Política de Gestão de Riscos Corporativos: O Caso de uma Agência Reguladora da Saúde Outros Idiomas

ID:
49141
Resumo:
Estudo qualitativo e descritivo-exploratório que objetiva relatar a experiência da elaboração da Política de Gestão de Riscos Corporativos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no período de 01 de novembro de 2016 a 31 de maio de 2017, como ferramenta estratégica de governança corporativa. A fundamentação teórica envolveu a ISO 31000, COSO ERM e normas de referências em gestão de riscos. Por meio da técnica de triangulação, utilizando a pesquisa documental, a pesquisa-ação e a de levantamento, verificou-se que a política foi desenvolvida em cinco grandes etapas inter-relacionadas: 1) sensibilização da alta liderança, 2) desenvolvimento de competências e benchmarking, 3) consulta interna, 4) comunicação e disseminação interna e 5) discussão aprovação da política pela diretoria colegiada. Conclui-se que a experiência da agência foi bastante satisfatória, uma vez que superou as recomendações dos órgãos de controle. Quando há uma política amplamente discutida, que busca potencializar o alcance da missão institucional e fortalecer o modelo de governança, essa experiência pode ser replicada por outros órgãos reguladores, observando as suas devidas especificidades.
Citação ABNT:
MARTINS, M. A. F.; SANTOS, W. O. D.; BRITO, R. L.; ALVES, G. F. Política de Gestão de Riscos Corporativos: O Caso de uma Agência Reguladora da Saúde. Revista do Serviço Público, v. 69, n. 1, p. 7-32, 2018.
Citação APA:
Martins, M. A. F., Santos, W. O. D., Brito, R. L., & Alves, G. F. (2018). Política de Gestão de Riscos Corporativos: O Caso de uma Agência Reguladora da Saúde. Revista do Serviço Público, 69(1), 7-32.
DOI:
https://doi.org/10.21874/rsp.v69i1.3159
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49141/politica-de-gestao-de-riscos-corporativos--o-caso-de-uma-agencia-reguladora-da-saude/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). NBR ISO 31000: gestão de riscos: princípios e diretrizes. Rio de Janeiro, 2009.

Ávila, Marta Dulcélia Gurgel. Gestão de riscos no setor público. Revista Controle: doutrinas e artigos, v. 12, n. 2, p. 179–8, 2016.

Ávila, Marta Dulcélia Gurgel. Gestão de riscos no setor público: controle estratégico para um processo decisório eficiente. Revista Científica Semana Acadêmica, v. ano MMXIII, p. 32, 2013. Disponível em: .

Azevedo, Mateus Miranda de et al. O compliance e a gestão de riscos nos processos organizacionais. Revista de Pós-Graduação Multidisciplinar (RPGM), v. 1, n. 1, p. 1–25, 2017. Disponível em: .

Barbosa, Ana Maria Ribeiro. Sistema de gestão de risco: análise dos fatores estratégicos para delimitação de um sistema de gestão de risco na ótica de analistas de risco e docentes. Recife/PE: Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em: , 2012.

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Política de Gestão de Riscos. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: .

Brasil. Decreto nº 9.203, de 22 de novembro de 2017. Dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 9782, de 26 de janeiro de 1999. Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. Brasília/DF: Ministério da Saúde, 1999.

Brasil. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Matriz de riscos: gestão de integridade, riscos e controles internos da gestão. Brasília/DF: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, 2016.

Brasil. Ministério do Planejamento. Controladoria Geral da União. Instrução Normativa Conjunta nº 01/2016. Brasília/DF: Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, Controladoria Geral da União, 2016.

Brasil. Tribunal de Contas da União (TCU). Relatório no TC 011.745/2012-6.

Brasília: Enap, 2006, p. 58. Franco, Fernando L. Governança e gestão de riscos em órgãos públicos. São Paulo: Brainstorming: consultoria e treinamento, 2015.

BrasíliaDF, 2012. Brasil, Tribunal de Contas da União (TCU). Relatório TCU — TC 021.860/2014-9 — Anvisa. Brasília/DF, 2014. Disponível em: .

Brasiliano, Antonio Celso Ribeiro. Inteligência em riscos: gestão integrada em riscos corporativos. São Paulo: Sicurezza, 2016.

Camara, Ricardo et al.. WikiRiskMan: um framework para gestão de riscos em Projetos. AMCIS 2015 Proceedings, 2015.

Commission Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway (COSO). Enterprise risk management: integrated framework (Commission Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway, Org.), 2004.

Dominique, Kathleen C.; Malik, Ammar Anees; Remoquillo-Jenni, Valerie. International benchmarking: politics and policy. Science and Public Policy, 2013.

Escola Nacional de Administração Pública (Enap). Guia sobre a gestão de riscos no serviço público. Enap (Org.). Cadernos Enap, 30 Canada School of Public Service.

Gil, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Hillson, David. Guia de orientação para o gerenciamento de riscos corporativos. Coordenação: Eduarda La Rocque. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo: IBCG, 2007. Disponível em: .

Hillson, David. The risk management handbook: a practical guide to managing the multiple dimensions of risk. London: KoganPage, 2016.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4ª ed. São Paulo: IBCG, 2009.

Maia, Isabela Ribeiro Damaso. Gestão de Riscos no Banco Central do Brasil. Seminário Gestão de Riscos: desafios para implementação da instrução normativa. Brasília/DF: Departamento de Riscos Corporativos e Referências Operacionais (DERIS), 2017. Disponível em: .

Melo Filho, José Luiz de Albuquerque. Manual de gestão integrada de riscos corporativos. Brasília /DF: Ministério da Fazenda, 2016. Disponível em: .

Power, Michael. The risk management of nothing: accounting, organizations and society, v. 34, n. 6–7, p. 849–5, 2009.

Ramos, César. Gestão de riscos corporativos. Como integrar a gestão dos riscos com a estratégia, a governança e o controle interno? 1ª ed. São Paulo: Ramos, Editora César, 2015. Disponível em: .

Saccol, Amarolinda Zanela. Um retorno ao básico: compreendendo os paradigmas de pesquisa e sua aplicação na pesquisa em administração. Revista de Administração da UFSM, v. 2, n. 2, p. 250–69, 2009.

Santos, José Luiz Lins dos. Transparência regulatória e controle social. In: Proença, Jadir Dias; De Paulo, Carla Beatriz; et al. Experiências Exitosas em Regulação na Ameríca Latina e Caribe. Brasília: Presidência da República, Editora alia opera, p.155, 2012.

Santos, Rubens Ferreira dos. Gestão de riscos aplicada a processo de concessão de financiamento imobiliário. Dissertação (Mestrado Profissional em Computação Aplicada) Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Schlosberg, David; Collins, Lisette B.; Niemeyer, Simon. Adaptation policy and community discourse: risk, vulnerability, and just transformation. Environmental Politics, v. 26, n. 3, p. 413–37, 2017. Disponível em: .

Silva, Gustavo Henrique Trindade da. Performance regulatória: uma análise do Programa de Melhoria do Processo de Regulamentação da Anvisa no contexto da atual Agenda de Reforma Regulatória no Brasil. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca – ENSP, Brasília, 2013.

Silveira, Géssica Mezzari. Boas práticas de governança corporativa: um estudo sobre sua aplicabilidade no setor público. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), 2015.

Zappellini, Marcello Beckert; Feuerschütte, Simone Ghisi. O uso da triangulação na pesquisa científica brasileira em administração: administração: ensino e pesquisa, v. 16, n. 2, p. 241, 2015.