Determinantes da Não Utilização de Frameworks de Gestão e/ou Governança de TI Outros Idiomas

ID:
49971
Resumo:
A dependência da Tecnologia da Informação (TI) faz com que este departamento se torne estratégico. Frameworks internacionalmente aceitos, de gestão e/ou governança de TI, são indicativos para o estabelecimento da boa governança de TI. Entretanto, a real utilização destas ferramentas é, ainda, pouco difundida, fazendo com que as empresas percam competitividade. O presente estudo avaliou a utilização de frameworks de gestão e/ou governança de TI, internacionalmente reconhecidos, em empresas do nordeste Brasileiro, identificando os motivos pelos quais estes frameworks não são utilizados. A pesquisa foi realizada em duas etapas, a primeira utilizando um questionário direcionado e a segunda a partir de entrevistas semiestruturadas. Os resultados apontam que o distanciamento entre a direção e a TI, a cultura organizacional, a baixa qualificação dos profissionais de TI e a falta de qualificação da direção da empresa em relação aos frameworks, são fatores da não utilização.
Citação ABNT:
SILVA, H. C. C.; ARAÚJO, M. A. V.; DORNELAS, J. S. Determinantes da Não Utilização de Frameworks de Gestão e/ou Governança de TI. Revista Gestão & Tecnologia, v. 18, n. 2, p. 271-296, 2018.
Citação APA:
Silva, H. C. C., Araújo, M. A. V., & Dornelas, J. S. (2018). Determinantes da Não Utilização de Frameworks de Gestão e/ou Governança de TI. Revista Gestão & Tecnologia, 18(2), 271-296.
DOI:
10.20397/2177-6652/2018.v18i2.1161
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/49971/determinantes-da-nao-utilizacao-de-frameworks-de-gestao-e-ou-governanca-de-ti/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Cater-Steel, A.; Tan, W. G.; Toleman, M. (2006). Challenge of adopting multiple process improvement frameworks. In Proceedings of 14th European conference on information systems (ECIS 2006). pp. 1375-1386. European Conference on Information Systems.

Weill, P.; Ross, J. (2005). A matrixed approach to designing IT governance. MIT Sloan Management Review, 46(2), 26.

Weiss, M. C.; Bernardes, R. C. (2014). As práticas de governança e gerenciamento de serviços de TI como vetor para a melhoria do desempenho empresarial: Estudo de caso em uma empresa atacadista. Gestão & Planejamento - G&P, 15(1).

Alcantara, R. M. P. D. (2007). Raciocínio qualitativo no gerenciamento de serviços de tecnologia da informação. Mestrado. Brasília. UnB.

Bianchi, I. S. (2015). Frameworks e Práticas de Governança de TI Para Universidades: Oportunidades de Pesquisa Baseadas em uma Revisão Sistemática da Literatura. In: 12th CONTECSI International Conference on Information Systems and Technology Management (São Paulo).

Broussard, F. W.; Tero, V. (2007). Configuration and change management for IT compliance and risk management: The tripwire approach. White Paper. IDC.

Cappelle, M. C. A.; Melo, M. C. D. O. L.; Gonçalves, C. A. (2011). Análise de conteúdo e análise de discurso nas ciências sociais. Organizações rurais & agroindustriais, 5(1).

Creamer, G.; Freund, Y. (2010). Learning a board Balanced Scorecard to improve corporate performance. Decision Support Systems, 49(4), 365-385.

da Silva, L. S.; Lima, R. S.; Pires, T. C. F. R. (2008). Gestão de Service Desk baseado no modelo ITIL: proposta de implementação no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região. In Congresso Brasileiro de TI & Telecom (INFOBRASIL), Fortaleza.

Gil, A. C. (2010). Amostragem na pesquisa social. Gil AC, organizador. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a ed. São Paulo: Atlas, pp.90-109.

Iden, J.; Eikebrokk, T. R. (2013). Implementing IT Service Management: A systematic literature review. International Journal of Information Management, 33(3), 512-523.

ITGI (2003). Board briefing on IT governance. 2a ed. IT Governance Institute.

ITGI (2007). CobiT – Control Objectives for Information and related Technology. 4a ed. Rolling Meadows: ISACA. http://www.isaca.org/Knowledge-Center/cobit/Documents/CobiT_4.1.pdf

ITGI (2012). CobiT 5 – Modelo Corporativo para Governança e Gestão de TI da Organização. ISACA. http://www.isaca.org/cobit/Pages/CobitFramework.aspx.

Kaur, R.; Sengupta, J. (2013). Software process models and analysis on failure of software development projects. arXiv preprint arXiv:1306.1068.

Laurindo, F. J. B. (2008). Tecnologia da informação: planejamento e gestão de estratégias. Atlas.

Lunardi, G. L.; Becker, J. L.; Maçada, A. C. G. (2010). Governança de TI e suas Implicações para a Gestão da TI: Um Estudo Acerca da Percepção dos Executivos. XXXIV Encontro da ANPAD–EnANPAD. Rio de Janeiro, 6.

Lunardi, G. L.; Becker, J. L.; Maçada, A. C. G.; Dolci, P. C. (2014). The impact of adopting IT governance on financial performance: An empirical analysis among Brazilian firms. International Journal of Accounting Information Systems, 15(1), 66-81.

Lunardi, G.; Dolci, P.; Maçada, A. C.; Becker, J. L. (2014). Análise dos mecanismos de governança de TI mais difundidos entre as empresas brasileiras. Revista Alcance, 21(1).

Lyra, M. R. (2013). A contribuição da Arquitetura da Informação para o Gerenciamento de Serviços de TI. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, UnB, Brasília, DF, Brasil.

Magalhães, I. L.; Pinheiro, W. B. (2007). Gerenciamento de serviços de TI na prática: uma abordagem com base na ITIL: inclui ISO/IEC 20.000 e IT Flex. Novatec Editora.

Manzini, E. J. (1990). A entrevista na pesquisa social. Didática, 26, 149-158.

Ngulube, P.; Mathipa, E. R.; Gumbo, M. T. (2015). Theoretical and conceptual frameworks in the social and management sciences. Addressing research challenges: making headway for developing researchers, 43-66.

OGC (2007). The Official Introduction to the ITIL Service Lifecycle (ITIL). UK: The Stationery Office.

Orr, A. T.; Britain, G. (2011). Introduction to the ITIL Service Lifecycle. The Stationery Office.

Pauli, S.; Barreto, L. F. B. P. M. (2011). Alinhamento Estratégico entre Negócios e TI: Uma Análise da Percepção de Atuais e Futuros Administradores de Empresas. EnANPAD, 35º. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD.

Pereira, R. F. D. S.; Silva, M. M. D. (2010). A maturity model for implementing ITIL v3. In Proceedings of the 2010 6th World Congress on Services. pp. 399-406. IEEE Computer Society.

Salles, A. C.; Alves, A. P. F.; Dolci, D. B.; Lunardi, G. L. (2013). Adoção de práticas de TI verde nas organizações: Um estudo baseado em mini casos. Anais. Bento Gonçalves, EnADI, v. 2013.

Talea, A.; El Guemmat, K.; Talea, M.; Tragha, A. (2015). Towards A New System of Selecting Information Systems Frameworks. International Journal, 5(12).

Tarantino, A. (2008). Governance, risk, and compliance handbook: technology, finance, environmental, and international guidance and best practices. John Wiley & Sons.

THE STANDISH GROUP. (2014). CHAOS Summary 2014. The Standish Group International, Boston.

Weill, P.; Ross, J. W. (2006). Governança de TI, tecnologia da informação. São Paulo: M. Books do Brasil.

Zaitar, Y.; Ouzarf, M. (2012). ERP Projects: Key success factors and risk of failure a proposed model of governance of enterprise resource planning. International Journal of Computer Applications, 46(8), 34-39.