Procedimentos de auditoria aplicados pelas empresas de auditoria independente de Santa Catarina em entidades do Terceiro Setor Outros Idiomas

ID:
4921
Resumo:
O objetivo do artigo é identificar quais são os procedimentos de auditoria utilizados pelas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina (SC) nas entidades do Terceiro Setor. Realizou-se uma pesquisa descritiva, de levantamento e com abordagem quantitativa. A população corresponde as 23 empresas de auditoria estabelecidas em SC e com registro na Comissão de Valores Mobiliários. A amostra, por acessibilidade, representou 26% empresas de auditoria. Como instrumento de pesquisa utilizou-se um questionário com perguntas abertas e fechadas, cujos respondentes correspondiam a cargos superiores a auditores seniores. Os resultados demonstram que os testes de observância mais utilizados são o exame documental e o teste de segregação de funções, utilizado por todas as empresas de auditoria. As áreas de compras e de pessoal são as áreas com maior aplicação dos testes de observância. Quanto aos testes substantivos mais utilizados, constatou-se que são os testes de confirmação externa, o exame e contagem física, o exame de documentos originais e o exame de escrituração. Com maior aplicação nas áreas relacionadas com as disponibilidades, com os estoques e com as contas a receber. Concluiu-se também que os resultados convergiram com a pesquisa de Cunha, Beuren e Hein (2006) nos aspectos relacionados aos testes mais e menos utilizados, e nas áreas que mais e menos são aplicados estes procedimentos de auditoria, tanto para os testes de observância quanto aos substantivos. Isso sinaliza que para as empresas de auditoria de SC os procedimentos de auditoria não diferem para uma auditoria das demonstrações contábeis com foco no terceiro setor em relação aos outros setores.
Citação ABNT:
CUNHA, P. R.; KLANN, R. C.; RENGEL, S.; SCARPIN, J. E. Procedimentos de auditoria aplicados pelas empresas de auditoria independente de Santa Catarina em entidades do Terceiro Setor. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 4, n. 10, art. 4, p. 65-85, 2010.
Citação APA:
Cunha, P. R., Klann, R. C., Rengel, S., & Scarpin, J. E. (2010). Procedimentos de auditoria aplicados pelas empresas de auditoria independente de Santa Catarina em entidades do Terceiro Setor. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(10), 65-85.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4921/procedimentos-de-auditoria-aplicados-pelas-empresas-de-auditoria-independente-de-santa-catarina-em-entidades-do-terceiro-setor/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, Lúcia Silva. O nível de evidenciação das informações contábeis geradas pelas organizações da sociedade civil de interesse público – OSCIP do Estado da Paraíba. 2007. 130 fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Dissertação (Mestrado em ciências Contábeis), Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - UnB, UFPB, UFPE e UFRN, Brasília, 2007.

ANDRADE, Lucila Carmélia de. Técnicas de amostragem em empresas de auditoria na cidade do Rio de Janeiro: um estudo de casos. 1988. 188f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Instituto Superior de Estudos de Estudos Contábeis – ISEC – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1988.

ATTIE, William. Auditoria: conceitos e aplicações. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

BARRAGAN, Luciana Gavazzi. Controle interno: diagnóstico e adaptação para entidades do terceiro setor. 2005. 175 fls. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica) – Centro Universitário Álvares Penteado (UNIFECAP), São Paulo, 2005.

BOYNTON, William C.; JOHNSON, Raymond N.; KELL, Walter G. Auditoria. tradução: José Evaristo do Santos. São Paulo: Atlas, 2002.

BRASIL. Decreto n° 2.536, de 06 de abril de 1998. Dispõe sobre a concessão do Certificado de Entidade de Fins Filantrópicos a que se refere o inciso IV do art. 18 da . Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e dá outras providências. Brasília – DF. Disponível em: Acesso em: 01 jun. 2009. 1998.

BRASIL. Lei n° 9.790, de 23 de março de 1999. Dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, institui e disciplina o termo de Parceria, e dá outras providências. Brasília – DF. Disponível em: Acesso em: 01 jun. 2009. 1999.

CERVO, Amando L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice hall, 2003.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Disponível em: . Acesso em: 29 abr.2009.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC n° 1.214, de 27 de novembro de 2009. Aprova a NBC TA 330 – Resposta do Auditor aos Riscos Avaliados. Acesso em: . 2009.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC n° 820, de 17 de dezembro de 1997. Aprova a NBC T 11 – Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. Acesso em: . 1997.

CUNHA, Paulo Roberto da; BEUREN, Ilse Maria; HEIN, Nelson. Procedimentos de auditoria independente utilizados pelas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina. Revista Base, São Leopoldo, v. 3, n. 1, p. 53-62. jan/abr. 2006.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IMONIANA, Joshua Onome. Auditoria: abordagem contemporânea. São Paulo: Associação de Ensino de Itapetininga, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: 2004.

KPMG AUDITORES INDEPENDENTES. Auditoria externa do terceiro setor. 2004. Disponível em: www.kpmg.com.br/images/P7602-Office-Palestra.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2009. 2004.

KPMG AUDITORES INDEPENDENTES. Auditoria externa do terceiro setor. 2006. Disponível em: http://www.kpmg.com.br/publicacoes/audit/terceiro_setor_Auditoria_no_Terceiro_Setor.pdf> Acesso em: 10 jun. 2009. 2006.

LIMA, Welington de Pontes. Controles internos e riscos de auditoria: influência na extensão dos testes substantivos em auditoria das demonstrações contábeis. 2002. 132 fls. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MESSIER JR, William F. Auditing & Assurance Services: a systematic approach. 3 ed. McGraw-Hill: New York, 2003.

OLAK, Paulo Arnaldo; NASCIMENTO, Diogo Toledo do. Contabilidade para entidades sem fins lucrativos: terceiro setor. Atlas: São Paulo, 2006.

RENGEL, Silene et al. Importância do balanço social para as entidades do terceiro setor sob a ótica dos gestores das APAES da Região do Alto Vale do Itajaí/SC. In.: SEMEAD, XII., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: SEMEAS, 2009.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

SANTI, Paulo Adolpho. Introdução à auditoria. São Paulo: Atlas, 1988.

SOARES, Euvaldo Antônio Ruiz. Entidades beneficentes de assistência social educacionais: uma investigação sobre a medição de desempenho organizacional. 2006. 131 fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis), Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-graduação em Ciências Contábeis - UnB, UFPB, UFPE e UFRN, Brasília, 2006.