Meu Pai Ainda Está Aqui, nas Pessoas: Sentidos Subjetivos nas Relações de Trabalho em uma Empresa Familiar Outros Idiomas

ID:
49925
Resumo:
Este estudo tem como objetivo compreender os sentidos subjetivos relacionados ao trabalho na perspectiva dos trabalhadores de uma empresa familiar. Para tanto, utilizou-se a epistemologia qualitativa de Fernando Luis González Rey como abordagem teórico-epistemológica. Quatro entrevistas foram realizadas com os trabalhadores dessa empresa. Os resultados confirmaram a existência de: i) sentidos subjetivos influenciados pela história de vida do fundador da empresa; ii) sentido subjetivo de trabalho como extensão da vida do fundador; iii) sentimento de pertencimento à organização; e iv) ligação estabelecida entre os próprios trabalhadores da empresa. A pesquisa realizada contribui para o entendimento dos pressupostos teóricos dos sentidos subjetivos no trabalho e ajuda na compreensão da lógica de gestão em empresas familiares. O caso evidencia que a subjetividade desenvolve-se em meio a práticas sociais. Dessa maneira, os sentidos subjetivos no trabalho recebem influências de um contexto sócio-histórico e de questões conscientes e inconscientes.
Citação ABNT:
ANDRADE, L. P.; CAPPELLE, M. C. A.; CAMPOS, R. C.; BRITO, M. J. Meu Pai Ainda Está Aqui, nas Pessoas: Sentidos Subjetivos nas Relações de Trabalho em uma Empresa Familiar . Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 7, n. 2, p. 145-169, 2018.
Citação APA:
Andrade, L. P., Cappelle, M. C. A., Campos, R. C., & Brito, M. J. (2018). Meu Pai Ainda Está Aqui, nas Pessoas: Sentidos Subjetivos nas Relações de Trabalho em uma Empresa Familiar . Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(2), 145-169.
DOI:
https://doi.org/10.14211/regepe.v7i2.707
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49925/meu-pai-ainda-esta-aqui--nas-pessoas--sentidos-subjetivos-nas-relacoes-de-trabalho-em-uma-empresa-familiar-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Antunes, R. (2005). O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Aygören, H., & Nordqvist, M. (2015). Gender, ethnicity and identity work in the family business. European Journal of International Management, (9) (2), pp. 160-178.

Bauman, Z. (1998). Work, Consumerism and the new poor. Buckingham: Open University Press.

Belmonte, V. A. B., & Freitas, W. R. S. (2013). Empresas familiares e a profissionalização da gestão: estudos de casos em empresas paulistas. Revista de Administração da UFSM, v. 6(1), pp. 71-90.

Bendassolli, P. F., Coelho-Lima, F., Pinheiro, R. A., & Siqueira Gê, P. C. (2015). The Brazilian Scientific Production on Sense and Meaning of Work: Review of Use of Terminology and Current Thematic Classifications. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 33(2), pp. 203-221.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2004) A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes.

Carrieri, A. P., & Lopes, F. T. (2012). “O avô constrói, o pai usa e o neto morre de fome”: histórias de família em uma organização. Rege – Revista de Gestão, v. 19(1), pp. 3-20.

Davel, E., & Colbari, A. (2000). Organizações familiares: por uma introdução a sua tradição, contemporaneidade e multidisciplinaridade. Organização & Sociedade, v. 7(18), pp. 45-64.

Ferreira, J. M., & Nogueira, E. S. (2013) Mulheres e Suas Histórias: Razão, Sensibilidade e Subjetividade no Empreendedorismo Feminino. Revista de Administração Contemporânea, v. 17(4), pp. 398-417.

Frezatti, F., Bido, D. S., Mucci, D. M., & Beck, F. (2017). Estágios do ciclo de vida e perfil de empresas familiares brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 57(6), pp. 601-619.

Garcia, E. C., & Moreira, M. O. M. (2008, setembro). “Somos uma grande família”: o papel do mito da grande família no controle psicossocial por vínculos. Anais do Encontro da Anpad. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 14.

Godoi, C. K., & Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: Silva, A. B., Godoi, C. K., & Bandeira-de-Mello, R. (Orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, Estratégias e Métodos. São Paulo, SP: Editora Saraiva.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35(3), pp. 20-29.

Gonçalves, J. S. R. C. (2000). As empresas familiares no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 7(1), pp. 7-12.

González Rey. F. L. (2003). Sujeito e Subjetividade:uma aproximação históricocultural. São Paulo, SP: Editora Thompson Learning.

González Rey. F. L. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Editora Thomson Learning.

González Rey. F. L. (2007) As categorias de sentido, sentido pessoal e sentido subjetivo: sua evolução e diferenciação na teoria histórico-cultural. Psicologia da Educação, v. 24(1), pp. 155-179.

Harper, D. (2017). Online Etymology Dictionary. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2017.

Junqueira, A. G. W., Medeiros C. R. G., Schwingel, G., Carreno, I., Saldanha, O. M. F., & Jungles, L. A. P. (2011). Sentido e significado do trabalho para enfermeiros e médicos da estratégia de saúde da família. Estudo & Debate em Gestão e Planejamento, v. 18(2), pp. 23-35.

Leontiev, A. N. (1978). Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Edição Ciencias del Hombre.

Leontiev, A. N. (1992). Ecce Homo. Methodological Problems of the activity theoretical approach. Multidisciplinary newsletter for Activity Theory, v. 11(12), pp. 41-44.

Lescura, C., Brito, M. J., Borges, A. F., & Capelle, M. C. A. (2012). Representações Sociais sobre as Relações de Parentesco: Estudo de Caso em um Grupo Empresarial Familiar. Revista de Administração Contemporânea, v. 16(1), pp. 98117.

Lopes, F. T., Carrieri, A., & Saraiva, L. A. S. (2013). Relações de Poder e Subjetividade em uma Organização Familiar. Organização &Sociedade, v. 20(65), pp. 225-238.

Lopes, F.T., & Carrieri, A. P. (2010). Fotografias de família pela ótica das sucessoras: um estudo sobre uma organização familiar. Revista de Administração Contemporânea, v. 14(3), pp. 478-494.

Lourenço, C. D. S., & Ferreira, P. A. (2012). Cultura Organizacional e mito fundador: um estudo de caso em uma empresa familiar. Gestão e Regionalidade, v. 28(84), pp. 61-76.

Müller, H. P. (2005). Trabalho, profissão e vocação: o conceito de trabalho em Max Weber. In. Mercure, D., & Spurk, J. (Orgs). O trabalho na história do pensamento ocidental. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Schmidt, M. L. G., Barbosa, W. F., Pinceli, S. C. C, & Lucca, S. R. (2017). Significados e sentidos do trabalho: reflexos para a atuação do médico do trabalho na contemporaneidade. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, v. 7(3), pp. 138-142.

Schweitzer, L., Gonçalves, J., Tolfo, S. R., & Silva, N. (2016). Bases epistemológicas sobre o sentido(s) e significado(s) do trabalho em estudos nacionais. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 16(1), pp. 103-116.

Short, J. C., Sharma, P., Lumpkin, G. T., & Pearson, A. W. (2016). Oh, the Places We’ll go! Reviewing past, present, and future possibilities in family business research. Family Business Review, v. 29(1), pp. 11-16.

Silva, C. R., Gobbi, B. C., & Simão, A. A. (2005) O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 7(1), pp. 70-81.

Silva, K. A. T. (2013). A luz “vermelha” no fim do túnel: sentidos subjetivos do trabalho na prostituição. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil.

Silva, K. A. T. S., & Cappelle, M. C. A. (2013, novembro). A Teoria da Subjetividade e a Epistemologia Qualitativa de Gonzalez Rey como Possibilidade Teórico-Metodológica nos Estudos de Administração. Anais do IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade (Enpq). Brasília, DF, Brasil,13.

Silveira, R. Z., & Palassi, M. P. (2011). A vida na fazenda: sentidos subjetivos do servidor fazendário ante a participação no trabalho. Revista de Administração Mackenzie, v. 12(6), pp. 192-223.

Souza, E. O., Maranhão, T. L. G., Leone, N. M. C. P. G., & Oliveira, G. F. (2017). Cultura organizacional em empresa familiar: uma revisão sistemática. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 11(36), pp. 13-37.

Tacca, M. C. V. R., & González Rey, F. L. (2008). Produção de sentido subjetivo: as singularidades dos alunos no processo de aprender. Psicologia Ciência e Profissão, v. 28(1), pp. 138-161.

Tolfo, S. R., & Piccinini, V. (2007). Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia e Sociedade, v. 19(1), pp. 38-46.

Vygotsky, L. S. (1968). Pensamiento y lenguaje. Buenos Aires:Edição Ciencias del Hombre.

Vygotsky, L. S. (1987). “Thinking and Speech”. The Collected Works of L. S. Vygotsky. Nova York: Plenum Press.