As Influências Raciais na Construção do Campo Etnográfico: Um Estudo Multissituado no Contexto Brasil-Canadá Outros Idiomas

ID:
49943
Resumo:
A predominância do mito do etnógrafo assexuado e não racializado, já debatido na área da Antropologia, fez com que em muitos estudos etnográficos a busca pela neutralidade de desenvolvimento do trabalho de campo silenciasse como questões de gênero e de raça, por exemplo, influenciam o desenvolvimento de pesquisas nas organizações. No intuito de contribuir para sanar essa limitação teórica e empírica dos estudos, o objetivo deste artigo é discutir as influências das relações raciais na construção do campo etnográfico. Para tanto, destacamos o processo de construção de um estudo etnográfico multilocalizado realizado no contexto organizacional do circo contemporâneo. A pesquisa, realizada entre os anos de 2011 e 2013 no Brasil e no Canadá, enfatiza a construção da pesquisadora em termos de raça nos contextos estudados, ressaltando como questões culturais locais dos diferentes países influenciaram a entrada da pesquisadora em campo, o acesso a informações, e, consequentemente, o desenvolvimento da etnografia no campo organizacional estudado. Como contribuição aos estudos organizacionais, debatemos que as pesquisas qualitativas nas organizações não podem ser pensadas com base na neutralidade do/a pesquisador/a no trabalho de campo e que as relações raciais influenciam os modos de condução das etnografias organizacionais, inclusive em contextos transnacionais.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, J. S.As Influências Raciais na Construção do Campo Etnográfico: Um Estudo Multissituado no Contexto Brasil-Canadá. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 86, p. 511-531, 2018.
Citação APA:
Oliveira, J. S.(2018). As Influências Raciais na Construção do Campo Etnográfico: Um Estudo Multissituado no Contexto Brasil-Canadá. Organizações & Sociedade, 25(86), 511-531.
DOI:
10 .1590/1984-9250868
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49943/as-influencias-raciais-na-construcao-do-campo-etnografico--um-estudo-multissituado-no-contexto-brasil-canada/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; WESTWOOD, R.; ROSA, A. The politics of identity in organizational ethnographic research: Ethnicity and tropicalist intrusions. Human Relations, v. 68, p. 79- 106, 2015.

ATKINSON, P. et al. Handbook of Ethnography. London: Sage, 2007.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDIMENTOS SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003. p. 49-58.

CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S. Simbolismo Organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007.

CECCHETTO, F.; MONTEIRO, S. Discriminação, cor e intervenção social entre jovens na cidade do Rio de Janeiro (RJ, Brasil): a perspectiva masculina. Revista Estudos Feministas, v. 14, n.1, p. 199-218, 2006.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica, Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

CLIFFORD, J. Route: travel and translation in the late twentieth century. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

CONCEIÇÃO, E. B. A negação da raça nos estudos organizacionais. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 33, 2009, São Paulo. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2009.

COOKE, J.; LAIDLAW, J.; MAIR, J. What if There is No Elephant?Towards a Conception of an Un-sited Field. In: FALZON, M. A. Multi-Sited Ethnography: Theory, Praxis, and Locality in Contemporary Social Research. London: Ashgate, 2009, p. 47-72.

CORREA, M. Sobre a invenção da mulata. Cadernos PAGU, v. 6, n. 1, p. 35-50, 1996.

CRESSWELL, T. On the move: mobility in the modern western world. London: Routledge, 2006.

CZARNIAWSKA, B. Organizations as obstacles to organizing. In: ROBICHAUD, D.; COOREN, F. (eds.). Organization and organizing: materiality, agency and discourse. New York: Routledge. 2013. p. 3-22.

DEWALT, K. M.; DEWALT, B. R. Participant observation: a guide for fieldworkers. Toronto: Altamira Press, 2011.

DIAS, M. A. Essa pesquisa tem “mironga”: notas etnográficas sobre o fazer etnográfico. In: BONETTI, A.; FLEISCHER, S. (orgs.). Entre saias justas e jogos de cintura. Florianópolis: Editora Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007.

FANTINEL, L. D.; CAVEDON, N. R.; FISCHER, T. Significados permanentes e mutantes: sociabilidades e significações no cotidiano de um café. Revista Ciências Sociais Unisinos, v. 50, p. 153-165, 2014.

FIGUEIREDO, A. Novas Elites de Cor: estudo sobre os profissionais liberais negros de Salvador. São Paulo: Annablume, 2002.

FIGUEIREDO, M. D. A transmissão do saber-fazer enquanto intencionalidade incorporada. 2013. 285f. Tese (Doutorado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FIGUEIREDO, M. D. Embodied prejudices: a study on diversity and practices. Equality, Diversity and Inclusion: An International Journal, v. 34, p. 527-538, 2015.

FLORES-PEREIRA, M. T.; DAVEL, E.; CAVEDON, N. Drinking beer and understanding organizational culture embodiment. Human Relations, v. 61, p. 1007-1026, 2008.

FOLEY, D.; VALENZUELA, A. Critical ethnography. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Handbook of Qualitative Research. 3 ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.

FONSECA, C. Família, fofoca e honra: a etnografia de violência e relações de gênero em grupos populares. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. L. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, p. 296-342.

GHERARDI, S. How to conduct a practice-based study. Cheltenham: Edward Elgar, 2012.

GOMES, N. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução cultural ou resignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, n. 21, p. 39-51, 2002.

GONZALEZ, L.; HASENBALG, C. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

GROSSI, M. P. Na busca do “outro” encontra-se a “si mesmo”. In: LAGO, C. (ed.). Trabalho de Campo & Subjetividade, Florianópolis: UFSC/Grupo de Estudos de Gênero & Subjetividade, p. 7-18, 1992.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. . Acesso em 28 de abril de 2010.

KANAAN, B. R. Homo Faber: uma etnografia das práticas de trabalho na Serra Gaúcha/ Rio Grande do Sul. 2013. 230f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

LUTZ, C.; ABU-LUGHOD, L. Language and the politics of emotion. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

MAGNANI, J. G. C. Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos, v. 15, n. 32, p. 129-156, 2009.

MARCUS, G. E. Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography. Annu. Rev. Anthropol, v. 24, p. 95-117, 1995.

MARCUS, G. E. What is at stake - and is not - in the idea and practice of multi-sited ethnography. Canberra Anthropology, v. 22, n. 2, p. 6-14, 1999.

NASCIMENTO, M. C. R. et al. Com que cor eu vou pro shopping de BH que você me convidou? In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 37, 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2007.

PARKER, M. Organizing the circus: the engineering of miracles. Organization Studies, v. 32, n. 4, 2011, p. 555 -569.

PINHO, O. A Antropologia no Espelho da Raça. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 26, 2008. Porto Seguro, Bahia. Anais... Porto Seguro: ABA, 2008.

ROSA, A. R. Relações raciais e Estudos Organizacionais no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 3, p. 240-260, 2014.

ROSA, A. R. Relações raciais e estudos organizacionais no Brasil: dimensões esquecidas de um debate que (ainda) não foi feito. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36, 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012.

SANSONE, L. Negritude sem etnicidade. Rio de Janeiro e Salvador: Pallas e EDUFBA, 2004.