Entre os Mecanismos de Controle e a Resistência: Um Estudo sobre as Relações de Poder nas Organizações a Partir da Análise de Charges Outros Idiomas

ID:
49874
Periódico:
Resumo:
Este artigo tem como proposta investigar, por meio da análise de charges, como as relações de poder nas organizações podem estar permeadas por mecanismos de controle e ao mesmo tempo pela resistência. Para tanto, em busca de formas alternativas de discutir a temática, tomou-se como referência alguns trabalhos que assumiram que o humor pode ser utilizado como uma fonte de pesquisa interessante no campo dos Estudos Organizacionais. Em uma abordagem qualitativa, optou-se por desconstruir as charges sob a ótica da análise do discurso na vertente francesa, considerando os aspectos refletidos e refratados nos discursos. Foi possível constatar que as relações de poder não são simétricas, não são fixas e não são eternas. Elas são cíclicas, se transformam e ganham novas configurações conforme os contextos, mas não deixam de existir. As estratégias adotadas resultaram em um estudo profícuo, no sentido de apresentar uma discussão latente a partir de uma análise nada funcional.
Citação ABNT:
PENA, F. G.; SARAIVA, L. A. S.; SILVA, M. A. F.; LAGE, M. L. C. Entre os Mecanismos de Controle e a Resistência: Um Estudo sobre as Relações de Poder nas Organizações a Partir da Análise de Charges . Gestão & Conexões, v. 6, n. 2, p. 31-53, 2017.
Citação APA:
Pena, F. G., Saraiva, L. A. S., Silva, M. A. F., & Lage, M. L. C. (2017). Entre os Mecanismos de Controle e a Resistência: Um Estudo sobre as Relações de Poder nas Organizações a Partir da Análise de Charges . Gestão & Conexões, 6(2), 31-53.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2017.6.2.12345.31-53
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49874/entre-os-mecanismos-de-controle-e-a-resistencia--um-estudo-sobre-as-relacoes-de-poder-nas-organizacoes-a-partir-da-analise-de-charges-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CAPPELLE, M. C. A. et al. Uma análise da dinâmica do poder e das relações de gênero no espaço organizacional. RAE-eletrônica, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 1-17, jul./dez. 2004.

CARRIERI, A. P. O humor como estratégia discursiva de resistência: as charges do SINTTEL/MG. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 11, n. 30, p. 29-48, maio/ago. 2004.

DELEUZE, G. Foucault. Lisboa: Edições 70, 1988.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. São Paulo: Artmed, 2006.

DIAS, A. O. et al. Relações de poder em uma cooperativa de táxi de Belo Horizonte. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 3.; 2015, Vitória. Anais.. Vitória: SBEO, 2015.

FARIA, J. H. Poder e relações de poder. In: VIEIRA, M. M. F.; CARVALHO, C. A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003, p. 67-121.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FURTADO, R. A.; CARRIERI, A. P.; BRETAS, P. F. F. Humor na internet: trabalhadores utilizam nova estratégia para protestar contra demissões e terceirizações. Revista de Administração, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 33-44, jan./mar. 2014.

HARDY, C.; CLEGG, S. R. Alguns ousam chamá-lo de poder. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD. W. R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: reflexões e novas direções. São Paulo: Atlas, 2001. p. 296-343.

HARDY, C.; PHILLIPS, N. No joking matter: discursive struggle in the Canadian refugee system. Organization Studies, v. 20, n. 1, p. 1-24, 1999.

MORGAN, G; FROST, P. J.; PONDY, L. R. Organizational symbolism. In: PONDY, L. R. et al. (Ed.). Organizational symbolism. Greenwich: Jai Press, 1983.

MORRIS, R. N. Cultural analysis through semiotics: Len Norris’cartoons on official bilingualism. Canadian Review of Sociology and Anthropology, Toronto, v. 28, n. 2, p. 225-254, 1991. PAGÈS, M. et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PAGÈS, M. et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PRESTES MOTTA, F. C. Controle social nas organizações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 11-25, jul./set. 1979.

SARAIVA, L. A. S. Mercantilização da cultura e dinâmica simbólica local: a indústria cultural em Itabira, Minas Gerais. 2009. 333 f. Tese (Doutorado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

SARAIVA, L. A. S.; SANTOS, A. V. Estratégias de poder de trabalhadores industriais. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 15-43, jul./ago. 2011.

SILVA, C. L. O. Simbolismo e subjetividades em uma instituição total: (res)significações sobre controle, (a) normalidade e resistência. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 39.; 2015, Belo Horizonte. Anais.. Belo Horizonte: Anpad, 2015.

SOUZA, E. M. Poder, diferença e subjetividade: a problematização do normal. Farol: Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 103-143, jun. 2014.