Uma Revisão Bibliográfica sobre os Modelos de Negócios Inovadores Outros Idiomas

ID:
49223
Resumo:
O estudo busca solucionar questões relacionadas aos desafios gerados em uma sociedade baseada no conhecimento, que apresenta contextos de alta competição e cobra pontualidade e maturidade, no que se refere a abordagem, pelos diversos atores envolvidos no processo de inovação. Neste sentido, os modelos de negócios surgem como instrumentos capazes de criar valor e mudar contextos a partir de suas abordagens diferenciadas. Para tanto, faz-se necessário entender o contexto desta nova sociedade baseada no conhecimento, conhecendo alguns conceitos e perspectivas. Cabe entender também, o que a literatura fala sobre os modelos de negócios inovadores, que se colocam como objeto de estudo desta pesquisa. A pesquisa utiliza-se de uma abordagem qualitativa e fez uso do estudo bibliográfico como formas de coleta e análise de dados. Aos resultados, cabe ressaltar as contribuições geradas a partir das visões da literatura que contribuem para o fortalecimento dos modelos de negócios como instrumentos inovadores e com papel fundamental dentro de cenários que exigem pontualidade e muita atenção para com o contexto.
Citação ABNT:
VEFAGO, Y. B.; FRANCISCO, T. H. A.; NAKAYAMA, M. K. Uma Revisão Bibliográfica sobre os Modelos de Negócios Inovadores. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 1, p. 5-14, 2018.
Citação APA:
Vefago, Y. B., Francisco, T. H. A., & Nakayama, M. K. (2018). Uma Revisão Bibliográfica sobre os Modelos de Negócios Inovadores. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(1), 5-14.
DOI:
10.5585/riae.v17i1.2458
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49223/uma-revisao-bibliografica-sobre-os-modelos-de-negocios-inovadores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araujo, J. B. D., & Zilber, S. N. (2013). Adoção de EBusiness e mudanças no modelo de negócio: inovação organizacional em pequenas empresas dos setores de comércio e serviços. Gestão & Produção, 20(1), 147-161.

Bonazzi, F. L. Z., & Zilber, M. A. (2014). Inovação e modelo de negócio: Um estudo de caso sobre a integração do funil de inovação eo modelo canvas. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 16(53), 616-637.

Coelho, D. B. (2013). Franquias brasileiras: estratégia, empreendedorismo, inovação e internacionalização. Revista de Administração Contemporânea, 17(1), 126-130.

Costa, A. D. S. M. D. (2010). Convergências, divergências e silêncios: o discurso contemporâneo sobre o empreendedorismo nas empresas juniores e na mídia de negócios. Tese de Doutorado, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Davenport, Thomas H., & Prusak, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Davila, T., Epstein, M. J., & Shelton, R. (2009). As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman.

de Araújo, E. M., de Oliveira Neto, J. D., Cazarini, E. W., & Oliveira, S. R. M. (2013). A gestão da inovação na educação a distância. Gestão & Produção, 20(3), 639-651.

de Camargo Guerrazzi, L. A., Zanin, L. M., & Falaster, C. D. (2017). Você Diz Que Quer Uma Revolução: Todos Queremos Mudar o Mundo. Revista IberoAmericana de Estratégia, 16(1), 138.

Dorow, P. F. (2013). O processo de geração de ideais para inovação: estudo de caso em uma empresa naútica. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Drucker, P. F. (1999). Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (2000, February). The dynamics of innovation: from national systems and “mode 2” to a triple helix of universityindustrygovernment relations. Research Policy, 29(2), 411-424.

Flores, A. M. M. (2017). Innovation Journalism: a multiple concept. Brazilian Journalism Research, 13(2), 156-179.

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, 35, 57-63.

Jacomossi, R. R., & Demajorovic, J. (2017). Fatores determinantes da aprendizagem organizacional para a inovação ambiental: um estudo multicaso. RACRevista de Administração Contemporânea, 21(5).

Juliani, M. P., Sczymczak, M., do Amarante, M. V., & de Guimarães, J. C. F. (2015). Ações e resoluções para uma empresa em franca expansão na área de educação superior: Caso de Ensino. Revista Brasileira de Ensino Superior, 1(2), 42-53.

Karam, D. J. (2006). Modelo de negócio para mobilidade e interatividade em ambientes convergentes heterogêneos. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Keupp, M. M., Palmié, M., & Gassmann, O. (2012). The strategic management of innovation: A systematic review and paths for future research. International Journal of Management Reviews, 14(4), 367-390.

Magretta, J. (2002). Why business models matter. Harvard Business Review, 80:86-92.

Manual de Oslo (1997). Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação, 149-151 (3a ed., Tradução sobre responsabilidade de Financiadora de Estudos e Projetos – FIBEP). Recuperado em 26 março, 2018, de http://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/instituci onal/indicadores/detalhe/Manuais/OCDE-Manualde-Oslo-3-edicao-em-portugues.pdf

Matias-Pereira, J., & Kruglianskas, I. (2005). Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE-eletrônica, 4(2).

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2013). Business model generation: inovação em modelos de negócios. Rio de Janeiro: Alta Books Editora.

Palombo, L. F. D. R. (2006). Processos de gestão da inovação na Sociedade em Rede: Uma abordagem em Engenharia Ontológica. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Renault, T. B., de Araujo Fonseca, M. V., Cunha, R. M., & da Silva Carvalho, R. (2011). Empreendedorismo acadêmico na COPPE/UFRJ: reflexões sobre empresas criadas com a participação de professores. Revista Organizações em Contexto, 7(14), 1-28.

Rodrigues, L. C., Silveira, A., Kono, C. M., & Lenzi, F. C. (2013). Inovação e Modelo de Negócio-Um estudo de caso no setor vitivinicultor. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(2), 250.

Soto Rojas, E. P. (2014). Elementos de suporte à elaboração de modelos de negócios para rede de empresas. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

Takeuchi, H. & Nonaka, I. (2008). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Tidd, J. & Bessant, J. R. (2015). Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman.

Trierveiler, H. J. (2015). Orientações para a aplicação do conhecimento organizacional no contexto de iniciativas de inovação no modelo de negócio. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Trierveiler, H. J., Sell, D., & dos Santos Pacheco, R. C. (2015). A importância do conhecimento organizacional para o processo de inovação no modelo de negócio. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 5(1), 113-126.

Tschumi, H. D. S. (2015). Fluxo do conhecimento sobre plantas medicinais em uma rede de atores da Grande Florianópolis. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Turri, S. N. Z. & Abreu Jr, O. F. de. (2015). Transformações na indústria fonográfica no Brasil: mudanças no modelo de negócio pelo uso da internet. RAD, 17, 86-117.

Vaccaro, G. L. R., & Mendes, C. A. (2011). O Processo de Inovação em Tríplice Hélice: uma Análise de Casos da Coréia do Sul. Anais do 8º Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto–CBGDP, Porto Alegre, RS, Brasil.