Determinantes da Estrutura de Capital de Empresas Brasileiras: Uma Análise Empírica das Teorias de Pecking Order e Trade-Off no Período de 2005 e 2014 Outros Idiomas

ID:
49231
Resumo:
O presente estudo investiga os determinantes da estrutura de capital, utilizando a técnica de regressão múltipla de dados, para uma amostra de 723 empresas, de diversos setores da economia brasileira, no período de 2005 e 2014, a fim de determinar a importância relativa dos fatores específicos da empresa. A teoria do pecking order oferece a existência de uma hierarquia no uso de fontes de recursos, enquanto a teoria de trade-off considera a existência de uma estrutura meta de capital que seria perseguida pela empresa. Foram utilizadas doze variáveis contábeis, nas quais cinco foram dependentes (relacionadas à endividamentos) e mais sete como variáveis independentes (explicativas dos determinantes da estrutura de capital). Foram elas: a) endividamentos: Endividamento Total; Endividamento de Curto Prazo; Endividamento de Longo Prazo; Endividamento Financeiro Oneroso de Curto Prazo; e, Endividamento Financeiro Oneroso de Longo Prazo; b) Determinantes da Estrutura de Capital: Liquidez Corrente; Tangibilidade; Retorno dos Ativos; Retorno aos Investidores; Nível de Pagamento do Imposto de Renda; Crescimento das Vendas; e, Crescimento dos Ativos. Os principais resultados deste estudo como contribuição foram os seguintes: a) relações positivas em tangibilidade dos ativos e negativa para os retornos dos ativos; b) a liquidez corrente está relacionada negativamente com os indicadores de endividamento; c) o retorno aos investidores não foi possível confirmar sua relação com os indicadores de endividamento; d) crescimento dos ativos é relacionada positivamente com o endividamento a curto prazo e relacionada negativamente com os endividamentos de curto e longo prazos financeiros onerosos; e) o crescimento das vendas é relacionada negativamente com os indicadores de endividamento; f) o nível de pagamento de imposto de renda apresentou uma relação positiva junto ao endividamento de curto prazo, não sendo possível comparála com outros níveis de endividamento.
Citação ABNT:
HENRIQUE, M. R.; SILVA, S. B.; SOARES, W. A.; SILVA, S. R. Determinantes da Estrutura de Capital de Empresas Brasileiras: Uma Análise Empírica das Teorias de Pecking Order e Trade-Off no Período de 2005 e 2014. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, n. 1, p. 130-144, 2018.
Citação APA:
Henrique, M. R., Silva, S. B., Soares, W. A., & Silva, S. R. (2018). Determinantes da Estrutura de Capital de Empresas Brasileiras: Uma Análise Empírica das Teorias de Pecking Order e Trade-Off no Período de 2005 e 2014. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(1), 130-144.
DOI:
10.5585/riae.v17i1.2542
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49231/determinantes-da-estrutura-de-capital-de-empresas-brasileiras--uma-analise-empirica-das-teorias-de-pecking-order-e-trade-off-no-periodo-de-2005-e-2014/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
A.F.C., Costa, A.C.F., Amaral, A.C. (2007). Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro – análise de regressão com painel de dados no período de 1999-2003. Revista Contabilidade & Finanças , 44, 72 – 85. Recuperado em 26 março, 2018, de www.scielo.br/pdf/rcf/v18n44/a07v1844.pdf

Albuquerque, A. A. (2013). Alavancagem financeira e investimento: um estudo nas empresas brasileiras não financeiras de capital aberto. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado em 28 janeiro, 2015, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96132/ tde-28032013-100346/

Bastos, D. D. & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período de 2001-2005. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, 20(50), 75-94.

Booth, L., et al. (2001). Capital structures in developing countries. The Journal of Finance, 56, 87-130.

Bradley, M.; Jarrell, G. A.; Kim, E. H. (1984). On the Existence of an Optimal Capital Structure: Theory and Evidence. The Journal of Finance, 39, (3),857– 878.

Brealey, R.A., Stewart, C., Allen, F. (2010). Principles of corporate finance. 10th ed. New York: McGrawHill Irwin.

Brito, G., Corrar, L., Batistella, F. (2007). Fatores determinantes da Estrutura de Capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, (43), 9-19.

Camilo, S. P., Xavier, W. G., De Mello, R. B., & Marcon, R. (2010). A estrutura de capital como recurso e o efeito no desempenho das firmas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 9 (1), 102126. Recuperado em 28 de janeiro, 2015, de http://dx. doi. org/10.5585/riae. v9i1. 1661

Campos, A. L. S. & Nakamura, W. T. (2015). Rebalanceamento da estrutura de capital: endividamento setorial e folga financeira. Rio de Janeiro. Revista de Administração Contemporânea, 19, (edição especial), 20–37. Recuperado em 28 de janeiro, 2015, de http://dx.doi.org/10.1590/19827849rac20151789

Choi, D. Y., Saito, R., & Silva, V. A. B. (2015). Estrutura de capital e remuneração dos funcionários: Evidência empírica no Brasil/Capital structure and staff salary: empirical evidence in brazil. Revista de Administração Contemporânea, 19(2), 249-269. Recuperado em 26 março, 2018, de http://search.proquest.com/docview/1663521643?ac countid=43603

Corrar, L. J., Paulo, E., Dias Filho, J. M. (2007). Análise Multivariada: para cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas/FIPECAFI.

Correa, C. A., Basso, L. F. C., Nakamura,W. T. (2013). A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de Pecking Order e trade-off, usando panel data. Revista de Administração do Mackenzie (online), 14(4), 106133, ISSN 1678-6971. Recuperado em 24 de janeiro, 2015 de http://dx.doi.org/10.1590/S167869712013000400005

Damodaran, A. (2007). Avaliação de empresas. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Eid, JR., W. (1996). Custo e estrutura de capital: o comportamento das empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 36(4).

Fama, E. F., French, K. R. (2002). The equity premium. Journal of Finance, 57: (2), 637-659. Recuperado em 20 de janeiro, 2015 de http://links.jstor.org/sici?sici=00221082%28200204%2957%3A2%3C637%3ATEP %3E2.0.CO%3B2-%23

Gomes, G. L., Leal, R.P.C. (2001). Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores. IN: LEAL, Ricardo P.C. et al. Finanças Corporativas. Coleção Coppead de Administração. São Paulo: Atlas.

Hovakimian, A., Opler, T., Titman, S. (2001). The debt equity choice. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 36(1),1.

Kayo, E.K., Famá, R. (1997). Teoria de agência e crescimento: evidências empíricas dos efeitos positivos e negativos do endividamento. Caderno de Pesquisa em Administração, 2(5), 1-8.

Kochhar, R. (1997). Strategic assets, capital structure, and firm performance. Journal of Financial and Strategic Decisions, 10(3). Recuperado em 21 de janeiro, 2015 de: http://www.financialdecisionsonline.org/archive/pd ffiles/v10n3/kochhar.pdf

Modigliani, F.; Miller, M. H. (1958). The Cost of Capital, Corporate Finance, and the Theory of Investment. American Economic Review, 48(4), 261–297.

Myers, S. (1984). The capital structure puzzle. The Journal of Finance, 39(3), 575-592.

Myers, S.C, Majluf, N. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investidors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187-221.

Nakamura, W. T., Martin, D. M. L., Kayo, E. K. (2004). Proposta para a determinação da estrutura de capital ótima, na prática. Revista de Administração UNISAL, Americana, 1, (1), jul./dez. Nakamura, W.T., Martin, M.L., Forte, D., Filho,

Rajan, R. & Zingales, L. (1995). What do we know about capital structure? Some evidence from international data. Journal of Finance, 50: 1.4211.460.

Ross, S. A. (1977). The determination of financial structure: The incentive signalling approach. Bell Journal of Economics, 8: 23-40.

Shyam-Sunder, L. & Myers, S. (1999). Testing static tradeoff against pecking order models of capital structure. Journal of Financial Economics, 51(2), 219-244.

Silveira, A. D. M.; Perobelli, F. F. C.; Barros, L. A. B. de C. (2008). Governança corporativa e os determinantes da estrutura de capital: Evidências empíricas no Brasil/Corporate governance and determinants of capital structure: Empirical evidence from brazilian markets. Revista de Administração Contemporânea, 12(3), 763-788. Recuperado em 28 de janeiro, 2015 http://search.proquest.com/docview/1476893622?ac countid=43603

Sogorb-Mira, F., & López-Gracia, J. (2002). Pecking order versus trade-off: an empirical approach to the small and medium enterprise capital structure, [Working Paper Series nº 393/160], Social Science Eletronic Publishing, Rochester, New York, USA.

Titman, S.; Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. Journal of Finance, 48(3).

Vasconcellos, M.A.S. & Alves, D. (org.) (2000). Manual de econometria. São Paulo: Atlas.