Fatores que Influenciam a Inovação nos Serviços Públicos o Caso da Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande Outros Idiomas

ID:
49413
Resumo:
O objetivo deste artigo é analisar os fatores que influenciam o processo de inovação dos serviços prestados pela Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande. A estratégia metodológica adotada foi o estudo de caso. Os resultados evidenciaram inovações incrementais e por recombinação. Entre os condicionantes para as inovações, sobressaem o apoio dos gestores e dirigentes e a troca de conhecimentos e experiências. No que se refere às barreiras à inovação, destacam-se os entraves causados pela insuficiência de recursos. Os resultados desta pesquisa contribuem para aperfeiçoar os processos de inovação e subsidiar políticas públicas em direção à melhoria dos serviços de saúde à população. Ademais, evidências de novos condicionantes e barreiras não destacados pela literatura avançam no entendimento de fatores que influenciam as inovações em serviços no setor público.
Citação ABNT:
GOMES, C. A.; MACHADO, A. G. C. Fatores que Influenciam a Inovação nos Serviços Públicos o Caso da Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 23, n. 74, p. 49-70, 2018.
Citação APA:
Gomes, C. A., & Machado, A. G. C. (2018). Fatores que Influenciam a Inovação nos Serviços Públicos o Caso da Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 23(74), 49-70.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v23n74.68005
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49413/fatores-que-influenciam-a-inovacao-nos-servicos-publicos-o-caso-da-secretaria-municipal-de-saude-de-campina-grande/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alberti, A.; Bertucci, G. (2006). Replicating innovations in governance: an overview. In: A. Alberti & G. Bertucci (Eds.). Innovations in governance and public administration: replicating what works. New York: United Nations Publication.

Almeida, P. A. A. (2015). Inovações organizacionais na administração pública do estado de Minas Gerais: estudo de caso sobre os fatores condicionantes de um ambiente inovador. Dissertação de mestrado, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barras, R. (1986). Towards a theory of innovation in services. Research Policy, 15(4), 161-173.

Bloch, C. (2010). Towards a conceptual framework for measuring public sector innovation. Copenhagen: MEPIN. www.mepin.eu/index.php?option=com_content&view= article&id=33: new-pilotstudy&catid=1:news

Bloch, C. (2011). Measuring public innovation in the Nordic countries: Copenhagen Manual. Copenhagen: MEPIN. www.nordicinnovation.org/Global/_Publications/Reports/2011/201102_MEPIN_report_web.pdf

Bommert, B. (2010). Collaborative innovation in the public sector. International Public Management Review, 11(1), 15-33.

Brandão, S. M.; Bruno-Faria, M. F. (2013). Inovação no setor público: análise da produção científica em periódicos nacionais e internacionais da área de administração. Revista de Administração Pública, 47(1), 227-248.

Bugge, M. M.; Hauknes, J.; Bloch, C.; Slipersaeter, S. (2010). The public sector in innovation systems: Module 1 - Conceptual Framework. Copenhagen: MEPIN.

Castro, C. M. S. (2015). Antecedentes de inovações em organizações públicas do poder executivo federal. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Cavalcanti, A. C. F.; Martens, C. D. P.; Biancolino, C. A. (2014). Análise da gestão da qualidade nas aquisições de produtos e serviços de saúde de um hospital público de São Paulo. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 11(4), 247-265.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Datasus (2017). Hiperdia - Sistema de cadastramento e acompanhamento de hipertensos e diabéticos. http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/epidemiologicos/hiperdia

Deschamps, J. P. (2003). Innovation and leadership. In: L. V. Shavinina (Ed.). The International Handbook on Innovation. pp. 815-834. Amsterdam: Elsevier.

De Vries, H.; Bekkers, V.; Tummers, L. (2016). Innovation in the public sector: a systematic review and future research agenda. Public Administration, 94(1), 146-166.

Djellal, F.; Gallouj, F.; Miles, I. (2013). Two decades of research on innovation in services: which place for public services? Structural Change and Economic Dynamics, (27), 98-117.

Ewers, J.; Gomes, M.; Octaviano, C. (2015). MCTI e revista Inovação mapeiam as dez cidades mais inovadoras do país. Inovação: Revista Eletrônica de P, D & I, (ed. esp). www.inovacao.unicamp.br/destaque/mcti-e-revista-inovacao-mapeiam-as-dez-cidades-mais -inovadoras-do-pais

Farias, J. S.; Guimarães, T. A.; Vargas, E. R.; Albuquerque, P. H. M. (2011). Adoção de prontuário eletrônico paciente em hospitais universitários de Brasil e Espanha. A percepção de profissionais de saúde. Revista de Administração Pública, 45(5), 1303-1326.

Ferreira, V. R. S.; Najberg, E.; Ferreira, C. B.; Barbosa, N. B.; Borges, C. (2014). Inovação em serviços de saúde no Brasil: análise dos casos pemiados no concurso de inovação na Administração Pública Federal. Revista de Administração Pública, 48(5), 1207-1227.

Ferreira, V. R. S.; Tete, M. F.; Silva Filho, A. I.; Sousa, M. M. (2015). Inovação no setor público federal no Brasil na perspectiva da inovação em serviços. Revista de Administração e Inovação, 12(4), 99-118.

Gallouj, F. (1998). Innovating in reverse: services and the reverse product cycle. European Journal of Innovation Management, 1(3), 123-138.

Gallouj, F. (2002). Innovation in the service economy: the new wealth of nations. Cheltenham: Edward Elgar.

Gallouj, F.; Weinstein, O. (1997). Innovation in services. Research Policy, 26(4-5), 537-556.

Gallouj, F.; Zanfei, A. (2013). Innovation in public services: filling a gap in the literature. Structural Change and Economic Dynamics, (27), 89-97.

Hadjimanolis, A. (2003). The barriers approach to innovation. In: L. V. Shavinina (Ed.). The international handbook on innovation, pp. 559-574. Amsterdam: Elsevier.

Halvorsen, T. (2005). On innovation in the public sector. In: T. Halvorsen, J. Hauknes, I. Miles & R. Røste (Eds.). On the differences between public and private sector innovation. pp. 2-21. Oslo: Publin Report, D9.

Klumb, R.; Hoffmann, M. G. (2016). Inovação no setor público e evolução dos modelos de administração pública: o caso do TRE-SC. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(69), 84-100.

Koch, P.; Hauknes, J. (2005). On innovation in the public sector. Oslo: Publin Report. D20, p. 1-102.

Kon, A. (1999). Sobre as atividades de serviços: revendo conceito e tipologias. Revista de Economia Política, 19(2), 64-83.

Lima, D. H. (2011). Inovação na regulação de internação em UTI no DF: o processo e seus efeitos sobre os serviços. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Madeiro, R. C. V. (2013). Crise na saúde pública. Revista Jurídica Consulex, n. 397.

Mulgan, G. (2007). Ready or not?Taking innovation in the public sector seriously. London: NESTA.

Mulgan, G.; Albury, D. (2003). Innovation in the public sector. London: Cabinet Office.

Nd. (2011). Polo de Saúde de Campina Grande é um dos mais desenvolvidos. Jornal da Paraíba. www.jornaldaparaiba.com.br/vida_urbana/ polo-de-saude-de-cg-e-um-dos-mais-desenvolvidos.html

Nd. (2017). Mais de 700 pessoas são atendidas no Trauma de Campina Grande. Jornal da Paraíba. www.jornaldaparaiba.com.br/vida_urbana/ mais-de-700-pessoas-sao-atendidas-no-trauma-de-campina-grande.html

Prefeitura Municipal de Campina Grande. (2015). Experiência da saúde municipal de Campina concorre a prêmio regional. http://pmcg. org.br/experiencia-da-saude-municipal-de-campina-concorre-a-premio-regional

Queiroz, A. C. S.; Albuquerque, L. G.; Malik, A. M. (2013). Gestão estratégica de pessoas e inovação: estudos de caso no contexto hospitalar. Revista de Administração, 48 (4), 658-670.

Raimundo, E. A.; Dias, C. N.; Guerra, M. (2015). Logística de medicamentos e materiais em um hospital público do Distrito Federal, Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 12(2), 61-69.

Rêgo, M. C. B. (2015). Inovação em serviços de justiça: os efeitos da coprodução nos resultados da Conciliação Judicial no TJDFT. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Resende Júnior, P. C.; Guimarães T. A. (2012). Inovação em serviços: o estado da arte e uma proposta de agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14 (44), 293-313.

Røste, R.; Miles, I. (2005). Differences between public and private sector innovation. In: T. Halvorsen, J. Hauknes, I. Miles, & R. Røste (Eds.). On the differences between public and private sector innovation. pp. 22-39. Oslo: Publin Report. D9.

Santos, F. J. S.; Sano, H. (2016). Inovação no setor público: um olhar sobre os estudos brasileiros. Interface, 4(2), 33-48.

Scrignoli, B. W. (2011). Os determinantes de inovações nos serviços públicos brasileiros: o caso dos serviços postais. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Sorensen, E.; Torfing, J. (2010). Collaborative innovation in the public sector: an analytical framework. Roskilde: Roskilde Universitet. https://rucforsk.ruc.dk/ws/portalfiles/portal/32897073

Souza, J. C.; Bruno-Faria, M. F. (2013). Processo de inovação no contexto organizacional: uma análise de facilitadores e dificultadores. Brazilian Business Review, 10(3), 113-136.

Storey, J. (2000). The management of innovation problem. International Journal of Innovation Management, 4(3), 347-369.

Sundbo, J.; Gallouj, F. (1998). Innovation in services. SI4S Synthesis Paper, (2).

Teciano, L. C. G. (2014). Inovação em serviços públicos: o caso Poupatempo. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Thibe, L. A.; Maduro, M. R.; Silva, L. C. J.; Araújo, P. C. D.; Soares, L. A. C. F. (2013). Práticas da gestão: fatores críticos de sucesso na gestão da informação e o papel da tecnologia da informação no processo decisório de um hospital. Revista de Administração Hospital e Inovação em Saúde, 10(3), 75-89.

Thune, T.; Mina, A. (2016). Hospitals as innovators in the health-care system: A literature review and research agenda. Research Policy, 45(8), 1545-1557.

VanGundy, A. B. (2007). Getting to innovation: how asking the right questions generates the great ideas your company needs. New York, NY: American Management Association.

Vargas, E. R. (2006). A dinâmica da inovação em serviços: o caso dos serviços hospitalares no Brasil e na França. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil.

Vasconcelos, K.; Carneiro, T. S. (2011). Saúde da família em foco: uma análise da realidade de Campina Grande, PB. In: J. Davi, C. Martiniano & L. M. Patriota (Orgs.). Seguridade social e saúde: tendências e desafios. 2. ed.. Campina Grande, PB: EDUEPB.

Windrum, P.; García-Goñi, M. (2008). A neo-schumpeterian model of health services innovation. Research Policy, 37(4), 649-672.