Valores Organizacionais Declarados e Praticados na Universidade Federal de Santa Catarina Outros Idiomas

ID:
49294
Resumo:
Os valores organizacionais representam princípios e crenças que norteiam a vida das pessoas na organização. Este artigo objetiva descrever a percepção de servidores docentes e técnico-administrativos em relação aos valores organizacionais declarados e praticados na Universidade Federal de Santa Catarina. Os procedimentos desta pesquisa privilegiaram o método misto, a perspectiva descritiva e o estudo de caso, com aplicação de questionário online para coleta (214 respostas) e a utilização de estatística descritiva e análise conteúdo. Constatou-se que os valores mais praticados na Universidade estudada são aqueles relativos ao ensino (internacionalizada; acadêmica e de qualidade; culta; atuante), que tem relação com os discentes, são os mais praticados dentro da Universidade. Porém, os participantes afirmam que a maioria dos valores declarados são menos praticados. Identificou-se incongruências entre os valores declarados e praticados que limitam as práticas, como: excesso de burocracia, falta de interesse da gestão, má administração, política, corporativismo, falta de ética, e outros. Estes elementos fazem com que os trabalhadores tenham dificuldades para se identificar com os valores organizacionais.
Citação ABNT:
NUNES, T. S.; TOLFO, S. R.; GARCIA, I. S. Valores Organizacionais Declarados e Praticados na Universidade Federal de Santa Catarina . Administração Pública e Gestão Social, v. 10, n. 2, p. 123-135, 2018.
Citação APA:
Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Garcia, I. S. (2018). Valores Organizacionais Declarados e Praticados na Universidade Federal de Santa Catarina . Administração Pública e Gestão Social, 10(2), 123-135.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v10i2.1566
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49294/valores-organizacionais-declarados-e-praticados-na-universidade-federal-de-santa-catarina-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Baldridge, V. J. (1982). Estruturacion de políticas e liderazgo efectivo en la educacion superior. México: Noema.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70.

Carbone, P. (2000). Cultura organizacional do setor público brasileiro: desenvolvimento de uma metodologia de gerenciamento da cultura. Revista de Administração Pública, 34(2), 1-5.

Castor, B. V. J.; José, H. A. A. (1998). Reforma e contra-reforma: a perversa dinâmica da administração pública brasileira. Revista de Administração Pública, 32(6), 97- 111.

Chanlat, J. F. (1997). Modos de gestão, saúde e segurança no trabalho. In E. P. B. Davel, & J. G. M. Vasconcellos (Orgs.). “Recursos Humanos” e subjetividade. (pp. 118-128). Petrópolis: Vozes.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Deal, T. E.; Kennedy, A. (2000). Corporate Cultures: the rites and rituals of corporate life. USA: Basic Books.

Demo, G.; Fernandes, T.; Fogaça, N. (2017). A influência dos valores organizacionais na percepção de políticas e práticas de gestão de pessoas. Revista eletrônica de Administração, 23(1), 89-117.

Dominico, S. M. R.; Latorre, S. Z. (2008). A relação entre tipos de cultura organizacional e valores organizacionais. In: M. L. M. Teixeira (Org.). Valores humanos & gestão: novas perspectivas. (pp. 245-269). São Paulo: Editora Senac.

Durham, E. R. (2006). A autonomia universitária: extensão e limites. In J. E. Steiner, & G. Malnic (Org.). Ensino Superior: conceito e dinâmica. (pp. 79-124). São Paulo: EDUSP.

Ferreira, M. C.; Assmar, E. M. L. (1999). Perspectivas epistemológicas, teóricas e metodológicas no estudo de cultura organizacional. Revista Educação e Tecnologia, (4), 1-11.

Finger, A. P. (1988). Gestão acadêmica. In A. P. Finger (Org.). Gestão Acadêmica em Universidade: Organização, Planejamento, Gestão. Florianópolis (SC): UFSC/CPGA/NUPEAU.9

Fischer, A. L. (2002). Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas. In M. T. L. Fleury (Org.). As pessoas na organização. (pp. 11-34). São Paulo: Editora Gente.

Fleury, M. T. L. (1987). Estória, mitos, heróis: cultura organizacional e relações de trabalho. Revista de Administração de Empresa - RAE, 27(4), 718.

Fleury, M. T. L. (1996). O desvendar a cultura de uma organização - uma discussão metodológica. In: M. T. L. Fleury, & R. M. Fischer (Coords). Cultura e poder nas organizações. (pp. 15-27). 2. ed. São Paulo: Atlas.

Freitas, M. E. (1991). Cultura organizacional: grandes termas em debate. Revista de Administração de Empresa - RAE, 31(3), 73-82.

Freitas, M. E. (2007). Cultura Organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning.

Garcia, I. S. (2016). Interconexões entre valores e confiança organizacionais: o caso de uma empresa familiar da grande Florianópolis. 2016. 352p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Idéias & Letras.

Geertz, C. (1989). A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Gouvêa, R. Q. (2008). Da filosofia dos valores a uma ciência dos valores. In M. L. M. Teixeira (Org.). Valores humanos e gestão: novas perspectivas. (pp. 17-45). São Paulo: Editora Senac.

Hofstede, G. (1980). Culture’s consequences: international differences in work related values. Beverly Hills: Sage.

Hogan, S. J.; Coote, L. V. (2014). Organizational culture, innovation, and performance: a test of Schein's model. Journal of Business Research, 67(8), 1609-1621.

Katz. D.; Kahn, R. L. (1974). Psicologia social das organizações. São Paulo: Atlas.

Lacombe, B. M. B.; Tonelli, M. J. (2004). O paradoxo básico da administração de recursos humanos: o discurso versus a prática de gestão de pessoas nas empresas. In F. C. Vasconcelos, & I. F.G. Vasconcelos. Paradoxos organizacionais: uma visão transformacional. (pp. 53-74). São Paulo: Pioneira.

Ludke, M.; André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2009). Metodologia do Trabalho Científico. 7 ed. São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S. (Org.). (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes.

Motta, F. C. P.; Alcadipani, R. (1999). Jeitinho brasileiro, controle social e competição. Revista de Administração de Empresas - RAE, 39(1), 6-12.

Nascimento, T. G.; Castro, B. G. A.; Carvalho, G. P.; Demo, G. (2016). Valores organizacionais: uma análise bibliométrica da produção nacional do período de 2000 a 2013 na área de administração. Organizações em Contexto, 12(24), 37-64.

Nunes, T. S.; Tolfo, S. R. (2013). A dinâmica e os fatores organizacionais propiciadores à ocorrência do assédio moral no trabalho. Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, 4(2), 90-113.

Nunes, T. S.; Tolfo, S. R.; Nunes, L. S. (2013). Assédio Moral em Universidade: a violência identificada por servidores docentes e técnicoadministrativos. Organizações em contexto, 9(18), 25-61.

Pires, J. C. S.; Macêdo, K. B. (2006). Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, 40(1), 81-105.

Porto, J. B.; Pilati, R. (2010). Escala revisada de valores relativos ao trabalho - EVT-R. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 73-82.

Reorganiza UFSC. (2013). Grupo de Trabalho Reorganiza UFSC. Secretaria de Gestão de Pessoas - SEGESP. UFSC. Relatório. Florianópolis.

Ribeiro, C. V. S.; Mancebo, D. (2013). O servidor público no mundo do trabalho do século XXI. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(1), 192-207.

Richardson, R. J. (2008). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Santos, J. L. (2004). O que é cultura. São Paulo: Brasiliense.

Schein, E. H. (2001). Guia de sobrevivência da cultura corporativa. Rio de Janeiro: José Olímpio.

Schein, E. H. (2009). Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Silva, A. L. G.; Silva, N. (2010). Percepções de valores organizacionais declarados de uma organização educacional. Interação em Psicologia, 14(1), 83-92.

Silva, N.; Zanelli, J. C. (2004). Cultura organizacional. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. (pp. 407-442). Porto Alegre: Artmed.

Silva, N.; Zanelli, J. C.; Tolfo, S. R. (2013). Diagnóstico e gestão da cultura nas organizações. In L. O. Borges, & L. Mourão. O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia. (pp. 225-278). Porto Alegre: Artmed.

Sina, A. (2007). A outra face do poder. São Paulo: Saraiva.

Siqueira, D. M.; Vieira, A. M. (2012). Valores Organizacionais: percepção e legitimação. Revista Gestão & Tecnologia, 12(2), 168-191.

Smircich, L. (1983). Concepts of culture and organizational analysis. Administrative Science Quarterly, 28(3), 339-358.

Suxberger, A. H. G. (2009). O tamanho dos nossos sonhos: política e democracia no espaço entre nós e o contexto. In J. A. Dias, A. H. G. Suxberger, C. R. D. Garcia, & R. R. Manente (Orgs.). O que fazer depois de passar em um concurso público. (pp. 21-31). Blumenau: Nova Letra.

Tamayo, A. (1996). Valores organizacionais. In A. Tamayo, J. E. Borges Andrade, & W. Codo (Orgs.). Trabalho, Organizações e Cultura. (pp. 175-193). São Paulo: Cooperativa de Autores Associados.

Tamayo, A. (2004). Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed.

Tamayo, A. (2006). Valores organizacionais e comprometimento afetivo. Revista de Administração Mackenzie, 6(3), 192-213.

Tamayo, A. (2007). Contribuições ao estudo dos valores pessoais, laborais e organizacionais. Psicologia: teoria e pesquisa, 23, 17-24.

Tamayo, A.; Borges, L. O. (2006). Valores do trabalho e das organizações. In M. Ros, & V. V. Gouveia (Orgs.). Psicologia social dos valores humanos: desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados. (pp. 397-431). São Paulo: Editora Senac: São Paulo.

Teixeira, M. L. M. (2008). Dignidade organizacional: valores e relações com stakeholders. In M. L. M. Teixeira (Org.). Valores humanos & gestão: novas perspectivas. (pp. 81-92). São Paulo: Editora Senac.

Tolfo, S. R.; Silva, N.; Krawulski, E. (2013). Acoso laboral: relaciones con la cultura organizacional y la gestión de personas. Salud de los Trabajadores, 21(1), 5-18.

Tolfo, S. R.; Silva, N.; Krawulski, E. (2015). Assédio Moral no Trabalho: interface com a cultura organizacional e gestão de pessoa em organizações públicas. In: M. L. Emmendoerfer, S. R. Tolfo, & T. S. Nunes. (Org.). Assédio Moral em organizações públicas e a (Re)Ação dos Sindicatos. (pp. 99-118). 1. ed. Curitiba: CRV.

Triviños, A. N. S. (1992). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

UFSC.Universidade Federal de Santa Catarina. (2010). Plano de Desenvolvimento Institucional 2010 a 2014. Florianópolis: UFSC. .

UFSC.Universidade Federal de Santa Catarina. (2014). UFSC EM NÚMEROS. Florianópolis: UFSC. .

Vieira, M. S. O. C.; Gomes, D. C. (2013). Valores organizacionais numa instituição pública de ensino do RN. HOLOS, 29(3), 77-89.

Vveinhardt, J.; Gulbovaitė, E. (2015). Expert Evaluation of Diagnostic Instrument for Personal and Organizational Value Congruence. Journal of Business Ethics, 136(3), 481-501.

Zanelli, J. C.; Silva, N. (2008). Interação humana e gestão: a construção psicossocial das organizações de trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Zanini, M. T. (2007). Confiança: o principal ativo intangível de uma empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Zanini, M. T. F.; Migueles, C. P. (2014) O papel mediador entre confiança e desempenho organizacional. Revista de Administração, 49(1), 45-58.