Conselhos de Administração Brasileiros: Uma Análise à Luz dos Formulários de Referência Outros Idiomas

ID:
49842
Resumo:
Esta pesquisa tem caráter descritivo e analisou, por intermédio de análise documental, 32 características distintas dos Conselhos de Administração brasileiros em 414 empresas, objetivando explorar de forma crítica, descritiva e ampla como essas estruturas estão configuradas e como têm se comportado ao longo dos últimos anos. A leitura, interpretação e análise dos 10.893 currículos de conselheiros de administração efetivos, além de outras informações qualitativas sobre os Conselhos de Administração contidas nos Formulários de Referência entre os períodos de 2010 e 2014 permitiram traçar o perfil dos conselheiros brasileiros e suas variações ao longo dos últimos anos, subsidiando discussões acerca de suas estruturas de funcionamento, contratos de remuneração, formação técnica e acadêmica, experiência em outros conselhos e outras dezenas de características no contexto nacional, fornecendo subsídios importantes para pesquisas futuras que busquem analisar o relacionamento de determinados fenômenos com os conselhos brasileiros.
Citação ABNT:
BRUGNI, T. V.; FÁVERO, L. P. L.; KLOTZLE, M. C.; PINTO, A. C. F. Conselhos de Administração Brasileiros: Uma Análise à Luz dos Formulários de Referência. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 11, n. 1, p. 146-165, 2018.
Citação APA:
Brugni, T. V., Fávero, L. P. L., Klotzle, M. C., & Pinto, A. C. F. (2018). Conselhos de Administração Brasileiros: Uma Análise à Luz dos Formulários de Referência. Advances in Scientific and Applied Accounting, 11(1), 146-165.
DOI:
http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2018110108
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49842/conselhos-de-administracao-brasileiros--uma-analise-a-luz-dos-formularios-de-referencia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Vafeas, N. (1999). Board meeting frequency and firm performance. Journal of financial economics, 53(1), 113-142. https://doi.org/10.1016/s0304-405x(99)00018-5

Zahra, S. A.; Pearce, J. A. (1989). Boards of directors and corporate financial performance: A review and integrative model. Journal of management, 15(2), 291-334. https://doi.org/10.1177/014920638901500208

Zhou, F.; Fan, Y.; An, Y.; Zhong, L. (2017). Independent directors, non-controlling directors, and executive pay-for-performance sensitivity: Evidence from Chinese non-state owned enterprises. Pacific-Basin Finance Journal, 43, 55-71. https://doi.org/10.1016/j.pacfin.2017.02.003

Zhu, J.; Ye, K.; Tucker, J. W.; Chan, K. J. C. (2016). Board hierarchy, independent directors, and firm value: Evidence from China. Journal of Corporate Finance, 41, 262-279. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2016.09.009

Abersoch, L. D. (2011). Women on boards. .

Almeida, J. E. F. An exploration of boards of directors’ quality: the development of an index for directors’ attributes and the relation with firm value and performance. Corporate Board: Role, Duties and Composition, 7(2), 51-63, 2011. https://doi.org/10.22495/cbv7i2art4

Alves, P.; Couto, E. B.; Francisco, P. M. (2015). Board of directors’ composition and capital structure. Research in International Business and Finance, 35, 1-32. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2015.03.005

Aragão, L. A.; Cavalcante, D. S. (2014). Qualidade das informações do formulário de referência nas empresas brasileiras listadas no novo Mercado da BM&FBOVESPA. Revista de Administração, Contabilidade e Economia - RACE, 13(3), 1089-1118.

Arrow, K. E. (1974). The limits of organization. New York.

Baran, L.; Forst, A. (2015). Disproportionate insider control and board of director characteristics. Journal of Corporate Finance, 35, 62-80. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2015.08.006

Bebchuk, L. A.; Weisbach, M. S. (2010). The state of corporate governance research. Review of Financial Studies, 23(3), 939-961. https://doi.org/10.1007/978-3-642-31579-4_14

Brasil. Lei das Sociedades por Ações.Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. .

Brasil. Lei nº 6.404, de 26 de setembro de 1940.Dispõe sobre as sociedades por ações. .

Brick, I. E.; Chidambaran, N. K. (2010). Board meetings, committee structure, and firm value. Journal of corporate finance, 16(4), 533-553. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2010.06.003

Broni, G.; Velentzas, J. (2012). Corporate Governance, Control and Individualism as a Definition of Business Success.The Idea of a “Post-Heroic” Leadership. Procedia Economics and Finance, 1, 61-70. https://doi.org/10.1016/s2212-5671(12)00009-3

Brugni, T. V. (2012). Conselhos de administração: uma análise das suas características e impacto sobre as firmas no mercado acionário brasileiro. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Vitória, Espírito Santo.

Brugni, T. V. (2016). Governança corporativa, conselhos de administração e fiscal e propriedade dos números contábeis no Brasil. 187f. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo. https://doi.org/10.11606/t.12.2016.tde-24112016-154235

Brugni, T. V.; Bortolon, P. M.; de Almeida, J. E. F.; Paris, P. K. S. (2013). Corporate governance: A panoramic view of Brazilian boards of directors. International Journal of Disclosure and Governance, 10(4), 406-421. https://doi.org/10.1057/jdg.2013.22

Cabrera-Suárez, M. K.; Martín-Santana, J. D. (2015). Board composition and performance in Spanish non-listed family firms: the influence of type of directors and CEO duality. BRQ Business Research Quarterly, 18(4), 213-229. https://doi.org/10.1016/j.brq.2014.08.001

Chauhan, Y.; Lakshmi, K. R.; Dey, D. K. (2016). Corporate governance practices, self-dealings, and firm performance: Evidence from India. Journal of Contemporary Accounting & Economics, 12(3), 274-289. https://doi.org/10.1016/j.jcae.2016.10.002

CVM - Comissão de Valores Mobiliários. (2009). Dispõe sobre o registro de emissores de valores mobiliários admitidos à negociação em mercados regulamentados de valores mobiliários. .

CVM - Comissão de Valores Mobiliários. (2014). Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 e altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002 e da Instrução CVM nº 481, de 17 de dezembro de 2009. .

CVM - Comissão de Valores Mobiliários. (2015). Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e altera dispositivos da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. . Acesso em: 28 nov. 2015.

Dah, M. A.; Frye, M. B.; Hurst, M. (2014). Board changes and CEO turnover: The unanticipated effects of the Sarbanes-Oxley Act. Journal of Banking & Finance, 41, 97-108. https://doi.org/10.1016/j.jbankfin.2014.01.006

Dalton, D. R.; Dalton, C. M. (2010). Women and corporate boards of directors: The promise of increased, and substantive, participation in the post Sarbanes-Oxley era. Business Horizons, 53(3), 257-268. https:// doi.org/10.1016/j.bushor.2009.12.004

Dechow, P.; Ge, W.; Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50(2), 344-401. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2010.09.001

Deliotte. (2014). Performance Evaluation of Board of Directors.

Fama, E. F.; Jensen, M. C. (1983). Separation of ownership and control. Journal of law and economics, 26(2), 301-325.

Gall, M. D.; Gall, J. P.; Borg, W. R. (2007). Educational Research: An introduction. 8 ed. Boston: Pearson Education.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Goh, L.; Gupta, A. (2016). Remuneration of non-executive directors: Evidence from the UK. The British Accounting Review, 48(3), 379-399. https://doi.org/10.1016/j.bar.2015.05.001

Hahn, P. D.; Lasfer, M. (2016). Impact of foreign directors on board meeting frequency. International Review of Financial Analysis, 46, 295-308. https://doi.org/10.1016/j.irfa.2015.11.004

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC]. (2007). Guia de Orientação para o Conselho Fiscal. 2 ed. .

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC]. (2010). Caderno de boas práticas para reuniões do conselho de administração. .

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC]. (2010). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4ª ed.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IBGC]. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. 5ª ed.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC]. (2011). Relatório de mulheres na administração das empresas brasileiras listadas - 2010 - 2011. .

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC]. (2013). Fundamentos para discussão sobre cotas para mulheres nos conselhos no Brasil. .

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa [IGBC]. (2014). Perfil dos Conselhos de Administração. .

Jensen, M. C.; Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360.

La Porta, R.; Lopez‐de‐Silanes, F.; Shleifer, A. (1999). Corporate ownership around the world. The journal of finance, 54(2), 471-517.

Leblanc, R.; Giles, J. (2006). The Coming Revolution in Corporate Governance. Ivey Business Journal, (set/out), 2003. .

Nobel, C. (2013). How to address the lack of women in the boardroom. Forbes, 14 de janeiro. .

OECD. (2017). Board Evaluation Practices: expeciences from the Latin American Companies Circle. Washington DC.

Pande, Rohini; Ford, Deanna. (2011). Gender quotas and female leadership: A review. World Development Report 2012.

Park, Y. W.; Shin, H. H. (2004). Board composition and earnings management in Canada. Journal of corporate Finance, 10(3), 431-457. https://doi.org/10.1016/s0929-1199(03)00025-7

Pereira, A. N.; Vilaschi, A. (2006). Governança Corporativa e Contabilidade: explorando noções e conexões. Anais do Simpósio FUCAPE de Produção Científica, Espírito Santo, Vitória, Brasil, 4, 102-117.

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hiill, 2006.

Setia-Atmaja, L.; Haman, J.; Tanewski, G. (2011). The role of board independence in mitigating agency problem II in Australian family firms. The British Accounting Review, 43(3), 230-246. https://doi. org/10.1016/j.bar.2011.06.006

Shleifer, A.; Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The journal of finance, 52(2), 737-783.

Silveira, A. D. M. D. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. Dissertação de Mestrado, Faculdade de economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/d.12.2002.tde-04122002-102056

Silveira, A. D. M. D. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. Tese de Doutoramento, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/t.12.2004. tde-23012005-200501

Souza, L de M. (2011). Legibilidade dos Formulários de Referência das Empresas Participantes dos Níveis de Governança Corporativa no Brasil. 8º Congresso USP de Iniciação científica.