Formação Empreendedora para Geração de Inovações Sociais Outros Idiomas

ID:
49699
Resumo:
O objetivo geral foi compreender como a formação do empreendedor social pode afetar a geração de inovações sociais. Para tal, foi realizado um estudo qualitativo a partir das narrativas de história de vida dos finalistas e vencedores do Prêmio Empreendedor Social. Os resultados demostraram que a formação do empreendedor social está vinculada aos espaços e contextos de aprendizagem, à trajetória de liderança social e à motivação para o empreendedorismo social, sendo essas categorias permeadas simultaneamente pela educação formal e não formal, que quando integradas resultam em inovações sociais. Foi possível concluir que à medida que os empreendedores sociais renovam suas trajetórias de liderança por meio de novos projetos sociais, emergem novos contextos e espaços de aprendizagem, muitas vezes coletivos e informais, renovando as motivações do empreender social. Concomitante à formação do empreendedor tem-se, portanto, o valor social coletivo gerado a partir do desenvolvimento de inovações sociais.
Citação ABNT:
ITELVINO, L. S.; COSTA, P. R.; GOHN, M. G. M.; RAMACCIOTTI, C.; PORTO, G. S. Formação Empreendedora para Geração de Inovações Sociais . Gestão & Regionalidade, v. 34, n. 101, p. 107-133, 2018.
Citação APA:
Itelvino, L. S., Costa, P. R., Gohn, M. G. M., Ramacciotti, C., & Porto, G. S. (2018). Formação Empreendedora para Geração de Inovações Sociais . Gestão & Regionalidade, 34(101), 107-133.
DOI:
10.13037/gr.vol34n101.4172
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49699/formacao-empreendedora-para-geracao-de-inovacoes-sociais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABU-SAIFAN, S. Social entrepreneurship: definition and boundaries. Technology Innovation Management Review, Ottawa, v. 2, n. 2, p. 22-27, 2012.

ADAM, J. M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez Editora, 2008.

ALBERTI, V. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ALVORD, S. H.; BROWN, L. D.; LETTS, C. W. Social entrepreneurship and societal transformation: an exploratory study. The Journal of Applied Behavioral Science, Thousand Oaks, v. 40, n. 3, p. 260-282, 2004.

AUSTIN, J.; STEVENSON, H.; WEI-SKILLERN, J. Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Entrepreneurship Theory and Practice, Thousand Oaks, n. 30, v. 1, p. 1-22, 2006.

BANDURA, A. Social cognitive theory in cultural context. International Review, Belgrade, v. 51, n. 2, p. 269-290, 2002.

BERTERO, C. O. Ensino e pesquisa em Administração. São Paulo: Thomson Learning, 2006. (Coleção Debates em Administração)

CERTO, S.; MILLER, T. Social entrepreneurship: key issues and concepts. Business Horizons, Amsterdam, n. 51, p. 267-271, 2008.

COSTA, A. M. C.; BARROS, D. F.; CARVALHO, J. L. F. A dimensão histórica dos discursos acerca do empreendedor e do empreendedorismo. RAC – Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 179-197, mar./abr. 2011.

DACIN, M. T.; DACIN, P. A.; TRACEY, P. Social entrepreneurship: a critique and future directions. Organization Science, Catonsville, v. 22, n. 5, p. 1.203-1.213, 2011.

DACIN, P. A.; DACIN, M. T.; MATEAR, M. Social entrepreneurship: Why we don’t need a new theory and how we move forward from here. Academy of Management Perspectives, New York, v. 24, n. 3, p. 37-57, 2010.

DAVID, D. E. H. Intraempreendedorismo social: perspectivas para o desenvolvimento social nas organizações. 2004. 206 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

DEES, J. G.; EMERSON, J.; ECONOMY, P. Social entrepreneurship. Enterprising nonprofits: a toolkit for social entrepreneurs. New York: John Wiley & Sons, 2002.

DEES, J. G. et al. The meaning of social entrepreneurship. Kansas City: Kauffman Foundation; Stanford University, 1998.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo na prática: mitos e verdades do empreendedor de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (intrepreneurship): prática e princípios. 7. reimpr. Tradução Carlos J. Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson, 2003.

FARFUS, D.; ROCHA, M. C. S. Inovação social: um conceito em construção. In: FARFUS, D.; ROCHA, M. C. S. R. (Orgs.). Inovações Sociais. Curitiba: Sesi; Senai; IEL; Unindus, 2007. v. II. p. 13-34. (Coleção Inova).

FRIEDLAENDER, G. M. S. Metodologia de ensinoaprendizagem visando o comportamento empreendedor. 2004. 144 f. Tese (Doutorado em Engenharia de produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

GALVÃO, C. Narrativas em educação. Ciência e Educação, Bauru, v. 11, n. 2, p. 327-345, 2005.

GATTI JÚNIOR, D.; INÁCIO FILHO, G. História da educação em perspectiva: ensino, pesquisa, produção e novas investigações. Campinas: Autores Associados; Uberlândia: EDUFU, 2005. (Coleção Memória da Educação).

GOHN, M. G. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

GOHN, M. G. Educação não formal no campo das Artes. São Paulo: Cortez, 2015. GOHN, M. G. Educação não formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio – Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

HAYEK, Mario et al. Effective succession of social entrepreneurs: a stewardship-based model. Journal of Applied Management and Entrepreneurship, Abingdon, v. 20, n. 2, p. 93, 2015.

ITURRIOZ, C.; ARAGÓN, C.; NARVAIZA, L. How to foster shared innovation within SMEs’ networks: Social capital and the role of intermediaries. European Management Journal, Amsterdam, v. 33, n. 2, p. 104-115, 2015.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, v.7, n. 1, 2008.

JIAO, H. A conceptual model for social entrepreneurship directed toward social impact on society. Social Enterprise Journal, Bingley, v. 7, n. 2, p. 130-149, 2011.

JULIANI, D. P. et al. Inovação social: perspectivas e desafios. Revista Espacios, Caracas, v. 35, n. 5, 2014.

MAIR, J.; IGNASI, M. Social entrepreneurship research: a source of explanation, prediction, and delight. Journal of World Business, Amsterdam, n. 41, v. 1, p. 36-44, 2006.

MAIR, J.; MARTI, I. Entrepreneurship in and around institutional voids: a case study from Bangladesh. Journal of Business Venturing, Amsterdam, v. 24, n. 5, p. 419-435, 2009.

MASKELL, P. Social capital, innovation and competitiveness. In: BARON, S.; FIELD, J.; SCHULLER, T. (Eds.). Social capital: critical perspectives. Oxford: Oxford University Press, 2000.

MASSETO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MELO NETO, F. P.; FRÓES. C. Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

MINUZZI, J.; BELINAZO, D. P.; LEZANA, Á. G. R. As relações entre empreendedorismo e marketing social. In: SEMINÁRIO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS, 2., 2005, Curitiba. Anais… Curitiba: FAE , 2005.

MOLDOVAN, O.; BOCOŞ-BINŢINŢAN, V. The necessity of reconsidering the concept of non-formal education. Procedia-Social and Behavioral Sciences, Amsterdam, v. 209, p. 337-343, 2015.

MULGAN, G. et al. Social innovation: what it is, why it matters and how it can be accelerated. London: The Young Foundation, 2007.

MUÑOZ, P.; KIBLER, E. Institutional complexity and social entrepreneurship: a fuzzy-set approach. Journal of Business Research, Amsterdam, v. 69, n. 4, p. 1.314-1.318, 2016.

MURPHY, P. J.; LIAO, J.; WELSCH, H. P. A conceptual history of entrepreneurial thought. Journal of Management History, Bingley, v. 12, n. 1, p. 15-35, 2006.

NAVARRO, A. M.; CLIMENT, V. C.; PALACIO, J. R. S. Emprendimiento social y empresas de inserción en España. Aplicación del método delphi para la determinación del perfil del emprendedor y las empresas sociales creadas por emprendedores. REVESCO, Madrid, n. 106, 2011.

NOSELLA, P.; AZEVEDO, M. L. N. A educação em Gramsci. Revista Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 15, n. 2, p. 25-33, 2012.

OLIVEIRA, E. M. Empreendedorismo social no Brasil: atual configuração, perspectivas e desafios – notas introdutórias. Revista da FAE, Curitiba, v. 7, n. 2, p. 9-18, 2004.

OLIVEIRA JUNIOR, M. M. (Org.). Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

PARENTE, C. et al. Empreendedorismo social: contributos teóricos para a sua definição. In: ENCONTRO NACIONAL DE SOCIOLOGIA INDUSTRIAL, DAS ORGANIZAÇÕES E DO TRABALHO EMPREGO E COESÃO SOCIAL: DA CRISE DA REGULAÇÃO À HEGEMONIA DA GLOBALIZAÇÃO, 14., Lisboa, 2011. Anais... Lisboa: APSIOT, 2011. p. 268-282.

PHILLIPS, W. et al. Social innovation and social entrepreneurship a systematic review. Group & Organization Management, Thousand Oaks, v. 40, n. 3, p. 428-461, 2015.

REGULAMENTO do Prêmio Empreendedor Social. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2018.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. Atlas: São Paulo, 2004.

SAVIANI, D. Caderno de história da educação. Uberlândia: Editora da Universidade Federal de Uberlândia, 2006. n. 4.

SLOAN, P.; LEGRAND, W.; SIMONS-KAUFMANN, C. A survey of social entrepreneurial community-based hospitality and tourism initiatives in developing economies. A new business approach for industry. Worldwide Hospitality and Tourism Themes, Bingley, v. 6, n. 1, p. 51-61, 2014.

SOUSA, E. G. et al. O perfil do empreendedor social e suas dimensões de atuação: seis casos no município de Uberlândia. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, Salvador, v. 3, n. 1, p. 33-56, 2014.

TACHIZAWA, T. Organizações não governamentais e Terceiro Setor: criação de ONGs e estratégias de atuação. São Paulo: Atlas, 2002.

TONDOLO, R. R. P.; TONDOLO, V. A. G.; BITENCOURT, C. C. Correlação entre elementos do capital social e orientação empreendedora: um estudo exploratório. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, Curitiba, v. 12, n. 1, p. 96-109, 2013.

VAN DER LINDEN, J. Non-formal education and new partnerships in a (post-)conflict situation: “Three cooking stones supporting one saucepan”. International Journal of Educational Development, Amsterdam, v. 42, p. 54-62, 2015.

WILLEMS, J. Individual perceptions on the participant and societal functionality of non-formal education for youth: explaining differences across countries based on the human development index. International Journal of Educational Development, Amsterdam, v. 44, p. 11-20, 2015.

YUKL, G.; GORDON, A.; TABER, T. A hierarchical taxonomy of leadership behavior: integrating a half century of behavior research. Journal of Leadership and Organizational Studies, Thousand Oaks, v. 9, n. 1, p. 15-32, 2002.