Aplicação de um Modelo de Processo para a Gestão da Propriedade Intelectual em um Escritório de Licenciamento de Tecnologia de um Centro de Pesquisa Brasileiro Outros Idiomas

ID:
49883
Resumo:
No Brasil, o Escritório de Licenciamento de Tecnologia (TLO) é responsável pelo gerenciamento da política de inovação das Instituições Científicas e Tecnológicas (STI). No entanto, ao analisar o funcionamento do TLO é possível observar que estas são organizações que ainda necessitam de capacitação para atuar com eficiência e eficácia de suas funções. Assim, o objetivo deste artigo é relatar a aplicação de um modelo para a gestão da Propriedade Intelectual (PI) no TLO do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE-TLO), no Brasil, que foi realizado através de uma pesquisa-ação. . A aplicação de tal modelo pretende capacitar o INPE-TLO para desempenhar suas funções relativas à proteção e comercialização de tecnologias, a fim de promover a transferência de tecnologias criadas por unidades de pesquisa e desenvolvimento do INPE para o setor produtivo. Como resultados preliminares, é possível destacar o desenvolvimento de um plano de ação para realinhar o fluxo de atividades, bem como customizar o modelo proposto para a cultura e a estrutura do INPE-TLO.
Citação ABNT:
ANDRADE, H. S.; CHAGAS JR., M. F.; URBINA, L. M. S.; SILVA, M. B. Application of a Process Model for the Management of Intellectual Property in a Technology Licensing Office from a Brazilian Research Center . International Journal of Innovation, v. 5, n. 3, p. 335-310, 2017.
Citação APA:
Andrade, H. S., Chagas Jr., M. F., Urbina, L. M. S., & Silva, M. B. (2017). Application of a Process Model for the Management of Intellectual Property in a Technology Licensing Office from a Brazilian Research Center . International Journal of Innovation, 5(3), 335-310.
DOI:
https://doi.org/10.5585/iji.v5i3.206
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49883/aplicacao-de-um-modelo-de-processo-para-a-gestao-da-propriedade-intelectual-em-um-escritorio-de-licenciamento-de-tecnologia-de-um-centro-de-pesquisa-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Abbasi, F.; H. Attar.; H. Hajihoseini. (2012). Commercialization of new technologies: the case of Iran. International Journal of Technology Management & Sustainable Development, vol. 11, n. 2, pp. 191-202.

Amadei, J. R. P.; A. L. V. Torkomian (2009). As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas. Ci. Inf., vol. 38, n. 2, pp. 9-18.

Andrade, H. S (2016). Proposta de modelo de processos para a gestão da proteção e da comercialização da propriedade intelectual em Núcleo de Inovação Tecnológica. Tese de Doutorado - Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos.

Archila, D. L. C. (2015). Condicionantes do potencial de exploração comercial da patente da Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) brasileira. Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão da Tecnologia, 16.; Anais… ALTEC, Porto Alegre.

Arora, A.; M. Ceccagnoli (2006). Patent protection, complementary assets, and firms' incentives for technology licensing. Management Science, vol. 52, n. 2, pp. 293-308.

Bahia, D. S.; Sampaio, A. V. (2015). Diversificação e Especialização Produtiva na Geração de Inovação Tecnológica: uma Aplicação para os Estados Brasileiros. Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 3, pp. 109134.

Bandarian, R. (2007). Evaluation of commercial potential of a new technology at the early stage of development with fuzzy logic. Journal of Technology Management & Innovation, vol. 2, n. 4, pp. 73-85. Barbieri, J. C.; A. C. T. Álvares (2005). Estratégia de patenteamento e licenciamento de tecnologia: conceitos e estudo de caso. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, vol. 7, n. 17, pp. 58-69.

Barbieri, J. C.; A. C. T. Álvares (2005). Estratégia de patenteamento e licenciamento de tecnologia: conceitos e estudo de caso. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, vol. 7, n. 17, pp. 58-69.

Barboza, R. A. B. (2011). Transferência de tecnologia e atividades de extensão universitária: análise do projeto de capacitação de pequenos produtores de cachaça do Estado de São Paulo. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara.

Bérard, C. (2014). Les démarches décisionnellesincrémentalesdanslessystèmes complexes: le casdes politiques publiques dans le système de la propriété intellectuelle. Management International = International Management = Gestión Internacional, vol. 18, n. 2, pp. 140-154.

Bezerra, C. M. (2010). Inovações tecnológicas e a complexidade do sistema econômico. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Brasil. Instituto Nacional da Propriedade Industrial - INPI (2014). Sitio eletrônico. http://www.inpi.gov.br.

Brasil. Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 03 dez. 2004, p.2. Retrieved 16/06/2013 World Wide Web, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2004/lei/l10.973.htm.

Brasil. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 jan. 2016. Seção 1, pp. 1.

Buchele, G. T.; Teza, P.; Dandolini, G. A.; Souza, J. A. (2015). Análise dos artigos qualitativos empíricos sobre métodos, técnicas e ferramentas para inovação. Revista de Administração Mackenzie, vol. 16, n. 3, pp. 136-170.

Buenstorf, G.; M. Geissler (2012). Not invented here: technology licensing, knowledge transfer and innovation based on public research. Journal of Evolutionary Economics, vol. 22, n. 3, pp. 481-511.

Caerteling, J. S.; J. M. Halman.; A. G. Dorée (2008). Technology commercialization in road infrastructure: how government affects the variation and appropriability of technology. Journal of Product Innovation Management, vol. 25, n. 2, pp. 143-161.

Carneiro, A. M. (2007). Proteção de ativos na indústria de software: estratégias e tendências de propriedade intelectual. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências, Campinas, SP.

Carvalho, A. R. S. (2014). Ciclo de gestão de P&D estratégicos: um modelo conceitual para ambiente multi-institucional, científico e tecnológico do setor aeroespacial. Tese de Doutorado. Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos.

Cassol, A.; Gonçalo, C. R.; Santos, A.; Ruas, R. L. (2016). A Administração Estratégica do Capital Intelectual: Um Modelo Baseado na Capacidade Absortiva para Potencializar Inovação. Revista Ibero-Americana de Estratégia, vol. 15, n. 1, pp. 27-43. Doi: https://doi.org/10.5585/riae.v15i1.2161

Chen, Y.; W. Wang (2010). Study on the intellectual property protection mechanism in the technical innovation of enterprise. International Business Research, vol. 3, n. 4; pp. 187-191.

Chesbrough, H. W.; M. M. Appleyard (2007). Open innovation and strategy, California Management review, vol. 50, n. 1, pp. 57-76.

Chimendes, V. C. G. (2011). Ciência e Tecnologia X Empreendedorismo: diálogos possíveis e necessários. 248f. Tese (Doutorado). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Guaratinguetá.

Coelho, L. C. D.; Dias, A. A. (2016). O Núcleo de Inovação Tecnológica da UFPE: Instrumento de Política de Inovação ou Obrigação Legal?. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, vol. 7, n. 1, pp. 28-42.

Conley, J.; Bican, P.; Ernst, H. (2013). Value articulation: a framework for the strategic management of intellectual property. California Management Review, vol. 55, n. 4, pp. 102-120.

Dias, A. A.; Porto, G. S. (2013). Gestão de transferência de tecnologia na Inova Unicamp. Revista de Administração Contemporânea, vol. 17, n. 3, pp. 263-284.

Dong-Hyun, B. et al. (2007). A technology valuation model to support technology transfer negotiations. R&D Management, vol. 37, n. 2, pp. 123-138.

Feldman, M. et al. (2002). Equity and the technology transfer strategies of american research universities. Management Science, vol. 48, n. 1, pp. 105-121.

Froehlich, C.; Bitencourt, C. C. (2015). Proposição de um modelo teórico para capacidade de inovação sustentável. Revista Ciências Administrativas, vol. 21, n. 2, pp. 554581.

Germeraad, P. (2010). Integration of intellectual property strategy with innovation strategy. Research Technology Management, vol. 53, n. 3, pp. 10-18.

Gonzalez-Gelvez, D. M. and A. Jaime (2013). University patenting in Colombia. Journal of Technology Management & Innovation, vol. 8, n. 1, pp. 50-50.

Granstrand, O.; M. Holgersson (2013). Managing the intellectual property disassembly problem. California Management Review, vol. 55, n. 4, pp. 184-210.

Haeussler, C. (2008). The determinants of technology commercialization in British and German biotechnology. Academy of Management Annual Meeting Proceedings, pp. 16.

Hall, J. et al. (2014). Commercializing university research in diverse settings. Research Technology Management, vol. 57, n. 5, pp. 26-34.

Hernández, P. P.; Merchand, A. N.; Martínez, G. C.; Mondragon, J. U. (2015). Identificación de buenas prácticas en la comercialización de conocimiento de centros públicos de investigación en méxico: una aproximación. Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão da Tecnologia, 16.; Anais... ALTEC, Porto Alegre.

Jain, K.; V. Sharma (2006). Intellectual property management system: an organizational perspective. Journal of Intellectual Property Rights, vol. 11, pp 330-333.

Jannuzi, A. H. L.; T. Oliveira and R. A. Cardoso (2008). Gestão da propriedade intelectual nas instituições científicas e tecnológicas: o caso da proteção patentária no Instituto Nacional de Tecnologia - INT, in Papers presented at Congresso ABIPTI - Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica, Rio de Janeiro: ABIPT, pp. 13.

Jungmann, D. M.; E. A. Bonetti (2010). A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual: guia para o empresário. Brasília, DF: IEL.

Kelm, M. S.; D. K. Baggio, M. L. Kelm, M. P. D. Griebeler.; J. O. Sausen (2014). A inovação como estratégia competitiva das organizações: um ensaio teórico. RAIMED - Revista de Administração IMED, vol. 4, n. 3, pp. 274-285.

Klumb, R.; Hoffmann, M. G. (2016). Inovação no Setor Público e Evolução dos Modelos de Administração Pública: o Caso do TRE-SC. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, vol. 21, n. 69, pp. 86-102.

Kotha, R.; G. George and K. Srikanth (2013). Bridging the mutual knowledge gap: coordination and the commercialization of university science. Academy of Management Journal, vol. 56, n. 2, pp. 498-524.

Lichtenthaler, U. (2011). Implementation steps for successful out-licensing. Research Technology Management. vol. 54, n. 5, pp. 47-53.

Lichtenthaler, U. (2011). The evolution of technology licensing management: identifying five strategic approaches. R&D Management, vol. 41, n. 2, pp. 173-189.

Machado Junior, C.; Mazzali, L.; Palmisano, A. (2015). Gestão de Projetos de Inovação: o Caso de uma Empresa Líder do Setor de Eletrodomésticos. Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 3, pp. 288-309.

Mais, E. et al. (2009). Percepção de professores da FURB sobre o conceito de inovação e o papel do NIT em uma universidade. Estudos do CEPE (UNISC), n. 28, pp. 52-73.

Mohan, S. R. (2012). Government initiatives for developing technologies in public research institutes through strategic relationship with industry. Journal of Technology Management for Growing Economies, vol. 3, n. 1, pp. 79-94.

Moreira, N. V. A. et al. (2007). A inovação tecnológica no Brasil: os avanços no marco regulatório e a gestão dos fundos setoriais. Revista de Gestão USP, vol. 14, n. especial, pp. 3144.

O'Hearn, T. (2008). Guarding profits from innovation: successful intellectual property strategies. DePaul Business &Commercial Law Journal, vol. 6, n. 3, pp. 433-450.

Panizzon, M.; Milan, G. S.; Perin, M. G.; Sampaio, C. H. (2015). Capacidades Dinâmicas baseadas em conhecimento e tipos de inovação: proposição de um framework de análise. Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 1, pp. 271-302.

Pinheiro, B. J. (2012). Gestão da propriedade intelectual no âmbito da Inovação aberta: um estudo em empresas farmacêuticas nacionais. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto.

Ritter Junior, R. J. (2015). Os direitos da propriedade intelectual no sistema de inovação: interações entre universidade, empresa e governo. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. http://hdl.handle.net/10923/7260.

Rocha, D. T.; Sluszz, T.; Campos, M. M. (2009). Metodologia de qualificação de produtos caso Embrapa de avaliação e indicação da modalidade de negócio para transferência de produtos. XIX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas 2009, Anais... ANPROTEC, Florianópolis.

Santos, M. E. R. et. al. (2009). Tranferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológicas. Campinas: Komedi.

Santos, P. R.; Belderrain, M. C. N. (2014). Strategic choice approach e planejamento estratégico situacional: uma visão metodológica de auxílio mútuo. Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional, 46. Anais... SBPO, Salvador, vol. 1.

Santos, R. L. (2011). Proposta de modelo para implementação de uma Intellectual Property Audit: aplicação em uma instituição de pesquisa, desenvolvimento e ensino. Dissertação (Mestrado) - Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos.

Shahraki, A. (2012). Intellectual property valuation: case study in Iran. International Journal of Academic Research in Business and Social Sciences, vol. 2, n. 5, pp. 174-190.

Shane, S. (2002). Selling University Technology: patterns from MIT. Management Science, vol. 48, n. 1, pp. 122-137.

Silva, M. V. V.; Silva, J. E. (2013). Um estudo comparativo entre a legislação francesa e brasileira referente à proteção da propriedade intelectual, inovação e seu reflexo no desenvolvimento destas nações. Revista Jurídica ESPM-SP, vol.4, pp. 207-230.

Silva, S. B. (2016). A Capacidade Dinâmica de 'Orquestração de Redes de Inovação' no Modelo de Inovação Aberta. Revista Alcance, vol. 23, n. 1, pp. 19-33.

Sine, W. D.; S. Shane.; D. Di Gregorio (2003). The Halo effect and technology licensing: the influence of institutional prestige on the licensing of university inventions. Management Science, vol. 49, n. 4, pp. 478-496.

Spivey, W. A.; J. M. Munson.; B. Wurth (2014). Implications of the America Invents Act for R&D Managers. Research Technology Management, vol. 57, n. 5, pp. 43-51.

Sung, T. K.; D. V. Gibson; B. S. Kang (2003). Characteristics of technology transfer in business ventures: the case of Daejeon. Technological Forecasting & Social Change, vol. 70, pp. 449-466.

Teece, D. J.; G. Pisano; A. Shuen (2000). Nature anddynamics of organizational capabilities. Oxford: University Press.

Tigre, P. B; F. S. Marques (2009). Apropriação tecnológica na economia do conhecimento: inovação e propriedade intelectual de software na América Latina. Econ. Soc.; vol. 18, n. 3, op. 547-566.

Toledo, P. T. M. et al. (2011). Difusão de boas práticas de proteção e transferência de tecnologias no Brasil: a contribuição do Projeto InovaNIT, in Papers presented at Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão Tecnológica, 16.; Porto Alegre: ALTEC.

Tres, G. S.; Ferretti, R. (2015). Panorama da Propriedade Intelectual, Sustentabilidade e Inovação Tecnológica no Brasil entre 2000/2012. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, vol. 4, n. 1, pp. 55-70.

Vieira, G.; Quadros, R. (2016). Abrindo a Caixa Preta da Mudança Organizacional para a Inovação Tecnológica. Desafio Online, vol. 2, n. 1, pp. 63-79.

Vives I Gràcia, J. (2005). Aspectos de propiedad intelectual em la creación y gestión de repositórios institucionales. El Profesional de laInformación, vol. 14, n. 4, pp. 267-278.

World Intellectual Property Organization - WIPO (2015). What is Intellectual Property? http://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/intproperty/450/wipo_pub_450.pdf.

Ziedonis, A. A. (2007). Real options in technology licensing. Management Science, vol. 53, n. 10, pp. 1618-1633.