Plano de Benefícios como Fator Motivacional: Estudo em Empresa Familiar do Setor Metalúrgico Outros Idiomas

ID:
49918
Resumo:
O estudo objetiva averiguar se o plano de benefícios individuais possui potencial motivacional entre os colaboradores de uma empresa do ramo metalúrgico de controle do tipo familiar. Por meio da análise de conteúdo, o trabalho desenvolveu-se em duas etapas: a primeira partiu de um levantamento feito com o administrador a fim de verificar se a companhia oferecia um plano de incentivos; a segunda consistiu na aplicação de questionário aos níveis estratégico, tático e operacional, com a finalidade de detectar a relação entre a implantação de um plano de benefícios e a motivação pessoal. A amostra foi composta por 23 colaboradores, representando 88% da população. A primeira constatação foi a de que a organização ainda não oferece benefícios de qualquer natureza. Percebeu-se também que os resultados indicam uma preferência por benefícios ligados à saúde – o plano de saúde é o preferido por 65% da amostra. Por outro lado, ninguém considerou importante a ginástica laboral e o auxílio funeral. Apesar dessa preferência, todos gostariam de ter a liberdade de escolher seus benefícios. Quando a amostra é estratificada por estado civil, constata-se que os casados (61%) entendem que a implementação dos benefícios afetaria positivamente sua motivação, contra 39% dos solteiros.
Citação ABNT:
GOMES, T.; GASPARETTO, V.; SCNORRENBERGER, D.; LUNKES, R. J. Plano de Benefícios como Fator Motivacional: Estudo em Empresa Familiar do Setor Metalúrgico . Revista Organizações em Contexto, v. 14, n. 28, p. 351-375, 2018.
Citação APA:
Gomes, T., Gasparetto, V., Scnorrenberger, D., & Lunkes, R. J. (2018). Plano de Benefícios como Fator Motivacional: Estudo em Empresa Familiar do Setor Metalúrgico . Revista Organizações em Contexto, 14(28), 351-375.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v14n28p351-375
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49918/plano-de-beneficios-como-fator-motivacional--estudo-em-empresa-familiar-do-setor-metalurgico-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGGARWAL, R. K.; SAMWICK, A. A. Executive compensation, strategic competition and relative performance evaluation: theory and evidence. The Journal of Finance. Dartmouth College, v. 54, n. 6, p. 1999-2043, 1999.

ALVIM, L. R. de A.; ALVIM, S. J. T. Estudo dos efeitos do pacote de benefícios sociais sobre a motivação e produtividade dos colaboradores em uma empresa do interior. In: CONGRESSO VIRTUAL BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO, VIII., 2-4 dez. 2011. Anais… [S.l.]: Convibra, 2011.

ANDRADE, M. M. de. Introdução à metodologia do trabalho científico: elaboração de trabalhos na graduação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

ASSALIN, F. M; ARANHA, F. B. Benefícios como parte de incentivo a remuneração nas organizações. 73 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Administração de Empresas) – Faculdade Cenecista de Capivari. SP. p. 73. 2010.

BÁLKIN, D. B.; GÓMEZ-MEJIA, L. R. Toward a contingency theory of compensation strategy. Strategic Management Journal, v. 8, n. 2, p. 169-182, mar/apr. 1987.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas organizações. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BEUREN, I. M.; CARPES DANI, A.; BECK, F. Relação entre as práticas do Board Interlocking e características de empresas de estrutura de propriedade familiar com ações mais negociadas na BM&FBovespa. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, Campo Largo – PR, Brasil. v. 13, n. 3, p. 339-355. 2014.

BUENO, M. As teorias de Motivação Humana e sua contribuição para a empresa humanizada. BUENO, M. As teorias de Motivação Humana e sua contribuição para a empresa humanizada. Revista do Centro de Ensino Superior de Catalão – CESUC, Catalão. ano 4, n. 06, p. 1-25, 1º sem. 2002.

CAMINHA, G. M. A motivação e o plano de benefícios para os funcionários de uma instituição financeira pública. 52 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Administração Pública) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

CARVALHO, R. A. S.; MENEZES, N. A. Benefícios sociais: valor e satisfação sob a ótica dos empregados. [On-line]. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999.

CHIAVENATO, I. Teoria Geral da Administração: Abordagens prescritivas e normativas da Administração. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2001.

CHIAVENATO, I. Teoria Geral de Administração. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

CLASEN, E. Um estudo sobre o estabelecimento de metas e sua aferição nos programas de remuneração variável em companhias de capital aberto de Joinville/SC. 123 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

FLANNERY, T. P.; HOFRICHTER, D.; PLATTEN, P. E. Pessoas, desempenho e salários: as mudanças na forma de remuneração nas empresas. Tradução de Bazán Tecnologia e Linguística. São Paulo: Futura, 1997.

FOCHESATTO, S. A. Os planos de incentivos e recompensas como fatores de motivação: estudos de caso nas duas maiores empresas do ramo metal-mecânico de Caxias do Sul. 136 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

GAULKE, C. N.; NICOLETI, G. G. Benefícios: usado como fator motivacional pela empresa Karsten S/A no setor tecelagem ll 1º turno. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v. 1, n. 2, p. 1-15, 1º sem. 2007.

GHENO, R; BERLITZ, J. Remuneração estratégica e pacote de benefícios: um estudo de caso aplicado ao nível operacional de uma multinacional. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 268-287 maio/ago. 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUNTER, H. Como elaborar um questionário (Série Planejamento de pesquisa nas ciências sociais, N. 1). Brasília, DF: UnB, 2003.

GÜNTHER, H. Como elaborar um questionário. Série Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, nº 01. Brasília: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental, 2003.

HERZBERG, F.; MAUSNER, B.; SNYDERMAN, B. B. The Motivation to Work. New York: John Wiley & Sons, 1953.

KERBER, S.; SCHNEIDER, A. M. Benefícios flexíveis. Revista Destaques Acadêmicos, CGO/ UNIVATES, Lajeado/RS – Brasil. v. 4. n. 1, p.29-38. 2012.

KRAUTER, E. As contribuições do sistema de remuneração dos executivos para o desempenho financeiro: Um estudo com empresas industriais brasileiras. 180 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. 3. ed. São Paulo: Futura, 2001.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1998.

MILKOVICH, G. T.; NEWMAN, J. M. Compensation. 2. ed. Texas: Business Publications, 1987.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

NUNES, A. L.; SOUZA NETO, S. P. A Avaliação de desempenho baseada nos pilares da remuneração por competências: um estudo de caso. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 97-111, jan./jun. 2008.

O`TOOLE, J.; LAWLER III, E. E. The new american workplace. New York: Palgrave, 2006.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho Acadêmico. [Recurso eletrônico]. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: BEUREN, I. M. (Org.) Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. 4. reimpr. São Paulo: Atlas, 2009. p. 76-97.

REIS NETO, M. T. A remuneração variável na percepção dos empregados e suas consequências na motivação e no desempenho. 288 f. Tese (Doutorado em Administração) –Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

RIBEIRO, A. Gestão de pessoas. São Paulo: Saraiva, 2006.

SCHUSTER, J. P.; CARPENTER, J.; KANE, M. Pa. O poder do gerenciamento transparente. São Paulo: Futura, 1997.

SHIM, E.; LEE, J. A canonical analysis of CEO compensation and corporate performance in the service industry. Review of Accounting & Finance, University of Wollongong Australia. v. 2, n. 3, p. 72-90, 2003.

SOMMER, B; SOMMER, R. A pratical guide to behavioral research: Tools and techniques. 4 ed. New York: Oxford University Press, 1997.

TOSI, H. L. et al. How much does performance matter? A meta-analysis of CEO pay studies. Journal of Management, University of Florida. v. 26, n. 2, p. 301-339, 2000.

WEBER, C. L.; RAYNE, S. L. Effects of compensation strategy on job pay decision. Academy of Management Journal, Briarcliff Manor, v. 34, n. 1, p. 86-109, 1991.

WOOD JR., T.; PICARELLI FILHO, V. Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2004.