, p. 53-66, fev. 2003.

CHIESI, A; MARTINELLI, A. O trabalho como escolha e oportunidade. Revista Brasileira de Educação, n. 5-6, p. 110-125, maio/dez. 1997.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

COLBARI, A. A análise de conteúdo e a pesquisa empírica qualitativa. In: SOUZA, E. M. (Org.) Metodologia e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teórico-conceitual. Vitória: UFES, 2014.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 3. ed. Brasília: Liber Livro, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

GOFFMAN, E. Estigma - notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GUARESCHI, P. A. Ideologia. In: JACQUES, M. G. et al. Psicologia social contemporânea. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 89-103.

LIMA, L. C. Interação família-escola: papel da família no processo ensino-aprendizagem. Londrina: Secretaria da Educação, 2009.

MAGALHÃES, A. F. Contradições entre essência e aparência nos processos de empoderamento de gays em organizações de trabalho. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 38, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2014.

MARGULIS, M.; URRESTI, M. La juventud es más que una palabra. In: MARGULLIS, M. (Ed.). La juventud es más que una palabra: ensaios sobre cultura y juventude. Buenos Aires: Biblos, 2008. p. 13-30.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

MINAYO-GOMEZ, C.; MEIRELLES, Z. V. Crianças e adolescentes trabalhadores: um compromisso para a saúde coletiva. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 13, Suppl. 2, p. 135-140, jan. 1997.

OIT.ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho decente e juventude no Brasil. Brasília: OIT, 2009.

PAGÈS, M. et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PAULA, A. P. P. Teoria crítica nas organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2008.

SANDRONI, P. O que é mais-valia? 13. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SARAIVA, L. A. S.; IRIGARAY, H. A. R. Políticas de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 3, set./dez. 2009.

SIQUEIRA, M. V. S. Gestão de pessoas e discurso organizacional. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2009.

SPOSITO, M. P. Os jovens no Brasil: desigualdades multiplicadas e novas demandas políticas. São Paulo: Ação Educativa, 2003.

TANAKA, E. D. O.; MANZINI, E. J. O que os empregadores pensam sobre o trabalho da pessoa com deficiência? Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 273-294, maio/ago. 2005.

THOMÉ, L. D.; TELMO, A. Q.; KOLLER, S. H. Inserção laboral juvenil: contexto e opinião sobre definições de trabalho. Paidéia, v. 20, n. 46, p. 175-185, maio/ago. 2010.

UNVPA. Direitos da população jovem: um marco para o desenvolvimento. 2. ed. Brasília: UNVPA, 2010.