Disposição (Ir)responsável de Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Ceará: Desafios para Alcançar a Conformidade Legal Outros Idiomas

ID:
49953
Resumo:
O objetivo do trabalho é avaliar os desafios para atender as exigências legais definidas nas Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos, no Estado do Ceará. A pesquisa é de natureza quantitativa e foi realizada por uma coleta de dados obtida por meio de formulário aplicado aos gestores das secretarias municipais de meio ambiente. Os dados foram tratados por meio de estatística descritiva e análise de clusters. Contrariando-se as exigências normativas, os resultados da pesquisa demonstram a ausência de um adequado tratamento dos resíduos sólidos gerados nos municípios do estado do Ceará. Essa pesquisa aponta ainda, que o lixão é, predominantemente, o destino final dos resíduos sólidos; que não existe controle da quantidade de resíduos gerados; parte da área destinada aos resíduos sólidos é praticamente de livre acesso e existe uma baixa participação de catadores na reciclagem de resíduos. De forma preocupante, a maior parte dos municípios do Ceará ainda encaminha seus resíduos hospitalares aos lixões. Esse trabalho conclui que a conformidade legal decorre de um esforço mútuo entre os órgãos da administração pública, a iniciativa privada e a sociedade, na implantação de um gerenciamento de resíduos sólidos, capaz de reduzir a degradação ambiental e as desigualdades sociais.
Citação ABNT:
DINIZ, G. M.; ABREU, M. C. S. Disposição (Ir)responsável de Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Ceará: Desafios para Alcançar a Conformidade Legal. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 12, n. 2, p. 1-17, 2018.
Citação APA:
Diniz, G. M., & Abreu, M. C. S. (2018). Disposição (Ir)responsável de Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Ceará: Desafios para Alcançar a Conformidade Legal. Revista de Gestão Social e Ambiental, 12(2), 1-17.
DOI:
10.24857/rgsa.v12i2.1412
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49953/disposicao--ir-responsavel-de-residuos-solidos-urbanos-no-estado-do-ceara--desafios-para-alcancar-a-conformidade-legal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, M. C. S., Mesquita, M. D. S. S., & Silva Filho, J. C. L. (2014). Análise institucional da gestão ambiental pública no semiárido nordestino: o caso do município de Independência-CE. Desenvolvimento em Questão, 12(26), 108-141.

Aremu, A. S., Sule, B. F., Downs, J., & Mihelcic, J. R. (2012). Framework to determine the optimal spatial location and number of municipal solid waste bins in a developing world urban neighborhood. Journal of Environmental Engineering, 138(6), 645-653.

Bae, S. (2010). Public versus private delivery of municipal solid waste services: the case of North Carolina. Contemporary Economic Policy, 28(3), 414-428.

Barbosa, E. R. G., Sediyama, G. A. S., Reis, A. de O., & Cezar, L. C. (2016). Adequação de pequenos municípios as exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos: estudo de caso nos municípios de Viçosa-MG e seus limítrofes. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 6(3), 37-52.

Brasil. (2007). Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2010). Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 de agosto de 2010. Seção 1, Atos do Poder Legislativo. Imprensa Nacional.

Brasil. (2012). Planos de gestão de resíduos sólidos: manual de orientação. Ministério do Meio Ambiente/Iclei – Brasil, Brasília, 156.

Castilhos Jr., A. D., Fernandes, F., Ferreira, J., Jucá, J., Lange, L. C., Gomes, L. P., ... & Zanta, V. (2006). Gerenciamento de resíduos sólidos urbanos com ênfase na proteção de corpos d’água: prevenção, geração e tratamento de lixiviados de aterros sanitários. Coord.: Armando Castilhos Júnior. Projeto Prosab, 4. Rio de Janeiro: Abes.

Ceará. (2001). Lei nº 13.103, de 24 de Janeiro de 2001. Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos. Diário Oficial do Estado, 5 de fevereiro de 2001.

Cherfem, C. (2015). A coleta seletiva e as contradições para a inclusão de catadoras e catadores de materiais recicláveis: construção de indicadores sociais. Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Brasília: Ipea, 89-98.

Crispim, D. L., Fernandes, J. S., Andrade, S. O. de., Sousa, E. P. de., & Sales, J. C. F. de. (2016). Gestão de resíduos sólidos urbanos: um estudo de caso em uma escola pública no município de Pombal-PB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 11(1), 1-7.

Dal Piaz, J. F., & Ferreira, G. M. V. (2011). Gestão dos resíduos sólidos domiciliares urbanos: o caso do município de Marau-RS. Revista de Gestão Social e Ambiental, 5(1), 33-47.

Demajorovic, J., & Massote, B. (2017). Acordo setorial de embalagem: avaliação à luz da responsabilidade estendida do produtor. RAE-Revista de Administração de Empresas, 57(5), 470482.

Dias, S. G. (2012). O desafio da gestão de resíduos sólidos urbanos. GV-executivo, 11(1), 16-20.

Eskezia, D., Aderaw, Z., Ahmed, K. Y., & Tadese, F. (2016). Prevalence and associated factors of occupational injuries among municipal solid waste collectors in four zones of Amhara region, Northwest Ethiopia. BMC Public Health, 16(1), 862.

Fávero, L., Belfiore, P., Silva, F., & Cham, B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisão. São Paulo: Campus.

Garcia, E. A. R., & Diniz, G. M. (2016). Gestão de resíduos sólidos: um estudo sobre a coleta e destinação na esfera municipal. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, 34(1), 53-71.

Giesta, L. C. (2013). Educação ambiental e gestão ambiental no ativo Mossoró da unidade RN/CE da Petrobras. Revista Eletrônica de Administração, 19(2), 453-484.

Gouveia, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 1503-1510.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Heyer, K. U., & Stegmann, R. (2002). Landfill management: leachate generation, collection, treatment and costs. Leachte Management, 1-23.

Jucá, J. F. T., Lima, J., Mariano, M., Firmo, A., Lima, D., Lucena, L., ... & Reichert, G. (2014). Análise das diversas tecnologias de tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão. Jaboatão dos Guararapes: Grupo de Resíduos Sólidos– Ufpe.

Khan, M. A., & Ansari, I. Z. (2010). Municipal solid waste management in India: a case study of Aligarh city. Pranjana: The Journal of Management Awareness, 13(2), 92-104.

Klein, F. B., Gonçalves-Dias, S. L. F., & Jayo, M. (2018). Gestão de resíduos sólidos urbanos nos municípios da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê: uma análise sobre o uso de TIC no acesso à informação governamental. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 10(1).

Lead, C., Adedipe, N. O., Sridhar, M. K. C., & Verma, M. (2005). Waste management, processing, and detoxification. Ecosystems and Human Well-being: Policy Responses, 313-334.

Maiello, A., Christovão, A. C., Britto, A. L. N. de P., & Frey, M. (2013). Public participation for urban sustainability: investigating relations among citizens, the environment and institutions–an ethnographic study. Local Environment, 18(2), 167-183.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. (2016). Sinir – Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos. Recuperado em: 11 fev.2016, de: .

Moraes, R. O., & Pereira, P. M. S. (2012). O programa de manejo diferenciado e reciclagem de resíduos da prefeitura de Belo Horizonte. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(1), 117-126.

Okuda, I., & Thomson, V. E. (2007). Regionalization of municipal solid waste management in Japan: balancing the proximity principle with economic efficiency. Environmental Management, 40(1), 12-19.

Opp, S. M., Osgood Jr, J. L., & Rugeley, C. R. (2014). Explaining the adoption and implementation of local environmental policies in the United States. Journal of Urban Affairs, 36(5), 854-875.

Pillai, R., & Shah, R. (2014). Municipal solid waste management: current practices and futuristic approach. SCMS Journal of Indian Management, 11(4), 72-78.

Polaz, C. N. M., & Teixeira, B. A. D. N. (2009). Indicadores de sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos (SP). Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 14(3), 411-420.

Rodrigues, F. S., & Ichikawa, E. Y. (2015). O cotidiano de um catador de material reciclável: a cidade sob o olhar do homem ordinário. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(1), 97-112.

Santos, F. F., Fontes, A. R. M., da Silva Moris, V. A., & de Souza, R. L. R. (2016). Atores da cadeia de reciclagem: influência e impactos na atividade de triagem de materiais em uma cooperativa de Sorocaba-SP. Revista de Gestão Social e Ambiental, 10(3), 85-101.

Santos, M. C. L. D., & Gonçalves-Dias, S. L. F. (2012). Resíduos sólidos urbanos e seus impactos socioambientais. São Paulo, IEE-USP.

Silva, É. A. F., Alcântara, V. de C., & Pereira, J. R. (2016). Governança e esfera pública sobre resíduos sólidos urbanos no âmbito municipal. Administração Pública e Gestão Social, 8(3), 137146.

Silva Lima, C., & da Costa, A. J. S. T. (2016). A importância da educação ambiental para o sistema de coleta seletiva: um estudo de caso em Curitiba. Revista Geográfica Acadêmica, 10(2), 129-137.

Teodósio, A. S., Dias, S. F., & Santos, M. C. L. D. (2016). Procrastinação da política nacional de resíduos sólidos: catadores, governos e empresas na governança urbana. Ciência e Cultura, 68(4), 30-33.

Van de Klundert, A., Anschütz, J., & Scheinberg, A. (2001). Integrated sustainable waste management: the concept. Tools for decision-makers. Experiences from the urban waste expertise programme (1995-2001), 1-44.

Vergara, S. E., & Tchobanoglous, G. (2012). Municipal solid waste and the environment: a global perspective. Annual Review of Environment and Resources, 37, 277-309.