Projeto Ser Criança: Avaliação e Resultados Outros Idiomas

ID:
49570
Resumo:
Este artigo tem como objetivo avaliar o Projeto Ser Criança “Educação pelo Brinquedo”, analisando os resultados por ele produzidos na formação social de crianças e adolescentes dele participantes. O Projeto tem sido implementado por uma organização do Terceiro Setor nas cidades de Curvelo e Araçuaí, em Minas Gerais. . Este artigo fundamenta-se em pesquisa descritiva que envolveu a análise de dados quantitativos e qualitativos advindos de fontes bibliográficas, documentais e entrevistas. Adotou-se o método de avaliação ex-post com foco nos impactos e resultados gerados pelo projeto com base em Albuquerque (2006). Foram utilizados os escores dos exames dos alunos de escolas públicas de ensino fundamental, realizados pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), e dados obtidos nos relatórios técnicos elaborados pelos coordenadores e em 25 entrevistas que envolveram educadores, alunos, pais e egressos. Pelos resultados da pesquisa pode-se concluir que os alunos das escolas parceiras do Projeto apresentaram melhor desempenho escolar em comparação com aqueles obtidos pelos estudantes de outras escolas. A pesquisa revelou que o Projeto contribuiu na formação de crianças e jovens por meio de ações educativas inovadoras e de uma metodologia inclusiva.
Citação ABNT:
ROCHA JUNIOR, V. M.; GIROLETTI, D. A.; LIMA, R. J. C. Projeto Ser Criança: Avaliação e Resultados. Revista de Gestão e Projetos, v. 9, n. 1, p. 130-147, 2018.
Citação APA:
Rocha Junior, V. M., Giroletti, D. A., & Lima, R. J. C. (2018). Projeto Ser Criança: Avaliação e Resultados. Revista de Gestão e Projetos, 9(1), 130-147.
DOI:
10.5585/gep.v9i1.524
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49570/projeto-ser-crianca--avaliacao-e-resultados/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, A. C. C. (2006). Terceiro setor: história e gestão de organizações. São Paulo: Summus.

Barros, R. P. & Lima, L. (2012). Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? In: Menezes, N. Filho (Org.). Avaliação econômica de projetos sociais. (pp. 1329). São Paulo: Dinâmica.

Carvalho, M. C. B. de (2001). Avaliação de projetos sociais. In: Ávila, C. M. de. (coord). Gestão de projetos sociais (3ª ed.). (pp. 59-89). São Paulo: AAPCS – Associação de Apoio ao Programa Capacitação Solidária – (Coleção gestores sociais)

Carvalho, S. N. (2003). Avaliação de programas sociais balanço das experiências e contribuição para o debate. São Paulo em Perspectivas: São Paulo, 17(3-4), 185-197.

Cohen, E. & Franco, R. (2012). Avaliação de projetos sociais. (10ª ed.). Petrópolis: Vozes. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 26 de fevereiro, de 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/c onstituicao.html

Drucker, P. (2002). Administração de organizações sem fins lucrativos: princípios e práticas (N. Montingelli Jr. Trad.). São Paulo: Thomson. (Obra original publicada em 2001).

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Giroletti, D. A. (2009). Crise econômica mundial e mudança na estratégia de desenvolvimento. In: Paula, C. P. A. & Moraes, L. F. R. (Org.). Administração contemporânea: desafios e controvérsias. (pp. 11-30). Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo: Tavares.

Giroletti, D. A., Lima, R. J. C. & Patah, L. A. (2012 Set/Dez). Educação para inovação. Revista Administração UFSM: Santa Maria, 5(3), 607-624.

Goergen, P. (2005). Prefácio. In: Dias Sobrinho, J. Dilemas da educação superior no mundo globalizado: sociedade do conhecimento ou economia do conhecimento? (pp. 11-19). São Paulo: Caso do Psicólogo.

Goergen, P. (2014 nov.). Tecnociência, pensamento e formação na educação superior. Revista de Avaliação da Educação Superior: Campinas, Sorocaba, 19(3), 561-584.

Grayson, D. & Hodges, A. (2002). Compromisso social e gestão empresarial. (C. M. Rosa, C. Taylor & M. Tambelli Trad.). São Paulo: Publifolha. (Obra original publicada em 2001).

Guba,E.G. & Lincoln, Y.S. (2011). Avaliaçao de Quarta Geraçao (Beth Honorato Trad.).Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Jannuzzi, P. M. (2013, Jan/Jun.) Sistema de monitoramento e avaliação de programas sociais: revisitando mitos recolocando premissas para sua maior efetividade na gestão. Revista Brasileira de Monitoramento e Avaliação. Brasília, DF: Ministério de Desenvolvimento social e combate à fome.

Jannuzzi, P. M. (2014, Maio/Ago.) Avaliação de programas sociais: conceitos e referenciais de quem a realiza. Revista EAE Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, SP: Fundação Carlos Chagas. 25(58), 22-42.

Kliksberg, B. (1998). Repensando o estado para o desenvolvimento social: superando dogmas e convencionalismos. (J. O. P. da Silva, Trad.). São Paulo: Cortez. (Obra original publicada em 1998).

Marino, E. (2003a). Manual de avaliação de projetos sociais. (2ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Marino, E. (2003b). Diretrizes para avaliação de projetos e programas de investimento social privado: estudo da aplicabilidade dos Standards de Avaliação de Programas definidos pelo The Joint Committee of Standards for Education Evaluation em programas e projetos de investimento social privado. USP (Dissertação de Mestrado), pág. 197.

Pio, C. A. & Czernisz, E. C. S. (2015, Jan/Abr.). A educação integral no mais educação: uma análise do programa. Educação (UFSM): Santa Maria, 40(1), 241-254.

Raposo, R. (2001). Avaliação de ações sociais: uma abordagem estratégica. In: Ávila, C. M. de. (coord). Gestão de projetos sociais (3ª ed.). (pp. 90-101). São Paulo: AAPCS – Associação de Apoio ao Programa Capacitação Solidária – (Coleção gestores sociais)

Rocha Jr, Valter M. (2015). Terceiro Setor, Cidadania e Educação Integral: Avaliação do Projeto Ser Criança, Pedro Leopoldo, FPL/MPA (Dissertação de Mestrado), pág. 123.

Sachs, J. (2008). A riqueza de todos. (S. Lamarão Trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Obra original publicada em 2008).

Sano, H. & Montenegro Filho, M. J. F. (2013, Jan/Abr.). As técnicas de avaliação da eficiência, eficácia e efetividade na gestão pública e sua relevância para o desenvolvimento social e das ações públicas. Desenvolvimento em questão, 11(22), 3561.

Secretaria de Avaliação. 5(1), 04-27. Kliksberg, B. (2010). Os desafios éticos de um continente paradoxal. In: Sen, A. & Kliksberg, B. As pessoas em primeiro lugar, a ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. (B. Ajzemberg & C. E. L. Silva, Trad.). (pp. 137-354). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 2007).

Severo, P. S., Tinoco, J. E. P., Claro, J. A. C. S., Schneider, J. O. & Yoshitake, M. (2014, Jan/Abr.). Educação corporativa na busca pela construção e vivência de atitudes e valores de cooperação e cidadania voltados ao desenvolvimento regional. Revista de Administração UNIMEP: Piracicaba, 12(1), 159-177.

UNESCO. (2012). Educação: um tesouro a descobrir. (7ª ed.). São Paulo: Cortez; Brasília: MEC: UNESCO.

Vergara, S. C. (1998). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. (2a ed.). São Paulo: Atlas.