Gestão do Conhecimento, Internet das Coisas e Inovação: A Relação dos Temas e a Intensidade de Pesquisas Realizadas Outros Idiomas

ID:
50041
Resumo:
Os esforços de se investigar as relações entre a Gestão do Conhecimento, a Internet das Coisas e a Inovação deriva da importância que cada temática tem separadamente no cenário de constantes mudanças tecnológicas. Identificar a intensidade das possíveis relações entre estes constructos é o objetivo desta pesquisa. Essa identificação foi realizada por meio de uma análise quantitativa das publicações contidas nas bases de dados CAPES. Foi realizada também uma verificação da citação de descritores presentes nos campos título, no resumo ou nas palavras-chave dos artigos; uma análise temporal e a identificação dos principais autores e periódicos que mais tiveram publicações dos temas para alcançar um índice de impacto relevante. A escolha se deu pelos critérios de qualidade e originalidade adotados para inclusão de periódicos nessas bases. Chegou-se a um número considerável de 404.694 pesquisas científicas que apresentaram de maneira separada os temas gestão do conhecimento, internet das coisas e inovação. Porém, apenas 20 estudos os tratam de forma relacional. O resultado aponta a existência de uma lacuna na integração dos temas.
Citação ABNT:
FERREIRA, E. P.; BRANCO JÚNIOR, M. R. F.; LSNARD, P.; FRANÇA, R. S.; AGUIAR FILHO, A. S. Gestão do Conhecimento, Internet das Coisas e Inovação: A Relação dos Temas e a Intensidade de Pesquisas Realizadas . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 8, n. 3, p. 99-112, 2018.
Citação APA:
Ferreira, E. P., Branco Júnior, M. R. F., Lsnard, P., França, R. S., & Aguiar Filho, A. S. (2018). Gestão do Conhecimento, Internet das Coisas e Inovação: A Relação dos Temas e a Intensidade de Pesquisas Realizadas . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 8(3), 99-112.
DOI:
http://dx.doi.org/10.22279/navus.2018.v8n3.p99-112.663
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50041/gestao-do-conhecimento--internet-das-coisas-e-inovacao--a-relacao-dos-temas-e-a-intensidade-de-pesquisas-realizadas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASHTON, K. That ‘Internet of Things’ thing. RFID Journal, June, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10. jun. 2017.

BAGLIERI, E. Dall’idea al valore [From idea to value]. Milano: Etas Libri, 2003.

BARBOSA, Ricardo Rodrigues. Gestão da informação e do conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, Londrina, v. 13, n. 1 esp, p. 1-25, 2008.

BAREGHEH, A.; ROWLEY, J.; SAMBROOK, S. Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, v. 47, n. 8, p. 1323-1339, 2009. http://dx.doi. Org/10.1108/00251740910984578

BERNARDES, R.; ANDREASSI, T. Inovação em serviços intensivos em conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2007.

CASTRO, A. A. et al. Curso de revisão sistemática e metanálise. São Paulo: LED-DIS/UNIFESP: 2006.

CHOO, C. W. A Organização do Conhecimento. São Paulo: SENAC, 2003.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

ERDMANN, A. L.; LANZONI, G. M. M. Características dos grupos de pesquisa de enfermagem brasileira certificados pelo CNPQ de 2005 a 2007. Esc Anna Nery Rev Enferm, v. 12, n. 2, p. 316-322, 2008.

FERRAZ, E. Internet das Coisas. In: MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA, 11., 2016, Bagé, RS. Anais do II CONGREGA DE ÉTICA E INOVAÇÃO SOCIAL. Bagé: UFRGS, 2016. p. 42-49.

FREEMAN, C; SOLET, L. The economics of industrial innovation. Londres: Pinter, 1982.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O.; TREVIZAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 3, p. 549-556, maio/jun. 2004.

GUBBI, J.; BUYYA, R.; MARUSIC, S.; PALANISWAMI, M. Internet of Things: A vision, architectural elements and future directions. Future Generation Computer Systems, Vol. 29, Issue 7, Sept. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

GUEDES, Vânia L.S.; BORSCHIVER, Suzana. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. [2005]. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2018.

LOPES, Daniel Paulino Teixeira et al. Inovação: conceitos, metodologias e aplicabilidade. Articulando um construto à formulação de políticas públicas. Uma reflexão sobre a lei de inovação de Minas Gerais. In. SEMINAR ON THE ECONOMY OF MINAS, 13., 2008, Belo Horizonte. Anais dos 13th Seminar on the Economy. Belo Horizonte: UFMG, 2008. p. 234-250.

MUYLDER, C. F. et al. International Jornal Knowledge. Engineering and Management, Florianópolis, v. 3, n.7, p. 153-170, nov. 2014/fev. 2015.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 19. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

NORD, W.; TUCKER, S. Implementing Routine and Radical Innovations. Lexington: Lexington Books, 1987.

PAIVA, Simone Bastos. Modelo conceitual para o capital intelectual integrado a Gestão do Conhecimento. Informação & Sociedade, v. 22, 2012.

PERISSÉ, A.R.S.; GOMES M.M.; NOGUEIRA S.A. Revisões sistemáticas (inclusive metanálises) e diretrizes clínicas. In: GOMES, M.M. (Org.). Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Rio de Janeiro, RJ: Reichmann & Affonso; 2001. p.131-148.

PERROTTI, E.; VASCONCELLOS, E. P. G. Estrutura Organizacional e Gestão do Conhecimento. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM), v. 4, n. 2, 2005. p. 1-18.

PINHEIRO, A. O. M. Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC), Inovação e serviços intensivos em conhecimento: o que os indicadores retratam e o que poderiam revelar. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

SCHUMPETER, J. A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural 1981. [Coleção Os Economistas].

SILVA, L. N. A quarta onda. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995.

SINGER, Talita. Tudo conectado: conceitos e representações da internet das coisas. Simpósio em tecnologias digitais e sociabilidade, v. 2, p. 1-15, 2012.

SOUZA, T. L. M. et al. Desenvolvimento de competências estratégicas para inovação: evidências a partir do caso do setor automotivo brasileiro. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃOInovação Tecnologia e Propriedade Intelectual: Desafios da Engenharia de Produção na Consolidação do Brasil no Cenário Econômico Mundial. 31, 2011, Belo Horizonte. Anais do XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Belo Horizonte: UFMG, 2011. p. 1-13.

TERRA, J. C. 10 Dimensões da gestão da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

TOFFLER, Alvin. The third wave. New York: Bantam books, 1980.

TSOUKAS, H.; VLADIMIROU, E. What is organizational knowledge? Journal Management Studies, v. 38, n. 7, p. 973-993, 2001.

YAMAKAWA, E. K. et al. Comparativo dos softwares de gerenciamento de referências bibliográficas: Mendeley, EndNote e Zotero. Transinformação, v. 26, n. 2, 2014.