Comprometimento no Trabalho e sua Relação com a Cultura Organizacional Mediada pela Satisfação

ID:
50092
Resumo:
Objetivo – o objetivo deste trabalho é analisar o efeito da mediação da satisfação sobre a relação entre a cultura organizacional e o comprometimento no trabalho. Metodologia – Este trabalho adota uma abordagem quantitativa e descritiva com aplicação de questionário on-line a trabalhadores de um banco público de fomento com atuação no Nordeste do Brasil. O método de análise foi o uso de modelagem de equações estruturais. Resultados – Os principais resultados indicam que a satisfação no trabalho apresenta um papel importante no comprometimento, mediando a influência positiva da cultura organizacional no aumento do comprometimento no trabalho em suas dimensões afetiva, instrumental e normativa para a cultura adhocrática e do comprometimento afetivo para a cultura clã. Indicam também que a satisfação de forma direta é preditora do comprometimento organizacional da mesma forma que quando ela é mediadora entre cultura e comprometimento. Contribuição: Este trabalho contribui para ampliar o conhecimento teórico sobre as relações estabelecidas entre cultura, satisfação e comprometimento. Para a área de gestão de pessoas, esse conhecimento pode favorecer o desempenho organizacional, ao permitir aos gestores atuarem de modo mais preciso sobre cada um desses construtos.
Citação ABNT:
SILVA, L. P.; CASTRO, M. A. R.; SANTOS, M. G. D.; LIMA NETO, P. J. Comprometimento no Trabalho e sua Relação com a Cultura Organizacional Mediada pela Satisfação. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 20, n. 3, p. 401-420, 2018.
Citação APA:
Silva, L. P., Castro, M. A. R., Santos, M. G. D., & Lima Neto, P. J. (2018). Comprometimento no Trabalho e sua Relação com a Cultura Organizacional Mediada pela Satisfação. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(3), 401-420.
DOI:
10.7819/rbgn.v20i3.3947
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50092/comprometimento-no-trabalho-e-sua-relacao-com-a-cultura-organizacional-mediada-pela-satisfacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Allen, N. J.; Meyer, J. P. (1990). The measurement and antecedents of effective, continuance and normative commitment to organization. Journal of occupational Psychology, 63, 1-18.

Alvesson, M. (2007). Understanding Organizational Culture. London: SAGE Publications.

Alvi, H. A, Hanif, M.; Adil, M. S.; Ahmed, R. R.; Vveinhardt, J. (2014). Impact of organizational culture on organizational commitment and job satisfaction. European Journal of Business and Management, 6(27), 30-40.

Andrade, T.; Costa, V. F, Estivavalete, V. F. B.; Lengler, L. (2017). Comportamento de cidadania organizacional: Um olhar à luz dos valores e da satisfação no trabalho. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 19(64), 236-262.

Andrade, T.; Limanas, S.; Estivalete, V. F. B.; Tanscheit, F. (2013). Cultura organizacional e satisfação no trabalho sob a percepção dos colaboradores de uma instituição bancária após o processo de fusão. Revista Administração e Diálogo, 15(2), 52-78.

Bandeira, M. L.; Marques, A. L.; Veiga, R. T. (2000). As dimensões múltiplas do comprometimento organizacional: Um estudo na ECT/MG. Revista de Administração Contemporânea, 4(2), 133-157.

Bastos, A. V. B. (1993). Comprometimento Organizacional: Um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de Empresas, 33(3), 5264.

Bastos, A. V. B. (1994). Comprometimento no trabalho: A estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. (Tese Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Becker, H. S. (1960). Notes on the Concept of Commitment. The American Journal of Sociology, 66(1), 32 - 40.

Bigliardi, B.; Dormio, A. I.; Galati, F.; Schiuma, G. (2012). The impact of organizational culture on the job satisfaction of knowledge workers. VINE, 42(1), 36 - 51.

Braga, G. G. A.; Ferraz, S. F. S.; Lima, T. C. B. (2014). Cultura organizacional em empresas industriais: Um estudo nas maiores empresas de Maracanaú/CE. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 13(2), 250-266.

Budihardjo, A. (2013). The relationship between job satisfaction, affective commitment, organizational learning climate and corporate performance. GSTF Journal on Business Review, 2(4), 58-64.

Cameron, K. S.; Quinn, R. E. (2006). Diagnosing and changing organizational culture - Based on the competing values framework. San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Denison, D. R.; Spreitzer, G. M. (1991). Organizational culture and organizational development: A competing values approach. Research in Organizational Change and Development, 5, 1-21.

Falkenburg, K.; Schyns, B. (2007). Work satisfaction, organizational commitment and withdrawal behaviors. Management Research News, 30(10), 708-723.

Fernandes, R. F.; Lemos, D. C.; Hoffmann, M. G.; Feuerchutte, S. G. (2015). O Estado da Arte na Articulação entre os Temas Cultura Organizacional e Inovação. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 9(4), 54-68.

Fu, F. Q.; Bohlander, W.; Jones, E. (2009). Managig the drivers of organizational commitment and salesperson effort: An application of Meyer and Allen’s three-component Model. Journal of Marketing Theory and Practice, 17(4), 335-350.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

Gull, S.; Azam, F. (2012). Impact of organizational culture type on job satisfaction level of employees in different organizations of Lahore. International Journal of Academic Research in Business and Social Sciences, 2(12), 97-112.

Habib, S.; Aslam, S.; Hussain, A.; Yasmeen, S.; Ibrahim, M. (2014). The impact of organizational culture on job satisfaction, employess commitment and turn over Intention. Advances in Economics and Business, 2(6), 215-222.

Hair, J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hartnell, C. A.; Ou, A. Y.; Kinicki, A. (2011). Organizational culture and organizational effectiveness: A meta-analytic investigation of the competing values framework’s theorical suppositions. Journal of Applied Psychology, 96(4), 677-694.

Hauff, S.; Richter, N. F.; Tressin, T. (2015). Situational job characteristics and job satisfaction: The moderating role of national culture. International Business Review, 24, 710-723.

Imran, H.; Arif, I.; Cheema, S.; Azeem, M. (2014). Relationship between job satisfaction, job performance, attitude towards work, organizational commitment. Entrepreneurship and Innovation Management Journal, 2(2), 135-144.

Jaros, S. (2007). Meyer and Allen Model of organizational commitment: Measurement issues. The ICFAL Jornal of organizational Behavior, 6(4), 7-25.

Leite, N. R. P.; Rodrigues, A. C. A.; Albuquerque, L. G. (2014). Organizational commitment and satisfaction: What are the potential relations? Brazilian Administration Review, 11(4), 476-495.

Lima, C. Q. B.; Barbosa, C. M. G.; Mendes, R. W. B.; Patta, C. A. (2014). Assédio moral e violência no trabalho: Caracterização em perícia judicial - Relato de experiência no setor bancário. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 39(129), 101-110.

Locke, E. A. (1976). The nature and causes of job satisfaction. In M. D. Dunnette (Ed.), Handbook of industrial and organizational psychology (1297-1349). Chicago: Rand McNally.

Maciel, C. O.; Camargo, C. (2011). Comprometimento, satisfação e cooperação no trabalho: Evidências da primazia dos aspectos morais e das normas de reciprocidade sobre o comportamento. Revista de Administração Contemporânea, 15(3), 433-453.

Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais. Pero Pinheiro: Report Number.

Martins, M. C. F.; Santos, G. E. (2006). Adaptação e validação de construto da Escala de Satisfação no Trabalho. Psico-USF, 11(2), 195205.

Medeiros, C. A. F.; Albuquerque, L. G. (2005). Comprometimento organizacional: Um estudo de suas relações com características organizacionais e desempenho nas empresas Hoteleiras. Revista Psicologia Organização e Trabalho, 5(2), 35-64.

Medeiros, C. A. F.; Albuquerque, L. G.; Siqueira, M.; Marques, G. M. (2003). Comprometimento Organizacional: O estado da arte da pesquisa no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 7(4), 198-209.

Medeiros, C. A. F.; Enders, W. T. (1998). Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional (Meyer e Allen, 1991). Revista de Administração Contemporânea, 2(3), 67-87.

Meyer, J. P.; Allen, N. J. (1991). A three component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 1(1), 61-89.

Morgan, G. (1996). Imagens da Organização. São Paulo: Atlas.

Mowday, R. T.; Steers, R. M.; Porter, L. W. (1979). The Measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 14, 224-247.

Oliveira, L. B.; Costa, F. P. C. (2016). Motivação, satisfação e comprometimento: Um estudo sobre o trabalho voluntário em megaeventos esportivos. Revista Economia & Gestão, 16(42), 89-115.

Olsson, U. H.; Foss, T.; Troye, S. V.; Howell, R. D. (2000). The performance of ML, GLS and WLS estimation in structural equation modelling under conditions of misspecification and nonnormality. Structural Equation Modeling, 7(4), 557-595.

Pires, V. M.; Costa, L. V.; Siqueira, M. M. (2015). O impacto do comprometimento afetivo e do engajamento no trabalho sobre os comportamentos de cidadania organizacional. Revista de Administração Contabilidade e Economia da FUNDACE, 6(2),1-1.

Quinn, R. E.; Rohrbaugh, J. (1983). A spatial model of effectiveness criteria: Towards a competing values approach to organizational analysis. Management Science, 29, 363-377.

Rocha, E. S.; Honório, L. C. (2015). Comprometimento com o trabalho: O caso dos chefes de seções de infraestrutura da UFMG. Revista Ciências Administrativas, 21(1), 237-261.

Rodrigues, A. L.; Barrichello, A.; Morin, E. (2016). Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: Um estudo multimétodos. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 192-208.

Roman, S.; Stefano, S. R.; Aandrade, S. M.; Zampier, M. A. (2012). Análise do comprometimento organizacional e sua natureza em relação aos funcionários públicos municipais. Gestão & Regionalidade, 28(84), 5-19.

Rosseel, Y. (2012). Lavaan: A R package for equation Structural Modelling. Journal of Statistical Software, 48(2), 1-36.

Sanchez-Sellero, M. C.; Sánchez-Sellero, P.; Cruz-González, M. M.; Sánchez- Sellero, F. J. R. (2014). Características organizacionales de la satisfacción laboral en España. Revista de Administração de Empresas, 54(5), 537-547.

Santos, J. V.; Sustelo, M. (2009). Cultura organizacional e satisfação profissional: Estudo desenvolvido num hospital privado. Revista Psicologia Organização e Trabalho, 40(4), 467-472.

Schein, E. (2004). Organizational culture and leadership. 3a ed. San Francisco: Jossey-Bass.

Silva, E. C.; Bastos, A. V. B. (2010). A escala de consentimento organizacional: Construção e evidência de validade. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, 10(1), 7-22.

Silva, L. P.; Castro, M. A. R.; Santos, M. G.; dos. (2018). Influência da cultura organizacional mediada pelo assédio moral na satisfação no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, 22(2), 249-270.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no trabalho. In M. M. M. Siqueira (Org), Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. (pp. 265-274). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M.; Gomide, S. G.; Jr. (2004). Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. In J. C. Zannelli, J. E. BorgesAndrade, A. V. B. Bastos. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. p. 300-330. Porto Alegre: Artmed.

Spector, P. E. (1985). Measurement of human service staff satisfaction: Development of the job satisfaction survey. American Journal of Community Psychology, 13(6), 693-713.

Spector, P. E. (2006). Psicologia nas Organizações. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Strese, S.; Adams, D. R.; Flatten, T. C.; Brettel, M. (2016). Coporative culture and absorptive: The moderating role of national culture dimensions on innovation management. International Business Review, 25(5), 1149-1168

Tamayo, A. (2001). Prioridades axiológicas, atividade física e estresse ocupacional. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), 127-147.

Tett, R. P.; Meyer, J. P. (1993). Job satisfaction, organizational commitment, turnover intention, and turnover: Path analuses based on metaanalytic finds. Personnel Psychology, 46, 259-293.

Vieira, V. A. (2009). Moderação, mediação, moderadora-mediadora e efeitos indiretos em modelagem de equações estruturais: Uma aplicação no modelo de desconfirmação de expectativas. Revista de Administração, 44(1), 17-33.

Warr, P. (2007). Work, happiness, and unhappiness. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Wiener, Y. (1982). Commitment in organizations: A normative view. Academy of Management Review, 7(3), 418-428.

Zhang, J.; Zheng, W. (2009). How does satisfaction translate into performance?An examination of commitment and cultural values. Human Resource Development Quarterly, 20(3), 331-351.