Aprendizagem em Ação no Curso de Administração: Intervenção em Organização Cultural na Cidade de Caruaru-PE Outros Idiomas

ID:
50295
Resumo:
O presente artigo tem como objetivo apresentar intervenção realizada por estudantes de graduação em uma organização cultural do Agreste de Pernambuco como recurso de aprendizagem em ação para o curso de Administração. Foi realizada entrevista e observação exploratória para identificação das necessidades da organização escolhida, elaboração de projeto de intervenção, aceite do líder da organização, realização da intervenção – composta por 3 fases principais, nomeadamente, organização de cordéis em categorias, construção de ambiente virtual para exposição de cordéis e rearranjo de layout – e apresentação dos resultados para a comunidade organizacional e para a comunidade acadêmica. Conclui-se que por meio dessa intervenção, foi possível desenvolver conhecimento relevante para todos os envolvidos – agentes culturais, estudantes e docente – num processo de construção de significados por meio da experiência vivenciada dentro de uma organização cultural, ambiente que tem recebido pouca atenção dos estudos em Administração.
Citação ABNT:
SANTOS, E. C. D.; SILVA, J. K. F.; CAMPOS, P. O.; CORDEIRO, G. M. D. S. Aprendizagem em Ação no Curso de Administração: Intervenção em Organização Cultural na Cidade de Caruaru-PE. Teoria e Prática em Administração, v. 8, n. 1, p. 75-105, 2018.
Citação APA:
Santos, E. C. D., Silva, J. K. F., Campos, P. O., & Cordeiro, G. M. D. S. (2018). Aprendizagem em Ação no Curso de Administração: Intervenção em Organização Cultural na Cidade de Caruaru-PE. Teoria e Prática em Administração, 8(1), 75-105.
DOI:
https://doi.org/10.21714/2018_v8i137355
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/50295/aprendizagem-em-acao-no-curso-de-administracao--intervencao-em-organizacao-cultural-na-cidade-de-caruaru-pe/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Antonello, C. S. & Godoy, A. S. (2011). Aprendizagem Organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman.

Borges, A. F.; Enoque, A. G.; Katrib, C. M. I & Gonçalves, L. R. D. (2016). Práticas Organizativas: Um Estudo sobre o Congado na Região do Triângulo Mineiro. RIGS – Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 5(1), 129-151.

Calabre, L. (2009). Políticas culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Czarniawska, B. (2008). Organizing: how to study it and how to write about it. Qualitative Research in Organizations and Management: An International Journal, 3(1), 4-20.

Czarniawska, B. (2013). Organizations as obstacles to organizing. In Robichaud, D. & Cooren, F. (Eds.) Organizations and organizing: Materiality, agency, and discourse. New York: Routledge.

D’amelio, M. (2011). Gerentes de diferentes formações e suas trajetórias de aprendizagem. In: Antonello, C. S. &Godoy, A. S. Aprendizagem Organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman.

Davel, E. P. B. & Oliveira, C. A. (2018). A reflexividade intensiva na aprendizagem organizacional: uma autoetnografia de práticas em uma organização educacional. Organizações & Sociedade, 25(85), 211-228.

Dias, A.F & Dellagnelo, E.H.L. (2010). Práticas Organizativas de Grupos de Cultura Popular: das burocracias aos modelos alternativos de gestão. In Vieira, M. M. F.; Silva, R.C. & Rodrigues, M.S. Cultura, mercado e desenvolvimento. Porto Alegre: Dacasa Editora.

Duarte, M. F. & Alcadipani, R. (2016). Contribuições do organizar para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 23(76), 57-72.

Durand, J. C. (2001). Cultura como objeto de política pública. São Paulo em Perspectiva, 15(2), 66-72.

Figueiredo, M. D. (2013). A transmissão do saber-fazer como intencionalidade incorporada: etnografia em uma fábrica de doces em Pelotas, RS. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Figueiredo, M. D. (2016). Uma Agenda de Pesquisa para o Estudo das Práticas Culturais Tradicionais nos Estudos Organizacionais. RIGS – Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 5(2), 33-49.

Herllein, R. & Tatsch, A. L. (2016). Características e Desenvolvimento dos Arranjos Produtivos Locais de Economia Criativa Apoiados pelo MinC. In Valiati, L. & Moller, G. (Orgs.). (2016). Economia Criativa, Cultura e Políticas Públicas. Porto Alegre: Editora da UFRGS/CEGOV.

Himanen, P. (2005). The culture of Creativity. In Creative Capital Conference, Amsterdam.

Holanda, L. A. (2011). Resistência e apropriação de práticas do management no organizar de coletivos da cultura popular. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Hudson, M. (1999). Administrando organizações do terceiro setor: o desafio de administrar sem receita. São Paulo: Makron Books.

Knowles, M.S.; Holton, E. & Swanson, R.A. (2011). The Adult Learner: the definitive classic in adult education and human resource management. (7. ed). Burlington: ButterworthHeinemann/Elsevier.

Lira, R. O. S. (2011). Processos organizativos dos coletivos de cultura: a experiência do Programa Cultura Viva em Pernambuco. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Long, H. B. Understanding Adult Learners. (2004). In M.W. Galbraith (Ed.). Adult Learning Methods: a guide for effective instruction. 3rd Edition. Florida: Krieger Publishing Company.

Machado, J. (2003). Políticas Culturais ou Por uma Política Cultural? (Prefácio). In L. Brant. Políticas Culturais. I. São Paulo: Manole.

Mattos, P. L. C. L. & Bezerra, D. M. (1999). Cursos de Graduação em Administração: Questões Básicas para a Estruturação de Currículos. Revista Brasileira de Administração Pública e de Empresas, 5(2).

Mattos, P. L. C. L. (2008). Pensando no Caminho da Interiorização. REGES: Revista Eletrônica de Gestão, 1, 142-146.

McGill, I. & Brockbank, A. (2004). The Action Learning Handbook. New York: Routledge.

Merriam, S. B. & Bierema, L. L. (2014). Adult Learning: Linking Theory and Practice. San Francisco: Jossey-Bass.

Mintzberg, H. (2006). MBA: não obrigado: uma visão crítica sobre a gestão e o desenvolvimento de gerentes. Porto Alegre: Bookman.

Moon, J. A. (2004). A Handbook of reflective and experiential learning: Theory and Practice. New York: Routledge Falmer.

Nogueira, R. S. & Odelius, C. C. (2015). Desafios da Pesquisa em Aprendizagem Organizacional. Cadernos EBAPE.BR, 13(1), 83-102.

Oliveira, A. S. S. & Takahashi, A. (2015). Processo de Aprendizagem Organizacional em eventos raros: uma análise sob a perspectiva integradora. BASERevista de Administração e Contabilidade de Unisinos, 12(4), 270-284.

Oliveira, J. S.; Ramos, T. G; Bernardo, G. & Rezende, L. (2016). Práticas Organizativas e Memórias: Um Estudo sobre uma organização artesanal na cidade de Goiás. Teoria e Prática em Administração, 6(1), 16-40.

Raelin, J. A. (2009). Action Learning and Related Modalities. In: ARMSTRONG, S. J.; FUKAMI, C. V. The SAGE Handbook of Management Learning, Education and Development. London: Sage.

Ramos, A. G. (1989). A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas.

Rosário, N. M. (2014). Desenvolvimento e Políticas Culturais: Dimensões Simbólica, Cidadã e Econômica da Cultura na Organização de Dados Culturais Locais. Anais do V Seminário Internacional de Políticas Culturais. Rio de Janeiro.

Santos, E. C. & Helal, D. H. (2017). Práticas de trabalho da cultura popular no agreste de Pernambuco: entre o moderno e o tradicional. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 16(2), 127-150.

Santos, E. C. (2013). O produtor da cultura popular de Pernambuco frente às transformações das políticas culturais em 2003: uma abordagem relacional e disposicional. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

Santos, E. C. (2016a). Práticas e Relações de Trabalho na Cultura Popular no Agreste Pernambucano: Entre o Moderno e o Tradicional (Tese de doutorado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Santos, E. C. (2016b). Maracatu, Trabalho e Organizing. Anais do XL Encontro da ANPAD, Costa do Sauípe, BA.

Santos, L. L. S.& Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: A contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98.

Schatzki, T. (2006). On organizations as they happen. Organization Studies, 27(12), 18631873.

Seibert, K.W. & Daudelin, M. W. (1999). The Role of reflection in managerial learning: theory, research and practice. London: Quorum.

Silva, A. B.; Lima, T. B.; Sonaglio, A. L B. & Godoi, C. K. (2012). Dimensões de um sistema de aprendizagem em ação para o ensino de administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 13(1), 9-41.

Silva, F. A. B. (2017). Os Dispêndios Culturais no Federalismo Brasileiro. In L. Valiati, & A. L. N. Fialho (Org.) Atlas econômico da cultura brasileira: Metodologia II. Porto Alegre: Editora da UFRGS/CEGOV.

Silva, R.C., Vieira, M.M.F., Dellagnelo, E.L. & Carvalho, C.A. (2010). Para além da empresa: por outras possibilidades de teorizar sobre organizações. In M. M. F. Vieira, R. C. Silva, & M. S. Rodrigues. Cultura, mercado e desenvolvimento. Porto Alegre: DaCasa Editora.