Análise Organizacional sob a Ótica da Teoria da Complexidade: Proposição e Aplicação de um Modelo Outros Idiomas

ID:
49968
Resumo:
O objetivo deste artigo foi desenvolver um modelo de gestão organizacional sob a ótica da teoria da complexidade que permitisse verificar a existência de uma administração complexa. Tal desenvolvimento exigiu o exame da teoria da complexidade e a criação de construtos que permitam identificar tais características em uma empresa. O estudo procedeu à aplicação do modelo criado em uma realidade organizacional objetivando verificar se a mesma apresentava características dessa teoria. A metodologia utilizada foi de natureza qualitativa, do tipo exploratória e descritiva, e o método, o estudo de caso. A unidade de análise foi a Empresa Beta (nome fictício) e a unidade de observação foi constituída por 28 funcionários ocupantes de cargos de liderança. A coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas e semidiretivas e a técnica de análise foi a análise de conteúdo. O método permitiu concluir que, com base na percepção dos funcionários entrevistados, existem características de uma administração complexa na organização. Assim, o empenho colocado neste artigo visa contribuir para preencher a lacuna explicitada pela empiria, que carece de um novo modelo de gestão estribado nos requisitos do nascente paradigma da complexidade.
Citação ABNT:
RAMALHO, W.; LOCATELLI, R. L.; SILVA, S. C. D. Análise Organizacional sob a Ótica da Teoria da Complexidade: Proposição e Aplicação de um Modelo. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 2, p. 200-223, 2018.
Citação APA:
Ramalho, W., Locatelli, R. L., & Silva, S. C. D. (2018). Análise Organizacional sob a Ótica da Teoria da Complexidade: Proposição e Aplicação de um Modelo. Revista Gestão & Tecnologia, 18(2), 200-223.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i2.1391
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49968/analise-organizacional-sob-a-otica-da-teoria-da-complexidade--proposicao-e-aplicacao-de-um-modelo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agostinho, M. C. E. (2001). A organização emergente: gerenciando o processo de auto-organização. (Tese de Doutorado em Engenharia. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). http://www.sage.coppe.ufrj.br/index.php/publicacoes/teses/2001-1/37-marsia-cristina-estevesagostinho-marco2001/file.

Agostinho, M. C. E. (2003). Administração complexa: revendo as bases científicas da administração. RAE-eletrônica, 2(1), 1-18.

Andrade, R. O. B.; Amboni, N. (2011). Teoria geral da administração. 2a ed.. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Basharat, Z. M. M.; Bashir, Z. (2012). Review of classical management theories. International Journal of Social Sciences and Education, 2(1), 512-522.

Bauer, R. (1999). Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas.

Bertalanffy, L. V. (1973). Teoria geral dos sistemas. Petrópolis: Editora Vozes.

Capra, F.; Luisi, P. L. (2014). A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. São Paulo: Cultrix.

Demo, P. (2002). Complexidade e aprendizagem: a dinâmica não linear do conhecimento. São Paulo: Atlas.

Ferreira, D. N. A.; Prando, A. A. F. (2016). Diagnosticando a disfunção burocrática do papelório: o desafio da eficiência na gestão pública (o caso de uma autarquia federal). Desafio Online, 4(3), 1-24. http://www.desafioonline.com.br/publicações.

Ferreira, F. E. (2014). Sistemas adaptativos complexos: um estudo de caso sobre a Valve Corporation. XIII SBGames, Porto Alegre, RS, Brasil.

Folloni, A. (2016). Introdução à teoria da complexidade. Curitiba: Juruá.

Freitas, H.; Janissek, R. (2000). Análise léxica e análise de conteúdo: técnicas complementares, sequenciais e recorrentes para exploração de dados qualitativos. Porto Alegre: Sagra Luzzatto.

Gouveia, T. A.; Conti, C. R. (2015). Um comparativo entre o positivismo e complexidade como epistemologias na teoria dos custos das transações e na teoria de imersão de redes. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(1), 35-50.

Haguette, T. M. F. (1992). Metodologias qualitativas na Sociologia. 3a ed. Petrópolis: Vozes.

Heylighen, F. (2008). Complexity and self-organization. In: Bates, M. J.; Maack, M. N. (Eds.). Encyclopedia of Library and Information Sciences, 1-20. http://pespmc1.vub.ac.be/Papers/ELIS-complexity.pdf

Kalimullah, N. A.; Alam, K. M. A.; Nour, M. M. A. (2015). Emergence and principles of post-bureaucracy: a review. Bangladesh University of Professionals (BUP) Journal, 1(3), 1-71.

Koumparoulis, D. N.; Vlachopoulioti, A. (2012). The evolution of scientific management. Journal SAVAP Academic Research Internationl, 3(2), 420-126.

Kuhn, T. S. (2005). A estrutura das revoluções científicas. 9a ed. São Paulo: Perspectiva.

Mattos, P. L. C. L. (2010). Análise de entrevistas não estruturadas: da formalização à pragmática da linguagem. In C. K. Godoi, R. B. Mello.; A. B. Silva. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2a ed. pp. 347-373. São Paulo: Saraiva.

Morgan, G. (2009). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Morin, E. (1977). O método I: a natureza da natureza. 2a ed. Rio Janeiro: Europa América.

Morin, E. (1992). From the concept of system to the paradigm of complexity. Journal of Social and Evolutionary Systems, 15(4), 371-385.

Morin, E. (2004). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 9a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2005). Ciência com consciência. 8a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E. (2014). Complex thinking for a complex world – about reductionism, disjunction and systemism. Journal Systema: Connecting Matter, Life, Culture and Technology, 2(1), 14-22.

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. 5a ed. Porto Alegre: Sulinas.

Morin, E.; Le Moigne, J. L. (2007). Inteligência da complexidade: epistemologia e pragmática. Lisboa: Instituto Piaget.

Moura, G. D.; Beck, F.; Klann, R. C.; Bezerra, F. A. (2014). Principais alterações internas em uma empresa de capital aberto: um estudo do impacto da convergência contábil sob a ótica contingencial. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(1), 18-34.

Nishiyama, M. A.; Bento, V. F.; Rech, S.; Neto, L. M. (2014). Complexidade e gestão: uma análise de caso da duplicação da rua Deputado Antônio Edu Vieira – Pantanal, à luz da complexidade. XIV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU, Florianópolis, SC, Brasil.

Oliveira, W. F. M.; Aouar, W. A.; Barreto, L. K. S.; Santos, O. S.; Oliveira, H. C. (2015). Da teoria clássica à contingencial: contribuições à competitividade das organizações. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 7(2), 43-58.

Onday, O. (2016). Classical organization theory: from generic management of Socrates to bureaucracy of Weber. International Journal of Business and Management Review, 4(1), 87-105.

Onday, O. (2016). Human resource theory: from hawthorne experiments of mayo to groupthink of janis. Global Journal of Human Resource Management, 4(1), 95-110.

Parente, P. H. N.; Luca, M. M. M.; Vasconcelos, A. C. (2015). Teoria contingencial e intangibilidade: um estudo nas empresas listadas na BM&Bovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(3), 21-40.

Petraglia, I. C. (2003). Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. 8a ed. Petrópolis: Vozes.

Pimenta, A. C. (2013). Resenha: introdução ao pensamento complexo de Edgar Morin. Revista Científica da FHO|Uniararas, 1(2), 33-37.

Ramalho, W. (2004). A dialética materialista. (Tópicos Especiais em Filosofia das Ciências Humanas – Formas de Racionalidade e Estratégias das Ciências Humanas do Século XX). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. Brasil.

Santos, L. M. L.; Pelosi, E. M.; Oliveira, B. C. S. C. M. (2012). Teoria da complexidade e as múltiplas abordagens para compreender a realidade social. Serviço Social em Revista, 14(2), 47-72.

Silva, A. H.; Fossá, M. I. T. (2013). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Brasília, DF, Brasil.

Silva, M. E.; Pedrozo, E. A. (2016). Consumo sustentável: um olhar a partir da teoria da complexidade. Revista Gestão.Org, 14(Edição Especial), 1-15.

Silva, R. A.; Freitas, L. S.; Cândido, G. A. (2014). Sistemas adaptativos complexos: estudo de caso em uma agência bancária. Revista Administração em Dialógico, 16(2), 1-27.

Taylor, F. W. (1995). Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas.

Tôrres, J. J. M. (2005). Teoria da complexidade: uma nova visão de mundo para a estratégia. I Encontro Brasileiro de Estudos da Complexidade – I EBEC. Curitiba, PR, Brasil.

Turan, H. (2015). Taylor's 'Scientific management principles': contemporary issues in personnel selection period. Journal of Economics, Business and Management, 3(11), 1102-1105.

Vieira, E. J.; Martins, H. C.; Gonçalves, C. A. (2014). Teoria da complexidade: um estudo em organizações em diversas perspectivas. Revista Economia e Gestão, 14(34), 85-112.

Wittmann, M. L. (2008). Administração: teoria sistêmica e complexidade. Santa Maria: Editora da UFSM.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2a ed. Porto Alegre: Bookman.