A Ideologia da Arquitetura e da Literatura Moderna no Estado Novo Outros Idiomas

ID:
49940
Resumo:
O objetivo desse ensaio teórico é resgatar o desenvolvimento da arquitetura e da literatura moderna e seus laços indissolúveis com os grupos de poder político e econômico, com consequências diretas sobre a sociedade brasileira e sobre a própria ideia de Brasil. A relação tríplice aqui estabelecida – política, econômica e cultural – se dá a partir de um movimento dialético em que o sentido ideológico imputado no Estado Novo remete à ideia de uma nação progressista que rompesse tanto com os traços de uma oligarquia agrária como com a dependência externa, no plano econômico e político. Como resultado, observou-se a inocuidade de qualquer tentativa de deslocar o centro e fazer convergir o que era periférico do ponto de vista econômico e social, sendo a arquitetura e a literatura conservadoras em qualquer tentativa de superar seus objetos de crítica social. No caso da arquitetura, seu conservadorismo se dá na aproximação do poder político como forma de se estabelecer como a verdadeira arquitetura brasileira. Na literatura, observamos mudanças restritas ao plano estilístico, ficando em segundo plano o caráter ideológico da transformação.
Citação ABNT:
XAVIER, W. S.A Ideologia da Arquitetura e da Literatura Moderna no Estado Novo. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 86, p. 434-456, 2018.
Citação APA:
Xavier, W. S.(2018). A Ideologia da Arquitetura e da Literatura Moderna no Estado Novo. Organizações & Sociedade, 25(86), 434-456.
DOI:
10 .1590/1984-9250865
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49940/a-ideologia-da-arquitetura-e-da-literatura-moderna-no-estado-novo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BOSI, A. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix. 43 ed. 1994.

BRULON, V. (Des)Organizando o Espaço Social de Favelas: o campo burocrático do Estado em ação no contexto da “pacificação”. (Tese) Doutorado em Administração. Fundação Getúlio Vargas - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas. Rio de Janeiro: FGV/EBAPE, 2015.

BRULON, V.; PECI, A. Organizações públicas e espaços às margens do Estado: contribuições para investigações sobre poder e território em favelas. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 6, p. 1497-1517, 2013.

BUENO, L. Nação, Nações: os modernistas e a geração de 30. Via Atlântica, n. 7, out, p. 83-97, 2004.

CANDIDO, A. Literatura e Desenvolvimento. In: CANDIDO, A. A educação pela noite & outros ensaios. São Paulo: Ática, p. 140-162, 1989.

CAVALCANTI, L. Moderno e Brasileiro: a história de uma nova linguagem na arquitetura (1930-1960). Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

CHAUI, M. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.

CHAUI, M. Conformismo e Resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense. 2ª ed. 1987.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociológica. São Paulo: Globo. 5ª ed. 2005.

FERRO, S. Arquitetura e Trabalho Livre. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

FORTES, R. V. Procedimento investigativo e forma expositiva em Marx - duas leituras: Lukács/Chasin. Verinotio - Revista on-line de Educação e Ciências Humanas, v. 5, n. 9, p. 73-105, 2008.

FREYRE, G. Casa-grande e Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global. 48 ed. 2003.

FURTADO, C. Cultura e Desenvolvimento em época de crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras. 34 ed. 2007.

GAVA, R. Autodeterminação Local e Desenvolvimento: uma análise da dinâmica social no município de São Roque de Minas. (Tese) Doutorado em Administração - EBAPE/FGV. Rio de Janeiro: EBAPE/FGV, 2009.

GOMES, A. M. O Trabalhador Brasileiro. In. OLIVEIRA, L.L. et al. Estado Novo: ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

GOMES, F. G. O jovem percurso da administração política. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 1, p. 7-24, 2012.

GRAMSCI, A. Concepção Dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

GRAMSCI, A. Literatura e Vida Nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

HARVEY, D. Right to the City. New Left Review, v. 53, n. sep/oct, p. 23-40, 2008.

HOBSBAWM, E. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras. 26 ed.; 1995.

IANNI, O. A Ideia de Brasil Moderno. São Paulo: Brasiliense, 2004.

IMASATO, T.; VÉRAS, M. L. Brasília e Modernidade: um ensaio sobre o processo de produção da capital brasileira. Gestão e Sociedade, v. 6, n. 15, p. 335-359, 2012.

KAPP, S. Contra a Integridade. MDC. Revista de Arquitetura e Urbanismo, v. 1, n. 2, p. 8-11, 2006.

LACERDA, D. S. The production of spatial hegemony as statecraft: an attempted passive revolution in the favelas of Rio. Third World Quarterly, v. 37, n. 6, p. 1083-1101, 2016.

LAFETÁ, J. L. 1930: a crítica e o modernismo. São Paulo: Duas Cidades. 34 ed. 2000.

LEFEBVRE, H. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LEFEBVRE, H. Le Marxisme. Paris: Presses Universitaires de France, 2006.

LEFEBVRE, H. O Direito a Cidade. São Paulo: Documentos, 1969.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Blackwell Publishing, 1991.

LUKÁCS, G. Introdução aos Escritos Estéticos de Marx e Engels. In. MARX, K.; ENGELS, F. Cultura, Arte e Literatura: textos escolhidos. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

LUKÁCS, G. Per l’ontologia dell’essere sociale. Roma: Editoi Riuniti, 1981.

MARINI, R. M. Subdesenvolvimento e Revolução. Florianópolis: Insular, 2014.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

OLIVEIRA, M. V. F. A Ruína e a Máscara: as contradições de uma modernização conservadora em Inferno Provisório, de Luiz Ruffato. Tese (Doutorado em Estudos Literários) - Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

PAÇO-CUNHA, E. Gênese, Razoabilidade e Formas Mistificadas da Relação Social de Produção em Marx: a organização burocrática como abstração arbitrária. (Tese) Doutorado em Administração. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

PRADO JUNIOR, C. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 41 ed.; 1994.

PRADO JUNIOR, C. História e Desenvolvimento: a contribuição da historiografia para a teoria e a prática do desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SANTOS, R. S.; BARRETO, E. F.; RIBEIRO, E. M.; BARRETO, M. G. P. O expediente: a dimensão esquecida da administração política. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 49, p. 373-388, 2009.

SANTOS, R. S. et al. A crise, o Estado e os equívocos da administração política do capitalismo contemporâneo. Cadernos EBAPE.BR, v. 14, n. 4, p. 1011-1034, 2016.

SANTOS, R. S.; RIBEIRO, E. M. A Administração Política Brasileira. Revista de Administração Pública, v. 27, n. 3, p. 102-135, 1993.

SILVA, S. Expansão Cafeeira e Origens da Indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega. 5 ed. 1981.

SIMÃO, M. C. R. Preservação do Patrimônio Cultural em Cidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SODRÉ, N. W. Formação Histórica do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

SODRÉ, N. W. História da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 8 ed. 1988.

SODRÉ, N. W. Literatura e Histórica no Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Graphia. 2 ed. 1999.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

SUMIYA, L. A.; SILVA, M. P.; ARAÚJO, M. A. D. Paradigmas e críticas presentes na construção do campo de conhecimento da Administração Política. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 1, p. 35-49, 2014.

TAYLOR, F. W. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1995.

TRICÁRICO, L. T. Para o modernismo, a modernidade. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v. 14, n. 15, p. 210-238, 2007.

VAISMAN, E. A ideologia e sua determinação ontológica. Verinotio - Revista on-line de Educação e Ciências Humanas, v. 6, n. 12, p. 40-64, 2010.

WILLIAMS, R. Cultura e Materialismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

WILLIAMS, R. O Campo e a Cidade: na história e na literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

WILLIAMS, R. Política do Modernismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.