Processo de Implantação e Estruturação do Núcleo de Inovação Tecnológica Outros Idiomas

ID:
49170
Resumo:
A implementação do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) ainda é apontada como um desafio no Brasil. Assim, este trabalho tem como objetivo analisar o processo de implantação e estruturação do NIT no Instituto Pasteur (IP), indicando os resultados aferidos nesse processo. Para isso, inicialmente, descrevemos o ambiente de inovação existente na instituição antes do processo; em seguida, verificamos, dentre os modelos de gestão, os que mais se aplicam às características do NIT-IP para avaliar os resultados aferidos nesse processo e, por fim, apontamos os pontos positivos e negativos do modelo usado. O IP possui atividades relacionadas a prestação de serviço e pesquisa aplicada com potencial inovador. Por isso, aqui utilizamos o modelo organizacional híbrido, com atividades voltadas para prestação de serviço e Pesquisa & Desenvolvimento. A metodologia de pesquisa baseia-se em um estudo de caso de caráter descritivo. As ações de implantação e estruturação do NIT-IP promoveram alguns resultados positivos na instituição como institucionalização, reconhecimento e sensibilização do NIT-IP frente à comunidade científica e o acompanhamento e avaliação do potencial inovador dos projetos e resultados científicos da instituição pelo NIT-IP. Devido aos resultados obtidos, esse modelo pode ser utilizado como uma referência em outros institutos com a estrutura semelhante ou não ao IP. Contudo, o NIT-IP encontra-se em um processo de amadurecimento, devendo transpor gargalos relacionados com a ausência de verba destinada aos NIT’s e recursos humanos insuficientes.
Citação ABNT:
KATZ, I. S. S.; PRADO, F. O.; SOUZA, M. A. Processo de Implantação e Estruturação do Núcleo de Inovação Tecnológica. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 1, p. 225-251, 2018.
Citação APA:
Katz, I. S. S., Prado, F. O., & Souza, M. A. (2018). Processo de Implantação e Estruturação do Núcleo de Inovação Tecnológica. Revista Gestão & Tecnologia, 18(1), 225-251.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i1.1112
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49170/processo-de-implantacao-e-estruturacao-do-nucleo-de-inovacao-tecnologica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amadei, J. R. P.; Torkomian, A. L. V. (2009). As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas (1995-2006). Ciência da Informação, 38(2), 9-18.

Andrade, M. M. (2003). Introdução à Metodologia do Trabalho Científico: elaboração de trabalhos na graduação. 6a ed. São Paulo: Atlas.

Assumpção, F. C.; Pereira, C. L.; Mascarenhas, I. M.; Rugani, I. G.; Pirola, J. L.; Varneiro, M. S. (2010). Estruturação e Planejamento de Núcleos de Inovação Tecnológica. Florianópolis: PRONIT- Implantação e estruturação do arranjo catarinense de núcleos de inovação.

Bercovitz, J.; Feldman, M.; Feller, I.; Burton, R. (2001). Organizational Structure as a Determinant of Academic Patent and Licensing Behaviour: An exploratory study of Duke, Johns Hopkins, and Pennsylvania State Universities. Journal of Technology Transfer, 26, 21-35.

Carnieli Junior, P.; Fahl, W de O.; Castilho, J. G.; Brandão, P. E.; Carrieri, M. L.; Kotait, I. (2008). Species determination of Brazilian mammals implicated in the epidemiology of rabies based on the control region of mitochondrial DNA. The Brazilian Journal of Infectious Diseases, 12(6), 462-5.

Castro B. S.; Souza G. C. (2012). O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT’s) nas universidades brasileiras. LIINC em Revista, 8(21), 125-140.

Cruz, C. H. B. (2010). Ciência, tecnologia e inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015. Interesse Nacional, ano 3, (10).

Etzkowitz, H. (2008). The Triple Helix – University-Industry-Government Innovation in Action. New York: Routledge, 164.

Fujino, A.; Stal, E.; Plonski, G. A. (1999). A proteção do conhecimento na universidade. Revista de administração, 34(4), 46-55.

Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas.

Hindle, T.; Lawrence, M. (1994). Field Guide to Strategy: A Glossary of Essencial Tools and Concepts of Today Managers. Harvard Business School Press.

Instituto Pasteur. nd.

Katz, I. S. S. (2015). Cartilha de Propriedade Intelectual e Inovação. 1a ed. São Paulo: Núcleo de Inovação Tecnológico (NIT) do Instituto Pasteur.

Leydesdorff, L.; Etzkowitz, H. (1996). The future location of research: a triple helix of university–industry–government relations II. Easst Review, 15(4), 20-25.

Lotufo, R. A. (2009). A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova Unicamp. In Santos, M. E. R. (Org.), Toledo, P. T. M.; Lotufo, R. A. Transferência de Tecnologia - Estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi, p. 41-73.

Magalhães Toledo, P. T. (2009). A Gestão Estratégica de Núcleos de Inovação Tecnológica: Cenários, Desafios e Perspectivas. In Seminário Latino- Iberoamericano de Gestión Tecnológica (Altec 2009), Cartagenas de Indias.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (2015). Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil – Relatório Formict 2014. http://www.mct.gov.br/upd_blob/0237/237597.pdf

Nd. Decreto nº 54.690 (2009, 18 de agosto). Diário Oficial do Estado de São Paulo Seção 1, p. 1. São Paulo, SP.

Nd. Decreto nº 56.569 (2010, 22 de dezembro). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Seção 1, p. 4. São Paulo, SP.

Nd. Lei complementar n. 1.049, de 19 de junho de 2008. (2008). Diário Oficial Estadual, Seção 1, p. 114. São Paulo, SP.

Nd. Lei n. 10.973, de 02 de dezembro de 2004. (2004). Diário Oficial da União Seção 1, p. 2, Brasil.

Nd. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. (2016). Diário Oficial da União Seção 1, p. 1, Brasil.

Nd. Portaria IP-16, de 16/12/2013, São Paulo (Estado). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo Seção I, p. 32. São Paulo, SP.

Nd. Portaria IP-23, de 28/11/2013, São Paulo (Estado). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo Seção I. São Paulo, SP.

Nd. Resolução SS-53 de 10/05/2012. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Seção 1, p. 35. São Paulo, SP.

Oliveira, D. H. (2005). O futuro da indústria: cadeias produtivas. Brasília, 1, 11-38.

Paulk, M. C.; Weber, C. V.; Garcia S. M.; Chrissis, M. B.; Bush M. Key. (1993). Practices of the Capability Maturity ModelSM, Version 1.1. 1 ed. Technical Report. Pittsburgh, Pennsylvania: Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University.

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3a ed. São Paulo: Atlas.

Secretaria de Estado da Saúde. (2012). Serviços técnicos especializados para implementação dos núcleos de inovação tecnológica nos institutos que operam no âmbito da SES. Relatório 1, São Paulo. http://ses.sp.bvs.br/wpcontent/uploads/2014/09/relat%C3%B3rio-parcial-1_evolu%C3%A7%C3%A3oproj.NIT’S_.pdf.

Secretaria de Estado da Saúde. (2012). Serviços técnicos especializados para implementação dos núcleos de inovação tecnológica nos institutos que operam no âmbito da SES. Relatório 2, São Paulo. http://ses.sp.bvs.br/wpcontent/uploads/2014/09/relat%C3%B3rio-parcial-2_evolu%C3%A7%C3%A3oproj.-NIT’S.pdf.

Segatto-Mendes, A. P.; Sbragia, R. (2002). O processo de cooperação universidadeempresa em universidades brasileiras. Revista de Administração, 37(4), 58-71.

Shenhar, A. J.; Dvir, D. (2007). Reinventing project management: the diamond approach to successful growth and innovation. Boston: Harvard Business School.

Torkomian, A. L. V. (2009). Panorama Dos Núcleos De Inovação Tecnológica No Brasil. In Santos, M. E. R. dos; Toledo, P. T. M. de.; Lotufo, R. de A. Transferência de Tecnologia: estratégias para estruturação e gestão dos Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi p. 21-38.