As Mídias Sociais na Projeção de 'Startups' Regionais: Observações do Perfil das Empresas nas Redes Sociais Outros Idiomas

ID:
49889
Resumo:
O modelo de empresas startups possui como característica gerar negócios inovadores e perspectivas de retornos rápidos, o que impõe novas formas de interação com o mercado. Outro recorte está no uso das tecnologias de informação e comunicação como instrumento na estratégia de marketing. Esse comportamento requer a utilização de ferramentas específicas para atrair o público on-line, com uso de uma linguagem que consiga disseminação em um ambiente de ciberatividade. Por esse contexto, esta pesquisa objetivou analisar como as empresas caracterizadas como startups utilizam os ambientes de redes sociais para divulgação e interação com seu potencial consumidor. A metodologia de pesquisa foi qualitativa e descritiva com análise de conteúdo dos perfis das empresas em redes como facebook e twitter, com ênfase também no levantamento de categorias que estimulam os consumidores a se tornarem seguidores e replicadores de uma nova empresa com uma ideia ou solução inovadora. O aporte teórico se orientou no universo de redes para compreender como os internautas interagem e seguem as organizações empresariais e, nas ações de e-marketing, para explanar sobre o desenvolvimento das ferramentas de marketing no ambiente internet. Houve também abordagens com as empresas por meio dos seus canais de comunicação e divulgação do seu portfólio de produtos e serviços estabelecidos nessas redes, para identificar como realizam os contatos com os clientes e o que as direcionam em suas divulgações.
Citação ABNT:
DESIDÉRIO, P. H. M.; BITTENCOURT, I. M.; MARQUES, J. C.; CARDOSO SOBRINHO, C. A.; NEDER, R. As Mídias Sociais na Projeção de 'Startups' Regionais: Observações do Perfil das Empresas nas Redes Sociais . International Journal of Innovation, v. 5, n. 3, p. 421-434, 2017.
Citação APA:
Desidério, P. H. M., Bittencourt, I. M., Marques, J. C., Cardoso Sobrinho, C. A., & Neder, R. (2017). As Mídias Sociais na Projeção de 'Startups' Regionais: Observações do Perfil das Empresas nas Redes Sociais . International Journal of Innovation, 5(3), 421-434.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5585/iji.v5i3.57
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49889/as-midias-sociais-na-projecao-de--startups--regionais--observacoes-do--perfil-das-empresas-nas-redes-sociais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERTIN, A. L. (2000). O comércio eletrônico evolui e consolida-se no mercado brasileiro. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 94-102.

ALBERTIN, A. L. (2010). Comércio eletrônico. Modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. São Paulo: Atlas.

AUDRETSCH, D. B.; ACS, Z. J. (1994). Newfirm startups, technology, and macroeconomic fluctuations. Small Business Economics, 6, 439-449.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

BENTIVEGNA, F. J. (2002). Fatores de impacto no sucesso do marketing boca a boca online. Revista de Administração de Empresas, 42(1), 79-87.

BRODIE, R. J.; WINKLHOFER, H.; COVIELLO, N. E.; JOHNSTON, W. J. (2007). Is e-marketing coming of age?An examination of the penetration of e-marketing and firm performance. Journal of Interactive Marketing, 221.

CANTILLON, R. (2002). Ensaio sobre a natureza do comércio em geral (1755). Curitiba: Segesta Editora.

CASTELLS, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

CATALANI, L.; KISCHINEVSKY, A.; RAMOS, E.; SIMÃO, H. (2006). E-commerce. 2a. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

CHAN, K. W.; LI, S. Y. (2010). Understanding consumer-to-consumer interactions in virtual communities: the salience of reciprocity. Journal of Business Research, 63, 1033-1040.

CRUZ, C. A. B.; SILVA, L. L. (2014). Marketing digital: marketing para o novo milênio. Revista Científica do ITPAC, 7(2), 1-7.

DEGEN, R. J. (2009). O Empreendedor: empreender como opção de carreira. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

DEITEL, H. M; DEITEL, P. J; STEINBUHLER, K. (2004). E-business e e-commerce para administradores. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

DEL PINO, C. (2007). Nueva era em la comunicacion comercial audiovisual: el marketing viral. Pensar la Publicidad, 1(2), 63-76.

DRUCKER, P. F. (1985). The discipline of innovation. Harvard Business Review, 67-72.

GONÇALVES, C. A.; FILHO, C. G. (1995). Tecnologia da informação e marketing: como obter clientes e mercados. Revista de Administração de Empresas, 35(4), 21-32.

KALYANAM, K.; McINTYRE, S. (2002). The emarketing mix: a contribution of the e-tailing wars. Journal of the Academy of Marketing Science, 30(4), 487-499.

KORUNKA, C.; KESSLER, A.; FRANK, H.; LUEGER, M. (2011). Conditions for growth in oneperson startups: a longitudinal study spanning eight years. Psicothema, 23(3), 446-452.

LEMOS, A. (2004). Cibercultura e mobilidade: a era da conexão. Razón y Palabra, 41. 1-17.

MARTELETO, R. M. (2001). Análise de redes sociais – aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 30(1), 7181.

MEDINA, I. G. (2011). Marketing digital multimedia: nuevos formatos y tendências. Revista Geminis, 2, 37-45.

MICIAK, A.; DESMARAIS, M. (2001). Benchmarking service quality performance at business-to-business and business-to-consumer call centers. Journal of Business & Industrial Marketing, 16(5), 340-353.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO-OCDE. (2005). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3a ed. Brasília: FINEP.

RIBEIRO, F. F.; OLIVEIRA JUNIOR, M. M.; BORINI, F. M. (2012). Internacionalização acelerada de empresas de base tecnológica: o caso das born globals brasileiras. RAC, 16(6), 866-888.

SCHUMPETER, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Editora Abril.

VAZ, C. A. (2008). Google marketing: o guia definitivo de marketing digital. 3a ed. São Paulo: Novatec Editora.

VENETIANER, T. (1999). Como vender seu peixe na internet: um guia prática de marketing e comércio eletrônico. 4a ed. Rio de Janeiro: Campus.

WERTHEIN, J. (2000). A sociedade da informação e seus desafios. Ci. Inf., 29(2), 71-77.