Práticas de Gerenciamento de Riscos Corporativos: Um Estudo de Caso em uma Indústria Multinacional de Autopeças Outros Idiomas

ID:
50028
Resumo:
Este trabalho teve como objetivo a proposta de uma estrutura de Gerenciamento de Riscos Corporativos (GR) a partir de um Estudo de Caso em uma indústria multinacional de autopeças de capital aberto. O GR é fundamental neste ambiente em que as organizações buscam aumentar a vantagem competitiva em suas operações e maximizar o valor dos seus empreendimentos aos seus acionistas e atender as demais partes interessadas. Além disso, esta prática vem sendo demandada por órgãos reguladores do mercado que buscam a aplicação da boa Governança Corporativa e proteger os investidores. Apesar desta reconhecida importância, ainda não há uma estrutura consensual para gerenciamento integrado de riscos das organizações. Outro fator que aumenta a complexidade envolvendo o GR, é que há no mercado inúmeras ferramentas que demandam investimentos significativos em tecnologia e a disponibilização de pessoas para realização exclusiva desta atividade. Por outro lado, as organizações são desafiadas a terem estruturas cada vez mais enxutas para manterem sua vantagem competitiva. Dentro deste contexto, a problemática de pesquisa foi: Qual a estrutura integrada para o GR, que não demande investimentos significativos em recursos humanos e tecnológicos, para organizações que possuam uma estrutura desenvolvida de Governança Corporativa? Os objetivos específicos foram: 1) Identificar melhores práticas para GR; 2) Confrontar as práticas de GR da empresa pesquisada com a literatura estudada que envolve boas práticas de gestão e normas regulamentadoras. Para atendimento a estes objetivos, este estudo adotou uma abordagem qualitativa e as técnicas do estudo de caso e pesquisa descritiva documental. Por meio do diagnóstico organizacional, foi possível identificar as práticas utilizadas para GR e confrontá-las com as práticas demonstradas pela literatura pesquisada. Como resultado, o objetivo do trabalho foi atendido com: a identificação das práticas de GR da empresa estudada; a proposta de estrutura que pode ser adotada por organizações que possuam estrutura de Governança Corporativa desenvolvida sem que haja a necessidade de investimentos significativos em recursos tecnológicos e humanos; e a comparação da estrutura proposta versus a teoria e as práticas da empresa pesquisada. Esta estrutura demanda a formalização e execução de um processo sistematizado para Identificação, Avaliação, Priorização e Comunicação dos riscos, o qual define os papéis e responsabilidades e requere o envolvimento e comprometimento de todos os níveis organizacionais. Devido à importância desta prática de gestão e escassez de pesquisas acadêmicas neste tema, sugerem-se novas pesquisas, sugerese a análise dos resultados obtidos na implantação de uma estrutura genérica de GR.
Citação ABNT:
PRADO, E. V.; PADOVEZE, C. L.; PEREIRA, C. A.; CALIL, J. F.; BERTASSI, A. L.; NAZARETH, L. G. C. Práticas de Gerenciamento de Riscos Corporativos: Um Estudo de Caso em uma Indústria Multinacional de Autopeças . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 8, n. 1, p. 45-68, 2018.
Citação APA:
Prado, E. V., Padoveze, C. L., Pereira, C. A., Calil, J. F., Bertassi, A. L., & Nazareth, L. G. C. (2018). Práticas de Gerenciamento de Riscos Corporativos: Um Estudo de Caso em uma Indústria Multinacional de Autopeças . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 8(1), 45-68.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50028/praticas-de-gerenciamento-de-riscos-corporativos--um-estudo-de-caso-em-uma-industria-multinacional-de-autopecas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: Fundamentos, Desenvolvimento e Tendências. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ARAÚJO. I. P. S; ARRUDA. D. G. Fundamentos de Auditoria. São Paulo: Saraiva. 2012.

BARROS, A. J. N. O processo de Gestão de Riscos nas Organizações. 2012. 222 f. Dissertação (Mestrado em Auditoria) - Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto, Portugal. 2012. .

BEN-AMAR, V.; BOUJENOUI, A.; ZEGHAL, D. The Relationship between Corporate Strategy and Enterprise Risk Management: Evidence from Canada. Journal of Management and Strategy, v. 5, n. 1, 2014. .

BERNSTEIN, P. L. Desafio aos Deuses: A Fascinante história do risco. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

BM&F BOVESPA. Formulários de referência de empresas de capital aberto. . Acesso em: 01 jun.2014.

BURLÁ, L. A. A; GONÇALVES, E. D. L. Gestão de risco e os impactos da instrução normativa CVM nº 550 - análise empírica. Revista Contabilidade e Finanças, Universidade de São Paulo (USP), V. 21, n. 53, MaiAgo-2010, São Paulo. . Acesso em: 15 nov. 2013.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. DA. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

COSO-Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Gerenciamento de Riscos Corporativos - Estrutura Integrada, 2007, United States. . Acesso em: 09 set. 2015.

DANI, S; GHADGE, A. KALAWSKY, R. Supply chain risk management: present and future scope. The International Journal of Logistics Management, v. 23, n. 3, pp. 313-339, 2012. . Acesso em: 05 dez. 2012.

DING, R.; DEKKER, H. C.; GROOT, T. Risk, partner selection and contractual control in interfirm relationships. Management Accounting Research, v. 24, pp. 140-155, 2013. .

EITEMAN, D. K.; STONEHILL, A. I. MOFFETT, M. H. Administração Financeira Internacional. 12. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

FERTIS, A.; BAES, M; LUTHI, H. J. Robust risk management. European Journal of Operational Research, n. 222, pp. 663-672, 2012. .

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35 n. 2, 57-63, 1995. .

GUIMARAES, I. C.; PARISI, C.; PEREIRA, A. C., WEFFORT, E. F. J. A importância da Controladoria na Gestão de Riscos das Empresas não Financeiras: um estudo da percepção de gestores de riscos e Controllers. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, v. 11, n. 32, p. 260-275, 2009. .

HOYT, R. E.; LIEBENBERG, A. P. The Value of Enterprise Risk Management. The Journal of Risk and Insurance, v. 78, n. 4, 795-822, 2011. .

HUBER, C.; SCHEYTT, T. The dispositif of risk management: Reconstructing risk management after the financial crisis. Management Accounting Research v. 24, n. 1, pp 88-99, 2013. .

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS (IFAC). Global Survey on Risk Management and Internal Control. Fevereiro, 2011. . Acesso em: 21 out.2012.

JORDAN, S.; JORGENSEN, L; MITTERHOFER, H. Performing risk and the project: Risk maps as mediating instruments. Management Accounting Research, v. 24, n. 1, p. 156-174, 2013. .

KINCAID, J. K.; SAMPIAS, W. J.; MARCELLA JR, A. J. Certification in Control Self Assessment. Guia de Estudo. Versão 1.0.8. The Institute of Internal Auditors Research Fundation. EUA: Flórida, 2008.

KPMG. Expectations of Risk Management - Outpacing Capabilities -It’s time for action. . Acesso em: 24/10/2013.

LEMEIRA, V. J.; NESS JR, W. L; QUELHAS, O. L. G.; PEREIRA, R. G. Sustentabilidade, Desempenho, Valor e Risco no mercado de capitais brasileiro. Revista Brasileira de Gestão e Negócio, v. 15, n. 1, pp. 76-90, 2013. .

LIRA, A. M.; PARISI, C.; PELEIAS, I. R.; PETERS, M. R. S. Uses of ERP Systems and their influence on Controllership functions in Brazilian Companies. JISTEM - Journal of Information Systems and Technology Management, v. 9, n. 2, pp. 323-352, 2012. .

MANAB, N. A.; GHAZALI, Z. Does Enterprise Risk Management Create Value. Journal of Advanced Management Science, v. 1, n. 4, 2013. .

MICHELIA. P.; MARIB, L. The theory and practice of performance measurement. Management Accounting Research, v. 25, n. 1, pp. 147-156, 2014. .

PADOVEZE, C. L.; BERTOLUCCI, R. G. Gerenciamento de Risco Corporativo em Controladoria. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013

PEREIRA, C. A. Ambiente, Empresa, Gestão e Eficácia. In: CATELLI, A. (Coordenador). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica - GECON. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

SCHMIDT, P.; SANTOS, J. L.; MARTINS, M. A. S. Manual de Controladoria. São Paulo: Atlas, 2014.

THE INSTITUTE OF INTERNAL AUDITORS (IIA). Practice Guide: Coordinating Risk Management and Assurance. 2012. The Institute of Internal Auditors Research Fundation Altamonte Springs, Florida, United States. . Acesso em: 19 out. 2012.

THE INSTITUTE OF INTERNAL AUDITORS (IIA). Special Report: Contemporary Practices in Risk Management. The Institute of Internal Auditors Research Fundation, 2012, Altamonte Springs, Florida, United States. . Acesso em: 19 out. 2012.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.