Flexibilidade do Orçamento Público Perante a Execução Orçamentária Outros Idiomas

ID:
49386
Resumo:
O processo orçamentário tem como fim a previsão dos recursos públicos para sua alocação de forma eficaz, ou seja, prever como deverá ser o gasto/investimento, em função das receitas. Nesse sentido, o objetivo deste estudo é verificar se o limite constante para abertura de créditos suplementares na Lei Orçamentária Anual (LOA) de municípios mineiros tem relação com a razão executado/previsto de seus respectivos orçamentos. A intenção de perceber a relação entre tais variáveis é verificar se existe alguma ligação entre orçamentos e planejamento falhos, ou seja, alto índice na razão executado/previsto, com um alto índice percentual de abertura de créditos suplementares. Para isso, fez-se um estudo descritivo, documental e quantitativo utilizando a Correlação de Pearson para verificação da relação entre as variáveis de estudo. A amostra é composta por 266 municípios. A partir dos dados obtidos foram elaboradas duas análises: a primeira refere-se à verificação da correlação entre os percentuais de abertura de créditos suplementares e a razão executado/previsto das receitas; e a segunda refere-se às correlações observadas entre os percentuais de abertura de créditos suplementares e a razão executado/previsto das despesas. Por meio dos resultados, verificou-se a existência de uma correlação mínima ou extremamente fraca entre as variáveis estudadas em ambos os casos, admitindo assim certa motivação de outros fatores, diferentemente do estudado, que auxiliam e/ou definem a margem percentual limite para a abertura de créditos suplementares.
Citação ABNT:
COUTO, L. C.; BARBOSA NETO, J. E.; RESENDE, L. L. Flexibilidade do Orçamento Público Perante a Execução Orçamentária. Revista Mineira de Contabilidade, v. 19, n. 1, p. 42-54, 2018.
Citação APA:
Couto, L. C., Barbosa Neto, J. E., & Resende, L. L. (2018). Flexibilidade do Orçamento Público Perante a Execução Orçamentária. Revista Mineira de Contabilidade, 19(1), 42-54.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49386/flexibilidade-do-orcamento-publico-perante-a-execucao-orcamentaria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABREU, Clair Rodrigues de; CÂMARA, Leonor Moreira. O orçamento público como instrumento de ação governamental: uma análise de suas redefinições no contexto da formulação de políticas públicas de infraestrutura. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, jan./ fev. 2015.

AGUIAR, Afonso Gomes. Direito financeiro: a Lei 4.320 comentada ao alcance de todos. 3. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

ANDRADE, Nilton de Aquino. Contabilidade pública na gestão municipal. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ANDRADE, Nilton de Aquino (Org.). Planejamento governamental para municípios: plano plurianual, lei de diretrizes orçamentárias e lei orçamentária anual. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

AQUINO, André Carlos Busanelli de; AZEVEDO Ricardo Rocha de. O “ir”realismo orçamentário nos municípios brasileiros. In: XV Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo, 2015.

AQUINO, André Carlos Busanelli de; AZEVEDO Ricardo Rocha de. O planejamento em municípios de pequeno porte em São Paulo. Revista Contabilidade e Organizações, v. 26 p. 64-76, 2016.

BEUREN, Ilse Maria (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. atual. São Paulo: Atlas, 2012

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. Lei Complementar nº. 101, de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº. 4.320, de 17 de março de 1964. Dispõe sobre normas gerais de direito financeiro, orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº. 5.172, de 25 de outubro de 1966. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Manual técnico de Orçamento 2017: 1. versão, 2016. Brasília. Disponível em: < http://www.planejamento.gov.br/assuntos/orcamento-1/informacoes-orcamentarias/arquivos/MTOs/mto_2017-1a-edicao-versao-de-06-07-16.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.

CASTRO, Domingos Poubel de; GARCIA, Leice Maria. Contabilidade pública no governo federal. São Paulo: Atlas, 2004

CONTI, José Maurício. Orçamentos públicos: A Lei 4.320 comentada. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.

CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. 18. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

FIIRST, Clóvis; PAMPLONA, Edgar; HEIN, Nelson; ZONATTO, Vinícius Costa da Silva. Eficiência de previsibilidade orçamentária da receita pública: um estudo em municípios do Estado do Paraná entre os exercícios de 2002 a 2013 In: XXII Congresso Brasileiro de Custos. Foz do Iguaçu, 2015.

FREUND, John Ernest. Estatística aplicada: economia, administração e contabilidade. 11. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

GIACOMONI, James. Orçamento público. 15. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2016.

KOHAMA, Heilio. Contabilidade pública: teoria e prática. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

MAUSS, Cézar Volnei. Análise de demonstrações contábeis governamentais: instrumento de suporte à gestão pública. São Paulo: Atlas, 2012.

MELLO, Diogo Lordello de. Governo e administração municipal: a experiência brasileira. Revista de Administração Pública, v. 35, n. 2, p. 79-96, mar./abr. 2001.

MELLO, Gilmar Ribeiro de; VENZON, Caronine. Estudo dos gastos com saúde, educação e pessoal nos municípios do Sudoeste do Paraná. In: XIV Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo, 2014.

PIRES, Valdemir. Orçamento público: abordagem tecnopolítica. São Paulo: UNESP/Cultura Acadêmica, 2011.

QUINTANA, Alexandre Costa; MACHADO, Daiane Pias; QUARESMA, Jozi Cristiane da Costa; MENDES, Roselaine da Cruz. Contabilidade pública. São Paulo: Atlas, 2011.

REIS, Heraldo da Costa; MACHADO JÚNIOR, José Teixeira. A Lei 4.320 comentada: e a lei de responsabilidade fiscal. 34. ed. Rio de Janeiro: IBAM, 2012.

RIBEIRO, Thiago Barbosa da Silveira; CRUZ, Claudia Ferreira da. Eficiência no planejamento e arrecadação das receitas correntes no município do Rio de Janeiro no período de 2004-2014. In: VI Congresso Nacional de Administração e Contabilidade – AdCont Rio de Janeiro, 2015.

ROCHA, Cinara Maria Carneiro. Orçamento público no Brasil: Um estudo dos créditos adicionais. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 4, n. 2, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

ROCHA, Diones Gomes; MARCELINO, Gileno Fernandes; SANTANA, Cláudio Moreira. Orçamento público no Brasil: a utilização do crédito extraordinário como mecanismo de adequação orçamentária. Revista de Administração, v. 48, n. 4, 2013.

ROSA, Maria Berenice. Contabilidade do setor público. São Paulo: Atlas, 2011.

RUCKERT, Isabel Noemia; BORSATTO, Maria Luiza; RABELO, Mercedes. As finanças municipais e os gastos sociais no Rio Grande do Sul – 1995-99. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, Documentos FEE n. 50, 2002.

SCARPIN, Jorge Eduardo; SLOMSKI, Valmor. Acurácia da previsão de receitas no orçamento antes e após a Lei de Responsabilidade Fiscal: um estudo de caso. Revista Universo Contábil, v. 1, n. 2, p. 23-39, maio/ago. 2005.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. SICONF – Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/. Acesso em: 18 jul. 2016.

SILVA, Marise Borba; GRIGOLO, Tânia Maris. Metodologia para iniciação científica à prática da pesquisa e da extensão II. Caderno Pedagógico. Florianópolis: Udesc, 2002.

SILVEIRA, Nauana Gaivota; MARTINS, Laís Karine Sardá; LUNKES, Rogério João; GASPARETTO, Valdirene. Alinhamento entre o Planejamento Estratégico e o Planejamento Orçamentário em uma Instituição Pública Federal de Ensino. In: XVI Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo, 2016.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Fiscalizando com o TCE – Minas Transparente. Disponível em: Acesso em: 18 jul. 2016.

ZONATTO, Vinícius Costa da Silva; HEIN, Nelson. Eficácia da previsão de receitas no orçamento dos municípios gaúchos: uma investigação empírica dos exercícios de 2005 a 2009 utilizando a análise de clusters. Revista Estudo CEPE, Santa Cruz do Sul, n. 37, p. 102-131, jan./jun. 2013.

ZONATTO, Vinícius Costa da Silva; RODRIGUES JÚNIOR, Moacir Manoel. TOLEDO FILHO, Jorge Ribeiro de. Aplicação do Modelo de Koyck na previsão de receitas públicas: uma análise das previsões orçamentárias realizadas pelos dez maiores Municípios em população no Estado do Rio Grande do Sul. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 13, n. 1, p. 249-276, jan./ abr. 2014