Potencial Disruptivo? A História de uma Biotecnologia Outros Idiomas

ID:
49201
Resumo:
Nesta pesquisa, buscase identificar e descrever historicamente o potencial disruptivo de uma biotecnologia vinculada a um laboratório de P da Rede ordeste de iotecnologia Renorbio. iferentes mtodos foram utiliados, com base em uma perspectiva sociológica e com abordagem da análise de relatos e enredos históricos. Considerando as dimenses que fundamentam tecnologias disruptivas, argumentase que a biotecnologia ustifica a sua potencialidade de disrupção ao articular construtos relacionados dimensão do capacitador tecnológico. Observouse que alguns fragmentos dos relatos transitam entre os construtos da dimensão inovação do modelo de gestão, sobretudo após a criação de uma spin-o. Contudo, os construtos que compem essa dimensão são limitantes, assim como a ausncia de relatos relacionados dimensão sistema de valor comercial, obstando a realiação de uma disrupção em todo o seu potencial. Entre as contribuiçes do artigo relevase o uso da abordagem histórica no contexto da área da cincia tecnologia.
Citação ABNT:
MATOS, L. B. S.; IPIRANGA, A. S. R. Potencial Disruptivo? A História de uma Biotecnologia. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 85, p. 287-302, 2018.
Citação APA:
Matos, L. B. S., & Ipiranga, A. S. R. (2018). Potencial Disruptivo? A História de uma Biotecnologia. Organizações & Sociedade, 25(85), 287-302.
DOI:
10.1590/1984-9250856
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49201/potencial-disruptivo--a-historia-de-uma-biotecnologia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADNER, R. When are technologies disruptive?A demand-based view of the emergence of competition. Strategic Management Journal, p. 667-688, 2002.

ALVESSON, M.; SANDBERG, J. Generating research questions through problematization. Academy of Management Review, v. 36, n. 2, p. 247-271, 2011.

BARNES, B.; BLOOR, D.; HENRY, J. Scientific knowledge. A sociological analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1996.

BARROS, A. Os arquivos e o "arquivo" (e vice-versa): temas para os estudos organizacionais. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 38., 2014, Rio de Janeiro, Anais ... Rio de Janeiro, 2014.

BARROS, A. Uma narrativa sobre os cursos superiores em Administração da FACE/UFMG: dos primeiros anos à sua unificação em 1968. Cad. EBAPE.BR, v. 12, n. 1, mar. 2014.

BARROS, A.; CARRIERI, A. P. O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. RAE, v. 55, n. 2, p. 151-161, 2015.

BOOTH, C.; ROWLINSON, M. Management and organizational history: prospects. Management & Organizational History, v. 1, n. 1, p. 5-30, 2006.

BOWER, J. L.; CHRISTENSEN, C. M. Disruptive technologies: catching the wave. Harvard Business Review, v. 73, n. 1, p. 45-53, 1995.

BOWKER, G. What's in a patent? In: BIJKER, W. E.; LAW, J. Shaping technology buílding society. Studies in sociotechnical change. Massachusetts Institute of Technology, 1992. p. 53-74.

BRASIL.Ministérios da Saúde. Dengue. . Acesso em: 9 ago.2016.

BRIGHT Green Book. Vacina contra a dengue produzida do feijão. 2013. . Acesso em: 26 mar. 2013.

CALLON, M. Introduction in la science et ses réseaux: çenêse et circulation des faites scientifique. Paris: La Découverte; Unesco, 1989. p. 7-33.

CHRISTENSEN, C. M. Dilema da inovação: quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso. São Paulo: M. Books do Brasil, 2012.

CHRISTENSEN, C. M. The innovator's dilemma: when new technologies cause great firms to fail. Cambridge, MA: Harvard Business School Press, 1997.

CHRISTENSEN, C. M.; GROSSMAN, J.; HWANG, J. The innovator's prescription: a disruptive solution for health care. New York: McGraw-Hill, 2009.

CHRISTENSEN, C. M.; RAYNOR, M. E. The innovator's solution. Harvard: Business School Press, 2003.

CLARK, P.; ROWLINSON, M. Time and narrative history: chattering historical narratives. Denver: Academy of Management Meeting; Organization and Management History Division, Aug. 2004.

COFFEY, A.; ATKINSON, P. Making sense of qualitative data. London: Sage, 1996.

COOKE, B. Writing the left out of management theory: the historiography of the management of change. Organization, v. 6, n. 1, p. 81-105, 1999.

COSTA, A. S. M. da; BARROS, D. F.; MARTINS, P. E. Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3, p. 288-299, jul./set. 2010.

CROCE, B. História e crônica. In: GARDINER, P. Teorias da história. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2004.

DECLEYN, S.; BRAET, J. Research valorization through spin-off ventures: integration of existing concepts and typologies. World Review of Entrepreneurship, Management and Sustainable Development, v. 5, n. 4, p. 325-352, 2009.

EARLY-STAGE Trial of Nih-Developed Candidate Dengue Vaccine Shows Promise. Medical News Today, 25 jan. 2013. .

FUNDAÇÃO BIOMINAS. Estudo de empresas de biotecnologia do Brasil. Belo Horizonte: Fundação Biominas, 2011.

GHARELO, R. S. et al. Production of therapeutic proteins through plant tissue and cell culture. BioSci. Biotech, v. 5, n. 1, p. 93-104, 2016.

GILL, F; ELDER, C. Data and archives: the internet as site and subject. International Journal of Social Research Methodology, v. 15, n. 4, p. 271-279, 2012.

GODIN, B. Innovation: the history of a category. Project on the Intellectual History of Innovation, Working Paper, Canadá: Montreal, n. 1, 2008.

GODIN, B. The linear model of innovation: the historical construction of an analytical framework. Science, Technology and Human Values, v. 31, n. 6, p. 639-667, 2006.

GODIN, B. Writing performative history: the new 'New Atlantis'. Social Studies of Science, v. 28, n. 3, p. 465-483, 1998.

GREENBEAN Biotechnology. Apresentação institucional. Fortaleza, 2013. 1 CDROM.

GUEDES, M. I. F. et al. Processo de produção de proteínas do vírus da dengue em plantas, e uso de proteínas na preparação de vacina contra a dengue. Pedido de patente: PI 1100532-7 A2, 16 fev. 2011, 2 out. 2012.

HARPUM, P. (Ed.) Portfolio, program, and project management in the pharmaceutical and biotechnology industries. New Jersey: John Wiley & Sons, 2010.

HENDERSON, R. M.; CLARK, K. B. Architectural innovation: the reconfiguration of existing product technologies and the failure of established firms. Administrative Science Quaterly, v. 35, n. 1, p. 9-30, 1990.

HITT, M. A. Empreendedorismo e inovação corporativa. In: HITT, M.A. Administração estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. p. 520- 547. 2005.

HOHOLM, T.; ARAÚJO, L. Studying innovation processes in real-time: the promises and challenges of ethnography. Industrial Marketing Management, v. 40, n. 6, p. 933-939, 2011.

IPIRANGA, A. S. R.; MATOS, L. B. S. As práticas científicas em um laboratório de biotecnologia: uma discussão sob a ótica da teoria ator rede. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 8., 2014, Gramado. Anais... Gramado, 2014.

IPIRANGA, A. Uma discussão sobre a cultura científica da biotecnologia: as relações da academia com a ciência industrial e o governo. REGE - Revista de Gestão da USP, v. 17, p. 371-385, 2010.

JONES, G.; ZEITLIN, J. The Oxford handbook of business history. UK: Oxford University Press, 2007.

KIM, W. C.; MAUBORGNE, R. A estratégia do oceano azul. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

OMS.Organização Mundial da Saúde. World Health Day 2014: small bite, big threat. . Acesso em: set. 2014.

RABINOW, P. Making PCR.A story of biotechnology. Chicago: The University Chicago Press, 2002.

RENORBIO. Rede Nordeste de Biotecnologia. Desenvolvido por Renorbio (2005-2010), 2013.

ROSE, N. Políticas de la vida. Biomedicina, poder y subjetividad em el siglo XXI. La Plata: Unipe Editorial Universitaria, 2012.

ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

SCHMITZ, J. et al. Next generation dengue vaccines: a review of candidates in preclinical development. US National Library of Medicine - National Institutes of Health, v. 29, n. 42, p. 7276-7284, 2011. .

SILOBREAKER. Brazil dengue vaccine. 2013. . Acesso em: 26 mar 2013.

SPRADLEY, J. P. The ethnographic interview. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1980.

ÜSDIKEN, B.; KIESER, A. Introduction: history in organization studies. Business History, v. 46, n. 3, p. 321-330, 2004.

VARELLA, D. Dengue: quadro clínico, diagnóstico e tratamento. 2012. . Acesso em: 16 mar. 2012.

VIZEU, F. Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. RAE, v. 50, p. 36-46, 2010.