Programas de Fidelização na Era Digital: Uma Análise Comportamental do Consumidor no Setor de Restaurantes Outros Idiomas

ID:
49464
Resumo:
Com a importância crescente do mercado de restaurantes e a expressiva expansão da internet no Brasil, soluções de fidelização tendem a migrar para um formato digital, baseada em aplicativos para smartphones em detrimento de soluções baseadas em cartões e carimbos. O presente trabalho tem como objetivo principal quantificar, definir perfil e classificar preferência dos consumidores adeptos, ou com potencial à adesão, a soluções de programas de fidelização para restaurantes. Os números do mercado de restaurantes e de internet no Brasil são levantados para dimensionar o potencial destas soluções de fidelização baseado em internet. A pesquisa predominantemente quantitativa consistiu em aplicar questionário pela internet. Coletou-se 220 respostas válidas, e obteve-se intervalo de confiança de 95% e erro amostral de 6,6%. Utilizou-se testes de hipótese ANOVA e modelos de regressão para quantificar a correlação entre variáveis estudadas. Concluiu-se que a variável renda tem a maior capacidade de explicar a adesão a programas de fidelidade para restaurantes, assim como ocorre também em outros segmentos, e que estes programas geram fidelidade comportamental e atitudinal. Além disso, soluções digitais são bem aceitas, abrindo espaço para novas alternativas de programas de fidelidade.
Citação ABNT:
CORREIA, R. I. L.; RIZZI, J. P.; SENNA, H.; FLORENCIO, G. P. Programas de Fidelização na Era Digital: Uma Análise Comportamental do Consumidor no Setor de Restaurantes . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 10, n. 1, p. 160-187, 2018.
Citação APA:
Correia, R. I. L., Rizzi, J. P., Senna, H., & Florencio, G. P. (2018). Programas de Fidelização na Era Digital: Uma Análise Comportamental do Consumidor no Setor de Restaurantes . Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 10(1), 160-187.
DOI:
10.24023/FutureJournal/2175-5825/2018.v10i1.291
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49464/programas-de-fidelizacao-na-era-digital--uma-analise-comportamental-do-consumidor-no-setor-de-restaurantes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aaker, D. A.; Kumar, V.; Day, G. S. (2004). Pesquisa De Marketing. 2 ed. São Paulo: Atlas

ABIA. (2014). Faturamento do segmento de Service Foods, Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação. .

Anderson, D. R.; Sweeney, D. J.; Williams, T. A. (2013). Estatística aplicada à administração e economia. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Banco Central do Brasil. (2014). Indicadores econômicos consolidados. http://www.bcb.gov.br/?INDECO/.

CETIC (2013). Pesquisa TIC Domicílios. São Paulo, Comitê Gestor da Internet.

Collact. (2015). nd. .

Deloitte. (2014). Deloitte Survey: Restaurant Loyalty Programs Need Spice. PR Newswire US. Mar. 31, 2014.

Dick, A. S.; Basu, K. (1994). Customer Loyalty: Toward an Integrated Conceptual Framework. Journal of the Academy of Marketing Science, (Winter), 99-113.

Durrett, R. (2010). Probability: theory and examples. Cambridge University Press.

FIESP. (2015). Mesmo com crise, setor de alimentação continua a crescer no Brasil. .

Gómez, B. G.; Arranz, A. G.; Cillan, J. G. (2006). The role of loyalty programs in behavioral and affective loyalty. The Journal of Consumer Marketing, v. 23, n. 7, p. 387-396.

Google Forms. (2015). nd. Acesso em 25 Fev. 2015. .

Grubster. (2015). nd. .

Hobbs, R.; Rowley J. (2008). Are pub discount cards loyalty cards? Journal of Consumer Marketing, 25(6), 369-377, 2008.

IBGE. (20014). Estimativa Populacional 2014, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (1 de julho de 2014).

IFB. (2015). Números do segmento de Food Service no Brasil. Instituto Food Service Brasil. .

Jensen, J. M.; Hansen, T. An empirical examination of brand loyalty. Journal of Product & Brand Management, v. 15, n. 7, p. 442-449, 2016.

Kantar. (2014). Pesquisa sobre uso do smartphone no Brasil, Kantar World Panel. .

Kotler, P.; Keller, K. L. (2012). Marketing Management. 14 ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall.

Koziolek, N.; Pires, T. (2011). Compras coletivas: a evolução do mercado online. .

Lapponi, J. C. (2005). Estatística usando excel. 4 ed. Rio de Janeiro: Campus.

Larán, J. A.; Spinoza, F. S. (2004). Consumidores satisfeitos, e então?Analisando a satisfação como antecedente da lealdade. .

Malhotra, N. K. (2001). Marketing research: an applied orientation. 3 ed. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Milone, G. (2009). Estatística Geral e Aplicada. São Paulo: Centage Learning, 2009.

Silva, V. A. (2016). Por que criar um aplicativo para restaurante? .

TELECO. (2015). Usuários de internet no Brasil. .

Terzian. (2016). Na contramão da crise, setor de alimentação cresce sem parar. .