Pesquisa sobre Crianças como Consumidoras: Uma Discussão sobre as Formas de Conhecer e a Realidade da Pesquisa no Brasil Outros Idiomas

ID:
50292
Resumo:
O interesse no comportamento das crianças no mundo do consumo tem pouco mais de 60 anos. A discussão sobre o processo de inserção e atuação da criança como consumidora ao mesmo tempo em que traz o aspecto da vulnerabilidade infantil e da moralidade das ações de marketing, é visto o crescimento da publicidade e da lucratividade do mercado kids. Embora exista a relevância e o interesse do mercado e da academia, ainda não há um conjunto significativo de conhecimento e de teorias desenvolvidas sobre consumo infantil. Sendo assim, este ensaio se propõe a discutir as formas de conhecer, ou seja, comenta sobre as epistemologias empregadas nos estudos sobre comportamento de compra infantil, e discute o status e a realidade das pesquisas brasileiras.
Citação ABNT:
PEIXOTO, A. F.Pesquisa sobre Crianças como Consumidoras: Uma Discussão sobre as Formas de Conhecer e a Realidade da Pesquisa no Brasil . Teoria e Prática em Administração, v. 8, n. 1, p. 1-16, 2018.
Citação APA:
Peixoto, A. F.(2018). Pesquisa sobre Crianças como Consumidoras: Uma Discussão sobre as Formas de Conhecer e a Realidade da Pesquisa no Brasil . Teoria e Prática em Administração, 8(1), 1-16.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/2238-104X2018v8i1-36245
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50292/pesquisa-sobre-criancas-como-consumidoras--uma-discussao-sobre-as-formas-de-conhecer-e-a-realidade-da-pesquisa-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bednar, D. E., & Fisher, T. D. (2003). Peer referencing in adolescents decision making as a function of perceived parenting style. Adolescence, 38(152).

Belk, R. (1988). Possessions and extended self. Journal of Consumer Research, 15 (2), 139168.

Bertero, C. O.; Caldas, M. P.; Wood Jr,.T. (1999). Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, 3(1), p.147-178.

Burrell, G.; Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis. London: Heinemann.

Carlson, L., & Grossbart, S. (1988). Parental style and consumer socialization of children. Journal of Consumer Research, 15, pp. 77-94.

Carlson, L., Grossbart, S., & Stuenkel, J. K. (1992). The role of patental socialization types on differential family communication patterns regarding consumption. Journal of Consumer Psychology, 1(1), pp. 31-52.

Caruana, A., & Vassallo, R. (2003). Children’s perception of their influence over purchases: the role of parental communication patterns. Journal of Consumer Marketing, 20(1), pp. 55-66.

Cook, D. T. (2007). "The disempowering empowerment of children's consumer “choice”: Cultural discourses of the child consumer in North America". Society and Business Review, 2(1), 37-52.

Cook, D. T. (2009). Knowing the child consumer: historical and conceptual insights on qualitative children's consumer research. Young Consumers, 10(4), 269-282. Da

Estrela, R. C., Pereira, F. C., & Ventura, J. B. (2014). Children’s socialization in consumption: the role of marketing. Journal of Business, 9(3), pp. 222-251.

Garcia, F., & Gracia, E. (2009). Is always authoritative the optimum parenting style? Evidence from spanish families. Adolescence, 44(173).

Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. (2016). Anunciantes do setor Brinquedos e Acessórios veicularam mais de 7 mil comerciais no mês que antecedeu o Dia das Crianças. Recuperado em: https://www.kantaribopemedia.com/anunciantes-dosetor-brinquedos-e-acessorios-veicularam-mais-de-7-mil-comerciais-no-mes-queantecedeu-o-dia-das-criancas-2/.

John, D. (1999). Consumer socialization of children: a retrospective look at twenty‐five years of research. Journal of Consumer Research, 26(3), 183-213.

Kiefner-Burmeister, A., Debra Hoffmann, S. Z., & Musher-Eizenman, D. (2016). Implementation of parental feeding practices: does parenting style matter? Public Health Nutrition, 19(13), pp. 2410-2414.

Lee, D. J., & Sirgy, M. J. (2004). Quality of life (QOL) marketing: proposed antecedents and consequences. Journal of Macromarketing, 24(1), 44-58.

Macinnis, D. J., & Folkes, V. S. (2010) The disciplinary status of consumer behavior: a sociology of science perspective on key controversies. Journal of Consumer Research, 36(6), 899-914.

Marshall, D. (2010). Understanding children as consumers. United States: SAGE.

Mccracken, G. (2007). Cultura e consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas RAE-CLÁSSICOS, 47(1), 99-115.

Mikeska, J., Harrison, R., & Carlson, L. (2017). A meta-analysis of parental style and consumer socialization of children. Journal of Consumer Psychology, 27(2), 245–256.

Moschis, G., & Churchill, G. (1978). Consumer socialization: a theoretical and empirical analysis’’. Journal of Marketing Research, 15(4), 599-609.

Nairn, A., & Spotswood, F. (2015). Obviously in the cool group they wear designer things”: A social practice theory perspective on children’s consumption. European Journal of Marketing, 49(9/10), pp. 1460-1483.

Ozgür, H. (2016). The relationship between Internet parenting styles and Internet usage of children and adolescents. Computers in Human Behavior, 60, pp. 411-424.

Panoeiro, O., & Mattoso, C. L. Q. (2013, setembro). O consumidor infantil de baixa renda, sua motivação para o consumo e sua relação com as marcas. Anais do XXXVII Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ.

Power, E. (2005). The unfreedom of being other: Canadian lone mothers’ experiences of poverty and life on the cheque. Sociology, 39(4), 643-60.

Rose, G. M., Dalakas, V., & Kropp, F. (2003). Consumer socialization and parental style across cultures: findings from Australia, Greece, and India. Journal of Consumer Psychology, 13(4), pp. 366-376.

Schor, J. (2009). Nascidos para comprar: uma leitura essencial para orientarmos nossas crianças na era do consumismo. São Paulo: Editora Gente.

Serva, M. (2013) O surgimento e o desenvolvimento da epistemologia da administraçãoinferências sobre a contribuição ao aperfeiçoamento da teoria administrativa. Revista Gestão Organizacional, 6(3).

Silveira, R. Z. (2013) Mãe!? O mundo vai acabar...? Reflexões sobre desdobramentos e implicações dos paradigmas sociológicos de Burrell e Morgan para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE. BR, 11(4), p.652-670.

Sousa, C., & Orgando, T. (2017) Marketing infantil: estado da arte das publicações entre 2005 e 2016. Caderno Profissional de Marketing, 5(1), 1-14.

Tingstad, V. (2007). “Now it's up to you!” Children consuming commercial television Vebjørg. Society and Business Review, 2(1), pp. 15-36.

Tufte, B. (2004). Children, media and consumption. Young Consumers, 5(1).

Tuukkanen, T., & Wilska, T.-A. (2015). Online environments in children’s everyday lives: children’s, parents’ and teachers’ points of view. Young Consumers, 16(1), pp. 3-16.

Wisenblit, J. Z., Priluck, R., & Pirog, S. F. (2013). The influence of parental styles on children's consumption. Journal of Consumer Marketing, 30(4), pp. 320-327.