Inteligência Competitiva como Suporte à Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas: Um Estudo na Aerotrópole de Belo Horizonte Outros Idiomas

ID:
49229
Resumo:
O contexto competitivo em que se insere uma empresa pode tornar-se ainda mais impactante quando há fatores ambientais que trazem grandes mudanças ao cenário. A implementação de uma Aerotrópole, que é uma estrutura urbana que tem como centro o aeroporto e, ao redor, atividades relacionadas a ele, demanda um posicionamento empreendedor e inovador das empresas, independentemente do seu porte. Com base em tal afirmativa, o foco deste artigo foi analisar como se configura a Inteligência Competitiva nas MPE da Aerotrópole de Belo Horizonte com vistas à elaboração de suas Estratégias Empresariais. Para alcançar o objetivo do estudo, foi realizada pesquisa do tipo descritiva, com abordagem qualitativa, via triangulação de fontes de coleta e análise de dados. Informalidade na implementação da Inteligência Competitiva e inabilidade na visualização de possibilidades de crescimento foram as características mais marcantes nos resultados obtidos. Há uma relevante oportunidade de melhoria nos processos de gestão das empresas pesquisadas, mostrando a importância da pesquisa realizada para o desenvolvimento econômico da região.
Citação ABNT:
PEREIRA, F. C. M.; JEUNON, E. E.; BARBOSA, R. S.; DUARTE, L. C. Inteligência Competitiva como Suporte à Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas: Um Estudo na Aerotrópole de Belo Horizonte. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 1, p. 93-111, 2018.
Citação APA:
Pereira, F. C. M., Jeunon, E. E., Barbosa, R. S., & Duarte, L. C. (2018). Inteligência Competitiva como Suporte à Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas: Um Estudo na Aerotrópole de Belo Horizonte. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(1), 93-111.
DOI:
10.5585/riae.v17i1.2511
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49229/inteligencia-competitiva-como-suporte-a-estrategia-empresarial-em-micro-e-pequenas-empresas--um-estudo-na-aerotropole-de-belo-horizonte/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albano, C. S., & Araújo, M. H. (2013, maio). Inteligência competitiva e monitoramento ambiental utilizando informações disponíveis na internet: a viabilidade de utilizar dados governamentais abertos. In: EnADI Encontro de Administração da Informação. Anais eletrônico... Bento Gonçalves, RS, Brasil, 4.

Alves, R. C., Antonialli, L. M., Lopes, H. E. G., Souki, G. Q., & Reis Neto, M. T. (2013). Estratégias construídas nas micro e pequenas empresas: um estudo no mercado central de Belo Horizonte. Revista da Micro e Pequena Empresa, 7(3), 3-18.

Amaral, R. M., Garcia, L. G., & Alliprandini, D. H. (2008). Mapeamento e gestão de competências em inteligência competitiva. DataGramaZero Revista de Ciência da Informação, 9(6), 7-19.

Ansoff, H. I., & McDonnell, E. J. (1993). A administração estratégica (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Baierle, I. C., Frozza, R., Nara, E. O. B., & Kipper, L. M. (2011). O Ciclo da Produção de Inteligência como apoio à estratégia de tomada de decisão organizacional. Revista Produção Online, 11(4), 1086-1113.

Barbalho, C. R. S., Valentim, M. L. P., & Hoffmann, W. A. M. (2007, outubro). Uso da inteligência competitiva em empresas brasileiras de produtos naturais. In: ENANCIB Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação. Anais eletrônico... Salvador, BA, Brasil, 8.

Barbosa, R. (2006). Uso de fontes de informação para a inteligência competitiva: um estudo da influência do porte das empresas sobre o comportamento informacional. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 11(1), 91-102.

Barbosa, R. R. (2008). Gestão da Informação e do Conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, Londrina, 13(Edição Especial), 1-25.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Edição Revisada e Ampliada. Brasil: Edições 70 Brasil.

Barney, J. B., & Hesterly, W. S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Belissa, T. (2016). Vespasiano terá complexo imobiliário de R$ 1,5 bilhão. Diário do Comércio, Caderno Negócios. Recuperado em 10 maio 2016, de http://diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=ves pasiano_tera_complexo_imobiliario_de_r_1,5_bilh ao&id=168752

Benbasat, I., Goldstein, D. K., & Mead, M. (1987). The Case Research Strategy in Studies of Information Systems. MIS Quarterly, 11(3), 369-386.

Bortoluzzi, F. R., da Silva, E. R., Saciloto, E. B., & Fachinelli, A.C. (2014). Inteligência Estratégica e Análise: revisão sistemática da literatura. Revista Inteligência Competitiva, 4(3), 27-38.

Bressan, F. (2000). O Método do Estudo de Caso. Administração On Line, 1(1), jan./mar.

Calof, J. L., & Wright, S. (2008). Competitive intelligence: A practitioner, academic and interdisciplinary perspective. European Journal of Marketing, 42(7/8), 717-730.

Choo, C.W. (2006). The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. 2ª Ed. New York: Oxford University Press.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós graduação. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Coutinho, M. L. G., & Ramos, H. R. (2015). Monitoramento Ambiental em empresa de pequeno porte: caso Run&Fun Assessoria Esportiva. In: IV

Creswell, J. W. (1994). Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches (2a ed.). Thousand Oaks: Sage.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Figueiredo, N. M. A. (2007). Método e metodologia na pesquisa científica. 2ª ed. São Caetano do Sul, São Paulo, Yendis Editora.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gimenez, A. P., Pelisson, C., Krüger, E. G. S., & Hayashi Jr, P. (1999). Estratégia em pequenas empresas: uma aplicação do modelo de Miles e Snow. Revista de Administração Contemporânea, 3(2), 53-74.

Harrison, J. S. (2002). Administração Estratégica de recursos e relacionamentos. Porto Alegre: Bookman.

Herring, J. P. (1999). Key Intelligence Topics: A Process to Identify and Define Intelligence Needs. Competitive Intelligence Review, 10(2), 4-14.

Hoffmann, W. A. M. (2011). Monitoramento da informação e inteligência competitiva: realidade organizacional. Revista de Ciência da Informação e Documentação, 2(2), 125-144.

Hoffmann, W.A.M., & Chemalle, K.E. (2006). Gestão da informação para integrar inteligência competitiva em micro e pequena empresas de arranjos produtivos locais. In: GeCIC Congresso Ibero Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva. Anais eletrônico... Curitiba, PR, Brasil.

Kanter, R. M. (1995). Thriving Locally in the Global Economy. Harvard Business Review, 151-158.

Kasarda, J., & Lindsay, G. (2012). Aerotrópole: o modo como viveremos no futuro. São Paulo: DVS Editora.

Leone, R. J. G., & Leone, N. M. C. P. G. (2012). Pequenas e médias empresas: contribuições para a discussão sobre por que e como medir o seu tamanho. RAUnP. Ano IV (1), out.2011/mar.2012.

Maciel, D. (2014). Belo Horizonte no foco do mundo. Diário do Comércio, Caderno Negócios. Recuperado em 10 maio 2016, de http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?id =138459.

Mafra Pereira, F. C. (2008) Uso de fontes de informação por consultores empresariais: um estudo junto ao mercado de consultoria de Belo Horizonte. Perspectivas em Ciência da Informação, 13(1), 95-111, jan./abr.

Mafra Pereira, F. C. (2016). Fontes de Informação para Negócios: análise sobre frequência, relevância e confiabilidade, baseada em estudo empírico com empresários e gestores organizacionais. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(2), 100-119, abr./jun.

Mafra Pereira, F.C.; & Barbosa, R.R. (2009). A decisão estratégica por executivos de micro e pequenas empresas e a cadeia alimentar informacional como modelo integrativo de fontes de informação. In: Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, X ENANCIB, João Pessoa:

Mafra Pereira, F. C., Borges, M. A., & Jordão, R. V. D. (2015). Inteligência Competitiva em Redes Interorganizacionais: proposta de modelo para Centrais de Negócios. In: XVI ENANCIB Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... João Pessoa:

Mafra Pereira, F.C., Carvalho, R. B., Neves, J. T. R., & Quintão, A. A. (2017). Uso da Inteligência Competitiva por Micro, Pequenas e Médias Empresas: um estudo de caso nas empresas associadas à ACITA, Itabira, Minas Gerais, Brasil. In: XVIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... Marília: UNESP.

Mafra Pereira, F. C., & Santos, M.G. do A. (2015). Inteligência Competitiva na Indústria Alimentícia: práticas adotadas e proposta de estruturação da IC em uma empresa de processamento mínimo de frutas e hortaliças de Minas Gerais. Revista Inteligência Competitiva, 5(4), 1-28.

Martins, E. L. C. (2011). Monitoramento informacional do ambiente de negócios na micro e pequena empresa (MPE): estudo do comércio varejista de materiais para a construção de Cuiabá-MT. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Martre, H. (1994). Intelligence économique et stratégie des enterprises. Paris: Commissariat général du Plan.

Mattar, F.N. (1996). Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas.

Mazzotti, A.A., & Gewandsznajder, F. (1999). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Miller, J. (2002). O Milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H. (1987). Crafting strategy. Harvard Business Review, 65(4), 66-75.

Mintzberg, H. (2007). Ascensão e queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Moraes, C. R. B., & Fadel, B. (2008). Triangulação metodológica para o estudo da gestão da informação e do conhecimento em organizações. In M. L. P. Valentin (Org.). Gestão da informação e do conhecimento. (pp. 27-40). São Paulo: Polis.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Oliveira, A. A. D. (2010). Observação e entrevista em pesquisa qualitativa. Revista FACEVV, 4, 22-27.

Oliveira, P. H. de, & Sade, W. (2016). Inteligência Competitiva no contexto das empresas mineiras de artefatos de estanho. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(1), 23-41, jan./mar.

Oliveira, P. H. de, & Teles, E. L. (2015). Relações de dependência informacional entre os processos de administração estratégica e de inteligência competitiva. Revista Inteligência Competitiva, 5(2), 17-39, abr./jun.

Pacheco, C. G. (2010). Prospecção e Monitoramento informacional no contexto da inteligência competitiva em microempresas do ramo óptico da região de Marília/SP. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil.

Pearce II, J. A., Chapman, B. L., & David, F. R. (1982). Environmental scanning for small and growing firms. Journal of Small Business Management, 20(3), 27-34.

Pereira, C. E., & Perez, G. (2015). A Captura de Sinais do Ambiente Externo como elemento para o Processo de Inovação em Micro e Pequenas Empresas. In: IV SINGEP – Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. Anais Eletrônico... São Paulo: UNINOVE.

Porter, M. E. (1996). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência (7a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Rocha Júnior, E. de A., Guimarães, E. H. R., & Jeunon, E. E. (2014). Gestão do Conhecimento em Agência de Fomento à Pesquisa: Proposição de um Modelo Aplicado. Revista Gestão & Tecnologia,14(3), 244260.

Roesch, S. M. A. (2009). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Sanday, P. R. (1984). The ethnographic paradigma. In: Van Haanen, J. (ed.) Qualitative methodology. Bervely Hills, Sage Publ..

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2014). Pesquisa de avaliação 2013 e perspectivas 2014 das micro e pequenas empresas de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEBRAE.

Souza, E. D. de., Dias, E. J. W., & Nassif, M. E. (2011). A Gestão da Informação e do Conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação & Sociedade: Estudos, 21, 55-70.

Starec, C. (2012). Gestão da Informação, Inovação e Inteligência Competitiva: como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações. São Paulo: Saraiva.

Teixeira, T. M. C., & Valentim, M. L. P. (2016). Inteligência Competitiva Organizacional: um estudo teórico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(Número Especial), 3-15, jan.

Tjora, A. H. (2006). Writing small discoveries: an exploration of fresh observers’ observations. Qualitative Research, 6(4), 429-451.

Triviños, A.N.S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo. Atlas.

UFPB, 1113-1131. Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman.

UFPB. Mafra Pereira, F. C., Carvalho, R. B. de, & Jordão, R. V. D. (2016). Análise do Ciclo de Inteligência Competitiva em Arranjos Produtivos Locais: estruturação e implantação do bureau de inteligência do APL de software de Belo Horizonte. Revista Inteligência Competitiva, 6(1), 139-164.

Vergara, S. C. (2014). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 15ª ed. São Paulo: Atlas.

Vitorino, A. H., & Garcia, L. G. (2013). Inteligência Competitiva na ampliação da efetividade da publicidade de Micro e Pequenas Empresas. In: XIV ENANCIB Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... Florianópolis: UFSC.

Yin, R. K. (1984). Case study research: design and methods. Beverly Hills, CA: Sage Publishing.