Oportunidades Geoturísticas do Caminho dos Diamantes: Uma Viagem pela Perspectiva dos Viajantes Naturalistas Outros Idiomas

ID:
49233
Resumo:
O Caminho dos Diamantes, trecho da Estrada Real que liga as cidades de Ouro Preto e Diamantina, ambas no Estado de Minas Gerais, é um produto consolidado, que apresenta possibilidades em diversos segmentos, entre eles, o geoturismo. A prática, cuja conceituação é pouco difundida, mas, se aplicada,, permite conhecer e valorizar uma localidade através de suas características geológicas e mineiras. A presente pesquisa associa relatos feitos por cientistas naturalistas - que percorreram a região no século XIX -, a recursos atuais, buscando entender os Lugares de Interesse Geólogico e Mineiro [LIGEMs]. Na pesquisa de campo, ao aliar as ferramentas de navegação disponibilizadas no site do Instituto Estrada Real aos relatos dos cientistas naturalistas, percebe-se que a geodiversidade antecede ao apelo e utlização turística atual, do produto Estrada Real. Os resultados encontrados indicam que o geoturismo pode ser uma alternativa para o aprimoramento turistíco da Estrada Real, alem de seu potencial como ferramenta de conservação e educação ambiental.
Citação ABNT:
PAULA, S. F.; CASTRO, P. T. A. Oportunidades Geoturísticas do Caminho dos Diamantes: Uma Viagem pela Perspectiva dos Viajantes Naturalistas . Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, v. 10, n. 2, p. 213-229, 2018.
Citação APA:
Paula, S. F., & Castro, P. T. A. (2018). Oportunidades Geoturísticas do Caminho dos Diamantes: Uma Viagem pela Perspectiva dos Viajantes Naturalistas . Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 10(2), 213-229.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v10i2p213
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49233/oportunidades-geoturisticas-do-caminho-dos-diamantes--uma-viagem-pela-perspectiva-dos-viajantes-naturalistas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Burton, R. F (1976). Viagem de canoa de Sabará ao Oceano Atlântico. Belo Horizonte: Itatiaia.

Eschwege, W. L. (1979). Pluto Brasiliensis. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp.

IER – Instituto Estrada Real (2015).

Mawe, J. (1978). Viagens ao interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia.

Mc Keever, P; Larwood, J; & Mckirdy, A. (2006). Geotourism in Ireland and Britain. In: Dowling, R & Newsome, D. (edits.) Geotourism. Oxford: Elsevier Butterworth Heinemann.

Moreira, J.C. (2010). Geoturismo: uma abordagem histórico-conceitual. Turismo e Paisagens Cársticas, 3(1), 5-10.

Paula, S. F; & Castro, P. T. A. (2014). Protocolo de avaliação e inventariação de lugares de interesse geológico e mineiro. Turismo e Paisagens Cársticas, 7(1/2).

Ruchkys, U. A.; & Machado, M.M.M. (2013). Patrimônio geológico e mineiro do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Caracterização e iniciativas de uso para educação e geoturismo. Boletim de Geociências Paranaense, 70, 120-136.

Saint-Hilaire, A. (1941). Viagem pelo distrito dos diamantes e litoral do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nacional.

Saint-Hilaire, A. (1975). Viagens pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia.

Spix, J. B.; & Martius, C.F.P. (1981). Viagem pelo Brasil. 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia