Análise sobre o Termo Talento em Diferentes Áreas do Conhecimento Outros Idiomas

ID:
49458
Resumo:
O mercado atual consiste em um ambiente global, complexo, altamente competitivo e volátil para as organizações, trazendo consigo desafios, também, globais de fluxo de talentos e escassez de competências essenciais. Daí a emergência da gestão de talentos como uma preocupação internacional e nacional de gestão de pessoas. Considerando-se o aspecto de multiplicidade e fluidez do mercado e de imprecisão do termo Talento em administração, surgiu o interesse de verificar a multidisciplinaridade desse termo. Então, emergiu o problema de pesquisa: Quais as características e as proposições de diferentes áreas do conhecimento acerca do termo Talento? A fim de colaborar com o debate sobre temas emergentes em gestão de pessoas, nesta pesquisa o objetivo consistiu em identificar características e proposições que outras áreas do conhecimento adotam para referir-se a Talento. Este estudo é uma revisão sistemática, realizada por meio de análise bibliométrica e análise de conteúdo. Foram analisados artigos acadêmicos selecionados na base Web of Science que continham o termo Talento em seu título. A leitura dos textos selecionados possibilitou a constatação de que, de acordo com essa amostra, os adjetivos mais utilizados para fazer menção e caracterizar os Talentos são os relacionados à diferenciação. A análise dos textos gerou a sugestão de dez proposições para futuras pesquisas. Este estudo foi desenvolvido teoricamente, as considerações são referentes aos textos selecionados e não podem ser generalizadas.
Citação ABNT:
FREITAG, B. B.; FISCHER, A. L. Análise sobre o Termo Talento em Diferentes Áreas do Conhecimento . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 10, n. 1, p. 3-27, 2018.
Citação APA:
Freitag, B. B., & Fischer, A. L. (2018). Análise sobre o Termo Talento em Diferentes Áreas do Conhecimento . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 10(1), 3-27.
DOI:
10.24023/FutureJournal/2175-5825/2018.v10i1.284
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49458/analise-sobre-o-termo-talento-em-diferentes-areas-do-conhecimento-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVARENGA, L. (1998). Bibliometria e arqueologia do saber de Michel Foucault: traços de identidade teórico-metodológica. Revista Ciência da Informação. Ci. Inf., vol. 27, n. 3, pp. 00-00.

BARDIN, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

BERGER, L. A.; BERGER, D. R. (2004). The Talent Management Handbook: Creating Organizational Excellence by Identifying, Developing, and Promoting Your Best People. New York: McGraw-Hill.

CÔTÉ, J. (1999). The Influence of the Family in the Development of Talent in Sport. The Sport Psychologist, v. 13, n. 4, pp. 395-417.

CROSSAN, M. M.; APAYDIN, M. (2010). A Multi-Dimensional Framework of Organizational Innovation: A Systematic Review of the Literature. Journal of Management Studies, v. 47, n. 6, pp. 1154-1191.

ERICSSON, K. A.; KRAMPE, R. T.; TESCH-RÖMER, C. (1993). The role of deliberate practice in the acquisition of expert performance. Psychological Review, v. 3, pp. 363-406.

EUROFOUND (European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions). (2009). Europe at work: better life and opportunities for all. Dublin/Ireland. Four-year work programm: 2009-2012.

FERREIRA, A. M. (2008). Políticas e práticas de gestão de pessoas como fatores de retenção de jovens talentos: um estudo com trainees de empresa brasileira do setor siderúrgico. Dissertação de Mestrado. PUC Minas.

FISCHER, A. L.; ALBUQUERQUE, L. G. (Coord.). (2010). Relatório Delphi-RH 2010: Tendências em Gestão de Pessoas nas Empresas Brasileiras. São Paulo: PROGEP-FIA.

FREITAG, B. B. (2013). Talentos em Gestão e Gestão de Talentos: Análise da Literatura Acadêmica e de Práticas Corporativas. In: Seminários em Administração - SEMEAD, 2013, São Paulo. Anais... XVI SEMEAD. São Paulo: FEA-USP.

FREITAG, B. B.; FISCHER, A. F. (2013). Programas Formais de Gestão de Talentos no Brasil: uma Realidade? In: Encontro Nacional da ANPAD - EnANPAD, 2013, Rio de Janeiro. Anais... XXXVII EnANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD.

HANDFIELD-JONES, H.; AXELROD, B. (2001). The War for Talent. Ed Michaels, Harvard Business School Press.

HANSON, S. L. (1994). Lost Talent: Unrealized Educational Aspirations and Expectations among U.S. Youths. Sociology of Education, v. 67, n. 3, pp. 159-183.

HODGE, T.; DEAKIN, J. M. (1998). Deliberate practice in the martial arts: The role of context in motor recall. Journal of Sport and Exercise Psychology, v. 20, pp. 260-279.

HOWE, M. J. A.; DAVIDSON, J. W.; SLOBODA, J. A. (1998). Innate Talents: Reality or Myth? The Behavioral and Brain Sciences, v. 21, n. 3, pp. 399-407.

ILES, P. CHUAI, X.; PREECE, D. (2010). Talent Management and HRM in Multinational companies in Beijing: Definitions, differences and driversity. Journal of World Business, v. 45, n. 2, pp. 179-189.

INGHAM, J. (2006). Closing the talent management gap. Strategic HR Review, v. 5, n. 3, p. 20.

LEWIS, R. E.; HECKMAN, R. J. (2006). Talent management: A critical review. Human Resource Management Review, v. 16, pp. 139-154.

MACIAS-CHAPULA, C. A. (1998). O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Revista Ciência da Informação. Ci. Inf., vol. 27, n. 2, pp. nd-nd.

MACKINNON, D. W. (1962). The Nature and Nurture of Cretive Talent. American Psychologist, v. 17, n. 7, pp. 484-495.

McCLELLAND, D. C.; BALDWIN, A. L.; BRONFENBRENNER, U. STRODTBECK, F. L. (1958). Talent and Society: New perspectives in the identification of talent. New Jersey: Princeton.

MUCHA, R. T. (2004). The Art and Science of Talent Management. Organizational Development Journal, v. 22, n. 4, p.96.

MURPHY, K. M.; SHLEIFER, A.; VISHNY, R. W. (1991). The Allocation of Talent: Implications for growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 106, n. 2, pp. 503-530.

REILLY, T.; WILLIAMS, A. M.; NEVILL, A.; FRANKS, A. (2000). A Multidisciplinary Approach to Talent Identification in Soccer. Journal of Sports Sciences, v. 18, n. 9, pp. 695-702.

SHRM. (2011). Society for Human Resource Management. Workplace forecast. Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2012.

STURMAN, M. C.; TREVOR, C. O.; BOUDREAU, J. W.; GERHART, B. (2003). Is It Worth It To Win the Talent War?Evaluating the Utility of Performance-Based Pay. Personnel Psychology, v. 56, n. 4, pp. 997-1035.

TANURE, B.; EVANS, P.; PUCIK, v. (2007). A gestão de pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Elsevier.

TARIQUE, I.; SCHULER, R. S. (2010). Global talent management: Literature review, integrative framework, and suggestions for further research. Journal of World Business, v. 45, n. 2, pp. 122-133.

TERMAN, L. M. (1954). The Discovery and Encouragement of Exceptional Talent. The American Psychologist, v. 9, n. 6, pp. 221-230.

TRANFIELD, D.; DENYER, D.; SMART, P. (2003). Towards a methodology for developing evidence-informed management knowledge by means of systematic review. British Journal of Management, v. 14, pp. 207-22.

TRIVINOS, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

ULRICH, D. (2007). The Talent Trifecta. Workforce Management, v. 86, n. 15, p.32.

WEB OF SCIENCE. (2012). Base de dados da ISI Web of Knowledge. 17 jan. 2012.

WILLIAMS, A. M.; REILLY, T. (2000). Talent Identification and Development in Soccer. Journal of Sports Sciences, v. 18, n. 9, pp. 657-667.