Vinculação Político-Partidária e Desempenho Financeiro de Estatais no Brasil Outros Idiomas

ID:
50166
Resumo:
O artigo compara, por ciclos políticos, a vinculação político-partidária de altos dirigentes e os indicadores de desempenho financeiros em estatais geradoras de energia do Grupo Eletrobrás, Brasil. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e de natureza quanti-quali. Os dados foram coletados nas bases da SIEST/DEST, TSE e nos Relatórios de Administração e Relatórios Anuais do Perfil das Empresas Estatais Federais. Os resultados sugerem que os desempenhos deficitários dessas estatais não apresentam diferença estatisticamente significativa entre os ciclos 1 e 2, mas, o segundo ciclo apresentou maior média de vinculação político-partidária com diferença estatisticamente significativa, corroborando com análise da Public Choice.
Citação ABNT:
GONÇALVES, A. O.; BARBOSA, E. S.; SANTOS, S. C. D.; LUSTOSA, P. R. B. Vinculação Político-Partidária e Desempenho Financeiro de Estatais no Brasil . Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 11, n. Ed. Especial 1, p. 145-172, 2018.
Citação APA:
Gonçalves, A. O., Barbosa, E. S., Santos, S. C. D., & Lustosa, P. R. B. (2018). Vinculação Político-Partidária e Desempenho Financeiro de Estatais no Brasil . Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 11(Ed. Especial 1), 145-172.
DOI:
10.19177/reen.v11e02018145-172
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50166/vinculacao-politico-partidaria-e-desempenho-financeiro-de-estatais-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (ANEEL). Disponível em: Acesso em: 30 jan. 2017.

ANDREWS, C.; KOUZMIN, A. O discurso da nova administração pública. Lua Nova, n. 45, p. 97-129, 1998.

ASSAF NETO, A. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico-financeiro. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

ASSAF NETO, A. Finanças Corporativas e Valor. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BASSO, L. F. C.; SILVA, M. R. Reflexões Sobre a Regulamentação. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 67-85, 2000.

BEZERRA, F. A.; CORRAR, L. J. Utilização da análise fatorial na identificação dos principais indicadores para avaliação do desempenho financeiro: uma aplicação nas empresas de seguros. Revista de Contabilidade e Finanças – USP, São Paulo, n. 42, p. 50-62, set./dez. 2006.

BORGES, A. Democracia vs. eficiência: a teoria da escolha pública. Lua Nova, n. 53, p. 159179, 2001.

BOYER, R. A Teoria da Regulação: uma análise Crítica. São Paulo: Nobel, 1990.

BRASIL. Constituição da República Federativa de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, nº 191-A, de 05 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BRASIL. Decreto Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a organização da Administração Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BRASIL. Decreto nº 2.335, de 06 de outubro de 1997. Constitui a Agência Nacional de Energia Elétrica -ANEEL, autarquia sob regime especial, aprova sua Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e Funções de Confiança e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.944, de 21 de agosto de 2009. Estabelece medidas organizacionais para o aprimoramento da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, dispõe sobre normas gerais relativas a concursos públicos, organiza sob a forma de sistema as atividades de organização e inovação institucional do Governo Federal, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BRASIL. Decreto nº 8.886, de 24 de outubro de 2016. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança da Comissão Nacional de Energia Nuclear CNEN, remaneja cargos em comissão e substitui cargos em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superiores DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo FCPE. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996. Institui a Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, disciplina o regime das concessões de serviços públicos de energia elétrica e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2017.

BUCHANAN, J. M. The pure theory of government finance: a suggested approach. Journal of Political Economy, v. 57, p. 496-506, 1949.

BUCHANAN, J.M.; TULLOCK, G. The Calculus of Consent. USA: University of Michigan Press, 1965.

CÂMARA, L. M. O cargo público de livre provimento na organização da administração pública federal brasileira: uma introdução ao estudo da organização da direção pública na perspectiva de estudos organizacionais. Revista de Administração Pública, v.43, n.3, p. 635659, 2009.

CAMPOS, H. A. Falhas de mercado e falhas de governo: uma revisão da literatura sobre regulação econômica. Prismas: Dir., Pol. Publ. e Mundial, Brasília, v. 5, n. 2, p. 341-370, jul./dez. 2008.

CANUTO, O. . O Aporte da Regulação Capitalista. In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA ANPEC, 1988, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 1988. p. 0-0.

COMPANHIA DE GERAÇÃO TÉRMICA DE ENERGIA ELÉTRICA. Disponível em: < http://cgtee.gov.br/>. Acessado em: 12 set. 2016.

COSTA, F. L. Brasil: 200 anos de Estado, 200 anos de administração pública, 200 anos de reformas. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 5, p. 829-874, set./out. 2008.

D’ARAÚJO, M. C. A elite dirigente do governo Lula. Rio de Janeiro: FGV/Cpdoc, 2009.

D’ARAÚJO, M. C. Redemocratização e mudança social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014.

DEPARTAMENTO DE COORDENAÇÃO E GOVERNANÇA DAS EMPRESAS ESTATAIS. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

FERREIRA, I. F.S.; BUGARIN, M. S. Transferências voluntárias e ciclo político-orçamentário no federalismo fiscal brasileiro. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 3, p. 271-300, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2016.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; PARANHOS, R.; ROCHA, E. C.; SILVA JR, J. A.; MAIA, R.G. Análise de componentes principais para construção de indicadores sociais. Rev. Bras. Biom, São Paulo, v.31, n.1, p.61-78, 2013.

LEVINE, D. M.; STEPHAN, D. F.; KREHBIEL, T. C.; BERENSON, M. L. Statistics for Managers using MS Excel. 6th Edition. Pearson, 2012.

MASCARENHAS, R.C. Building an enterprise culture in the Public Sector: Reforma of the Public Sector in Austrália, Britain and New Zealand. Public Administration Review, v.53, n.1, p.319-328, jul./agos, 1993.

MATIAS-PEREIRA, J. He effects of the recovery of the patrimonialist model in Brazil. International Journal of Humanities and Social Science, v. 3, n. 8, p. 27-38, 2013.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. 2017. Disponível em: . Acessado em: 12 set. 2016.

PACHECO, R. S. Regulação no Brasil: desenho das agências e formas de controle. Revista de Administração Pública, São Paulo, v.40, n.4, p. 523-543, 2006.

PAES DE PAULA, A. P. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 36-49, jan./mar. 2005.

PEREIRA, P. T. A teoria da escolha pública (public choice): uma abordagem neoliberal? Análise Social, p. 419-442, 1997.

RAMALHO, I. S. Regulação e agências reguladoras: reforma regulatória da década de 1990 e desenho institucional das agências no Brasil. In RAMALHO, I. S. (Org.). Regulação e Agências Reguladoras: governança e análise de impacto regulatório. Brasília: Anvisa., 2009. p. 125159.

RODRIGUES, M. A. V. Democracia vs. eficiência: como alcançar equilíbrio em tempo de crise financeira. Revista de Administração Pública, São Paulo, v.51, n.1, p. 88-104, 2017.

ROMEIRO. A.R.; SILVEIRA, J.M.J. A teoria da regulação e o enfoque setorial: o papel de destaque da agricultura. Estudos Econômicos, São Paulo, v.27, n.3, p. 461-479, 1997.

SCARPIN, J. E.; SLOMSKI, V. Estudo dos Fatores condicionantes do índice de desenvolvimento humano nos municípios do estado do Paraná: instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão governamental. Revista de Administração Pública, São Paulo, v.41, n.5, p. 909-933, 2007.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 348-369, mar./abr. 2009.

SIEGEL, S.; CASTELLAN JUNIOR, N. J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. São Paulo: Artimed, 2006.

SILVA, M. S.; GALDI, F. C.; TEIXEIRA, A. M. C. Estudo sobre o efeito das eleições presidenciais no gerenciamento de resultados de empresas atuantes em setores regulados. Revista Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 45-68, 2010.

SISTEMA DE INFORMAÇÕES ESTATAIS. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

SOUZA, A. M. A relevância dos indicadores educacionais para a educação básica: informação e decisões. In: SOUZA, A. M. (Org.). Dimensões da avaliação educacional. Petrópolis: Vozes, 2005.

SOUZA, M. C. C. Federalismo no Brasil: aspectos político-institucionais (1930-1964). Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 7-40, jun. 2006.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Consulta a filiação partidária. Disponível em: Nhttp://www.tse.jus.br/partidos/filiacao-partidaria/filiacao-partidaria>. Acesso em: 12 set. 2016.

VICENTE, E.; NASCIMENTO, L. A efetividade dos ciclos políticos nos municípios brasileiros: Um enfoque contábil. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6, v. 14, p. 106-126, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2016.