Gestão Ambiental, Turismo Sustentável e Produção Orgânica: Tripé de Êxito em Organização do Sul do Brasil Outros Idiomas

ID:
49242
Resumo:
O objetivo desse artigo é identificar práticas de gestão ambiental em uma organização que produz suco de uva orgânico, e busca agregar o turismo como diferencial competitivo e sustentável. Para isso, o método utilizado para esse estudo foi o exploratório descritivo com abordagem qualitativa, por meio de um estudo de caso, utilizando triangulação de dados, conforme as especificidades de Yin (2010). Entre os principais resultados, observou-se que por ser uma empresa voltada para a produção orgânica, ela já possui uma cultura focada na sustentabilidade e adota práticas de gestão ambiental. Entretanto com relação à atividade turística, apesar de ter um grande potencial de crescimento dentro da organização, a mesma precisa ser planejada corretamente, a fim de evitar possíveis impactos indesejáveis. Nesse sentido, acredita-se que através da gestão ambiental, é possível realizar atividades voltadas ao turismo, como forma de disseminação e agregação de benefícios para todos os envolvidos.
Citação ABNT:
FAGUNDES, C.; SCHREIBER, D.; ASHTON, M. S. G. Gestão Ambiental, Turismo Sustentável e Produção Orgânica: Tripé de Êxito em Organização do Sul do Brasil . Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, v. 10, n. 2, p. 370-387, 2018.
Citação APA:
Fagundes, C., Schreiber, D., & Ashton, M. S. G. (2018). Gestão Ambiental, Turismo Sustentável e Produção Orgânica: Tripé de Êxito em Organização do Sul do Brasil . Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 10(2), 370-387.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v10i2p370
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49242/gestao-ambiental--turismo-sustentavel-e-producao-organica--tripe-de-exito-em-organizacao-do-sul-do-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alencar, G. V., Mendonça, E. S., Oliveira, T. S., Jucksch, I, & Cecon, P. R. (2013). Percepção Ambiental e Uso do Solo por Agricultores de Sistemas Orgânicos e Convencionais na Chapada da Ibiapaba, Ceará. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(2), 217-236. DOI: 10.1590/S0103-20032013000200001

Aligleri, L. M., Aligleri, L. A, & Kruglianskas, I. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas.

Almeida, J. R., Mello, C. S, & Cavalcanti, Y. (2001). Gestão ambiental: planejamento, avaliação, implantação, operação e verificação. Rio de Janeiro: Thex.

Andrade, R. O. B., Tachizawa, T, & Carvalho, A. B. (2002). Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Ashton, M. S. G. (2009). Sustentabilidade e Turismo: reflexões e perspectivas para o desenvolvimento. In Araujo, M., Zottis, A, & Russo, D. (orgs.). Sustentabilidade uma abordagem social. Novo Hamburgo, RS: Feevale.

Backer, P. de. (1995). Gestão ambiental: a administração verde. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Barbieri, J. C. (2012). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Borges, C. H. L., Ferraz, M. I. F, & Borges, A. V. (2015). Turismo sustentável e meios de hospedagens: uma avaliação da sustentabilidade hoteleira em Barra Grande, Maraú-BA. Turismo Visão e Ação, 17(3), 601-629. Doi: 10.14210/rtva.v17n3.p601-629

Brandão, C. N., Barbieri, J. C, & Reyes Junior, E. (2015). Análise da sustentabilidade do turismo: um estudo em comunidades indígenas no Estado de Roraima, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(2), 500-518. DOI: 10.7784/rbtur.v9i3.707

Callado, A. L. C., Soares, A. P. A., Machado, A. G. C, & Callado, A. A. C. (2009). Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas.

Camargo, L. J. J., Camargo, C. M. J., Rondon, E. V., Queiroz, H. P. B., Santos, S. R., Favero, S, & Mercante, M. A. (2011). Análise da sustentabilidade do turismo ecológico no município de Bonito, Mato Grosso do Sul na promoção do desenvolvimento regional. Sociedade e Natureza, 23(1), 65-75. DOI: 10.1590/S1982-45132011000100006

Carvalho, D. W. (2008). Dano Ambiental Futuro: a responsabilização civil pelo risco ambiental. Rio de Janeiro: Forense Universitária. Catalisa. (2003). Rede de cooperação para a sustentabilidade.

Corrêa, L. B., Corrêa, É. K., Peruchin, B., Ferrão, A. L. L da C, & Guidoni, L. L. C. (2014). Sustentabilidade no Turismo: estudo da gestão ambiental em empreendimento hoteleiro da Região Sul do Brasil. Revista Rosa dos Ventos Turismo e Hospitalidade, 6(4), 583-602.

Dias, R. (2011). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Atlas.

Fagundes, C, & Schreiber, D. (2017). Concepção de um modelo para avaliação da sustentabilidade no processo produtivo do suco de uva orgânico. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, 41, 57-82. DOI: 10.5380/dma.v41i0.49766

Gabriel, D., Sait, S. M., Kunin, W. E, & Benton, T. G. (2013). Food production vs. biodiversity: comparing organic and conventional agriculture. Journal of Applied Ecology, 50(2), 355364. DOI: 10.1111/1365-2664.12035

Gutiérrez, J. (2007). La investigación social del Turismo: perspectivas y aplicaciones. Madrid: Thomson.

Kadt, E. (1991). Turismo: pasaporte al desarrollo. Madrid: Endymion.

Koh, L.; & Lee, P. (2012). Sensible consumerism for environmental sustainability. Biological Conservation, 151(1), 3-6.

Molina, S. (2001). O pós-turismo. São Paulo: Aleph.

Molina, S, & Rodríguez, S. (2001). Planejamento integral do turismo. Bauru, SP: Edusc.

Montejano, J. M. (1999). Estructura del mercado turístico: gestión turística. Madrid: Síntesis.

Moura, L. A. A. (2011). Qualidade e gestão ambiental: sustentabilidade e ISO 14.001. Belo Horizonte: Del Rey.

Naime, R. H. (2005). Diagnóstico ambiental e sistemas de gestão ambiental: incluindo a atualização da série ISO 9000 e as novas NBR 14001/2004 e NBR ISO 19011 / 2002. Novo Hamburgo, RS: Feevale.

Nickerson, N. P. (1996). Foundations of Tourism. New Jersey: Prentice Hall.

OMT. (2005). Organização Mundial do Turismo.

Prodanov, C. C, & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Editora Feevale.

Rauta, J., Fagundes, J. R, & Sehnem, S. (2014). Gestão ambiental a partir da produção biodinâmica: uma alternativa à sustentabilidade em uma vinícola catarinense. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(3), 135-154. DOI: 10.5585/geas.v3i3.156

Rocha, J. M da. (2011). Desenvolvimento e sustentabilidade do turismo: Preceitos da teoria da capacidade de carga turística. Revista Rosa dos Ventos Turismo e Hospitalidade, 3(3), 382-392.

Roesch, S. M. A. (2010). Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertação e estudos de caso. São Paulo: Atlas.

Ruschmann, D. V. M. (1997). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus.

Sachs, I. (2000). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Sampaio, C. A. C. (2001). Turismo sob a análise do desenvolvimento sustentável. Turismo Visão e Ação, 4(8), 29-44. DOI: 10.14210/rtva.v4n8.p29-44

Shigunov Neto, A., Campos, L. M. S, & Shigunov, T. (2009). Fundamentos da gestão ambiental. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Swarbrooke, J. (2000). Turismo sustentável: turismo cultural, ecoturismo e ética. São Paulo: Aleph.

Tachizawa, T. (2011). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas.

Vignati, F. (2008). Gestão de destinos turísticos. Rio de Janeiro: Senac.

Weber, R. P. (1990). Basic content analysis. Newbury Park: Sage.

Wheeeler, S.A, & Crisp, P. (2011). Going organic in viticulture: a case-study comparison in Clare Valley, South Australia. Australasian Journal of Environmental Management, 18(3), p.1182-198. DOI: 10.1080/14486563.2011.583206

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.