Relacionamento entre Capacidade Absortiva e Orientação Empreendedora: Um Estudo nos Hotéis de Florianópolis (SC) Outros Idiomas

ID:
50015
Resumo:
Este estudo teve por objetivo analisar o relacionamento entre a capacidade absortiva (ACAP) e orientação empreendedora (OE) em hotéis de Florianópolis/SC. O estudo testou a hipótese de que a Capacidade Absortiva influencia a Orientação Empreendedora. Para isso foi realizado um estudo quantitativo, de caráter descritivo, utilizando-se o método levantamento ou survey. A população alvo foi composta de hotéis situados na cidade de Florianópolis (SC). A coleta de dados foi realizada por meio de questionários com escalas tipo Likert, aplicados junto a 88 gestores dos hotéis. A análise e o teste de hipótese foram realizados por meio de modelagem de equações estruturais. Como resultado encontrado foi possível confirmar que a capacidade absortiva influencia positivamente na orientação empreendedora, sendo que no modelo testado o coeficiente de determinação encontrado foi de 52%. Isto mostra que hotéis que tenham maior capacidade de absorver conhecimentos externos apresentam maior nível de práticas empreendedoras.
Citação ABNT:
SBISSA, A. P.; ROSSETTO, C. R.; CARVALHO, C. E.; ZONATTO, P. A. F. Relacionamento entre Capacidade Absortiva e Orientação Empreendedora: Um Estudo nos Hotéis de Florianópolis (SC). Turismo: Visão e Ação, v. 20, n. 2, p. 311-323, 2018.
Citação APA:
Sbissa, A. P., Rossetto, C. R., Carvalho, C. E., & Zonatto, P. A. F. (2018). Relacionamento entre Capacidade Absortiva e Orientação Empreendedora: Um Estudo nos Hotéis de Florianópolis (SC). Turismo: Visão e Ação, 20(2), 311-323.
DOI:
10.14210/rtva.v20n2.p311- 323
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50015/relacionamento-entre-capacidade-absortiva-e-orientacao-empreendedora--um-estudo-nos-hoteis-de-florianopolis--sc-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Carvalho, C. E., & Rossetto, C. R. (2015).Capacidades Organizacionais e seu Efeito na Orientação Empreendedora: um estudo através da Modelagem de Equações Estruturais. Belo Horizonte: XXXIX Encontro da Anpad.

Cohen, W., & Levinthal. D. (1989). Innovation and Learning: The Two Faces of R&D. The Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569-596.

Cohen, W., & Levinthal. D. (1990). Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation. Administrative Science Quarterly, v.35, n. 1, p. 128-152.

Covin, J. G., Green, K. M., & Slevin, D. P. (2006). Strategic process effects on the entrepreneurial orientation–sales growth rate relationship. Entrepreneurship theory and practice, v. 30, n. 1, p. 57-81.

Covin, J. G., & Slevin, D. P. (1989). Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, v. 10, n. 1, p. 75-87.

Dai Prá Martens, C., Doro, A. C., K., Martens, M. L. & Da Silva, D. (2015). Relação entre Orientação Empreendedora e Maturidade na Gestão de Projetos em Empresas Brasileiras de Software. Revista IberoAmericana de Estratégia (RIAE), v. 14, n. 3.

Dutse, A. Y. (2013). Linking absorptive capacity with innovative capabilities: A survey of manufacturing firms in Nigeria. 2. ed. [s. L.]: International Journal Of Technology Management & Sustainable Development, 183 p. 12 v.

Engelen, A. Kube, H., Schmidt, S., & Flatten, T. C. (2014). Entrepreneurial orientation in turbulent environments: The moderating role of absorptive capacity. Research Policy, v. 43, n. 8, p. 1353-1369.

Flatten, T. C., Engelen, A., Zahra, S. A & Brettel, M. A. (2011). measure of absorptive capacity: Scale development and validation. European Management Journal, v. 29, n. 2, p. 98-116.

Flatten, T., Greve, I. & Brettel, M. (2011). Absorptive Capacity and Firm Performance in SME’s: The Mediating Influence of Strategic Alliances. European Management Review, v. 8, n. 3, p. 137-152.

Garzón-Castrillón, M. A. (2016). Capacidad dinámica de absorción. Estudio de caso. Orinoquia, v. 20, n. 1, p. 97-118.

Hair, Jr, J.F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tathan, R. L. (2009). Análise Multivariada de dados. 5. ed., Porto Alegre: Bookman, 2009.

Lane, P.J., Koka, B. & Pathak, S. (2006). The Reification of Absorptive Capacity; A Critical Review and Rejuvenation of the Construct. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 833-863.

Lumpkin, G. T. & Dess, G. G. (1996). Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of management Review, v. 21, n. 1, p. 135-172.

Manthey, N.B. (2016). O Impacto das Capacidades de Absorção e de Inovação no Desempenho da Inovação de Produto. Dissertação (Mestrado) Curso de Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Miller, D. (1983). The correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management science, v. 29, n. 7, p. 770-791.

Patel, P. C., Kohtamäki, M., Parida, V. & Wincent, J. (2015). Entrepreneurial orientation‐as‐ experimentation and firm performance: The enabling role of absorptive capacity. Strategic Management Journal, v. 36, n. 11, p. 1739-1749.

Rauch, A., Wiklund, J., Lumpkin, G. T. & Frese, M. (2009). Entrepreneurial orientation and business performance: An assessment of past research and suggestions for the future. Entrepreneurship theory and practice, v. 33, n. 3, p. 761-787.

Rossetto, C. R. et al. (2016). Relacionamento entre orientação empreendedora e capacidade absortiva: um estudo com agências bancárias brasileiras. Costa do Sauípe: XL Encontro da Anpad.

Sciascia, S., D’oria, L., Bruni, M. & Larrañeta, B. (2014). Entrepreneurial Orientation in low-and medium-tech industries: The need for Absorptive Capacity to increase performance. European Management Journal, v. 32, n. 5, p. 761-769.

Sorescu, A. B., Chandy, R. K., Prabhu, J. C. (2003). Sources and financial consequences of radical innovation: Insights from pharmaceuticals. Journal of marketing, v. 67, n. 4, p. 82-102.

Tenconi, C. D. (2015). Desenvolvimento de uma Escala para mensurar a capacidade de absorção em pequenas empresas. Dissertação (Mestrado) Curso de Administração, Universidade Estadual de Santa Catarina, Florianópolis.

Tian, Amy W.; Soo, C. (2014). Absorptive Capacity and Creative Performance at the Individual Level.

Todorova, G. & Durisin, B. (2007). Absorptive capacity: Valuing a reconceptualization. Academy of management review, v. 32, n. 3, p. 774-786.

TONIAL, G. (2015). ORIENTAÇÃO EMPREENDEDORA INTERNACIONAL NA INDÚSTRIA VINÍCOLA DO SUL DO BRASIL. 2014. 219 f. Dissertação (Mestrado) Curso de Administração, Universidade do Vale do Itajai, Biguaçu.

Valentim, L; Lisboa, J; Franco, M. (2015). Knowledge management practices and absorptive capacity in small and medium-sized enterprises: is there really a linkage?. [s. L.]: R& D Management.

Venkatraman, N. (1989). Strategic orientation of business enterprises: The construct, dimensionality, and measurement. Management Science, v. 35, n. 8, p. 942-962.

Zahra, S. A., Filatotchev, I. & Wright, M. (2009). How do threshold firms sustain corporate entrepreneurship? The role of boards and absorptive capacity. Journal of business venturing, v. 24, n. 3, p. 248-260.

Zahra, S. & George, G. (2002). Absorptive Capacity: A Review, Reconceptualization and Extension. Academy of Management Review, v. 27, n. 2, p. 185-203.