Da Gaveta para a Indústria: Correspondência entre Patentes Universitárias e Atividades Econômicas Outros Idiomas

ID:
49166
Resumo:
O objetivo principal desse artigo é o de realizar a correspondência entre as patentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e as atividades econômicas da Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE). Para tanto, foi utilizada a metodologia denominada Algorithmic Links with Probabilities, que faz uso de uma estrutura probabilística para estabelecer a conexão dos dados de patentes com palavras-chave extraídas das descrições da indústria. Após a utilização da técnica, procedeu-se à Análise de Correspondência e ao teste Qui Quadrado sobre os resultados. Concluiu-se que existe uma relação estatisticamente significativa entre as patentes da UFRGS e atividades econômicas específicas. Observou-se que 76% das patentes da UFRGS estão relacionadas a somente 6 campos econômicos. As patentes concentram-se no campo médico, odontológico, higiênico e terapêutico e relacionam-se, principalmente, com as indústrias de medicamentos e, secundariamente, com as de defensivos agrícolas e vacinas veterinárias. Complementarmente, as tecnologias de engenharia de material estão associadas às indústrias de máquinas e equipamentos.
Citação ABNT:
CALZOLAIO, A. E.; SPRICIGO, G.; MONTEIRO, S. M. M. Da Gaveta para a Indústria: Correspondência entre Patentes Universitárias e Atividades Econômicas. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 1, p. 115-139, 2018.
Citação APA:
Calzolaio, A. E., Spricigo, G., & Monteiro, S. M. M. (2018). Da Gaveta para a Indústria: Correspondência entre Patentes Universitárias e Atividades Econômicas. Revista Gestão & Tecnologia, 18(1), 115-139.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i1.1219
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49166/da-gaveta-para-a-industria--correspondencia-entre-patentes-universitarias-e-atividades-economicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aguayo, M. T.V. (1993). Análise de Correspondência e Modelos Log-Lineares: um Enfoque Integrado para a Análise Exploratória de Dados Categóricos. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil).

Amatriain, X.; Pujol, J. M. (2015). Data mining methods for recommender systems. In Ricci, F.; Rokach, L.; Shapira, B. (Eds). Recommender systems handbook. Boston: Springer.

Apax Partners Ltd. (2005). Understanding technology transfer. http://www.wipo.int/export/sites/www/sme/en/newsletter/2011/attachments/apax_ tech_transfer.pdf

Buenstorf, G.; Geissler, M. (2012). Not invented here: technology licensing, knowledge transfer and innovation based on public research. Journal of Evolutionary Economics, 22(3), 481-511.

Castro, B. S.; Souza, G. C. (2012). O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas universidades brasileiras. Liinc em Revista, 8(1), 125-140.

CK-12 Foundation. (2017). Chi Square Test. https://www.ck12.org/c/statistics/chi-square-test/

Desidério, P. H. M.; Zilber, M. A. (2014). Barreiras no Processo de Transferência Tecnológica entre Agências de Inovação e Empresas: observações em universidades públicas e privadas. Revista Gestão & Tecnologia, 14(2), 101-126.

Howell, D. C. (2011) Chi-Square test: analysis of contingency tables. (cap. 86, pp. 250-252). Berlin: Springer-Verlag.

Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. (2014). Inventando o futuro: uma introdução às patentes para as pequenas e médias empresas. http://www.inpi.gov.br/sobre/arquivos/03_cartilhapatentes_21_01_2014_0.pdf

Ismail, N.; Nor, M. J. M.; Sidek, S. (2015). A framework for a successful research products commercialisation: a case of Malaysian academic researchers. Procedia Social an Behavioral Sciences, 195(Special issues), 283-292.

Johnson, D. K. N. (2002). The OECD technology concordance (OTC): Patents by industry of manufacture and sector of use. SIT Working papers, nº 5. Paris: OCDE.

Kalar, B.; Antoncic, B. (2015). The entrepreneurial university, academic activities and technology and knowledge transfer in four European countries. Technovation, 36, 1-11.

Kortum, S.; Jonathan, P. (1997). Assigning Patents to Industries: Tests of the Yale Technology Concordance. Economic Systems Research, 9(2).

Lybbert, T. J.; Zolas, N. J. (2014) Getting patents and economic data to speak to each other: An 'algorithmic links with probabilities' approach for joint analyses of patenting and economic activity. Research Policy, 43(3), 530-542.

Marques, R. H.; Pereira, R. M.; Garcia, M. O.; G. R. (2017). Monitoramento tecnológico: um estudo de uma patente da Universidade Federal de Viçosa. Revista Gestão & Tecnologia, 6(3), 110-137.

Mueller, S. P. M.; Perucchi, V. (2014). Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, 19(2), 15-36.

Nd. (2004). Lei n° 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica ... Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Nd. (2016). Lei n° 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação.... Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

Nd. (2016). Ranking Universitário da Folha. http://ruf.folha.uol.com.br/2017/

Nelson, R, R. (2006). The Oxford Handbook of Innovtion. New York: Oxford University Press.

Oliveira, L. G.; Nunes, J. S. (2009). O uso do sistema de patentes pela universidade brasileira. https://digitalis.uc.pt/ptpt/livro/o_uso_do_sistema_de_patentes_pelas_universidades_brasileiras

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2009). OECD Patent Statistics Manual. http://www.oecdilibrary.org/docserver/download/9209021e.pdf?expires=1505841109&id=id&accname=guest&checksum=C2120AC300A08F1395EB66EE94C4C93E

Pereira, F. C.; Mello, J. M. C. (2015). Depósito de patentes de universidades brasileiras na base do INPI. Anais do 35º Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Fortaleza, CE, Brasil.

Perkmann, M.; Tartari, V.; McKelvey, M.; Autio, E.; Brostrom, A.; D'Este, P.; Fini, R.; Geuna, A. (2013). Academic engagement and commercialization: a review of literature on university-industry relations. Research Policy, 42(2), 424-442.

Prado, M. V. B. (2012). Métodos de análise de correspondência múltipla: estudo de caso aplicado à avaliação da qualidade do café. (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil).

Rosa, R. A.; Frega, J. R. (2017). Intervenientes do processo de transferência tecnológica em uma universidade pública. Revista de Administração Contemporânea, 21(4), 435-457.

Schmoch, U.; Laville, F.; Patel P.; Frietsch, R. (2003). Linking Technology Areas to Industrial Sectors. (Final Reports to the European Commission). Karlsrushe: DG Research.

Thursby, M.; Gupta-Mukherjee, S. (2007). Are there real effects of licensing on academic research?A life cycle view. Journal of Economic Behavior & Organization, 64(4).

United Nations. (2008). International Standard Industrial Classification. https://unstats.un.org/unsd/publication/seriesM/seriesm_4rev4e.pdf

United Nations. (2016). United Nations Statistics Division. http://unstats.un.org/unsd/cr/ctryreg/ctrydetail.asp?id=1036

Verspargen, B.; Morgastel, T.; Slabbers, M. (1994). MERIT concordance table: IPC-ISIC (rev. 2) [MERIT Research Memorandum 2/94-004]. Maastricht: University of Limburg.