O Teletrabalho na Percepção dos Teletrabalhadores e seus Gestores: Vantagens e Desvantagens em um Estudo de Caso Outros Idiomas

ID:
50036
Resumo:
Este trabalho aborda um tema proveniente das transformações nos ambientes organizacionais impulsionadas pela globalização e pelo avanço das tecnologias da informação e comunicação, o teletrabalho. O presente estudo busca analisar a implantação do teletrabalho em uma organização com jurisdição estadual de acordo com a percepção dos teletrabalhadores e seus gestores, no que se refere ao perfil dos sujeitos, motivações para ingresso na modalidade e as vantagens e desvantagens na percepção dos teletrabalhadores e seus gestores. Para isso, utilizou-se como procedimentos metodológicos a abordagem qualitativa, a estratégia de estudo de caso e também o estudo longitudinal dividido em duas coletas de dados, realizadas através de questionários contemplando a turma ingressante por meio do edital 2/2016. As informações obtidas derivam de respostas de 34 teletrabalhadores na primeira coleta e 26 na segunda coleta de um universo de 45 participantes. Os principais resultados referem-se ao perfil dos optantes pelo teletrabalho, em sua maioria são mulheres, casadas e com filhos. A principal motivação apontada para a escolha dessa modalidade de trabalho deu-se pela facilidade de conciliar a vida profissional com a vida familiar. O perfil de personalidade apontou como principais características capacidade de conciliar a vida profissional e familiar no mesmo espaço, facilidade de concentração. Em relação as principais vantagens do teletrabalho foram elencadas qualidade de vida em família e maior opção de organizar o tempo livre. Quanto as principais vantagens na percepção dos gestores, aponta-se a maior produtividade e motivação dos teletrabalhadores. A análise dos dados também permitiu concluir que o programa não possui grandes desvantagens na percepção dos sujeitos, sendo citados por uma pequena parcela de teletrabalhadores apenas visão preconceituosa em relação ao teletrabalho e as oportunidades de carreira reduzida, na percepção dos gestores, a falta de legislação específica e vulnerabilidade de dados e recursos.
Citação ABNT:
HAU, F.; TODESCAT, M. O Teletrabalho na Percepção dos Teletrabalhadores e seus Gestores: Vantagens e Desvantagens em um Estudo de Caso . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 8, n. 3, p. 37-52, 2018.
Citação APA:
Hau, F., & Todescat, M. (2018). O Teletrabalho na Percepção dos Teletrabalhadores e seus Gestores: Vantagens e Desvantagens em um Estudo de Caso . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 8(3), 37-52.
DOI:
http://dx.doi.org/10.22279/navus.2018.v8n3.p37-52.601
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50036/o-teletrabalho-na-percepcao-dos-teletrabalhadores-e-seus-gestores--vantagens-e-desvantagens-em-um-estudo-de-caso-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BRASIL. Lei 12.551, de 16 de dezembro de 2011. Altera o art. 6o da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, para equiparar os efeitos jurídicos da subordinação exercida por meios telemáticos e informatizados à exercida por meios pessoais e diretos. [2011]. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2016.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

COSTA, I. S. A. Poder/saber e subjetividade na construção do sentido do teletrabalho.2003. Tese (Doutorado em Administração Pública de Empresas) Fundação Getúlio Vargas (FGV), Rio de Janeiro, 2003.

ESTRADA, Manuel Martin Pino. Teletrabalho& Direito: o trabalho a distância e sua análise jurídica em face aos avanços tecnológicos. Curitiba: Juruá, 2014. 188 p.

GAMARSKI, Rachel. Brasileiros desejam mais flexibilidade no trabalho, diz CNI. 2015.Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2016.

LOJKINE, Jean. A revolução informacional. São Paulo: Editora Cortez, 2002.

MELLO, Alvaro. Teletrabalho (Telework): O Trabalho em Qualquer Lugar e a Qualquer Hora. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

PINEL, Maria de Fátima de Lima. Teletrabalhador. 2012. Disponível em: . Aceso em: 30 maio 2016.

RODRIGUES, Ana Cristina Barcellos. Teletrabalho: a tecnologia transformando as relações de trabalho. 2011. 142 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2011.

SCHMIDT, Marina. Modalidade de home office ganha projeção em empresas dos setores público e privado. 2016. Disponí­vel em: . Acesso em: 25 abr. 2016.

SCHROEDER, Jerusa Betina. Impactos do teletrabalho nas atividades dos docentes do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). 2007. 97 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, 2007.

TOFFLER, Alvin A terceira onda. São Paulo: Record, 2002.

ZUFFO, João Antônio. A Sociedade e a Economia no Novo Milênio: Os empregos e as empresas no turbulento alvorecer do século xxi – Livro I – A tecnologia e a Infossociedade. São Paulo: Ed. Manole, 2004.