Pequenos Eventos Esportivos, Turismo e Impactos Locais: os jogos JIMI e JEMG em Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
49467
Resumo:
Este trabalho busca identificar os efeitos econômicos locais gerados por duas competições distintas organizadas pelo governo mineiro, os Jogos do Interior de Minas Gerais (JIMI) e os Jogos Escolares de Minas Gerais (JEMG). Ao contrário de grandes eventos cujo resultado econômico líquido normalmente é nulo ou negativo para as comunidades locais, pequenos eventos esportivos são capazes de alavancar as bases econômicas onde estes são realizados. Utilizando dados de arrecadação de ICMS por setor entre 2008 e 2011, constatou-se que estes geraram liquidamente cerca de R$1,3 milhões adicionais por ano no estado – alguns setores seriam negativamente impactados em cerca de R$500 mil por ano e outros seriam impactados positivamente em cerca de R$1,8 milhões por ano. Estes efeitos se distribuiriam antes, durante e depois dos eventos estudados. Os setores que mais se beneficiam seriam aqueles relacionados ao comércio e transporte de passageiros. Já aqueles que seriam mais impactados negativamente seriam aqueles cuja demanda seria transferida para outros períodos como a construção civil. Estes são resultados parciais do projeto “Cadeia Produtiva do Esporte de Alto Rendimento em Minas Gerais” realizado pela Fundação João Pinheiro (FJP), Centro de Pesquisas Aplicadas (CPA), financiado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (SEBRAE-MG). A pesquisa completa com todos os resultados encontrados está em Fundação João Pinheiro (2013).
Citação ABNT:
WANDERLEY, C. B.; LEROY, F. L. D.; CRUZ, R. M. S. G.; LEITE, E. T. Pequenos Eventos Esportivos, Turismo e Impactos Locais: os jogos JIMI e JEMG em Minas Gerais. Marketing & Tourism Review, v. 3, n. 1, p. 1-26, 2018.
Citação APA:
Wanderley, C. B., Leroy, F. L. D., Cruz, R. M. S. G., & Leite, E. T. (2018). Pequenos Eventos Esportivos, Turismo e Impactos Locais: os jogos JIMI e JEMG em Minas Gerais. Marketing & Tourism Review, 3(1), 1-26.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49467/pequenos-eventos-esportivos--turismo-e-impactos-locais--os-jogos-jimi-e-jemg-em-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agha, Nola. (2007). The economic impact of stadiums and teams: The case of minor league baseball. Journal of Sports Economics, 18 (2), 227-252.

Barget, Eric.; Gouguet, Jean-Jacques. (2007). The total economic value of sporting events theory and practice. Journal of Sports Economics, 8(2), 165-182.

Caiazza, Rosa.; Audretsch, David. (2015). Can a sport mega-event support hosting city’s economic, sócio-cultural and political development? Tourism Management Perspectives, 14(1), 1-2.

Domingues, E. P.; Betarelli, A. A. Jr; Magalhães, A. S. (2011). Quanto vale o show?Impactos econômicos dos investimentos da Copa do Mundo 2014 no Brasil. Estudos Econômicos, 41(2), 409-439.

Ernst Young. (2010). Brasil sustentável: Impactos socioeconômicos da Copa do Mundo 2014. Rio de Janeiro, Ernst.; Young/Fundação Getúlio Vargas.

Fairley, S.; Lovegrove, H.; Brown, M. (2016). Leveraging events to ensure enduring benefits: The legacy strategy of the 2015 AFC Asian Cup. Sport Management Review, 19(4), 466-474.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. (2013). Cadeia produtiva do esporte de alto rendimento em Minas Gerais. Belo Horizonte, Fundação João Pinheiro/SEBRAEMG.

Hotchkiss, J. L.; Moore, R. E.; Rios-Avila, F. (2015). Reevaluation of the employment impact of the 1996 Summer Olympic Games. Southern Economic Journal, 81(3), 619-632.

Kim, W.; Jun, H. M.; Walker, M.; Drane, D. (2015). Evaluating the perceived social impacts of hosting large-scale sport tourism events: Sacle development and validation. Tourism Management, 48(1), 21-32.

Knott, B.; Fyall, A.; Jones, I. (2010). The nation branding opportunities provided by a sport mega-event: South Africa and the 2010 FIFA World Cup. Journal of Destination Marketing, Management, 4(1), 46-56.

Li, S.; Blake, A.; Thomas, R. (2013). Modelling the economic impact of sports events: The case of the Beijing Olympics. Economic Modelling, 30(1), 235-244.

Nicolau, Juan (2012). The effect of winning the 2010 FIFA World Cup on the tourism Market value: The Spanish case. Omega, 40(5), 503-510.

Potter, Joel M. (2016). Publicly subsidized sports events and stadiums: Have economists done justice to the impact on inequality? Managerial Finance, 42(9), 879-884.

Sanchez, S. I.; Elliot, C.; Simmons, R. (2016). Substitution between leisure activities: a quase-natural experimente using sports viewing and cinema attendance. Applied Economics, 48(40), 3848-3860.

Sarmento, J. P.; Pinto, A.; Costa C. P.; Silva, C. A. F. (2011). O evento esportivo como fator de desenvolvimento. Revista Intercontinental de Gestão Esportiva, 1(1), 1-14.

Sarmento, J. P.; Pinto, A.; Silva, C. A. F.; Pedroso, C. A. M. Q. (2011). O evento esportivo: etapas, fases e operações. Revista Intercontinental de Gestão Esportiva, 1(2), 78-96.

Swart, K.; George, R.; Cassar, J.; Sneyd, C. (2017). The 2014 FIFA World Cup: Tourist’s satisfaction levels and the likelihood of repeat visitation to Rio de Janeiro. Journal of Destination Marketing, Management. in press.

Wassmer, Robert W. (2001). Metropolitan prosperity from major league sports in the CBD: Stadia locations or just strength of the central city?A reply to Arthur C. Nelson. Economic Development Quartely, 15(3), 266-271.

Wu, Y.; Li, X.; Lin, G. C. S. (2016). Reproducing the city of the spectacle: Megaevents, local debts, and infrastructure-led urbanization in China. Cities, 53(1), 51-60.

Zhang, J.; Zhong, C.; Yi, M. (2016). Did Olympic games improve air quality in Beijing?Based on the synthetic control method. Environmental Economics and Policy Studies, 18(1), 21-39.