Ações Estratégicas para a Base da Pirâmide no Setor Imobiliário Outros Idiomas

ID:
49225
Resumo:
Este artigo tem como objetivo analisar as características das ações estratégicas utilizadas no setor imobiliário para o atendimento à população na base da pirâmide (BoP). Especificamente, objetiva-se descrever os elementos-chave da infraestrutura comercial e identificar as estratégias empreendidas para esse segmento no setor imobiliário. A estratégia de pesquisa adotada foi de estudo de casos múltiplos em três empresas: construtora, imobiliária e correspondente bancário. As evidências constataram que a infraestrutura comercial do setor imobiliário da BoP apresenta aspectos semelhantes aos encontrados nas principais referências sobre o tema. As ações estratégicas estão relacionadas ao auxílio das pessoas na BoP na aquisição de um imóvel, sendo as principais: avaliação de risco e aprovação de crédito simplificado, orientação e assessoria gerencial, uso de internet e aproveitamento de política pública. Ainda, observou-se que o Governo, sendo o principal agente externo, tem uma importante participação para a viabilidade de negócios do setor imobiliário voltados para a BoP. Conclui-se que os resultados da pesquisa avançam na identificação e compreensão das estratégias adotadas por empresas para o atendimento à população da BoP no setor imobiliário.
Citação ABNT:
LIMA, A. S.; MACHADO, A. G. C. Ações Estratégicas para a Base da Pirâmide no Setor Imobiliário. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 1, p. 31-44, 2018.
Citação APA:
Lima, A. S., & Machado, A. G. C. (2018). Ações Estratégicas para a Base da Pirâmide no Setor Imobiliário. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(1), 31-44.
DOI:
10.5585/riae.v17i1.2537
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49225/acoes-estrategicas-para-a-base-da-piramide-no-setor-imobiliario/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araújo, C. M., & Diniz, A. C. A. (2014). “Programa Minha Casa, Minha Vida” em Campina Grande - PB: habitação para quem? Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais (Recife), 3(2), 281298.

Arnold, D. G., & Valentin, A. (2013). Corporate social responsibility at the base of the pyramid. Journal of Business Research, 66(10), 1904-1914.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barki, E., Botelho, D., & Parente, J. (2013). Varejo: desafios e oportunidades em mercados emergentes. Revista de Administração de Empresas (São Paulo), 53(6), 534-538.

Brasil. (2016). Minha Casa Minha Vida entregou 2,4 milhões de moradias. Recuperado em 26 março, 2018, de http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2015/09/mi nha-casa-minha-vida-entregou-2-4-milhoes-demoradias

Caixa Econômica Federal. (2017). Minha Casa Minha Vida 2017: entenda o que muda no programa. Recuperado de http://www20.caixa.gov.br/Paginas/Noticias/Notici a/Default.aspx?newsID=4550

Castelo, A. M., & Dias, E. C. (2013). Os desafios do Minha Casa Minha Vida na visão dos empresários. Revista Conjuntura da Construção, 11(2), 4-7.

Costa, Leonardo Barboza da. (2013). Estruturação da cidade de Campina Grande: as estratégias e intencionalidade do mercado imobiliário. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. (2016). Levantamento inédito mostra déficit de 6,2 milhões de moradias no Brasil. Recuperado em 24 maio, 2016, de http://www.fiesp.com.br/observatoriodaconstrucao/ noticias/levantamento-inedito-mostra-deficit-de-62milhoes-de-moradias-no-brasil/

Filardi, F., & Fischmann, A. (2015). Estratégias de empresas para a base da pirâmide. São Paulo: Atlas.

Fundação João Pinheiro. (2016). Déficit habitacional no Brasil. Recuperado em 26 março, 2018, de http://www.fjp.mg.gov.br/index.php/produtos-eservicos1/2742-deficit-habitacional-no-brasil-3 Gonçalves

Guedes, A. A., De Araújo, D. L. A., & Ornellas, R. S. (2012). Capacidades dinâmicas e vantagens competitivas: um estudo em uma construtora com foco no mercado de baixa renda. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. São Paulo, SP, Brasil, 15.

Hemais, M. W., Casotti, L. M., & Rocha, E. P. G. (Abr. 2013). Hedonismo e moralismo: consumo na base da pirâmide. Revista de Administração de Empresas (São Paulo), 53(2), 199-207.

Hirata, F. (2009). "Minha Casa, Minha Vida": Política habitacional e de geração de emprego ou aprofundamento da segregação urbana?. Revista Aurora, 2(2).

Hofling, E. M. (2001, Nov.). Estado e políticas (públicas) sociais. Caderno Cedes (Campinas), 21(55), 30-41.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013). Censo demográfico 2010: aglomerados subnormais, informações territoriais. Rio de Janeiro.

Jaiswal, A. (2008). Fortune at the bottom of the pyramid: an alternative perspective. Ahmedabad: Indian Institute of Management.

Junior, C. A., Dutra, R. L., Lopes, R. L., & Rodrigues, R. L. (2014). O impacto do Programa Minha Casa, Minha Vida na economia brasileira: uma análise de insumo-produto. Ambiente Construído, 14(1), 177-189.

Karnani, A. (2007). The mirage of marketing to the bottom of the pyramid: how the private sector can help alleviate poverty. California Management Review, 49(4), 90-111.

Karnani, A. (2009). The bottom of the pyramid strategy for reducing poverty: a failed promise. DESA working paper n. 80, New York: United Nations Department of Economic and Social Affair, 1-14.

Landrum, N. (2007). Advancing the 'base' of the pyramid debate. Strategic Management Review, 1(1), 1-12.

London, T. A. (2007). Base-of-the-pyramid perspective on poverty alleviation. Working Paper. School of Business at the University of Michigan.

Luz, J. R. M. (2011). Gestão estratégica baseada na qualidade e custos da qualidade: um estudo no setor de construção civil da cidade de Campina Grande-PB. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Maciel, C. (2013). Redes sociais são usadas em proporções similares por todas as classes, segundo pesquisa. Recuperado em 26 março, 2018, de http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/06/rede s-sociais-sao-usadas-em-proporcoes-similares-portodas-as-classes

Medeiros, F. B. (2007). Análise da adequação dos programas de financiamento habitacional para atender as necessidades de aquisição de moradias adequadas da população de baixa renda no Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Melo, M. D. (2016). O acesso à habitação no Brasil em tempos de capitalismo financeirizado – uma análise do Programa Minha Casa, Minha Vida. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Ministério das Cidades (2016). Programa Minha Casa, Minha Vida. Recuperado em 23 maio, 2016, de http://www.cidades.gov.br/habitacaocidades/programa-minha-casa-minha-vida-pmcmv

Moura, E. O., Machado, A. G. C., & Bispo, M. S. (2015). O microcrédito como fomentador de uma infraestrutura comercial voltada para a base da pirâmide: o caso do programa empreender bananeiras. Gestão & Conexões, 4(2), 84-104.

Nogami, V. K. C., & Pacagnan, M. N. (2011). Consumo da base da pirâmide: uma análise bibliométrica do estado da arte na produção acadêmica no Brasil. Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Oliveira, G. M., & Machado, A. G. C. (2016). Inovação em serviços para a base da pirâmide no setor varejista. Revista Ciências Administrativas, 22(2), 423-450.

Parente, J., Limeira, T. M. V., & Barki, E. (2009). Varejo para a baixa renda. Porto Alegre: Bookman.

Passos, C. A. (2013). A eficiência e a estratégia das empresas que atuam no mercado de bens populares no Brasil: um estudo de caso sobre o setor de móveis. Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Prahalad, C. K. (2010). A riqueza na base da pirâmide: como erradicar a pobreza com lucro. Porto Alegre: Bookman.

Prahalad, C. K., & Hart, S. L. (2002). The fortune at the bottom of the pyramid. Strategic Business, 26, 1-14.

Ramos, J. S., & Noia, A. C. (2016). A construção de políticas públicas em habitação e o enfrentamento do déficit habitacional no Brasil: uma análise do Programa Minha Casa Minha Vida. Desenvolvimento em Questão, 14(33), 65-105.

Rocha, A., & Silva, J. F. (2008, Dez.). Inclusão social e marketing na base da pirâmide: uma agenda de pesquisa. Revista de Administração de Empresas (São Paulo), 7(2).

Rodrigues, A., Rojo, C. A., & Bertolini, G. R. F. (2013, Jun.). Formulação de estratégias competitivas por meio de análise de cenários na construção civil. Production (São Paulo), 23(2), 269-282.

Schreiber, D. (2013). Estratégia como prática no segmento de construção civil. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 1(1).

Simanis, E., & Hart, S. (2008). The base of the pyramid protocol: toward next generation BoP strategy. Cornell University, 2, 1–57.

SP, Brasil. Wright, J. T. C., & Spers, R. G. (2011). Mercado popular no Brasil – abordagens para geração de negócios e casos de sucesso. São Paulo: Blucher.

Virgilio, L. M. (2010). Financiamento para habitações populares no Brasil e no México: uma análise comparada. Dissertação de mestrado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo,

Yamashita, A. P., & Rego, R. A. (2009). Bancos e microfinanças: lucro e inclusão social no atendimento do mercado da base da pirâmide. Interface Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 6(1), 100-113.

Zilber, S. N., & Silva, F. L. (2010, Set.). Estratégias das grandes empresas para o mercado brasileiro da base da pirâmide. Economia Global e Gestão (Lisboa), 15(2), 25-50.