Idort e Difusão do Management no Brasil na Década de 1930 Outros Idiomas

ID:
49333
Autores:
Resumo:
O Management no Brasil tem sido considerado a partir de diferentes perspectivas teóricas e analíticas. Algumas delas buscam revelar sua especificidade em relação ao pensamento anglo-saxão, a perspectiva original de constituição desse corpo de conhecimento e prática organizacional. Nesse sentido, uma importante forma de abordagem do Management é pela perspectiva histórica, na qual este estudo foi realizado. Assim, buscamos revelar como a importação e difusão de doutrinas do Management a partir da criação do Idort são marcadas por um conturbado cenário de disputas políticas e ideológicas, que se revelou como o substrato para a consolidação de práticas que determinaram o próprio locus institucional do Management no País nas décadas seguintes.
Citação ABNT:
VIZEU, F.Idort e Difusão do Management no Brasil na Década de 1930 . Revista de Administração de Empresas, v. 58, n. 2, p. 163-173, 2018.
Citação APA:
Vizeu, F.(2018). Idort e Difusão do Management no Brasil na Década de 1930 . Revista de Administração de Empresas, 58(2), 163-173.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020180205
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49333/idort-e-difusao-do-management-no-brasil-na-decada-de-1930-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alcadipani, R.; Bertero, C. O. (2012). Guerra fria e ensino do management no Brasil: O caso da FGV-EAESP. RAE-Revista de Administração de Empresas, 52(3), 284-299. doi: 10.1590/S003475902012000300002

Alcadipani, R.; Bertero, C. O. (2014). Uma escola norte-americana no Ultramar?Uma historiografia da EAESP. RAE-Revista de Administração de Empresas, 54(2), 154-169. doi: 10.1590/S0034-759020140204

Amaral, P. F. (1961). Trinta anos de atividades no campo da organização científica. Revista de Organização Científica do IDORT, 30(353/354), 5-26.

Barros, A. (2014). Uma narrativa sobre os cursos superiores em administração da Face/UFMG: Dos primeiros anos à sua unificação em 1968. Cadernos EBAPE.BR, 12(1), 7-25.

Barros, A. (2017). Antecedentes dos cursos superiores em administração brasileiros: As escolas de comércio e o curso superior em administração e finanças. Cadernos EBAPE.BR, 15(1), 88-100.

Barros, A. N.; Carrieri, A. P. (2013). Ensino superior em administração entre os anos 1940 e 1950: Uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cadernos EBAPE.BR, 11(2), 256-273

Bertero, C. O. (2006). Ensino e pesquisa de administração. São Paulo, SP: Thomson Learning.

Burke, P. (1992). A escrita da história. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Cardoso, F. H. (1972). Empresário industrial e desenvolvimento econômico no Brasil. 2 ed. São Paulo, SP: Difusão Europeia do Livro.

Chandler, A. D. (1977). The visible hand: The managerial revolution in American business. Cambridge, USA: Harvard University Press.

Codato, A. (1997). O departamento administrativo do estado de São Paulo na engenharia do Estado Novo. Revista de Sociologia e Política, 9, 115-127.

Dean, W. (2001). A industrialização de São Paulo: 1880-1945. 4 ed. São Paulo, SP: Bertrand Brasil.

Faoro, R. (2001). Os donos do poder. 3 ed. São Paulo, SP: Globo.

Jenks, L. (1960). Early phases of the management movement. Administrative Science Quarterly, 5(3), 421-447. doi:10.2307/2390664

Leopoldi, M. A. (2000). Política e interesses na industrialização brasileira. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Luz, N. V. (1975). A luta pela industrialização no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Alfa-Ômega.

Marcovitch, J. (2005). Pioneiros e empreendedores: A saga do desenvolvimento no Brasil. São Paulo, SP: Edusp/Saraiva.

Martins, C. E. (1974). Tecnocracia e capitalismo: A política dos técnicos no Brasil. São Paulo, SP: Brasiliense.

Pereira, L. C. B. (1974). Empresários e administradores no Brasil. São Paulo, SP: Brasiliense.

Pinheiro, P. (1977). Política e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Skidmore, T. (1998). Uma história do Brasil. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Vizeu, F. (2010). Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. RAE-Revista de Administração de Empresas, 50(1), 37-47. doi: 10.1590/S0034-75902010000100004

Vizeu, F. (2011). Rural heritage of early Brazilian industrialists: Its impact on managerial orientation. Brazilian Administration Review, 8(1), 68-85. doi: 10.1590/S1807-76922011000100006

Wahrlich, B. M. (1983). A reforma administrativa da era de Vargas. Rio de Janeiro, RJ: Fundação Getúlio Vargas.

Wanderley, S. (2016). Iseb, uma escola de governo: Desenvolvimentismo e a formação de técnicos e dirigentes. Revista de Administração Pública, 50(6), 913-936. doi: 10.1590/0034-7612150061