Análise do Desempenho do Sistema Brasileiro de Propriedade Intelectual: Desafios e Perspectivas Outros Idiomas

ID:
49967
Resumo:
A proteção da propriedade intelectual (PI) se apresenta como uma área crucial para apoiar o processo de desenvolvimento de qualquer país, pois é neste contexto que as maiores disputas estratégicas estão ocorrendo. Nos últimos anos, o Brasil tem desenvolvido algumas ações para alcançar maior eficiência no sistema público de gestão de PI, mas será que estamos no caminho certo? O presente estudo procura apresentar indicações e pontos de interesse sobre o desempenho do Brasil e destacar os avanços e desafios em relação ao sistema de IP, que podem ser utilizados como referência para futuras políticas e ações. A abordagem metodológica foi estruturada com base em uma revisão na literatura, destacando os indicadores científico, econômico e tecnológico sobre o desenvolvimento de PI e os principais objetos de PI registrados junto ao órgão nacional de propriedade intelectual do Brasil (INPI) no período de 2013 a 2016, nas áreas de patentes, marcas, desenho industrial, programa de computadores, topografia de circuitos, contratos de tecnologia e indicação geográfica.
Citação ABNT:
VASCONCELOS, C. R.; SILVA, D. P. Analysis of the Performance of the Brazilian Intellectual Property System: Challenges and Perspectives. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 2, p. 172-199, 2018.
Citação APA:
Vasconcelos, C. R., & Silva, D. P. (2018). Analysis of the Performance of the Brazilian Intellectual Property System: Challenges and Perspectives. Revista Gestão & Tecnologia, 18(2), 172-199.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i2.1249
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49967/analise-do-desempenho-do-sistema-brasileiro-de-propriedade-intelectual--desafios-e-perspectivas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Ávila, J. (2007). O INPI e a Propriedade Intelectual no Brasil: resultados e metas. Proceedings of the Congresso Brasileiro de Inovação na Indústria, São Paulo, Brazil, 2.

Brüggemann, J.; Crosetto, P.; Meub, L.; Bizer, K. (2016). Intellectual property rights hinder sequential innovation. Experimental evidence. Research Policy, 45, 2054-2068. https://doi.org/10.1016/j.respol.2016.07.008

Cavalheiro, G.; Joia, L. A.; Veenstra, A. (2016). Examining the trajectory of a standard for patent classification: An institutional account of a technical cooperation between EPO and USPTO. Technology in Society, 46, 10-17. https://doi.org/10.1016/j.techsoc.2016.04.004

Deardorff, A. (1992). Welfare effects of global patent protection. Economica, 59, 35- 51. https://doi.org/10.2307/2555064

DeNegri, J. A. et al. (2008). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica no Brasil. Brasília: Ipea. http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5569

Dernis, H.; Dosso, M.; Hervás, F.; Millot, V.; Squicciarini, M.; Vezzani, A. (2015). World corporate top R&D investors: Innovation and IP bundles (No. JRC94932). Joint Research Centre (Seville site).

Donoso, J. F. (2017). A simple index of innovation with complexity. Journal of Informetrics, 11, 1-17. https://doi.org/10.1016/j.joi.2016.10.009

Forero-Pineda, C. (2006). The impact of stronger intellectual property rights on science and technology in developing countries. Research Policy, 35, 808-824. https://doi.org/10.1016/j.respol.2006.04.003

Hudson, J.; Minea, A.; (2013). Innovation, Intellectual Property Rights, and Economic Development: A Unified Empirical Investigation. World Development, 46, 66-78. https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2013.01.023

Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). (2009). Relatório de Gestão de 2009. Rio de Janeiro: Inpi/MDIC. .

Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). (2016). Boletim Mensal de Propriedade Industrial: Ranking dos Depositantes Residentes 2015 (Estatísticas Preliminares). Rio de Janeiro v.1, n. especial, p. 1-17, maio. http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/boletim-mensal>).

Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). (2017). Boletim Mensal de Propriedade Industrial: Estatísticas Preliminares. Rio de Janeiro v. 2, n. 2, pp. 119. http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/arquivos/publicacoes/boletim_fev2017.pdf>.

International Chamber of Commerce. (2016). The Economic Impacts of Counterfeiting and Piracy (report prepared for BASCAP and INTA). ICC. https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2017/02/ICC-BASCAP-Frontierreport-2016.pdf> .

Jandhyala, S. (2015). International and domestic dynamics of intellectual property protection. Journal of World Business, 50(2), 284-293. https://doi.org/10.1016/j.jwb.2014.10.005

Jungmann, D.; Bonetti E. (2010). A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual: Guia para o empresário. Brasília: IEL.

Matias-Pereira, J. (2011). A gestão do sistema de proteção à propriedade intelectual no Brasil é consistente? Independent Journal of Management & Production, 2(2), 44-74. http://dx.doi.org/10.14807/ijmp.v2i2.24

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). (2016). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2019. Brasília: MCTI. http://www.mcti.gov.br/documents/10179/1712401/Estrat%C3%A9gia+Nacional+de+Ci%C3%AAncia%2C%20Tecnologia+e+Inova%C3%A7%C3%A3o+20162019/0cfb61e1-1b84-4323-b136-8c3a5f2a4bb7.

Nd. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.973.htm .

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2014). Going for Growth.Country Note on Brazil. Organisation for Economic Co-operation and Development: Paris.

Papageorgiadis, N.; Alexiou, C.; Nellis, J. (2016). International licensing revisited: the role of copyright and trademark enforcement strength. European Journal of Innovation Management, 19(2), 261-275. https://doi.org/10.1108/EJIM-03-20150014

Russo, S. L. et al. (2017). Propriedade Intelectual, Tecnologias e Empreendedorismo. Aracaju: Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual.

Santos, M. E. R. et al. (2009). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi. p. 21-37.

Stal, E.; Fujino, A. (2016). The evolution of universities’ relations with the business sector in Brazil: What national publications between 1980 and 2012 reveal. Revista de Administração, 51(1), 72-86. http://dx.doi.org/10.5700/rausp1224

Tanaka, H.; Iwaisako, T. (2014). Intellectual property rights and foreign direct investment: A welfare analysis. European Economic Review, 67, 107-124. https://doi.org/10.1016/j.euroecorev.2014.01.013

Thursby, J.; Thursby, M. (2011). Has the Bayh-Dole act compromised basic research? Research Policy, 40(8), 1077-1083. https://doi.org/10.1016/j.respol.2011.05.009

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. (2015). UNESCO Science Report: Towards 2030. Unesco. http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002354/235406e.pdf.

United States Patent and Trademark Office. (2015).
Alcácer, J.; Beukel, K.; Cassiman, B. (2017). Capturing Value from Intellectual Property (IP) in a Global Environment. In Geography, Location, and Strategy. pp. 163-228. Emerald Publishing Limited.