Prorrogação da Gratificação Acadêmica e sua Relação com as Estratégias de Autorregulação da Aprendizagem

ID:
50136
Resumo:
CONTEXTO E OBJETIVO: A prorrogação da gratificação acadêmica é uma capacidade de regulação dos indivíduos e constitui um aspecto da autorregulação da aprendizagem, ou seja, do conjunto de pensamentos, sentimentos e ações gerados por alguém para alcançar os objetivos acadêmicos desejados. Este estudo teve como objetivo analisar a prorrogação da gratificação acadêmica, verificando sua relação com as estratégias de autorregulação da aprendizagem. MÉTODO: A pesquisa caracteriza-se como survey, estudo descritivo e quantitativo. A amostra constituiu-se por 133 estudantes do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). RESULTADOS E CONTRIBUIÇÕES: Após a realização de testes de Kruskal-Wallis e correlação de Spearman, verificou-se que estudantes do gênero feminino fizeram maior uso das estratégias de aprendizagem, enquanto estudantes que não desempenham atividades remuneradas de modo simultâneo ao curso apresentaram mais propensão a prorrogar a gratificação acadêmica. Concomitantemente, concluiu-se que a prorrogação da gratificação acadêmica está, de forma geral, positivamente correlacionada com as estratégias de aprendizagem, especificamente às estratégias metacognitivas, cognitivas (de ensaio, elaboração e organização) e à gestão do tempo e do ambiente de estudo. Espera-se, com a realização deste estudo, contribuir para a análise das atitudes autorreguladas desenvolvidas pelos estudantes de Ciências Contábeis e, em última instância, fornecer informações importantes para a melhoria no processo de ensino-aprendizagem.
Citação ABNT:
SANTOS, L. S. Z.; SOUZA, J. R.; CUNHA, J. V. A.; AVELINO, B. C. Prorrogação da Gratificação Acadêmica e sua Relação com as Estratégias de Autorregulação da Aprendizagem . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 12, n. 2, p. 237-259, 2018.
Citação APA:
Santos, L. S. Z., Souza, J. R., Cunha, J. V. A., & Avelino, B. C. (2018). Prorrogação da Gratificação Acadêmica e sua Relação com as Estratégias de Autorregulação da Aprendizagem . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 12(2), 237-259.
DOI:
http://dx.doi.org/10.17524/repec.v12i2.1693
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50136/prorrogacao-da-gratificacao-academica-e-sua-relacao-com-as-estrategias-de-autorregulacao-da-aprendizagem-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aguiar, J. H. S. & da Silva, A. C. R. (2017). Aprendizado autorregulado em contabilidade: uma análise comparativa entre discentes de modalidade presencial e a distância. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(48), pp. 7-23.

Avci, S. (2013). Relations between self regulation, future time perspective and the delay of gratification in university students. Education, 133(4), pp. 525-537.

Azzi, R. G. (2010). Mídias, transformações sociais e contribuições da teoria social cognitiva. Psico, 41(2), pp. 252-258.

Bandura, A. (1986). Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York: Freeman.

Bandura, A. (2009). Social cognitive theory of mass communication. Media Psychology, 3(3), pp. 61-90. doi: 10.1207/S1532785XMEP0303_03

Bembemutty, H. (1999). Sustaining motivation and academic goals: The role of academic delay of gratification. Learning and Individual Differences, 11(3), pp. 233-257. doi: https://doi.org/10.1016/S10416080(99)80002-8

Bembenutty, H. (2007). Self-regulation of learning and academic delay of gratification: Gender and ethnic differences among college students. Journal of Advanced Academics, 18(4), pp. 586-616. doi: https:// doi.org/10.4219/jaa-2007-553

Bembenutty, H. & Karabenick, S. A. (1998). Academic delay of gratification. Learning and Individual Differences, 10(4), pp. 329–346. doi: https://doi.org/10.1016/S1041-6080(99)80126-5

Bembenutty, H. & Karabenick, S. A. (2004). Inherent association between academic delay of gratification, future time perspective, and self-regulated. Learning Educational Psychology Review, 16(1), pp. 35-57.

Beuren, I. M. (2008). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Branco, E. M. da S. C., Peixoto, M. A. P. & Alvim, N. A. T. (2013, nov-dez). Escala do controle da ação para o diagnóstico de desempenho em estudantes de Enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(6), pp. 942-948. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S003471672013000600020

Chen, C. S. (2002). Self-regulated learning strategies and achievement in an introduction to information systems course. Information Technology, Learning and Performance Journal, 20(1), pp. 11-25.

Enumo, S. R. F. & Kerbauy, R. R. (1999). Procrastinação: descrição de comportamento de estudantes e transeuntes de uma capital brasileira. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. 1(2), pp. 125-133.

Ferrari, J. R., Johnson, J. & Mccown, W. (1995). Procrastination and task avoidance: Theory, research and treatment. New York: Plenum Press.

Filcher, C. & Miller, G. (2000). Learning strategies for distance education students. Journal of Agricultural Education, 41(1), pp. 60-68.

Hair Jr., J. F., Black, W. C, Babin, B. J., Anderson, R. E. & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Kohlsdorf, M. & Costa Júnior, Á. L. (2009). O autorrelato na pesquisa em psicologia da saúde: desafios metodológicos. Psicol. Argum., Curitiba, v. 27, n. 57, pp. 131-139.

Kuhl, J. (1985). Volitional mediators of cognition-behavior consistency: Self-regulatory processes and action vs. state orientation. In: Action control: From cognition to behavior, edited by J. Kuhl &J. Beckmann. New York: Springer-Verlag, pp. 101-128. doi: https://doi.org/10.1007/978-3-642-69746-3_6

Lemos, L.S. (2016). Estratégias de aprendizagem de estudantes de pedagogia: relações com características demográficas e autopercepção de desempenho. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Maroco, J. (2010). Análise estatística: com utilização do SPSS. (3 ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

McKeachie, W. J. Pintrich, P. R. Lin, Y. G. & Smith, D. A. F. (1986). Teaching and learning inthe college classroom: a review of the research literature. AnnArbor, MI: University of Michigan. National Cent.er for Research to Improve Postsecondary Teaching and Learning.

Milfont, T. L. & Schwarzenthal, M. (2014). Explaining why larks are future-oriented and owls are present-oriented: Self-control mediates the chronotype-time perspective relationships. Chronobiology International, 31(4), pp. 581–588. doi: 10.3109/07420528.2013.876428.

Mischel, W. (1996). From good intentions to willpower. In: The psychology of action: Linking cognifion and motivation to behavior, edited by I’. M. Gollwitzer & J. A. Bargh. New York: Guilford Press, pp. 197-218.

Mischel, W., Shoda, Y. & Peake, P. K. (1988). The nature of adolescent competencies predicted by preschool delay of gratification. Journal of personality and social psychology, 54(4), p. 687.

Pavesi, M. A. & Alliprandini, P. M. Z. (2016). Análise da aprendizagem autorregulada de alunos de cursos a distância em função das áreas de conhecimento. Educação, Formação & Tecnologias, 9(1), pp. 3-15.

Pintrich, P. R. (1999). Taking control of research on volitional control: Challenges for future theory and research. Learning and Individual Differences, 11(3), pp. 335–354.doi: https://doi.org/10.1016/S10416080(99)80007-7

Pintrich, P. R. & Degroot, E. V. (1990). Motivational and self-regulated learning components of classroom academic performance. Journal of Educational Psychology, 82(1), pp. 33-40. doi: https://doi. org/10.1037//0022-0663.82.1.33

Pintrich, P. R.& Johnson, G. R. (1990). Assessing and improving students’ learning strategies. New Directions for Teaching and Learning, (42), pp. 83-92.

Pintrich, P. R, Smith, D. A. F., Duncan, T. & Mckeachie, W. J. (1991). A Manual for the Use of the Motivated Strategies for Learning Questionnaire (MSLQ). Recuperado em 19 abril, 2017, a partir de https:/www.researchgate.net/publication/271429287_A_Manual_for_the_Use_of_the_Motivated_Strategies_for_Learning_Questionnaire_MSLQ.

Ranking Universitário Folha RUF. (2015). Recuperado em 20 junho, 2017, a partir de http://m.ruf.folha. uol.com.br/2015/ranking-de-cursos/ciencias-contabeis/.

Silva, D. M., Leal, E. A., Pereira, J. M. & Oliveira Neto, J. D. (2015). Estilos de aprendizagem e desempenho acadêmico na Educação a Distância: uma investigação em cursos de especialização. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17 (57), pp. 1300-1316. doi: http://dx.doi.org/10.7819/rbgn. v17i57.1852

Silva, D. M., Oliveira Neto, J. D. (2010). O impacto dos estilos de aprendizagem no ensino de Contabilidade. Contabilidade Vista e Revista, 21 (4), pp. 123-156.

Snow, R. E., Corno, L., & Jackson, D. III. (1996). Individual differences in affective and conative functions. In: Handbook of educational psychology, edited by D. Berliner & R. Calfee. New York: Macmillan, pp. 243-310.

Stolarski, M., Ledzińska, M., & Matthews, G. (2013). Morning is tomorrow, evening is today: Relationships between chronotype and time perspective. Biological Rhythm Research, 44, pp. 181–196. doi: https://doi.org/10.1080/09291016.2012.656248

Testa, M. G. (2006). A influência das preferências por contato social e da autoregulação dos recursos de aprendizagem do estudante na efetividade dos cursos desenvolvidos na Internet. Tese de doutorado, Universidade Federal do rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Testa, M. G. & Freitas, H. (2005). Auto-Regulação da Aprendizagem: analisando o perfil do estudante de Administração. Encontro Nacional da ANPAD (Enanpad), Brasília. Anais... ANPAD: Brasília, DF, Brasil. 29. Recuperado em 20 de maio, 2018, em: http://gianti.ea.ufrgs.br/files/artigos/2005/2005_163_ENANPAD.pdf.

Watson, S. J. & Milfont, T. L. (2017). A short-term longitudinal examination of the associations between self-control, delay of gratification and temporal considerations. Personality and Individual Differences, 106, pp. 57-60. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.paid.2016.10.023 0191-8869.

Zimmerman, B. J. (1998). Academic studying and the development of personal skill: a selfregulatory perspective. Educ. Psychol, 33, (2/3): p. 73-86.

Zimmerman, B. J. (2000). Attaining self-regulation: A social cognitive perspective. In: Boekaerts,M., Pintrich, P. R., and Zeidner, M. (eds.) Handbook of Self-Regulation, Academic Press,San Diego, CA. pp. 13-39.

Zimmerman, B. J. & Martinez-Pons, M. (1986). Development of a structured interview for assessing student use of self-regulated learning strategies. American educational research journal, 23(4), pp. 614628. doi: https://doi.org/10.3102/00028312023004614

Zimmerman, B. J. & Schunk, D. H. (2001). Self-regulated learning and academic achievement: theoretical perspectives. Routledge. doi: https://doi.org/10.1007/978-1-46123618-4