Governança Corporativa em um Hospital de Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
49776
Resumo:
Nesse estudo se aborda como a governança é percebida pelo stakeholders , a partir do pressuposto que, para alcançar resultados, é preciso haver valorização e estímulo para o alcance do interesse das partes interessadas. Para tanto, foi observado o caso de um hospital filantrópico de uma cidade do interior de Minas Gerais, tendo sido o caso analisado construído a partir de informações obtidas na internet associadas à realização de entrevistas semiestruturadas com stakeholders . Os principais resultados sugerem que no modelo de governança identificado no hospital, o de stakeholders , há falhas nas práticas de responsabilidade e participação, o que torna particularmente problemática a relação entre gestão e empregados, o que interfere na gestão da organização como um todo.
Citação ABNT:
FERREIRA, L. C.; SARAIVA, L. A. S. Governança Corporativa em um Hospital de Minas Gerais . Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 15, n. 1, p. 33-63, 2018.
Citação APA:
Ferreira, L. C., & Saraiva, L. A. S. (2018). Governança Corporativa em um Hospital de Minas Gerais . Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 15(1), 33-63.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21450/rahis.v15i1.4699
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49776/governanca-corporativa-em-um-hospital-de-minas-gerais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARRUDA, G. S; MADRUGA, S. R; FREITAS JUNIOR, N. I. A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Revista de Administração da UFSM, Santa Maria, v. I, n. 1, p. 71-84, jan./abr. 2008.

CAMPOS, T. L. C. O impacto das políticas para Stakeholders sobre o desempenho organizacional das companhias de capital aberto mo Brasil. 2003. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

CAMPOS, T. L. C. Políticas para stakeholders: um objetivo ou uma estratégia organizacional. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 10, n. 4, p. 111-130, out./dez. 2006.

CECÍLIO, L. C. O.; MENDES, T. C. Propostas alternativas de gestão hospitalar e o protagonismo dos trabalhadores: por que as coisas nem sempre acontecem como os dirigentes desejam? Saúde e sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 39-55, maio 2004.

CGU. Controladoria Geral da União. Disponível em: http://www.cgu.gov.br/ocde/sobre/index.asp > Acesso em 20 ago. 2016.

COSTA, A. C. A confiança nas organizações: um imperativo nas práticas de gestão. In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. F. (Org.). Estudos organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. Lisboa: Iglu, 2000. p. 284-305.

ESCRIVÃO JUNIOR, A. Uso da informação na gestão de hospitais públicos. Ciência e Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 655-666, maio 2007.

FERREIRA, A. A. C. Governança corporativa e os impactos na gestão hospitalar e nos arranjos contratuais – um estudo de caso numa S.A hospitalar capixaba. 2006. Mestrado (Ciências Contábeis) – Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças,Vitória, 2006.

GRÜN, R. Atores e ações na construção da governança brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 139-218, jun. 2003.

HNSD. Hospital Nossa Senhora das Dores. Disponível em: http://www.hnsd.com.br/provedoria.php>. Acesso em: 30 out. 2016.

IBGC. Instituto Brasileiro governança corporativa. Disponível em: http://www.ibgc.org.br/Home.aspx >. Acesso em 29 out. 2016.

JUNG, C. F. Metodologia para pesquisa e desenvolvimento: aplicada a novas tecnologias, produtos e processos. Rio de Janeiro: Axcel Boocks, 2004. 312p.

LEAL, M. J; CAMURI, W. C. A governança corporativa e os modelos mundialmente praticados. Revista de Ciências Gerais, São Paulo, v. 7, n. 15, p. 59-74, nov. 2008.

LIMA, M. E. A. T. Análise do discurso e/ou análise de conteúdo. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 9, n. 9, p. 76-88, jun. 2003.

LOURENÇO, A. G.; SCHRODER, D. S. Vale investir em responsabilidade social empresarial? Stakeholders, ganhos e perdas. In: GARCIA, B. G. (Org.). Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. São Paulo/Peirópolis: Instituto Ethos, 2003. p 77-119.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; FERNANDES, B. H. R. Cognição e institucionalização na dinâmica da mudança em organizações. In: RODRIGUES, S B.; CUNHA, M P. (Org.). Estudos organizacionais; Novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000. p. 123-150.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Metodologia cientifica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARINELLI, M. Um estudo exploratório sobre o estágio da governança corporativa na empresas Brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, ano 7, n. 19, p. 57-66, set./dez. 2005.

MARQUES, M. C. C. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao setor público. Revista Administração contemporânea, Curitiba, v. 11, n. 2, p. 11-26, abr./jun. 2007.

MEDEIROS, J. R. C; CORRÊA, F. T. B. S. Responsabilidade social corporativa para quem? In: GARCIA, B. G. (Org.). Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. São Paulo/Peirópolis: Instituto Ethos, 2003. p 151-199.

OKIMURA, R. T. Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desenvolvimento das empresas no Brasil. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de são Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, 2003.

PORTELA, M. C.; BARBOSA, P. R.. Hospitais filantrópicos no Brasil. Rio de Janeiro: BNDES, 2002.

REGO, A. Justiça nas organizações – na senda de uma nova vaga? In: RODRIGUES, S. B.; CUNHA, M. F.(org.). Estudos organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu, 2000. p. 251-283.

ROCHA, D.; DEUSDARÁ, B. Análise de conteúdo e analise de discurso: aproximação e afastamento na (re)construção de uma trajetória. Alea, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 305-322, dez. 2005.

ROSSETTI, J. P.; ANDRADE, A. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimentos e tendências. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

SILVEIRA A. M.; PEROBELLI F. F. C.; CAMPOS BARROS L A. B. Governança corporativa e os determinantes da estrutura de capital: evidências empíricas no Brasil. Revista Administração Contemporânea, Curitiba, v. 12, n. 3, p. 763-788, jul./set. 2008.

SOUZA, D.; SANTOS, A. C. Governança e estratégia. Lavras: UFLA/FAEPE, 2008.

SROUR, G. Práticas diferenciadas de governança corporativa: um estudo sobre a conduta e a performance das firmas brasileiras. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 59, n. 4, p. 635674, out. 2005.

TACHIZAWA, T. Organizações não governamentais e terceiro setor: criação de ONGs e estratégias de atuação. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014. 301 p.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 15. ed. São Paulo: Atlas, 2014.